sábado, 6 de maio de 2017

RÚSSIA - Beleza das armas russas salvará o mundo (FOTOS)


Uma jovem passa ao lado do sistema de defesa antiaérea S-400

Beleza das armas russas salvará o mundo (FOTOS)

© AFP 2017/ KIRILL KUDRYAVTSEV
Defesa
URL curta
91974301

O exército russo ocupa a segunda posição no ranking das capacidades militares, cedendo apenas para os EUA.

O Ocidente reconhece: "O exército russo pode fazer a guerra sozinho… Será difícil para Rússia ocupar países, mas ela pode eliminar suas forças armadas… A administração russa está olhando para o futuro… O tempo em que a Rússia podia ser ignorada ou considerada pouco importante já passou".
O exército e a marinha foram a base do país durante séculos. Mas a história das reformas do final do século XX lembra uma verdadeira batalha pela existência do exército russo.
Conseguir a qualquer preço
O último líder da União Soviética Mikhail Gorbachev iniciou nos meados dos anos oitenta a redução das forças armadas. Após a desintegração da União Soviética, mais de 500 mil militares e 12 mil tanques regressaram só da Alemanha. Havia falta da habitação e assim se iniciaram os problemas do exército e do país. No âmbito da Comunidade dos Estados Independentes (antigos Estados soviéticos) estava planejado manter um exército único, mas no final ele foi dividido. A Rússia herdou um exército com mais de 2,8 milhões de efetivos.
Nos anos noventa, o país viveu uma febre econômica e financeira. O salário de um oficial superior era de 5 dólares dos EUA e era pago com um atraso de 5 ou 6 meses. Havia falta de recursos materiais e de combustível. Milhares de tanques modernos foram abatidos, os porta-aviões Minsk e Novorossiysk foram vendidos a preço de sucata.
É possível que naquela altura ninguém percebesse de que exército necessita a Rússia. A quantidade de tropas se reduzia para economizar. Milhares de oficiais se despediram numa situação de indefinição. Paralelamente surgiam ações militares no Cáucaso, a OTAN se expandia para oriente.
Nos meados dos anos noventa, restaram só as pessoas que eram na verdade fieis ao seu trabalho. Estas pessoas constituíram a base, depois o país recuperou e foi iniciado o restabelecimento da capacidade de combate.
A base legal das Forças Armadas foi criada só em 2000, quando foi aprovada a Concepção da Segurança Nacional e a Doutrina Militar da Rússia.
Ultimato do tempo
"Após a desintegração da União Soviética, o mundo podia ter entrado em uma época de paz e cooperação, mas houve um país que considerou ser o único dono da vitória e não tinha mais que ter em consideração os outros países", acrescentou a Agora Vox.
As operações do Pentágono no Oriente Médio, a desagregação da Iugoslávia, a expansão da OTAN e a ofensiva do terrorismo internacional dissiparam todas as ilusões sobre um "mundo sem guerra".
Apesar da instabilidade econômica, estando sob pressão a Rússia teve que recuperar gradualmente as suas capacidades defensivas. Nos anos noventa, foi iniciada a modernização do exército, mas os êxitos foram alcançados só em 2008, após a Rússia ter enfrentado o equipamento da OTAN na Geórgia.
Em 2010, o governo concedeu 20 trilhões de rublos para a modernização do exército.
"Graças às reformas iniciados em outubro de 2008 e ao programa de modernização estimado em 670 milhões de dólares, as forças armadas se tornaram uma das ferramentas mais confiáveis da Rússia", comunica o The National Interest.
Só em 2016, o exército russo obteve mais de 5,5 mil armas e peças de equipamento militar, incluindo mais de 60 sistemas de mísseis antiaéreos, 310 tanques novos e modernizados e 60 aviões, bem como 23 sistemas Yars com mísseis balísticos intercontinentais.
A Força Aeroespacial recebeu cinco conjuntos de sistemas S-400 Triumf, novos caças Su-35S da geração 4++, bombardeiros modernizados Tu-160 e Tu-95, helicópteros Mi-28N, Ka-52 e Mi-35M.
Sistemas de mísseis S-400 Triumph do regimento de defesa antiaérea na cidade russa de Teodósia, na Crimeia
© Sputnik/ Sergei Malgavko
Sistemas de mísseis S-400 Triumph do regimento de defesa antiaérea na cidade russa de Teodósia, na Crimeia
A Marinha também foi muito reforçada. Só a Frota do Norte recebeu em 2014 vários navios e submarinos a diesel Varshavyanka com mísseis de cruzeiro Kalibr.
Está sendo desenvolvida a infraestrutura militar no Ártico e no Extremo Oriente. Os S-400 e os sistemas Bal e Bastion entraram em funcionamento nas Ilhas Curilas e na península de Kamchatka.
Sistema de mísseis Bastion
© Sputnik/ Vitaly Ankov
Sistema de mísseis Bastion
A Rússia planeja criar porta-aviões nucleares de nova geração e está testando seu míssil hipersônico Tsirkon.
"A Rússia realizou o programa de modernização completa do exército até 2020 já em 47% […] Moscou ultrapassa seus prazos em 1,5 vezes", comunica o The Washington Times.
Segundo a SIPRI (Universidade de Estocolmo), a Rússia entrou em 2016 no grupo dos três líderes mundiais em gastos militares com 69,2 bilhões de dólares.
A Rússia não ameaça ninguém, mas as capacidades das forças armadas e do domínio da produção militar permitiram reforçar a influência militar e obter 27% do mercado de armas.
Eficiência de combate
As tropas russas estão operando na Síria e têm intenções de permanecer aí para reforçar a estabilidade regional. A Marinha russa regressou ao Oceano Mundial. Os navios russos preocupam regularmente os EUA e seus aliados em várias partes do planeta, os aviões dos grupos navais realizam missões da patrulha.
A experiência militar permite modernizar eficientemente a estrutura das tropas, as armas e a tática de sua utilização. Muitos conhecem hoje os sistemas de mísseis russos Kalibr-NK, Bal, Bastion e Iskander, bem como os caças da Sukhoi.
Sistema de mísseis Iskander-M durante o desfile de equipamento militar no polígono de Alabino no Fórum militar EXÉRCITO 2016, região de Moscou, Rússia, setembro de 2016
© Sputnik/ Grigory Sysoev
Sistema de mísseis Iskander-M durante o desfile de equipamento militar no polígono de Alabino no Fórum militar EXÉRCITO 2016, região de Moscou, Rússia, setembro de 2016
Os sistemas russos de guerra eletrônica são conhecidos como os melhores do mundo. O tanque T-14 Armata, que não tem análogos no mundo, está sendo produzido em série.
Armata T-14 tanks on Red Square, Moscow during the final practice of the military parade marking the 71st anniversary of the victory in the Great Patriotic War, May 2016.
© Sputnik/ Grigoriy Sisoev
Armata T-14 tanks on Red Square, Moscow during the final practice of the military parade marking the 71st anniversary of the victory in the Great Patriotic War, May 2016.
A doutrina militar e naval russa e a capacidade de defesa crescente forçam o Pentágono a mudar sua estratégia.
Passados 25 anos após a desintegração da União Soviética, o nosso país se tornou mais forte do que qualquer agressor potencial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário