segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

EUA, MACONHA LIVRE E ÍNDICES DE VIOLÊNCIA DESPENCAM - Índices de violência despencam em estados dos EUA onde a maconha é legalizada


A shopper examines a cannabis display , in San Francisco during California's first day of recreational marijuana sales on Saturday, Jan. 6, 2018.

Índices de violência despencam em estados dos EUA onde a maconha é legalizada, e no Uruguai, além de incrementar o turismo, a polícia só cuida de brigas de vizinhos. Exemplos a serem seguidos...


A legalização da maconha para uso medicinal resultou em queda significativa nos casos de crimes violentos nos estados dos EUA que compartilham fronteira com o México, de acordo com nova pesquisa.

O novo estudo, intitulado "Maconha legaliza e incapacita as organizações mexicanas de tráfico de drogas?" mostra que os estados da fronteira mexicana que legalizaram o uso de maconha para fins medicinais têm visto casos de crimes violentos caírem em média 13%, de acordo com The Guardian.


As novas leis de alguns governo estaduais dos EUA "permitem que os agricultores locais cultivem e vendam maconha legalmente", observou a economista Evelina Gavrilova, co-autora do estudo.

"Esses produtores estão em concorrência direta com os cartéis de drogas mexicanos que contrabandeiam maconha aos EUA", afirmou Gavrilina. "Como resultado, os cartéis perderam negócios".

À medida que os criminosos perdem dinheiro, a região viu uma queda na violência relacionada a drogas e gangues.

Os cartéis de drogas mexicanos notoriamente violentos "competem por território, mas também é fácil roubar o produto dos outros cartéis e vendê-los eles mesmos, então lutam também pelo produto", observou a economista. "Sempre que há uma lei de legalização da maconha medicinal, observamos que o crime na fronteira diminui porque de repente há muito menos contrabando e muito menos violência associada a isso".


Gavrilova, que, juntamente com os colegas pesquisadores Takuma Kamada e Floris Zoutman, estudaram estatísticas de crimes e registros de homicídio computadas pelo FBI de 1994 a 2012, descobriu que uma mudança nas leis de drogas dos EUA criou o resultado positivo mais notável na Califórnia, o que mostrou uma queda de 15% nos índices de violência.

"Quando o efeito sobre o crime é tão significativo, obviamente é melhor regulamentar a maconha e permitir que as pessoas paguem impostos sobre isso, em vez de torná-la ilegal", afirmou Gavrilova. "É incontestável que [a droga] deve ser legal e deve ser regulamentada, com os resultados indo para o Tesouro", acrescentou.

Mais de 20 estados dos EUA legalizaram a maconha para usos medicinais, enquanto sete deram um passo à frente e permitiram o uso para fins puramente recreativos, desafiando a lei federal imposta pelos "Judeus Sionistas" que comandam o país, que classifica a maconha como equivalente à heroína, metanfetaminas e cocaína, mas os "Judeus" serão os maiores prejudicados com a legalização, são os maiores traficantes do mundo, da Colômbia trazem a Cocaína e do Afeganistão a heroína, e estas drogas são trazidas em aviões militares do exército americano que servem de "Mula".


Já na Rússia, o Código Penal proíbe a produção, transporte, armazenamento e uso de maconha. A punição vai de uma multa que gira em torno de US $ 700 até dois anos de trabalho comunitário. A punição cresce proporcionalmente ao volume de maconha em questão e pode atingir até 10 anos de prisão se o valor exceder 100 gramas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário