sábado, 1 de julho de 2017

A FALTA DE EMPREGOS NOS EUA GERA VIOLÊNCIA EM HOSPITAL - MÉDICO DEMITIDO SE VINGA EM COLEGAS

A FALTA DE EMPREGOS NOS EUA GERA VIOLÊNCIA EM HOSPITAL - MÉDICO DEMITIDO SE VINGA EM COLEGASUm homem armado que abriu fogo em um hospital de Nova York nesta sexta-feira ferindo várias pessoas está morto, disse a polícia, ao mesmo tempo em que a mídia local relator que ao menos três médicos estão entre os feridos.

Médico demitido mata colega médico e fere seis pessoas em hospital de NY 

© Foto: Reuters 

Um homem armado que abriu fogo em um hospital de Nova York nesta sexta-feira ferindo várias pessoas está morto, disse a polícia, ao mesmo tempo em que a mídia local relator que ao menos três médicos estão entre os feridos.

Por Laila Kearney e Melissa Fares

Um médico que perdeu seu emprego em um hospital de Nova York abriu fogo com um rifle de assalto dentro do local nesta sexta-feira, matando um outro médico e ferindo outras seis pessoas antes de suicidar-se em um aparente caso de violência relacionado com o trabalho, disseram autoridades.

O atirador, usando um jaleco médico branco, andou em dois andares do Hospital Libanês do Bronx e aparentemente tentou atear fogo a si mesmo. A polícia o encontrou morto com um tiro que ele mesmo disparou quando faziam buscas no prédio.
Um médico foi morto a tiros e seis outras pessoas ficaram feridas, incluindo uma que foi baleada na perna, disse o comissário de polícia James O'Neill em entrevista coletiva.

"Um médico está morto e existem vários outros que estão lutando por suas vidas neste momento", disse o prefeito Bill de Blasio a jornalistas.

O'Neill disse que o atirador estava armado com um "rifle de assalto".

O prefeito classificou o tiroteio de um "incidente isolado" que parece "ter relação com o trabalho", afirmando que o atirador era um ex-funcionário do hospital. Ele disse que os investigadores descartaram terrorismo.

Nem o prefeito nem a polícia identificou o atirador ou qualquer de suas vítimas.

Vídeo: Medidas antimigratórias de Trump entram em vigor (Via AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário