sábado, 1 de julho de 2017

Emir do Qatar promete ampliar relações com o Irã, apesar da crise diplomática

Bandeira nacional do Irã

Emir do Qatar promete ampliar relações com o Irã, apesar da crise diplomática

© REUTERS/ Morteza Nikoubazl
Oriente Médio e África
URL curta
Ruptura de relações diplomáticas com Qatar (48)
111551181

O Emir do Qatar, Tamim bin Hamad Al Thani, realizou uma conversa telefônica na noite deste domingo com o presidente iraniano, Hassan Rouhani, e expressou seu compromisso de desenvolver as relações bilaterais em todos os campos, apesar da crise diplomática no Golfo Pérsico.


Qatar e vizinhos: são tantas condições
© Sputnik/ Vitaly Podvitsky
De acordo com a emissora de Al Mayadeen, o Emir do Qatar afirmou que Doha "está buscando um desenvolvimento complexo de relações e da cooperação com o Irã para resolver os problemas do mundo islâmico, que está atualmente em uma situação difícil".
Os comentários do Emir vêm dois dias depois que o Kuwait, um mediador da disputa diplomática entre o Qatar e os Estados árabes do Golfo, entregou a Doha uma lista de demandas para restaurar os laços com os vizinhos. Em particular, os Estados do Golfo exigem do Qatar reduza os laços com o Irã, interrompa a cooperação militar com a Turquia e feche a emissora estatal da Al-Jazeera.
Rouhani, por sua vez, expressou a esperança de que a crise regional fosse resolvida por meios diplomáticos.
"O espaço aéreo, terrestre e marítimo estará sempre aberto ao país e ao vizinho fraterno Qatar", afirmou Rouhani durante a conversa.
Em 5 de junho, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein e o Egito romperam as relações diplomáticas com Doha e impediram todas as comunicações com o Qatar, acusando o país de apoiar o terrorismo e de interferir nos seus assuntos internos. Mais tarde, as Maldivas, as Maurícias e a Mauritânia também anunciaram o rompimento das relações diplomáticas. Jordânia e Djibouti reduziram o nível de suas missões diplomáticas no Qatar. Senegal, Níger e Chade anunciaram a retirada dos seus embaixadores do país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário