domingo, 11 de junho de 2017

Pentágono: OTAN seria incapaz de deter um ataque da Rússia no Báltico

Ensaio para a parada do dia da Marinha da Rússia em Baltiysk. A Frota do Báltico.

Pentágono: OTAN seria incapaz de deter um ataque da Rússia no Báltico

© Sputnik/ Igor Zarembo
Mundo
URL curta
27849368

O vice-assessor do chefe do Pentágono Michael Carpenter declarou nesta quinta-feira (9), em reunião do comitê do Senado dos EUA para relações exteriores, que a Rússia continua mantendo sua superioridade militar na região do Báltico.


De acordo com um relatório do centro de pesquisas estratégicas RAND, publicado em fevereiro deste ano, a Rússia precisaria de “não mais do que 60 minutos para alcançar as capitais da Letônia e da Estônia em caso de uma intervenção militar”.
O relatório destaca que para alterar as perspectivas desse cenário seria necessário posicionar sete divisões de Exército nesses países, incluindo três divisões de tanques, além de garantir um devido apoio aéreo e de artilharia.
“Não creio que nós tenhamos feito progressos significativos em relação ao momento de publicação deste relatório, mas vamos avançar até o final de 2017” – declarou Carpenter, destacando que até lá a OTAN planeja aumentar bastante as suas defesas junto ao Báltico.
O porta-voz do Pentágono chamou a atenção para a posição favorável da Rússia em relação à OTAN na região, o que segundo ele garante a Moscou uma série de vantagens do ponto de vista de tempo e distâncias.
Apesar disso, o ministro russo das Relações Exteriores Sergei Lavrov já declarou diversas vezes que a Rússia jamais atacará qualquer país da OTAN.

“Acredito que a OTAN sabe perfeitamente disso, mas utiliza isso como pretexto para posicionar mais equipamentos e divisões, como uma garantia de que os EUA manterão a sua supervisão em todo o planeta” – disse o chanceler russo.
A OTAN planeja posicionar uma divisão militar internacional em cada um dos três países da região do Báltico, e um quarta divisão na Polônia. A decisão final sobre o contingente desses exércitos será definido na reunião de cúpula da aliança, nos dias 8 e 9 de julho, em Varsóvia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário