segunda-feira, 8 de maio de 2017

Mídia: Empresas chinesas têm cooperado com Pyongyang contornando sanções econômicas


Fronteira da China com a Coreia do Norte

Mídia: Empresas chinesas têm cooperado com Pyongyang contornando sanções econômicas

© AP Photo/ Ng Han Guan, File
Ásia e Oceania
URL curta
2427 0 0

A empresa estatal chinesa mantinha parceria com uma empresa norte-coreana, sancionada pela ONU desde 2009 por sua ligação com o programa nuclear de Pyongyang, afirma o Wall Street Journal, citando arquivos de corporações e governo.

Em 2008, a empresa chinesa Limac Corporation e a Ryonbong General Corporation norte-coreana acordaram criar uma empresa conjunta para produzir tântalo, nióbio, zircônio e minerais necessários não só para construir computadores e celulares, mas também para construir reatores nucleares e mísseis, escreveu o jornal norte-americano.
A edição destaca que a cooperação não foi divulgada anteriormente, porém, a façanha realizada entre China e Coreia do Norte mostra quão fácil foi para Pyongyang contornar as sanções ao efetuar negócios com empresas chinesas — "artéria vital" de Pyongyang. Em fevereiro, especialistas da ONU apresentaram um relatório sobre Coreia do Norte ter recebido peças de mísseis e aviões leves através da China, tendo, assim, acesso ao sistema financeiro internacional por empresas fictícias.
De acordo com o Wall Street Journal, EUA introduziram sanções contra a norte-coreana Ryonbong em 2005, pois ela estaria relacionada a armas de destruição em massa. Quanto à ONU, esta organização introduziu sanções contra a Coreia do Norte um pouco depois, ou seja, em 2009.
Até agora, não está clara a dimensão das atividades da empresa conjunta Limac-Ryonbong. A ligação entre as duas empresas foi detectada pela Sayari Analytics, que realiza inteligência financeira e trabalha para o setor bancário e clientes do governo norte-americano.
A edição frisa que não conseguiu receber comentários da Ryongbong, enquanto a empresa chinesa destacou em um e-mail que ela "nunca iniciou atividades comerciais de caráter permanente", sendo que a partir de 2009 a própria Limac tentou fechar a empresa conjunta.
A tensão ao redor da península Coreana tem aumentado nos últimos meses devido a uma série de testes de mísseis norte-coreanos. Os EUA afirmam que não excluem a opção militar da resolução do conflito com a Coreia do Norte, mas pretendem focar em uma pressão econômica contra Pyongyang através de sanções. Em 2016, o Conselho de Segurança endureceu fortemente o regime de sanções contra Coreia do Norte, inclusive tomou medidas na área comercial, nas exportações de matérias-primas, na compra de armas e no setor bancário, para fazer com que Pyongyang interrompa seu programa nuclear e o de mísseis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário