domingo, 10 de maio de 2015

ALEMANHA - MINISTRA DA PEDOFILIA NOMEADA PARA AGIR CONTRA OS PADRES CATÓLICOS



Sabine Leutheusser-Schnarrenberger
INVESTIGA PEDÓFILOS
Ministra alemã assinala entraves do Vaticano às investigações


A ministra alemã da Justiça, Sabine Leutheusser-Schnarrenberger, criticou o Vaticano pelos entraves colocados aos inquéritos relativos aos abusos sexuais que ocorreram nas escolas católicas do país. Sabine Leutheusser-Schnarrenberger

                   A ministra da Educação pedira na semana passada tolerância zero para os casos suspeitos que surgem de dia para dia na Alemanha depois das primeiras denúncias, em Janeiro, no Colégio Jesuíta Canisius, frequentado pela elite do país e, agora, a confirmação de abusos no coro dos pequenos cantores de Ratisbonne, já dirigido pelo irmão do Papa.Sabine Leutheusser-Schnarrenberger

O PAPA E IRMÃO PEDÓFILOS
"Houve em inúmeras escolas e estabelecimentos um muro de silêncio", pelo que as informações não foram remetidas à Justiça, afirmou Sabine Leutheusser-Schnarrenberger em declarações à rádio Deutschlandfunk na sequência dão crescente número de revelações que têm sido feitas nas últimas semanas em relação a abusos sexuais de crianças e jovens na Alemanha no interior das escolas.

Apontando o dedo ao Vaticano, a governante alemã disse acreditar que "esse muro de silêncio se explica devido à existência de uma directiva de 2001 que determina que abusos desta gravidade sejam submetidos à confidencialidade do Papa e não sejam divulgadas ao exterior da Igreja".Sabine Leutheusser-Schnarrenberger

Desta forma, não fica claro se é requisitada de imediato a intervenção das autoridades", lamentou Leutheusser-Schnarrenberger.Sabine Leutheusser-Schnarrenberger

Caso de colégio jesuíta abriu a caixa de Pandora
Os escândalos sexuais em escolas católicas alemãs começaram a ser denunciados em finais de Janeiro e apontavam então para o caso do prestigiado estabelecimento jesuíta de Berlim Canisius.
O reitor do estabelecimento reconheceu os casos de abusos sexuais que terão ocorrido nos anos 1970 e 1980, envolvendo pelo menos dois professores do estabelecimento.

Entretanto, novos casos vieram a lume, nomeadamente o caso do Colégio Ettal, da Baviera, com vários religiosos a apresentar a demissão.

Mais recentemente, denúncias apontaram para novas situações de pedofilia, desta vez no Coro dos Pequenos Cantores de Ratisbonna. De acordo com algumas denúncias, estes abusos terão ocorrido quando o coro era chefiado pelo irmão do Papa, o arcebispo Georg Ratzinger, facto que já foi desmentido num comunicado do jornal do Vaticano.Sabine Leutheusser-Schnarrenberger

Num artigo no Osservatore Romano, o arcebispo de Ratisbonna, Gerhard Ludwig Mueller, assegura que os abusos sexuais, assinalados entre 1958 e 1973, "não coincidem com o período em que o professor Ratzinger esteve à frente do coro".

Também uma escola laica associada à UNESCO (organização das nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) admitiu abusos sexuais sobre os seus alunos nos anos 1970 e 1980.
Ministra alemã quer alargamento do prazo de prescrição

Afirmando-se "furiosa" com os casos de abuso que foram conhecidos no último mês e meio, a ministra da Educação sustentou que "não deve haver nenhuma tolerância em caso de suspeita de abusos sexuais ou de violência contra crianças e adolescentes nas escolas ou nos internatos. Esses casos devem ser esclarecidos".

Nesse sentido, Annette Schavan declarou ao Bild am Sonntag que iria reunir-se "com o presidente da conferência de ministros regionais da Educação e com as federações de professores sobre o que pode ser feito em matéria de prevenção".Sabine Leutheusser-Schnarrenberger


A ministra apontou para já a possibilidade de um prolongamento do prazo de prescrição para as situações de abuso sexual de menores.Sabine Leutheusser-Schnarrenberger

Nenhum comentário:

Postar um comentário