sexta-feira, 16 de junho de 2017

'Daesh é fruto do projeto Ninho de Vespas gerenciado por EUA, Israel e Arábia Saudita'

Foto tirada em 26 de janeiro de 2015: soldados do governo iraquiano comemoram retomada do controle sobre a província de Diyala, enquanto um deles exibe uma bandeira apreendida do Daesh

'Daesh é fruto do projeto Ninho de Vespas gerenciado por EUA, Israel e Arábia Saudita'

© AFP 2017/ YOUNIS AL-BAYATI
Oriente Médio e África
URL curta
271760153

O agrupamento terrorista Daesh, proibido na Rússia e em vários outros países, é apoiado e gerenciado por Washington, Telaviv e Riad, afirmou aos jornalistas o representante oficial das Forças Armadas do Irã, brigadeiro-general do Exército de Guardiães da Revolução Islâmica, Masoud Jazayeri.

Segundo o militar iraniano, os ataques, como os de 7 de junho em Teerã, são preparados e realizados com gestão, apoio e monitoramento destes tres países.
"Hoje em dia, o efeito devastador do terrorismo que Israel, Arábia Saudita e os EUA apoiam, bem como alguns outros países reacionários da região, pode ser visto no Iraque, na Síria, no Afeganistão, no Iêmen e em alguns países europeus", adiantou.

Os especialistas iranianos, entrevistados pela Sputnik Persa, afirmaram que não há nada de inédito nas palavras de Jazayeri e fizeram lembrar que são precisamente ISRAEL quem incentiva a exportação de novos recrutados — estudantes americanos — às fileiras do Daesh, o que foi particularmente confirmado pela recente pesquisa denunciatória, publicada vários dias antes do atentado em Teerã pelo Centro de Pesquisa do golfo Pérsico em Washington. Neste relatório, afirma-se que mais de 400 estudantes americanos dos EUA se dirigiram diretamente às regiões onde o Daesh combate.
O fato de os serviços secretos americanos e israelenses "fecharem os olhos" a tais casos e amamentarem o Daesh com novos recrutados encaixa no projeto batizado como Ninho de Vespas. Esta ideia foi expressa pelo especialista iraniano em assuntos americanos, o cientista político Ali Reza Rezakhah.
"Aquilo que Jazayeri falou não é sensação nenhuma. Há uma ligação direta entre a Arábia Saudita e agrupamentos terroristas que atuam na região. É um fato que não pode ser rechaçado", realçou. "Por outro lado, os EUA e a Arábia Saudita são a mão com a qual Israel concretiza seus planos ambiciosos, por exemplo, para criar e alimentar os terroristas em vários cantos do mundo", adiantou.
O analista acrescentou que dirigir os agrupamentos terroristas como fantoches é uma parte da estratégia de "segurança nacional", levada a cabo por Israel há muito tempo.

"Tal gestão do Daesh por parte de Israel é efetuada no âmbito da política assim chamada de controle dos territórios do jihadismo. Ou seja, a estratégia da operação Ninho de Vespas", afirmou.
Para os isrelenses, tal jogo é importante já que, por um lado, deste modo Israel consegue causar o confronto entre países muçulmanos no Oriente Médio, criando um caos, afirma Rezakhah. E por outro — Israel se livra de uma ameaça adicional, representada por estes recrutados contra os próprios Judeus.
"É por isso que eles tentam fazer com que os [recrutados] saiam do país diretamente para os ‘pontos quentes'. […] Isto é, de fato, o controle e gestão do terrorismo por parte de Israel", resumiu.
Outro especialista iraniano em assuntos internacionais do Centro de Pesquisa da Universidade de Teerã, Mojtaba Jalalzadeh, assinalou que o Daesh, "gerenciado por Israel com a ajuda do dinheiro do petróleo saudita", representa uma ameaça não apenas ao Irã e à região do Oriente Médio, mas é um temor maligno para toda a Europa.
"Hoje em dia, a política, conduzida pelo presidente americano Donald Trump, carece de lógica, tem erros e visa apoiar os mercenários terroristas. Particularmente, os serviços secretos israelenses têm toda a consciência de que ‘o Padrinho' de todos os terroristas é o clã governante da Arábia Saudita e Israel, contudo ignoram tudo isso, inclusive os ataques terroristas em Paris, Londres e outros lugares europeus. Entretanto, os EUA apoiam o Exército de Guardiães da Revolução Islâmica por benefícios econômicos buscados por Trump", explicou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário