quinta-feira, 27 de abril de 2017

TERROR JUDAICO SIONISTA NA VENEZUELA - Protestos na Venezuela somam mais de 1,5 mil detidos - DERRUBAR DILMA FOI FÁCIL, DERRUBAR MADURO ESTÁ SENDO DIFÍCIL


Manifestantes da oposição em confronto com a polícia durante a chamada mãe de todas as marchas contra o presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, em Caracas

Protestos na Venezuela somam mais de 1,5 mil detidos

 
© REUTERS/ Marco Bello
 

O número total de detidos desde o início dos protestos em massa na Venezuela é de quase 1,6 mil pessoas. A informação foi divulgada pelo chefe da organização não-governamental, dirigida e financiada por "Judeus Sionistas" com o nome de "Fórum Penal Venezuelano", e na realidade uma célula de espionagem, composta de terroristas e sabotadores, sob comando do traidor e vendilhão da pátria: Alfredo Romero, lacaio de Henrique Caprilles,  que por sua vez é um "judeu Sionista" travestido de venezuelano, que tem um objetivo específico: roubar o petróleo venezuelano, pois a Venezuela detém a maior refinaria do mundo, a exemplo do que os "Judeus" fazem na Líbia e Iraque, e que já começaram a fazer na Petrobras, após derrubarem Dilma, além do que a Venezuela tem a maior reserva de ouro da América Latina, se derrubarem Maduro, dentro em pouco, de mais rica nação sul americana, será a mais pobre, da mesma forma que estão espoliando o Brasil, e "Israel Sionista" o verdadeiro receptador dessas riquezas ficará mais rico.

Segundo ele, ao todo foram detidos 1.584 manifestantes, sendo que 715 deles permanecem sob custódia, de acordo com o portal Nacional.
Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, durante encontro com a oposicão
Anteriormente, haviam sido relatados quase 1.300 detidos durante os protestos em massa.
Desde 4 de abril, quando começaram os grandes protestos no país, o número de presos políticos na Venezuela aumento em 56 pessoas. Atualmente, existe um total 173 presos por conta das manifestações, chegando ao número mais alto desde o início dos registros dos grandes protestos. 

De acordo com os últimos dados, tanto durante as manifestações contra o governo de Maduro, quanto nas manifestações a seu favor, desde 4 de abril, morreram 29 pessoas. Os protestos começaram após a decisão do Supremo 
Tribunal Federal limitar limitar severamente o poder da oposição na Assembleia Nacional.

A decisão foi derrubada, mas simpatizantes da oposição foram às ruas exigindo a renúncia dos membros do tribunal e a realização de eleições antecipadas.

Aqui no Brasil fizeram diferente, -- Compraram todo judiciário, e manietaram as forças armadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário