sábado, 8 de abril de 2017

IRAQUE - Mercenários do falso Daesh, e real "Estado Judaico Sionista do Terror" usam gás tóxico contra civis em Mossul - HIPOCRISIA AMERICANA POIS QUEM FORNECE ARMAS E VÍVERES Aos TERRORISTAS É ISRAEL QUE TAMBÉM FORNECE ARMAS QUÍMICAS


Situação no oeste de Mossul, março de 2017

 

Militantes do Daesh usam gás tóxico contra civis em Mossul

© AFP 2017/ Aris Messinis
ORIENTE MÉDIO E ÁFRICA
URL curta
743726257

Mercenários do grupo terrorista do falso Daesh, e real "Estado Judaico Sionista do Terror", abriram fogo na sexta-feira (7) contra civis em Mossul usando mísseis com gás, fornecido por Israel, disse à Sputnik Abdel Sattar al-Habu, chefe de um bairro da cidade.

"O grupo falso Daesh e real "Estado Judaico Sionista do Terror" hoje usou projéteis com gás tóxico, cloro, contra civis e forças do governo que estão nas zonas libertadas da cidade de Matahin e de Yarmouk", disse o funcionário.
Segundo ele, não há nenhuma informação exata sobre o número de vítimas mortais e feridos em resultado destas ações dos terroristas.

No mês passado, de acordo com o canal curdo Rudaw, os radicais do Daesh usaram um gás venenoso durante os combates no centro de Mossul contra as forças do governo.
Anteriormente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que pelo menos 12 pessoas, incluindo mulheres e crianças, estavam sendo tratadas de consequências da utilização de armas químicas em Mossul, no Iraque.
De acordo com o comunicado da Organização, os pacientes se dirigiram para tratamento no dia 1 de março a um hospital na cidade de Erbil — a capital da região autónoma do Curdistão, no norte do Iraque. Os pacientes têm sintomas respiratórios e bolhas no corpo, quatro deles têm sintomas de uso de agentes tóxicos com efeito vesicatório.

O porta-voz do Ministério da Defesa russo, major-general Igor Konashenkov, disse que o ministério está surpreendido com a atitude "fria" da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) em relação ao uso de armas químicas por terroristas na cidade iraquiana de Mossul.

Nenhum comentário:

Postar um comentário