sábado, 17 de junho de 2017

Snowden faz graça das ameaças do vice-presidente dos EUA contra a Rússia

Edward Snowden em videoconferência de Moscou

Snowden faz graça das ameaças do vice-presidente dos EUA contra a Rússia

© AP Photo/ Marco Garcia
Mundo
URL curta
348492513

O ex-agente dos serviços de inteligência norte-americanos Edward Snowden, que se asilou em Moscou após revelar ao mundo os programas de vigilância global de Washington, debochou das ameaças feitas pelo vice-presidente dos EUA, Joe Biden, de “contra-atacar” os supostos ataques de hackers da Rússia.


Falando ao apresentador do programa "Meet the Press", da NBC, no início desta semana, Biden disse que "no momento de nossa escolha, e sob as circunstâncias que terão o maior impacto", Washington iria se vingar de Moscou por sua suposta interferência nas eleições norte-americanas.
Tais revelações sobre um tipo de operação que é convencionalmente mantido em segredo levaram o ex-contratante da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA a sugerir que o vice-presidente simplesmente não sabe como essas coisas funcionam.
"Tenho a sensação de que ninguém disse ao vice-presidente Joe Biden o que significa ‘operação secreta’”, disse Snowden em sua página no Twitter.
Esta semana, a NBC News disse que a CIA estaria planejando um ataque cibernético "clandestino" na Rússia, para "envergonhar" a liderança do país devido a suas alegadas tentativas de influenciar as eleições dos EUA contra a candidata democrata Hillary Clinton.
Tais avisos sobre uma "operação de grande alcance" em referência a declarações de autoridades norte-americanas também foram ridicularizados pelo WikiLeaks, que disse que "se a guerra cibernética 'clandestina' dos EUA contra a Rússia fosse séria, 1 — ela não teria sido anunciada; e 2 — seria a NSA e não a CIA":
​Apesar do “absurdo” de tais ameaças, a Rússia irá tomar "medidas de precaução", segundo afirmou o porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov, acrescentando que o mais preocupante é que tais ameaças "sem precedentes" estejam “sendo anunciadas no nível do vice-presidente dos Estados Unidos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário