domingo, 9 de abril de 2017

TERROR JUDAICO SIONISTA NO "AGRONEGÓCIO" DO BRASIL - [Filme] – O Veneno Está na Mesa. (Denúncia aos agrotóxicos) - [Filme] O Veneno Está na Mesa 2


Filme – O Veneno Está na Mesa
Você sabia que o brasileiro é o povo que mais ingere agrotóxicos e pesticidas em todo o mundo? Isto equivale a mais de 5 quilos por cidadão por ano. Isto é o que revela o filme “O Veneno Está na Mesa“, produzido por Sílvio Tendler. Realizado com o apoio da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fiocruz, o filme recupera as origens da revolução verde para apresentar a lógica insustentável do modelo agrícola que deu ao país esse título difícil de ostentar. Aqui o destaque vai para grandes multinacionais da química(JUDEUS SIONISTAS DE ISRAEL), que viram na agricultura o mercado perfeito para substituir o uso bélico do agente laranja, napalm e outros(USADOS CONTRA O VIETNÃ, SÍRIA, IRAQUE, UCRÂNIA, ÁFRICA, SÉRVIA, IEMEN E ETC...

A atualidade urgente do tema é retratada a partir de um recorte de reportagens exibidas recentemente em emissoras nacionais e regionais de TV e de rádio( TODOS ESSES VEÍCULOS DE INFORMAÇÃO PERTENCEM AOS "JUDEUS SIONISTAS DE ISRAEL). Do Rio Grande do Sul ao Ceará, passando pelo Mato Grosso e Espírito Santo, o que se vê é que o discurso das safras recordes ou da sustentação da balança comercial não mais dá conta de esconder seu lado nefasto. Os principais especialistas em saúde ambiental e toxicologia trazem casos e dados dos prejuízos causados por um modelo de agricultura que não cresce sem agrotóxicos, e que hoje, em claros sinais de saturação, usa mais agrotóxicos do que cresce. Contudo, está no ar uma nova investida de marketing que diz que é esse “o Brasil que cresce forte e saudável”.

Voltaire: AGRONEGÓCIO? - O QUE TEMOS É AGROBURRICE E IGNORÂNCIA - ENTREVISTA COM O MAIOR ENTENDIDO DO ASSUNTO NO MUNDO, É ÁRABE RADICADO NO BRASIL,(UNICAMP) Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib é graduado em Engenharia Agronômica e mestre em Entomologia (Controle Biológico) pela Universidade de Alexandria, Egito, e doutor em Ciências Biológicas (Entomologia) pela Unicamp. Além de lecionar na instituição, ele é pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários da Unicamp.

Mas a agricultura orgânica não daria conta de alimentar a população, dizem. Se a agricultura orgânica for entendida como aquela em que se tira a química e pronto, isto é fato, conforme resume Ana Maria Primavesi, referência mundial em manejo ecológico dos solos. Porém, se o solo for vivo e alimentado para sustentar grande diversidade de organismos, este produzirá plantas saudáveis, em quantidade, ao mesmo tempo que dispensará os agrotóxicos. A conclusão de Primavesi, que também é produtora, é confirmada na prática pelo depoimento do agricultor do interior paulista que tira 15 toneladas de alimentos por ano de cada um dos 20 hectares que cultiva sem venenos e adubos químicos. Do Rio Grande do Sul vem o exemplo do produtor familiar que recriou sua própria semente de milho crioulo após ter perdido as variedades tradicionais que cultivava, substituídas pelas híbridas.
Esse caminho cada vez mais confirma sua viabilidade. Faltam agora as políticas certas que farão crescer a agricultura que vai tirar o veneno da mesa.

Veja o filme na íntegra abaixo:


Abaixo você pode assistir uma reportagem da Telesur Notícias sobre o filme:



Já assisti uma boa parte deste filme e recomendo muitíssimo. 

O estado em que se encontra a desinformação a respeito da agricultura e indústria de alimentos no Brasil é pior do que jamais eu teria imaginado. O descaso pela saúde da população é repugnante, onde os interesses comerciais das multinacionais, que usam o seu fortíssimo lobby(JUDEUS SIONISTAS DE ISRAEL) para evitarem ser reguladas, é mais importante do que os efeitos nocivos destes elementos químicos na saúde dos habitantes de nosso país. Gostei muito do Adonai, o agricultor do interior gaúcho que luta para preservar a agricultura sem transgênicos. O filme diz  “Tudo que lhe apresentam como verdade, Adonai questiona“. Esta qualidade de Adonai, que resume a atitude anti-nom, é o que mais precisamos nos dias de hoje, onde as pessoas engolem qualquer informação que seja passada por alguém em posição de autoridade.
 [Filme] O Veneno Está na Mesa 2


filme O veneno esta na mesa 2

O novo documentário de Silvio Tendler, “O Veneno está na Mesa II”,  mostra como o veneno está na mesa dos brasileiros, no país que mais consome agrotóxicos no mundo. Mas também que há alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores.

“O Veneno está na Mesa II” dá continuidade às reflexões proporcionadas pelo primeiro documentário e avança na desconstrução do mito, pautado pelos interesses do agronegócio, de que a utilização de venenos é a única via para garantir a alimentação na mesa da população.

“O uso de veneno, e toda proposta do modelo de desenvolvimento hegemônico, traz consequências graves e inaceitáveis para a saúde da população, no que diz respeito a todos os aspectos que constituem o conceito ampliado de saúde”, disse a pesquisadora. Ela destaca que a Fiocruz, que apoiou o filme, vem desenvolvendo diversas iniciativas relacionadas ao tema, e analisa que a produção da alimentação sem veneno é uma alternativa viável.

Silvio Tendler tem a mesma opinião. “A agroecologia é fundamental como forma de produção econômica, social e de desenvolvimento”, disse o diretor, que não vê sentido em se construir uma economia baseada na destruição da natureza. “Isso não é economia, isso é catástrofe”, ressaltou.
O primeiro filme seguiu um caminho alternativo de exibição através da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida. A recepção foi surpreendente e o documentário foi visto por mais de um milhão de pessoas. “O povo brasileiro não pode mais engolir essa história de que o agronegócio é a modernidade no campo. Ele gera câncer, trabalho escravo, e manda todo seu lucro para o exterior. Nós da Campanha assumimos como missão levar este filme a todos os cantos deste país, aos acampamentos, assentamentos, escolas, universidades, igrejas, e onde houver cidadãos e cidadãs preocupados com a saúde do povo e dispostos a lutar por um modelo de produção de alimentos saudáveis para o camponês e para o consumidor, disse Alan Tygel, da coordenação nacional da campanha.
 
Sinopse:Após impactar o Brasil mostrando as perversas consequências do uso de agrotóxicos em “O Veneno está na Mesa“, o diretor Sílvio Tendler apresenta no segundo filme uma nova perspectiva.
 
O filme  “O Veneno Está Na Mesa 2” atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional atual e de suas consequências para a saúde pública. O filme apresenta experiências agroecológicas empreendidas em todo o Brasil, mostrando a existência de alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis, que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores.
 
Com este documentário, vem a certeza de que o país precisar tomar um posicionamento diante do dilema que se apresenta: Em qual mundo queremos viver? O mundo envenenado do agronegócio ou da liberdade e da diversidade agroecológica?


Fontes:
Tele Sur: Brasil é o primeiro consumidor de agrotóxicos do mundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário