domingo, 15 de janeiro de 2017

TERROR JUDAICO SIONISTA NA VENEZUELA - QUEREM DERRUBAR MADURO DA MESMA FORMA QUE DERRUBARAM DILMA.


Tribunal Supremo da Justiça declarou que a Assembleia não tinha o direito de destituir o presidente.
Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, participa em Caracas da cerimônia em homenagem a Fidel Castro, líder da Revolução cubana falecido em 25 de novembro de 2016
Maduro denuncia tentativa de golpe de Estado na Venezuela 

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou a oposição de tentar derrubar poder legítimo no país. 

Na segunda-feira (9), a Assembleia Nacional da República Bolivariana anunciou o "abandono de cargo" de Maduro por não cumprir suas obrigações. 

A maioria dos deputados (106) votou a favor da decisão. 

"Como presidente, peço que as autoridades governamentais não deixem impunes as violações da Constituição e desrespeito à ordem legítima, ontem, um manifesto golpista foi adotado pela Assembleia Nacional", declarou Maduro durante transmissão ao vivo da televisão estatal. 

O presidente venezuelano também reconheceu os juramentos dos representantes do "comando nacional anti-golpe" que, de acordo com ele, visa manter a paz e a soberania do país. 

O vice-presidente da Venezuela, Tareck El Aissami, coordenou a iniciativa. "É de nossa responsabilidade defender os direitos das famílias e da sociedade para que tenham paz e harmonia", sublinhou Maduro. 

FEDERICO PARRA 'Oposição venezuelana quer derrubar Maduro da mesma maneira que queria derrubar Chávez' Anteriormente, o Tribunal Supremo da Justiça declarou que a Assembleia não tinha o direito de destituir o presidente. 

O parlamento oposicionista venezuelano começou a funcionar no ano passado e tal medida provocou a crise no país. 

Maduro acusou seus adversários de tentar realizar "golpe parlamentar". 

Por sua vez, a Assembleia considerou que o chefe do Estado violou a Constituição da República Bolivariana.

Mostrar mais: https://br.sputniknews.com/americas/201701117395694-golpe-de-estado-venezuela/

Nenhum comentário:

Postar um comentário