sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

TEMER COM OS DIAS CONTADOS - REVISTA AMERICANA FORBES, VATICINA - APROVAÇÃO PÍFIA DE MINGUADOS 13%

GOVERNO DOS BANDOLEIROS GOLPISTAS CHEFIADOS POR TEMER COM OS DIAS CONTADOS
OUVIR RÁDIO



Temer se reúne com núcleo institucional para tratar da crise prisional do país

Mídia americana  vislumbra fim do governo Temer

Beto Barata/PR
BRASIL
URL curta
282782275

A revista "Forbes", que durante anos sempre expressou severas críticas à condução da política econômica nas gestões dos ex-presidentes Lula e Dilma, surpreendeu boa parte de seus leitores na edição da última quarta-feira, 18, com reportagem prevendo a queda do governo Temer e o surgimento de nova crise no Brasil.

A publicação aponta três sinais para essas mudanças. A primeira é a possibilidade crescente de que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) reconheça as acusações de improbidade na chapa Dilma-Temer na eleição de 2014. A ação, curiosamente, foi apresentada pelo PSDB, hoje um dos partidos aliados do governo. O segundo motivo, segundo a "Forbes", seria a dissolução de parte da base aliada, preocupada com seu futuro político nas eleições de 2018. O terceiro motivo seria a rejeição de 64% do governo face às reformas propostas na Previdência e no mercado de trabalho, além da lenta recuperação da economia.
O secretário adjunto para Assuntos Internacionais da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Ariovaldo Camargo, concorda em parte com o diagnóstico traçado pela publicação.
"É um pouco natural que aqueles que se posicionaram a favor do golpe, como a grande mídia brasileira, perceberam as dificuldades que o governo Temer vem tendo a partir do momento em que apresenta duas pautas muito contraditórias no cenário brasileiro (a reforma trabalhista e a da Previdência). É muito provável que a própria base parlamentar comece a abandonar um pouco esse projeto", diz o membro da CUT. 
Para Camargo, o enfraquecimento do governo demonstra que os próximos dois anos seriam de muitas dificuldades. 
"O governo, que é fruto de um golpe, não tem moral para apresentar à sociedade determinadas questões como essas que são muito cruciais para a vida de qualquer cidadão brasileiro — a perspectiva de sua aposentadoria e a forma de reger seu contrato de trabalho. Diante desse quadro me parece que o governo caminha mesmo para não continuar seu mandato. Acho que a via que vão buscar é a do Tribunal Superior Eleitoral, na perspectiva de buscar uma eleição indireta no futuro para tentar salvar aquilo que eles querem fazer, porque a sociedade não tem no Temer a confiança que ele julgava ter para fazer medidas tão estruturantes na economia e na vida do povo brasileiro", afirma o secretário.
Camargo também diz que são evidentes os sinais de que o país já começa a viver o pré-calendário de 2018. 
"Não é por motivo qualquer que tem projeto na Câmara dos Deputados, na Comissão de Constituição e Justiça, prevendo que nenhum cidadão brasileiro pode concorrer a três mandatos na presidência da República. Estamos chamando de Projeto Anti-Lula, porque ele é o único que pode ser atingido e Fernando Henrique Cardoso, que certamente não é pré-candidato a mais nada. Isso não vale para governadores, nem para prefeitos, só para presidente da República", ironiza.
Camargo diz que os deputados que pretendem se eleger no próximo ano não querem ter seus nomes vinculados à aprovação dessas propostas. O secretário da CUT garante, porém, que o movimento sindical vai colocar em cada estado a fotografia do deputado que votar a favor da reforma da Previdência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário