segunda-feira, 1 de maio de 2017

Revolução de Fevereiro: movimento que abriu portas à União Soviética


Os soldados que tomaram parte da Revolução de Fevereiro de 1917 em Petrogrado (foto de arquivo)

Revolução de Fevereiro: movimento que abriu portas à União Soviética

© Sputnik/ Arquivo da Sputnik
#SputnikExplica
URL curta
Primeiro passo da Revolução Russa (6)
442594365

No dia 23 de fevereiro a Rússia assinala o 100º aniversário da Revolução de Fevereiro. Infelizmente, nem todos têm plena consciência histórica daquilo que se passou na época, das causas do acontecido e como a Revolução de Fevereiro foi diferente da de Outubro. A Sputnik explica e lhes propõe uma retrospectiva dos eventos.

A Rússia entrou no século XX dilacerada por problemas que se vinham agudizando. Dava para sentir o perigo revolucionário no ar — e não levou muito tempo para que este se concretizasse. Foi uma cadeia sólida de causas e condições prévias — não apenas ideias e lemas — que levou ao colapso de czarismo na Rússia e à futura instalação do regime comunista, mudando o registro civilizacional do país e de todo o globo de uma vez por todas.
Início de século turbulento
Algumas das causas mais flagrantes dos distúrbios que abalaram o país nas primeiras décadas do século XX foram más safras, o aumento exponencial da dívida orçamental, fracassos no plano militar e a ausência de qualquer tipo de direitos civis.
Tudo isso fez com que as massas populares se revoltassem contra o regime imperial e reivindicassem aquilo que eles consideravam ser algo que inerentemente lhes pertencia. Em primeiro lugar, foram os trabalhadores rurais que ficaram na "armadilha" de prolongadas contribuições sem um verdadeiro direito à terra na consequência da polêmica reforma que aboliu a servidão em 1861. Segundo, foram os recém-emergidos trabalhadores urbanos que se manifestaram com os principais lemas da época: "Nos deem pão!", "Abaixo a guerra!", "Fora com o absolutismo!".
A situação estava agravada pelo fato das autoridades imperiais terem envolvido o país em duas guerras desastrosas que acabaram por corroer a economia russa por dentro: ou seja, a derrota "vergonhosa" na confrontação com o Japão em 1904-1905 e a arrastada Primeira Guerra Mundial que drenou todo o sangue do regime czarista agonizante. O fator mais importante foi também a discordância que se tinha gerado a nível do Estado, sendo que em fevereiro de 1917 a Duma de Estado, já formada completamente pela oposição ao czarismo, se reunia apenas algumas vezes por ano, e o governo estava mergulhado em um incessante carrossel ministerial.
Além das razões puramente econômicas e materiais, o czarismo estava comprometido e privado da confiança por parte do povo devido aos acontecimentos em torno da figura mística de Grigory Rasputin, que oficialmente ajudava o príncipe Aleksei a sobreviver à hemofilia, porém, ele alegadamente teria exercido grande influência sobre as decisões da família real. Rasputin, de origem rural, era considerado como "profeta" e "ancião", e até hoje há muitas especulações quanto à sua participação nos acontecimentos de 1917.
Revolução russa de 1905: um futuro que não se deu
Seria justo dizer que, em grande sentido, a Revolução de Fevereiro foi impulsionada pela desilusão com a revolução anterior de 1905, que não chegou a trazer quaisquer frutos. Mesmo que tivessem sido declarados, as liberdades e princípios democráticos fracassaram na sua aplicação, o que ainda agravou mais a atmosfera de desilusão na sociedade.
Porém, vale ressaltar que, se a Revolução de 1905 era pautada por forças e motivos pouco definidos, tendo sido despoletada pelo chamado Domingo Sangrento (22 de janeiro de 1905), que consistiu de uma manifestação pacífica, encabeçada pelo padre ortodoxo Georgy Gapon, esmagada violentamente pela guarda czarista, a sua "sucessora" de fevereiro de 1917 já tinha uma base ideológica mais sólida. Deste modo, o movimento revolucionário caótico de 1905 resultou na obtenção ilusória de um leque de liberdades e na planejada transição da monarquia ao parlamentarismo, proclamadas pelo famoso Manifesto de Outubro, mas uma parte esmagadora destes resultados não passou de nada além de simples declarações.
Os grupos opositores ao czarismo ganharam poderes legislativos. Porém, eles não conseguiram obter consenso entre eles mesmos. A Duma de Estado virou um palco de briga entre os grupos que, em princípio, queriam o mesmo, mas divergiam nos métodos e nas ideias.
A fermentação no maior órgão legislativo do país fez com que os principais problemas do país, que tinham servido de ímpeto ao movimento de 1905, não fossem resolvidos. Primeiramente, se tratava da chamada "questão agrária". Pior ainda, a Rússia estava atolada em uma dispendiosa e infrutífera campanha militar — a Primeira Guerra Mundial.
Dias ousados da revolta popular
Nos dias de janeiro e, especialmente, de fevereiro de 1917, cada vez mais fábricas se viam paralisadas por greves, sendo o caso mais conhecido relacionado com a fábrica Putilov em Petrogrado (nome de então de São Petersburgo). Os motins públicos se realizavam sob os lemas "Abaixo a guerra!" e "Viva a República!".
Outra uma parte integrante dos acontecimentos de fevereiro foram as "rebeliões do pão", provocadas por um programa de distribuição de produtos agrícolas ineficiente, introduzido um ano antes. Todos estes distúrbios foram apenas um prólogo para a Revolução, que começou em 23 de fevereiro (8 de março atual, devido à mudança de calendário), com greves maciças contra czarismo, fome e escassez de direitos civis.
A atmosfera se vinha agudizando, o tzar Nicolau II, de acordo com alguns relatos, ficou em pânico, a Duma de Estado acabou sendo dissolvida. As ruas viviam um caos armado. Neste contexto, o destino do Império dependia totalmente da lealdade do exército ao regime. Porém, a maior parte dos militares não justificou as esperanças da monarquia. Começou uma rebelião militar. Em 27 de fevereiro (atual 12 de março), os soldados de Petrogrado cercaram o Palácio Tauride onde estava sediada a Duma, supostamente já dissolvida. Em vez dela, foi formada uma nova entidade — o Comitê Provisório da Duma de Estado, que logo assumiu funções.
Uma das figuras-chave nos acontecimentos de fevereiro foi o socialista revolucionário Aleksandr Kerensky, que não só ascendeu ao poder na época, mas saudou a revolução lhe dando grande inspiração e apoio. Nos dias turbulentos da agonia dos antigos órgãos legislativos, Kerensky apelava aos deputados para que não cedessem ao tsar, chefiou o processo da substituição da guarda do Palácio pelos militares rebeldes e, finalmente, integrou a nova entidade legislativa.
De modo inesperado para as autoridades, o ardor revolucionário se via alastrando a Moscou e, provavelmente, bem poderia ter prosseguido para outras grandes cidades russas se nada tivesse sido feito. O caos revolucionário na Rússia resultou na chamada dualidade de poderes, ou seja, na governança exercida de fato por uma força (Soviete de Petrogrado), mas de jure atribuída a outra (Governo Provisório).
Em 2 de março, o tzar Nicolau II abdicou do trono, passando-o para seu irmão, Mikhail Aleksandrovich, que, por sua vez, o recusou. O czarismo caiu, a família real foi detida, privada de todos os direitos e todos os seus bens.
Herança de Fevereiro ou primeiro 'ato' da Grande Revolução Russa
O projeto de Estado que surgiu em resultado das manifestações de Fevereiro foi um dos mais democráticos, se não o mais democrático, da época. Poucos países podiam se gabar de ter um leque tão vasto de liberdades proclamadas, inclusive as das mulheres.
Mas isso acabou por não sair para além da moldura do projeto. No final, todas as principais reclamações de Fevereiro continuavam insatisfeitas — a guerra continuou, a crise econômica não dava fôlego ao país, a questão do campo permaneceu em impasse e, finalmente, a crise governamental sacudiu de novo a Rússia.
O fenômeno emergido dos movimentos de fevereiro, a dualidade de poderes, era uma espécie de bomba-relógio. Por um lado, o Soviete de Petrogrado como órgão do povo, e por outro — a força da burguesia, mais treinada para as atividades públicas, mas muito menos apoiada pelos recém-manifestantes. Deste modo, o país ficou paralisado pela "ditadura da burguesia", ou seja, pelo Governo Provisório que não era capaz de promover as reformas necessárias e cumprir as promessas dadas. Os problemas econômicos e políticos se vinham agudizando, os setores agrário e industrial estavam na miséria e a questão das terras não se resolvia. Muitos, aliás, acreditam que a Revolução de Fevereiro foi uma parte da subsequente Guerra Civil Russa.
Tudo isso serviu como pretexto para o último "ato" deste grande movimento revolucionário — transformação de uma revolução democrática e burguesa em uma socialista, que ocorreu já no mês de outubro de 1917.

Nenhum comentário:

Postar um comentário