quinta-feira, 4 de maio de 2017

VACINAS DA MORTE, HEPATITE-B - Efeitos colaterais desta vacina superam em muito os benefícios.- "JUDEUS SIONISTAS DE ISRAEL" É QUE FABRICAM E DISTRIBUEM AS FALSAS VACINAS EM TODO MUNDO

VACINAS DA MORTE - vacina contra a hepatite B é obrigatória por 47 estados para as crianças frequentarem a escola ou uma creche, apesar da evidência esmagadora de que os efeitos colaterais desta vacina superam em muito os seus benefícios.- "JUDEUS SIONISTAS DE ISRAEL" É QUE FABRICAM E DISTRIBUEM AS FALSAS VACINAS EM TODO MUNDO
Vacina contra a Hepatite B em Bebês Úteis ou Prejudiciais
A luta pela eficácia das vacinas e sua segurança é um debate acalorado. Infelizmente, a maioria da sociedade vê isso como uma questão de preto ou branco. Embora seja difícil decidir quais vacinas realmente funcionam para proteger as pessoas contra as doenças das quais elas foram criadas para erradicar, algumas provaram ser desnecessárias, até prejudiciais. Veja a vacinação contra hepatite B que é recomendada pelas autoridades federais de saúde desde 1991 para todos os bebês e crianças. Atualmente, a vacina contra a hepatite B é obrigatória por 47 estados para as crianças frequentarem a escola ou uma creche, apesar da evidência esmagadora de que os efeitos colaterais desta vacina superam em muito os seus benefícios.

Os governos ocidentais, dominados pelos "Judeus Sionistas"  e seus asseclas e autoridades corruptas, recomendam criminosamente, um total de três vacinas contra a hepatite B como parte do calendário de vacinação de cada criança. A primeira vacina é administrada no hospital dentro de 12 horas do nascimento dos bebês no berçário. Esta é uma vacina necessária que previne uma doença infantil bem conhecida? Provavelmente não, portanto, fica caracterizado a intenção de matar ou prejudicar e comprometer a saúde do bebê "ad eternum", isto faz parte da intenção em provocar o despovoamento global, pelos "Judeus Sionistas de Israel", fabricantes exclusivos e distribuidores destas "vacinas da morte". 

E de fato, a hepatite B geralmente é transmitida através do sangue, mais comumente durante as relações sexuais desprotegidas com múltiplos parceiros ou através do compartilhamento de agulhas por usuários de drogas intravenosas.

De acordo com um artigo da Dra. Jane Orient da Associação de Médicos e Cirurgiões Americanos (AAPS) afirmado ao Congresso:

Com a vacina contra a hepatite B, o caso da vacinação obrigatória com poucas isenções é muito menos persuasivo do que com as vacinas contra a varíola ou a pólio, que protegem contra doenças altamente letais ou incapacitantes, relativamente comuns e facilmente transmissíveis
Para a maioria das crianças, o risco de uma reação grave à vacina pode ser 100 vezes maior do que o risco de hepatite B.”

Outra razão que mancha a segurança da vacina é que muito poucas pessoas relatam a história de vacinação das crianças após a morte. Na maioria dos casos, a morte de uma criança é imediatamente listada como síndrome da morte súbita (SIDS) ou rotulada como desconhecida.

Leia também: Teste de Despovoamento? 75% das Crianças que Receberam Vacinas em Cidade Mexicana Morreram ou estão Hospitalizadas

Possíveis sintomas graves que uma criança pode experimentar pós-vacinação contra a hepatite B, incluem:
1 – Urticária, erupções cutâneas ou inchaço no corpo
2 – Comportamento sem resposta
3 – Febre, vômito ou diarreia
4 – Perda extrema de apetite/sonolência excessiva
5 – Convulsões (sacudir de pernas, dedos, braços, mãos)
6 – Gritos prolongados que duram horas, até mesmo dias
7 – Mudanças visíveis no comportamento mental, físico ou emocional

Crianças com risco de hepatite B

Basicamente, há duas maneiras que um bebê poderia contrair a hepatite B. O mais comum é através de uma mãe que está infectada com o vírus durante a gravidez. Ela pode passar para o bebê durante o parto. No entanto, a mãe pode ser testada para o vírus durante a gravidez para descartar uma possível infecção antes do parto.

Em segundo lugar, uma criança pode estar em risco de infecção após receber uma transfusão de sangue que veio de sangue infectado com hepatite B. Todos os produtos de sangue nos Estados Unidos passam por uma triagem exaustiva para o vírus da hepatite B e outros patógenos antes do uso, mas as transfusões de sangue ainda não são 100% seguras.

Aprofundar o debate

Um artigo do site de Kelly Brogan, aborda a eficácia da prevenção do desenvolvimento do vírus em crianças tratadas com a vacina contra a hepatite B. Ele fala sobre a dificuldade que os cientistas têm em quantificar os efeitos da vacina. Um ponto mencionou se a produção de anticorpos ocorre de fato após o recebimento da vacina e, em caso afirmativo, por quanto tempo.

Outro ponto surpreendente trazido no mesmo artigo veio de um artigo publicado no Journal of Viral Hepatitis. Este ensaio estudou 259 mulheres grávidas com hepatite B, observando a presença de DNA viral e antígenos virais que mostram que a pessoa está infectada.

Cada criança nascida do grupo de estudo de mulheres recebeu as vacinas contra a hepatite B em 0, 6, 10 e 14 semanas. Este estudo particular descobriu que, embora os bebês nascidos de mães com hepatite B, receberam a vacina recombinante VHB, 42% passaram a desenvolver a infecção pelo VHB na infância. O vírus é apenas suprimido em muitos casos.

Leia também: Evidência Esmagadora: Como as Vacinas Causam Hipersensibilidade do Sistema Imunológico e Causam Alergias Extremas, Autismo e Morte

O que torna a vacina contra a hepatite B potencialmente prejudicial?

A maioria das vacinas carregam uma forma de embrião animal assim como alumínio. As vacinas contra a hepatite B são produzidas a partir de células de ovário de hamster chineses transformadas, que são combinadas com um antígeno de superfície da hepatite B, tornando-se insolúvel pela adição de sal de alumínio.

O Dr. Sears tem um grande artigo que quebra as recomendações da FDA sobre o quanto de alumínio é seguro para lactentes e adultos com um sistema de defesa comprometido. Eles notaram que os bebês prematuros e qualquer paciente com função renal comprometida não deve receber mais de 10 a 25 microgramas de alumínio injetado simultaneamente. Assim, quanto alumínio está presente em cada vacina vacina da hepatite B? 250 microgramas! Isso é 10 vezes a dose recomendada. Assim, um recém-nascido receberá uma injeção de vacina contra a hepatite B contendo 250 microgramas de alumínio no dia do nascimento. Dentro dos primeiros seis meses, a criança receberá mais duas doses. A maioria das crianças continua a obter alumínio adicionado de outras vacinas como uma DTaP administrada durante os dois primeiros anos de vida.

Leia também: A Toxicidade do Alumínio Presente em Vacinas

O que essa acumulação de alumínio faz ao corpo?

Ativa a micróglia no cérebro, a qual está fortemente ligada à doença de Alzheimer, mal de Parkinson e distúrbios auto-imunes.

Pode causar desmielinização inflamatória do sistema nervoso central.

Levar a um desenvolvimento de esclerose múltipla mais tarde na vida.

Leia mais:

A Vacina Contra a Hepatite B é Realmente Segura?

Vacinas Gardasil e contra a Hepatite B Associadas à Nova Doença Auto-imune ASIA

Fontes:
Natural News: Hepatitis B Vaccines in Infants: Helpful or Harmful?
– Vaccine Info: Doctors’ Group Votes To Oppose Vaccine Mandates
– AAPS: RE: HEPATITIS B VACCINE
– Kelly Brogan MD: Hepatitis B Vaccine – Is it Safe for Your Newborn?
– Ask Dr. Sears: Hepatitis B vaccine and disease: Do newborns need a vaccine for a sexually transmitted disease?

Nenhum comentário:

Postar um comentário