sábado, 13 de maio de 2017

"LAVA JATO JUDAICO SIONISTA" E "SANTANA E MÔNICA" - QUANTO E O QUE OFERECERAM AO CASAL PARA ASSUMIR AS FALSAS DELAÇÕES PREMIADAS CONTRA O "PT" E "DILMA"???!!!...



"LAVA JATO JUDAICO SIONISTA" E "SANTANA E MÔNICA" - QUANTO, E O QUE OFERECERAM AO CASAL PARA ASSUMIR AS FALSAS DELAÇÕES PREMIADAS CONTRA O "PT" E "DILMA"???!!!...
Resultado de imagem para FOTOS João Santana e Mônica Moura
7 revelações curiosas de Santana e Mônica



As delações premiadas do casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura miraram nomes estrelados da era petista no Palácio do Planalto, como os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, e os ex-ministros da Fazenda Antonio Palocci e Guido Mantega, além de prefeitos e senadores do PT que tiveram a assinatura de Santana em suas campanhas.
 

Além de histórias cabeludas de nomes de peso do petismo, os relatos do casal ao Ministério Público Federal, todos registrados em vídeo, também são pródigos de momentos inusitados e curiosos.
 

Confira abaixo alguns deles:
PT: Pavarotti e Tia
 

Mônica Moura relatou ao Ministério Público Federal que João Santana pedia a ela para evitar anotar nomes de políticos em sua agenda. Foi assim que nasceram os apelidos citados pela marqueteira em sua delação premiada: Lula era conhecido entre o casal como “Pavarotti” por ostentar barriga saliente e barba volumosa; Antonio Palocci era chamado de “Mineiro” por sua personalidade discreta; Juscelino Dourado, ex-assessor de Palocci, ficou conhecido como “Madre” por ser “religioso, certinho, tipo coroinha de Igreja”; Guido Mantega acabou infamemente apelidado de “Laticínio” e Dilma Rousseff, nomeada singelamente como “Tia”.
Pelado com a mão no bolso
 

João Santana narra que, em 2002, o ex-senador Delcídio do Amaral o chamou até sua casa, em Campo Grande (MS), e lá pediu ao publicitário que assumisse o marketing de sua campanha ao Senado. Lá pelas tantas, Delcídio achou por bem convidar Santana a uma visita à sauna da residência, onde poderiam negociar mais à vontade. Foi lá que o então petista, já sem roupas, passou a consultar João Santana sobre como seria sua remuneração. “Talvez ele tivesse receio de que eu pudesse ter alguma coisa para gravar. Ele começou a conversar ‘esse pagamento tem que ser oficial? Não oficial? Qual é o custo?”, relatou.
A secretária paga
 

Segundo Mônica Moura, a ex-presidente Dilma Rousseff ficou impressionada com os serviços prestados pelo cabeleireiro Celso Kamura durante as eleições de 2010 e, depois de eleita, passou a requisitar a presença dele em Brasília com frequência.
 

As primeiras quatro diárias de Kamura no Palácio da Alvorada, que custaram 1.500 reais cada, no entanto, não foram pagas nem por Dilma, nem por Mônica, nem pelo sofrido contribuinte brasileiro. De acordo com a delatora, quem coçou o bolso e desembolsou os 6.000 reais foi Marly, uma das assessoras da petista, que tirou o valor das próprias economias.
Responsável pelo custeio dos penteados de Dilma assinados por Celso Kamura entre 2010 e 2014, Mônica garantiu ter reembolsado a funcionária por meio de depósitos bancários.


Um baiano muito suspeito
Mônica Moura e André Reis Santana, funcionário dela e do marqueteiro João Santana, relataram em suas delações premiadas o roubo de uma mala recheada com 1,5 milhão de reais em dinheiro vivo, supostamente pago pela Odebrecht como caixa dois da campanha de Dilma Rousseff em 2014. A bagagem foi roubada de dentro do táxi em que auxiliar dos marqueteiros embarcou depois de coletar a pequena fortuna. Segundo Santana, dois carros interceptaram o táxi e desceram deles homens vestidos de preto. Os bandidos exigiram que ele os acompanhasse e pegaram a mala no porta-malas.
 

Como o dinheiro havia sido entregue a André Santana em um hotel de São Paulo pelo lobista Fernando Baiano e só os três sabiam da operação, Mônica disse ter desconfiado de uma provável armação de Baiano. Segundo a delatora, o operador a orientou a não comunicar o roubo ao diretor do departamento de propinas da Odebrecht, Hilberto Mascarenhas, e garantiu a ela que o dinheiro seria reposto – o que nunca aconteceu integralmente.
Feira? Eu?
 

Cliente frequente dos serviços do departamento de propinas da Odebrecht, encarregado de fazer pagamentos de caixa dois pela empreiteira no exterior, Mônica Moura era conhecida dentro da empresa pelo apelido de “Feira”, referência à cidade onde ela nasceu, Feira de Santana (BA), e ao sobrenome de seu marido, o marqueteiro João Santana.
 

Em sua delação premiada, contudo, Mônica relatou que Fernando Migliaccio, um dos principais operadores dos pagamentos ilícitos da Odebrecht, escondeu dela o significado do apelido nas planilhas de caixa dois da empreiteira.
 

“‘A gente aqui tem apelidos, Feira é uma modalidade de pagamento. Toda vez que é campanha presidencial, é via Feira, quando é campanha de deputado, que a gente ajuda bastante, tem outra modalidade'”, teria dito a ela Migliaccio, em um encontro em que a mulher de Santana notou a palavra em um documento e quis saber do que se tratava.
Mônica confiava tanto no executivo, responsável pelo envio de milhões de dólares a uma conta mantida pelo casal na Suíça, que duvidou até dos rumos da investigação da Lava Jato, mas jamais da palavra de Migliaccio. “Quando fui presa e comecei a ouvir um burburinho de ‘você é Feira, você é Feira’, eu lembrei disso e pensei ‘gente, isso não é verdade, eles estão indo pelo caminho errado, esse não é o apelido de ninguém'”, relatou.
Iolanda gosta de vinhos e rascunhos
 

Ao elaborar o codinome do e-mail fictício 2606iolanda@gmail.com, criado para comunicação emergencial entre Dilma Rousseff, Mônica Moura e João Santana, a ex-presidente se inspirou no nome de Iolanda Costa e Silva, mulher do ex-presidente Costa e Silva. Nos e-mails, que nunca eram enviados, mas salvos na página de rascunhos, Dilma se valia de metáforas para informar o casal de marqueteiros sobre o avanço da Operação Lava Jato. “O seu grande amigo está muito doente. Os médicos consideram que o risco é máximo, 10. O pior é que a esposa, que sempre tratou dele, agora está com câncer e com o mesmo risco. Os médicos acompanham os dois, dia e noite”, escreveu a petista ao alertá-los de que a prisão era questão de tempo.
Ainda mais inusitadas que as metáforas dilmistas eram as mensagens mandadas por seus assessores aos celulares de Mônica e Santana como senhas para que eles acessassem o tal e-mail: “Veja aquele filme”, “Gostei do vinho indicado”.
No jardim ninguém ouve
 

Mônica Moura contou aos procuradores do Ministério Público Federal como Dilma preservava o sigilo ao tratar de assuntos ilícitos no Palácio da Alvorada. Enquanto uns preferem negociatas em saunas, como o ex-senador Delcídio do Amaral, a ex-presidente optava por abordar temas tenebrosos durante passeios sutis no jardim da residência oficial da presidência. “Precisamos manter contato frequente de uma forma segura para que eu lhe avise sobre o andamento da operação [Lava Jato]. Estou sendo informada de tudo frequentemente pelo José Eduardo Cardozo [então ministro da Justiça]”, disse Dilma a Mônica em uma destas caminhadas.
Arquivado em:Brasil, Política


UM EXEMPLO AO VIVO E A CORES DA ATUAÇÃO EM FARSAS DO GÊNERO, ONDE OS "JUDEUS SIONISTAS", MOSTRAM QUE TANTO LÁ COMO AQUI, FAZEM A MESMA FALCATRUA E GERALMENTE CONSEGUEM ÊXITO, OS BRASILEIROS SE VENDERAM, POIS ESTAVAM PRESOS E FRAGILIZADOS, MAS O RUSSO CITADO NA REPORTAGEM ABAIXO NÃO SE VENDEU, APESAR DE ESTAR PRESO TAMBÉM....

Russo detido em Praga conta o que lhe ofereceram para assumir que hackeou Hillary Clinton


Presidenciável democrata Hillary Clinton ouve enquanto ela é anunciada em um comício de campanha em Las Vegas, em Nevada, EUA, em 2 de novembro de 2016

Russo detido em Praga conta o que lhe  

ofereceram para assumirque hackeou 

 Hillary Clinton

© REUTERS/ Brian Snyder
Rússia
URL curta
8127109

Durante os interrogatórios a que foi submetido na

 República Checa, autoridades propuseram a 

Yevgeny Nikulin que confessasse a invasão às contas

 de e-mail de Hillary Clinton, ex-candidata democrata

 à presidência dos Estados Unidos 

"por ordens de Vladimir Putin" em troca de 

"apartamento, dinheiro e cidadania americana".

O russo Yevgeny Nikulin, detido pelas autoridades 
checas desde outubro passado, revelou que as 
autoridades do país tentaram convencê-lo a assumir
 a responsabilidade pela invasão aos e-mails de 
Hillary Clinton, reporta o Current Times citando 
cartas dele fornecidas pelo advogado do acusado.
Dólares norte-americanos
© Sputnik/ Mikhail Kutuzov
De acordo com Nikulin, a primeira proposta neste 
sentido veio a ele durante um interrogatório a que foi
 submetido em Praga em novembro de 2016, poucos 
dias depois das eleições presidenciais nos EUA.
 
"Você deverá assumir que hackeou o e-mail de 
Hillary Clinton para Donald Trump por ordem de 
Vladimir Putin e deve aceitar a extradição para os 
EUA. Lá vamos levantar todas as acusações, vamos 
fornecer-lhe um apartamento e dinheiro, bem como 
cidadania americana", detalha o hacker no 
documento, acrescentando que rejeitou a proposta.
Sala de servidores
© AFP 2017/ Susanne Lindholm
 ataques hacker contra EUA
 
O próximo encontro na República Checa aconteceu 
no dia 7 de fevereiro deste ano, quando Trump 
tomou posse como presidente. Desta vez, propuseram
 ao jovem resolver os seus problemas com a lei em 
troca da confissão também do ataque cibernético aos 
servidores do Partido Democrata.
 
"Nos EUA resolveremos todos os problemas, [você] 
vai viver em um apartamento e iremos fornecer tudo 
que você precisa", relata o hacker, afirmando que 
mais uma vez, negou a proposta.
 
Preso na República Tcheca,  
Yevgeny Nikulin, fala sobre a proposta dos EUA de 
confessar ataque hacker por ordem de Putin.
Outubro de 2016. Tanto a Rússia e os EUA pediram 
sua extradição. Os americanos acusam Nikulin de 
realizar ataques a computadores, LinkedIn, 
Dropbox e Formspring e outras empresas entre 
2012 e 2013. A Rússia solicitou sua extradição por 
supostamente roubar dinheiro de uma conta do 
WebMoney (um sistema de transferência de capital 
on-line).

Obama acusou repetidamente Moscou de tentar 
interferir na última eleição presidencial nos EUA, 
apesar de não apresentar provas do ocorrido. 
 
A Rússia, por sua vez, rejeitou tais acusações, 
classificadas pelo porta-voz do Kremlin, 
Dmitry Peskov, como "vazias".

Nenhum comentário:

Postar um comentário