segunda-feira, 19 de junho de 2017

Coreia do Sul disposta a reduzir parceria com os EUA se o Norte abandonar programa nuclear

Soldado sul-coreano passa por uma TV que transmite uma reportagem a respeito do mais recente teste com mísseis da Coreia do Norte. Dia 7 de junho de 2017

Coreia do Sul disposta a reduzir parceria com os EUA se o Norte abandonar programa nuclear

© REUTERS/ Kim Hong-Ji
Ásia e Oceania
URL curta
Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (143)
22353545

Um conselheiro especial do presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, disse na sexta-feira que, se Pyongyang congelar suas atividades de desenvolvimento nuclear e de mísseis, Seul, em troca, pode reduzir seus exercícios militares conjuntos anuais com os EUA.

Moon afirmou em um discurso que marca o 17º aniversário da primeira cúpula inter-coreana que o Sul está pronto para reconhecer Kim Jong-un como o líder norte-coreano e está aberto ao diálogo
"Se a Coreia do Norte suspender suas atividades nucleares e de mísseis, podemos consultar os Estados Unidos [sobre] reduzir os exercícios e treinamentos da República da Coreia-EUA", disse Moon Chung-in, assessor presidencial sobre unificação, diplomacia e segurança.

"Eu acho que o [Presidente Moon] tem em mente que podemos reduzir a implantação de armas estratégicas americanas na Península da Coreia".
De acordo com o conselheiro, Seul favorece a ligação da desnuclearização do Norte à criação de um regime de paz na Península da Coreia e a retomada das negociações de seis partidos. Moon sublinhou, no entanto, que novas provocações do regime não serão toleradas.
Moon Chung-in também disse que o presidente acredita que Seul deve recuperar o controle operacional da guerra das forças aliadas entre a Coreia do Sul e os EUA, acrescentando que o presidente dos EUA, Donald Trump, "adoraria essa ideia".

O conselheiro chegou a Washington no início desta semana em uma missão para melhorar o entendimento entre os líderes de opinião norte-americanos dos novos assuntos do governo e política inter-coreana antes do encontro entre líderes dos dois países.
Espera-se que a tensão com Coreia do Norte seja um dos principais problemas a serem tratados nas reuniões do presidente sul-coreano de 29 a 30 de junho com Trump, com foco em como reconciliar a política de "pressão máxima" de Trump no Norte com as esperanças de Moon de promover a paz através de trocas e cooperação com o vizinho.
Um passo rumo ao cessar de provocações foi tomado unilateralmente há poucas semanas. O controverso sistema de defesa contra mísseis THAAD instalado pelos EUA deve ficar suspenso por pelo menos um ano para avaliações ambientais encomendadas por Moon. O presidente quer saber o impacto da implantação em um ciclo sazonal completo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário