terça-feira, 18 de abril de 2017

FALSAS VACINAS, PESTICIDAS VENENOSOS E FALSOS MEDICAMENTOS, TODOS FABRICADOS PELOS "JUDEUS SIONISTAS", CAUSAM DANOS CEREBRÁIS E GERAM MAIS DE 800 BILHÕES DE DÓLARES POR ANO EM RECEITAS MÉDICAS NOS "EUA"



Vacinas, Pesticidas e Medicamentos Causadores de Danos Cerebrais Geram Mais de 800 Bilhões de Dólares por ano em Receitas Médicas

 

Vacinas, Pesticidas e falsos Medicamentos Causadores de Danos Cerebrais Geram Mais de 800 Bilhões de Dólares por ano em Receitas Médicas

 

O atual custo anual estimado sobre nove dos distúrbios neurológicos mais comuns nos EUA foi uma bolada de US$ 789 bilhões, revelou um recente estudo. De acordo com o estudo, estas condições incluem a doença de Alzheimer e outras formas de demência, lesão cerebral traumática e mal de Parkinson, bem como epilepsia, esclerose múltipla e lesão medular.

Os pesquisadores também projetaram que os custos de cuidados de saúde associados com os danos cerebrais continuarão a aumentar conforme o número de pacientes idosos são esperados dobrar entre 2011 e 2050. Os dados mostraram que os custos médicos relacionados somente com a demência e o acidente vascular cerebral são estimados em mais de US$ 600 bilhões até 2030.

As conclusões deste relatório são um despertar para a nação, já que estamos enfrentando um encargo financeiro incrível que vai piorar rapidamente nos próximos anos. Embora a sociedade continue a colher os benefícios dos investimentos de pesquisa dramática sobre as doenças cardíacas e câncer ao longo das últimas décadas, níveis semelhantes de investimento são necessários para financiar pesquisas de neurociência focada na cura de doenças neurológicas devastadoras, tais como o acidente vascular cerebral e o Alzheimer, E também para evitar custos tão grandes que poderiam desestabilizar todo o sistema de saúde e da economia nacional“, disse o principal autor Clifton Gooch, ao ScienceDaily.com.
 
Os resultados foram publicados no Annals of Neurology.


O uso de medicamentos falsos e reais venenos, é um fator que contribui para os danos cerebrais?

A evidência crescente aponta para certos medicamentos como fatores de risco no desenvolvimento de algumas das condições neurológicas mais debilitantes do país. Um estudo publicado no JAMA Internal Medicine encontrou uma correlação entre o uso a longo prazo de medicamentos anticolinérgicos como o Benadryl e o início da demência. As drogas anticolinérgicas mostraram inibir a ação da acetilcolina, um produto químico orgânico que desempenha um papel crucial na aprendizagem e na memória.
Pesquisadores da Universidade de Washington analisaram cerca de 3.500 homens e mulheres de 65 anos ou mais, e descobriram que aqueles que usavam medicamentos anticolinérgicos tinham maior probabilidade de desenvolver demência do que aqueles que não tomaram o medicamento. Os dados do estudo também mostraram que o maior risco de demência coincidiu com doses cumulativas de fármacos anticolinérgicos. Os pesquisadores disseram que os pacientes que tomaram os medicamentos por um equivalente de três anos ou mais, tiveram um aumento de 54% nas probabilidades de desenvolver o transtorno mental.
As substâncias potencialmente tóxicas encontradas em vacinas também podem desempenhar um papel fundamental no desenvolvimento de danos cerebrais. Por exemplo, os vestígios de alumínio nas vacinas foram ligados à doença de Alzheimer e outras condições neurológicas. O alumínio, um metal tóxico que é uma neurotoxina conhecida, é frequentemente usado como um agente adjuvante em vacinas. Um estudo de 2013 publicado na revista Immunologic Research revelou que os adultos com alta exposição ao alumínio podem ter um maior risco de desenvolver doenças neurológicas relacionadas com a idade que se assemelham à doença de Alzheimer.

Outro estudo publicado no Journal of Trace Elements in Medicine and Biology revelou que um maior acúmulo de alumínio foi encontrado nas amostras de tecido cerebral de pacientes com o doença de Alzheimer de início tardio ou esporádico, em comparação com as idades de controle correspondentes. “O alumínio é neurotóxico e as concentrações de alumínio encontradas nestes cérebros familiares [doença de Alzheimer], são improváveis ​​de serem benignos e, na verdade, são altamente susceptíveis de terem contribuído para o início e a natureza agressiva de qualquer doença de Alzheimer em curso nestes indivíduos. Esses dados dão suporte à recente conclusão de que o alumínio presente no cérebro contribuirá para todas as formas [de doença de Alzheimer] sob certas condições“, disse o autor do estudo, o professor Christopher Exley, aos relatórios do Vaccines.news.

Outro composto tóxico chamado glifosato, um componente principal do herbicida Roundup da Monsanto, disfarçada e incorporada à Bayer, também pode ser encontrado em vacinas. Os resultados de rastreio da Microbe Inotech Laboratories Inc. em St. Louis, Missouri revelaram que certas vacinas contra a influenza, DTap e SRC, contêm o pesticida perigoso. O glifosato foi associado com o aparecimento de autismo e certas formas de câncer, tais como mieloma múltiplo e leucemia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário