quinta-feira, 29 de junho de 2017

Presidente do Iraque pede investigação internacional sobre armas químicas do Daesh

Um homem chora carregando a sua filha fugindo em direção das forças especiais iraquianas na parte de Mossul controlada pelo Daesh (proibido na Rússia), 4 de março de 2017

Presidente do Iraque pede investigação internacional sobre armas químicas do Daesh

© REUTERS/ Goran Tomasevic
Oriente Médio e África
URL curta
231641

O presidente iraquiano Fuad Masum pediu nesta quarta-feira (15) uma investigação conjunta das Nações Unidas e da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) sobre relatos de uso de armas químicas em Mossul pelo grupo terrorista Daesh (autodenominado Estado Islâmico).


No dia 3 de março, surgiram relatos na mídia de que armas químicas haviam sido usadas durante um combate entre militantes do Daesh e tropas iraquianas no leste de Mossul. A atual operação de reconquista da cidade, a principal fortaleza remanescente do grupo jihadista no Iraque, começou em outubro de 2016 e resultou na liberação da parte oriental de Mossul em janeiro, mas a luta continua nas áreas ocidentais da cidade.
Na semana passada, o Ministério da Defesa russo apontou a falta de uma resposta adequada da OPAQ aos recentes relatos de uso de armas químicas pelo Daesh no Iraque. O porta-voz do Ministério da Defesa russo, general Igor Konashenkov, disse que a OPAQ não tentou enviar seus especialistas para investigar os ataques com armas químicas e não emitiu nenhuma declaração oficial condenando o seu uso.
O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e a Organização Mundial de Saúde (OMS) disseram neste mês que 12 pacientes foram encaminhados para hospitais com sintomas compatíveis com a exposição a um agente químico tóxico na região.

Nenhum comentário:

Postar um comentário