quinta-feira, 9 de março de 2017

AÉCIO NEVES RECEBEU 15 MILHÕES DA LAVA-JATO AFIRMA Marcelo Odebrecht - ESTA É SÉTIMA CITAÇÃO DO TUCANO RECEBENDO PROPINA, ORIGINANDO A "PLANILHA DO MINEIRINHO"

BYBLOS HOTEL  EXPRESS  
SETOR HOTELEIRO NORTE   -  SHN 3 BL - E  –  BEM  NO  CORAÇÂO   DE   BRASÍLIA 
RESERVAS E INFORMAÇÕES TEL - 61 3326 1570 --  PROMOCIONAL
SOLT - 79,90  CASAL - 99,90  TRIP - 129,90 VA L– 31/03/17
Aécio Neves, citado nas gravações das conversas entre Romero Jucá e Sérgio Machado como o primeiro a ser comido caso a Lava-Jato prosseguisse

 

Entre amigos: FHC defende Aécio Neves após sétima citação na delação da Lava Jato


Marcos Oliveira/ Agência Senado/ FotosPúblicas

 

Após o senador Aécio Neves (PSDB) ser citado pela sétima vez nas delações da Odebrecht na última quinta-feira (2), o ex-presidente Fernando Hernique Cardoso (FHC) saiu em defesa do tucano, afirmando que acusações são "notícia alternativa".



Segundo relato da delação divulgado na última quinta-feira, o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, afirmou que construtora repassou dinheiro por meio de caixa 2 para abastecer campanhas de políticos do PSDB, e que Aécio Neves teria pedido 15 milhões de reais no final do primeiro turno da campanha eleitoral de 2014. 


Após a veículação da notícia na mídia, FHC publicou uma nota criticando a imprensa e defendendo Aécio Neves. 

"Parte do noticiário de hoje sobre os depoimentos da Odebrecht serve de sinal de alerta. Ao invés de dar ênfase à afirmação feita por Marcelo Odebrecht, de que as doações à campanha presidencial de Aécio Neves, em 2014, foram feitas oficialmente, publicou-se a partir de outro depoimento que o senador teria pedido doações de caixa dois para aliados", diz FHC. 
O ex-presidente afirmou que o senador "não fez tal pedido" e "o depoente não fez tal declaração em seu depoimento ao TSE".

 


Odebrecht entrega Aécio e diz que deu 15 milhões pro tucano
Photo published for Odebrecht entrega Aécio e diz que deu 15 milhões pro tucano
"Ademais, independentemente do noticiário de hoje tratar como iguais situações diferentes, não é o caminho para se conhecer a realidade e poder mudá-la", diz a nota. 
"A desmoralização de pessoas a partir de 'verdades alternativas' é injusta  e não serve ao país. Confunde tudo e todos", acrescenta.

Cardoso afirmou também que "a palavra de um delator não é prova em si, apenas um indício que requer comprovação".
O valor mencionado por Marcelo Odebrecht coincide com a planilha da da construtora apreendida pela Lava Jato que revela um repasse de 15 milhões de reais de propina para Aécio Neves, apelidado na planilha de "mineirinho'.

Nenhum comentário:

Postar um comentário