quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

EUA JUDAICO SIONISTA INTERFEREM NOS ASSUNTOS INTERNOS DA RÚSSIA - falharam ao apostar em 'seu candidato' a presidente russo, diz Putin


O presidente russo, Vladimir Putin, durante encontro com mídia russa em 11 de janeiro de 2018

EUA falharam ao apostar em 'seu candidato' a presidente russo, diz Putin


O presidente russo comentou o significado internacional das eleições presidenciais que decorrerão na Rússia em 18 de março de 2018. Ele criticou a postura dos EUA e de "outros países do Ocidente" ao apoiar a candidatura de Aleksei Navalny, jovem político que recentemente não conseguiu fazer o cadastro como candidato.

Intervenção nos assuntos internos é a acusação comum que Washington costuma usar contra a Rússia. Nomeadamente, os EUA já acusaram a Rússia de intervir nas eleições presidenciais de 2016.

"Nós não temos a intenção de intervir nos assuntos dos EUA, mas os norte-americanos se metem em todos os lugares e devem estar preparados para uma reação", frisou Vladimir Putin.

Outro aspecto é a suposta influência midiática que a Rússia estaria (segundo certas vozes em Washington) realizando nos EUA. A discussão árdua levou os Estados Unidos a adotarem uma lei que declara a mídia russa como "agentes estrangeiros".


"Aquilo que está acontecendo com a nossa mídia, que foi imediatamente declarada como agentes estrangeiros e que viu a sua atuação restringida de uma maneira agressiva e hostil, testemunha a atitude deles para com o fato de alguém ter alguma influência sobre a sua situação política interna, especialmente no período pré-eleitoral. No entanto, o fato de eles próprios o fazerem constantemente, pelo menos o tentarem, eles o veem como norma, o que eu acho uma postura categoricamente errada", disse Putin.A informação sobre a suposta intervenção nas eleições estadunidenses de 2016 é "falsa", ressalta Putin.

Nesta quinta-feira, o presidente realizou um encontro com representantes da mídia russa. Ele abordou um leque de assuntos, inclusive a situação na península da Coreia e o recente ataque à base militar russa de Hmeymim, na Síria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário