quinta-feira, 8 de junho de 2017

Política de doação de remédios de Doria causa prejuízo de R$ 31 milhões a SP, diz rádio



João Doria Júnior toma posse como prefeito da cidade de São Paulo

Política de doação de remédios de Doria causa prejuízo de R$ 31 milhões a SP, diz rádio

André Bueno/ CMSP
Brasil
URL curta
46253411

Vendida como sinal de qualidade da gestão, a doação de bens de consumo à Prefeitura de São Paulo vem sendo um dos alicerces do governo de João Doria (PSDB). Entretanto, a cessão de remédios “sem custos” causou um prejuízo de R$ 31 milhões aos cofres públicos, segundo reportagem da rádio CBN desta quarta-feira.

Empresas parceiras da prefeitura paulistana – algumas com ligação com o LIDE, grupo empresarial fundado e dirigido pelas empresas de Doria – teriam doado medicamentos com a validade próxima do fim. Se fossem adquiridos, custariam cerca de R$ 35 milhões ao governo municipal, segundo a CBN.
Apesar de Doria afirmar que as doações acontecem “sem custos”, as empresas doadoras dos remédios receberam quase R$ 66 milhões em isenção de ICMS, e ainda se livraram dos custos envolvidos com o descarte dos produtos próximos do vencimento – os quais agora se acumulam nos postos de saúde da cidade.
Medicamentos vencidos já não possuem a garantia de eficácia dos laboratórios e, em alguns casos, podem representar riscos à saúde.
Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde informou que a maioria dos remédios descartados não é distribuída pela rede pública, mas sim entregue para a população em Unidade de Saúde Básica (UBSs). Embora o edital de doação não faça a exigência, a pasta diz que o prazo de validade dos medicamentos doados deve ser superior a seis meses.

Nenhum comentário:

Postar um comentário