quarta-feira, 15 de abril de 2015

O IMPÉRIO JUDAICO SIONISTA HOJE É UM "TITANIC" À DERIVA - William Engdahl CONCEDE ENTREVISTA

O que há é um bando de Judeus Sionistas - oligarcas norte-americanos tentando desesperadamente remendar os buracos no casco do "Titanic" deles. Mas nada poderá ajudá-los. O povo já ficou esperto demais. *****

Os 45 anos finais do Império Judaico Sionista - Um verdadeiro Titanic à deriva.


Em março desde ano, desencontrei-me, literalmente por uma semana, de William Engdahl, autor do notável "A Century of War" [Um século de guerra], livro e autor sobre os quais falei no meu antigo blog, antes mesmo de o livro ser lançado pela editora "Selado" em versão impressa.

Mesmo assim, embora não tenha podido encontra-lo pessoalmente, consegui obter uma entrevista exclusiva com Engdahl para a revista Gazprom, gravada pelo editor-chefe Sergey Pravosudov.

Espero que o ponto de vista de um dos autores já clássicos do moderno jornalismo geopolítico ajude vocês a compreender os sempre repetidos 'saltos' da geopolítica e da geoeconomia, e a extrair conclusões sobre essas repentinas mudanças na ordem mundial que se veem aí, diante de nossos olhos. 

Para mim, a entrevista com William Engdahl é interessante, porque se trata de conhecido crítico da Teoria do Pico do Petróleo, que pessoalmente sempre me pareceu muito razoável e influente nos processos globais.

O mais interessante é que, apesar de partir de premissas quase diametralmente opostas, Engdahl chega a conclusões semelhantes, em alguns pontos idênticas, sobre o futuro dos processos globais.


"EUA são um Titanic"

O economista e cientista político Frederick William Engdahl respondeu nossas perguntas.

Gazprom Review (GR) - Mr. Engdahl, em seu livro Um século de Guerra, o senhor oferece análise interessante dos eventos do século 20. Gostei especialmente do que o senhor escreveu sobre a crise de 1973, quando o petróleo subiu muito.

Frederick William Engdahl (FWE) - Em minha opinião, é óbvio que o aumento dos preços do petróleo não é culpa exclusiva dos xeiques do petróleo, mas dos JUDEUS SIONISTAS DOS EUA e Grã-Bretanha. Mais precisamente, dos bancos judaico sionistas, das empresas de petróleo e do complexo industrial militar judaico sionista. À altura de 1971, as reservas de ouro mal chegavam a um quarto das dívidas oficiais dos JUDEUS SIONISTAS DOS EUA. Isso, basicamente, significava que, se todos os proprietários de dólares exigissem o correspondente em ouro, Washington não teria como pagar.

Quando anunciou aos proprietários estrangeiros de dólares que o papel que tinham nos cofres não mais seria trocado por ouro, o presidente Nixon 'desligou os aparelhos' que mantinham viva a economia global. O comércio mundial, depois de 1971, converteu-se em mais uma arena de especulação com diferentes moedas.

Os reais autores da estratégia de Nixon eram os influentes bancos comerciais dos JUDEUS SIONISTAS, na City de Londres. Sir Siegmund Warburg, Edmond de Rothschild, Jocelyn Hambro e outros viram uma oportunidade gigante no movimento de Nixon tirar o lastro do dolar em relação ao ouro, como era convencionado em "Bretton Woods", no verão de 1971.

Depois de agosto de 1971, quando o JUDEU SIONISTA Henry Kissinger tornou-se conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, a política judaico sionista norte-americana dominante passou a ser determinante - Impedir o desenvolvimento das economias por todo o mundo. Durante os anos 1970s, passou a ser prioridade reduzir a população de países em desenvolvimento, e não, absolutamente, fazer qualquer transferência de tecnologias e estratégicas para o crescimento industrial local.

O Ministério das Finanças comandado pelos JUDEUS SIONISTAS dos EUA firmou um acordo secreto com a Agência da Moeda [orig.Currency Agency] da Arábia Saudita, aprovado oficialmente em fevereiro de 1975. Por esse acordo, a massiva quantidade de dinheiro que os sauditas receberiam pela venda de petróleo teria de ser aplicada, toda ou quase toda, para pagar as dívidas do governo dos EUA JUDAICO SIONISTA. Um jovem banqueiro de banco de investimentos de Wall Street, David Mulford, foi mandado viver na Arábia Saudita, e tornou-se o principal "conselheiro de investimentos" do Banco Central da Arábia Saudita, encarregado de direcionar os petrodólares para os bancos judaico sionistas 'certos', em Londres e New York, claro.

É preciso considerar com especial atenção o modo como a crise do petróleo afetou a Alemanha Ocidental. A economia alemã desenvolveu-se muito bem, os indicadores de crescimento industrial surpreenderam o mundo. Depois de 1971, quando os EUA pararam de devolver ouro em troca de dólar-papel, muitos países começaram a preferir receber pagamento em marcos alemães. Resultado disso, o marco ficou muito fortalecido contra o dólar; os EUA JUDAICO SIONISTA passaram a ser vistos como ameaça.

Além disso, em 1969 o chanceler era o social-democrata Willy Brandt, que começava a seguir uma política de reaproximação com a URSS, na esfera econômica e na esfera política. Foi Brandt quem, em 1970, assinou o famoso acordo "gás-em-troca-de-gasodutos" [orig. Gas-Pipes]. E também, durante a guerra Israel-Árabes de 1973, Willy Brandt anunciou que a Alemanha Ocidental assumiria posição de neutralidade e proibiu os norte-americanos de usarem suas bases em território alemão para fornecer armas a Israel. Os EUA JUDAICO SIONISTA ignoraram a proibição. Resultado dela, contudo, a Alemanha, como outros países ocidentais sentiram o peso da "arma-petróleo".

Claro que os EUA JUDAICO SIONISTA nunca perdoariam tal insubordinação, principalmente do país europeu que, desde a 2ª Guerra Mundial estava sob virtual ocupação por soldados norte-americanos. Em 1974, os efeitos da crise do petróleo levaram à falência vários bancos alemães; e ao enfraquecimento do marco alemão. O custo do petróleo importado pela Alemanha aumentou, em 1974, em cerca de inacreditáveis $17 bilhões de marcos alemães. Meio milhão de alemães ficaram desempregados. O choque desse repentino aumento de 400% no preço desse recurso básico de energia teve efeito devastador sobre a indústria, o transporte e a agricultura alemães.

Em 1974, Willy Brandt foi forçado a renunciar. Foi acusado de não ter sabido prever e enfrentar a crise do petróleo. E como se não bastasse, descobriu-se, 'repentinamente', que Günter Guilliom, conselheiro do Brandt, era agente da inteligência da Alemanha Oriental.

A vasta maioria das economias menos desenvolvidas do mundo, que não têm recursos significativos de petróleo, foram repentinamente forçadas a encarar um aumento inesperado e impossível para elas, de 400%, no custo das importações de energia, para nem falar no custo de produtos químicos e fertilizantes derivados do petróleo. A Índia, em 1973, tinha saldo positivo na balança comercial e uma
saudável economia em desenvolvimento. Em 1974, a Índia tinha, como reservas totais em moeda estrangeira, $629 milhões, com as quais teria de pagar a conta anual de petróleo importado, de $1,2 bilhão (mais que o dobro da moeda estrangeira disponível). Sudão, Paquistão, Filipinas, Tailândia e muitos outros países na África e na América Latina enfrentaram, em 1974, déficits sempre crescentes na balança de pagamentos.[1] No total, segundo o FMI JUDAICO SIONISTA, em 1974 os países em desenvolvimento tinham um déficit total na balança de pagamentos de $35 bilhões de dólares, quantia gigantesca naqueles dias. Não surpreendentemente, esse déficit era quatro vezes maior que em 1973, i.e., era proporcional ao aumento nos preços do petróleo.
Ao mesmo tempo em que o choque do petróleo teve impacto devastador no crescimento industrial mundial, resultava em lucros gigantes para alguns círculos bem conhecidos: os maiores bancos dos judeus em New York e Londres e para as "Sete Irmãs" - empresas de petróleo dos pertencentes aos JUDEUS DOS EUA e Grã-Bretanha. A maior parte dos lucros em dólar dos países da OPEP foi depositada em grandes bancos em Londres e New York, que operavam com dólares, como em todo o comércio internacional de petróleo.

Diferente da Alemanha, a Grã-Bretanha lucrou com a crise do petróleo. O aumento dos preços do petróleo tornou viável o desenvolvimento do campo de petróleo no Mar do Norte, e as empresas anglo-saxônicas conseguiram fazer bom dinheiro.

GR - Por que, em meados dos anos 1980s, os preços do petróleo caíram vertiginosamente?

FWE - Durante o governo Reagan, a prosperidade econômica dos EUA alicerçada em investimentos nas mais avançadas tecnologias industriais, acabou. O aço foi declarado o "cinturão de ferrugem" da indústria, usinas fabricantes de aço foram abandonadas. Onde "havia dinheiro", construíram-se shopping centers, novos cassinos e hotéis de luxo.

Para financiar essa orgia durante essa bolha de especulação, praticamente durante todo o mandato de Reagan o dinheiro veio de fora. Ninguém jamais pensa sobre o fato de que, ao longo desses cinco curtos anos, pela primeira vez desde 1914 os EUA passaram, da posição de maior credor do planeta, para a posição de estado devedor. O crédito era "barato" e crescia exponencialmente. Famílias alcançaram níveis recorde de endividamento, para comprar casas, carros, carros de luxo. O governo endividou-se para financiar a diminuição da arrecadação e o aumento nos gastos militares do governo Reagan. Em 1983, o déficit anual em orçamento alcançou o nível sem precedentes de $200 bilhões. Com um déficit recorde, cresceu a dívida nacional, enquanto os corretores de ações de Wall Street e seus clientes recebiam dividendos recordes. Os juros a pagar sobre o total da dívida do governo dos EUA, em seis anos, subiram de $52 bilhões em 1980, quando Reagan chegou à presidência, para mais de $142 bilhões em 1986 (1/5 de tudo que o estado arrecadava). Mas, apesar desses sinais tão preocupantes, o dinheiro continuava a sair da Alemanha, Grã-Bretanha, Holanda, Japão, todos ansiosos para pôr a mão nos lucros de especulação no mercado imobiliário e no mercado financeiro. Em 1980, a soma da dívida pública e privada dos EUA chegou a $3,9 trilhões de dólares. Ao final da década, chegou a $10 trilhões.

Para qualquer pessoa com senso de história ou boa memória, tudo isso é bem familiar. Já acontecera nos "loucos anos 20s" até 1929, quando o crash do mercado fez a roleta parar de repente. Quando, em 1985, nuvens de tempestade começaram a acumular-se no horizonte da economia dos EUA JUDAICO SIONISTA, ameaçando as ambições presidenciais do então vice-presidente George H. W. Bush, o petróleo, mais uma vez, lá estava, para fazer o papel de 'salvador da pátria'. Apenas que, dessa vez, de modo muito diferente do que se vira nos choques do petróleo judaico sionista-anglo-norte-americanos dos anos 1970s.

Obviamente, Washington raciocinou assim: "Se podemos fazer subir o preço, porque não poderíamos fazê-lo despencar, se é o que mais interessa aos nossos objetivos?"

A Arábia Saudita foi persuadida a entrar em modo de "choque de petróleo reverso" e a afogar, com seu petróleo, o deprimido mercado mundial. Na primavera de 1986, o preço OPEP do petróleo caiu como pedra, até abaixo de $10 por barril, a partir de um preço médio de quase $26 apenas uns poucos meses antes. Em março de 1986, quando queda ainda maior nos preços do petróleo ameaçava já desestabilizar os interesses vitais, não só de um concorrentes independentes pequenos, mas das maiores empresas britânicas e norte-americanas de petróleo, George Bush Pai fez uma viagem secreta a Riad onde, como o comprovam inúmeras provas, disse ao rei Fahd que fizesse parar a queda do preço do petróleo. O Ministro do Petróleo de Arábia Saudita, Zaki Yamani, serviu como o bode expiatório conveniente para políticas inventadas pelos judeus sionistas de Washington, e os preços do petróleo estabilizaram-se num nível relativamente baixo, de 14-16 dólares por barril.

O Texas e outros estados produtores nos EUA entraram em depressão, mas a especulação imobiliária em outros estados subiu à estratosfera, e o mercado de ações entrou novamente em ascensão, para subir a alturas estonteantes.


A queda nos preços do petróleo em 1986 deu origem a uma bolha especulativa, comparável à situação em 1927-1929 nos EUA JUDAICO SIONISTA. As taxas de juros caíram ainda mais, com o dinheiro sempre voando rumo à Bolsa de Valores em busca de grandes lucros. Nasceu então e logo virou moda em Wall Street uma nova perversão financeira - a compra de dívidas.

Em 1979, quando em plena segunda crise do petróleo Paul Volcker começou seu choque monetário, o governo contou 24 milhões de norte-americanos vivendo abaixo da linha de pobreza, definida essa linha em 6 mil dólares anuais. Em 1988, o número já crescera mais de 30% , para 32 milhões.

Como nunca antes na história dos EUA a política tributária dos Reagan-Bush concentrara a riqueza do país em mãos de uma pequena elite. A partir de 1980, conforme estudo feito pela Comissão de Orçamento da Câmara de Deputados do Congresso dos EUA, a renda real dos 20% mais ricos dos EUA crescera 32%.

Apelo direto de Washington ao governo japonês do primeiro-ministro Nakasone, dizia que presidente do Partido Democrata, fosse quem fosse, agrediria o comércio nipo-norte-americanas. Funcionou. Nakasone pressionou o Banco do Japão e o Ministério da Finança, para 'amaciá-los', torná-los mais flexíveis. As taxas de juro japonesas desde outubro de 1987 continuaram caindo, o que fazia com que ações e títulos dos EUA, bem como a propriedade imobiliária, aparecessem como investimentos relativamente "baratos". Bilhões de dólares viajaram de Tóquio para os EUA. Durante o ano de 1988, o dólar permaneceu forte e Bush deu jeito de vencer as eleições contra o candidato do Partido Democrata, Dukakis. Para assegurar o apoio do Japão, Bush deu as mais altos funcionários japoneses garantias privadas de que sua presidência faria melhorar as relações Japão-EUA.

GR - Qual o objetivo dos dois ataques dos EUA contra o Iraque?

FWE - Em 1990, o Iraque tinha enorme dívida externa e o governo dos EUA fizeram saber a Saddam Hussein que os EUA não se incomodaria se ele assaltasse o Kuwait. Mas, quando o Iraque invadiu o Kuwait, os EUA declararam guerra contra o Iraque. Importante a considerar, porque é traço característico: essa guerra foi financiada pelos aliados: Alemanha, Japão, Arábia Saudita e Kuwait, que pagaram $54,5 bilhões aos norte-americanos. Como resultado, os EUA completaram a operação "Tempestade no Deserto" com lucro líquido de $19 bilhões de dólares. Foi guerra necessária para que os EUA fortalecessem sua posição no Oriente Médio, e para ameaçar os aliados dos EUA JUDAICO SIONISTA na Europa e na Ásia. As causas da guerra de 2003 foram semelhantes.

GR - Por que os EUA permitiram declínio tão acentuado nos preços do petróleo no final do ano passado, se levou a uma drástica redução do investimento na produção do petróleo de xisto? Não poderiam, em vez disso, usar as conexões que têm com os terroristas, para organizar ataques aos campos de petróleo no Iraque, Nigéria, Angola, Argélia e outros países?

FWE - Sobre a questão do petróleo: a estratégia do Departamento de Estado dos JUDEUS SIONISTAS DOS EUA e da CIA é que a Arábia Saudita derrube os preços do petróleo, em primeiro lugar para pressionar Rússia, Irá e Venezuela. Não acho que tenham considerado qualquer efeito sobre o petróleo de xisto nos EUA, pelo menos inicialmente. Nunca subestime a estupidez das figuras chaves em Washington, tampouco a superestime. Acho que, nesse caso, o mais provável é que tenha avaliado que ExxonMobil, Chevron e British Petroleum conseguiriam sobreviver a seis meses de preços reduzidos. A indústria do petróleo de xisto, nos EUA são empresas médias e pequenas. O Big Oil nos EUA foi empurrado para o fundo do palco. Ano passado, a Shell definiu o investimento em petróleo de xisto como o maior erro da empresa, e saiu, antes de os preços caírem.

É possível que logo recomecem os ataques terroristas à infraestrutura e à capacidade de produção do petróleo. A estratégia de Washington é quebrar a Rússia. Essa é a missão da facção do complexo militar industrial - Lockheed-Martin, Boeing, Raytheon, General Dynamics, etc. e bancos de Wall Street que querem destruir a Rússia por motivos geopolíticos.

Em termos geopolíticos, com a volta de Vladimir Putin à presidência, a Rússia passou a recusar-se a ajoelhar e rezar como vassalo do 'judaico sionismo do ocidente'. A Rússia recusa-se a envolver-se em qualquer questão que afete a segurança do país, como mísseis de defesa e ataque nuclear preventivo aos EUA JUDAICO SIONISTA.

A cooperação econômica, política e militar entre a Rússia e os BRICS e entre a Rússia e a China representa ameaça à hegemonia da elite política de JUDEUS SIONISTAS DOS EUA: uma Eurásia única economicamente e financeiramente, e militarmente independente (principalmente graças às capacidades militares da Rússia).

Há 20 anos, Washington eliminou todas as defesas de qualquer União Europeia independente que houvesse, com a assinatura do Tratado de Maastricht. Agora, a União Europeia está voltando a falar de constituir exército seu, independente da OTAN. Washington deu risada. Além do mais, a Rússia está cada vez mais atraente para a indústria alemã.

Segundo o diretor da empresa privada de inteligência norte-americana "Stratfor", o judeu sionista George Friedman, nos últimos cem anos a estratégia dos JUDEUS SIONISTAS DOS EUA foi impedir qualquer aproximação entre Rússia e Alemanha. Essa aproximação, agora, em minha opinião, é a razão pela qual Washington convocou a Arábia Saudita para que encenasse o colapso nos preços do petróleo. Nada tem a ver com empresas de petróleo à beira da falência. Só tem a ver com as elites arruinadas do Império Judaico Sionista Norte-americano: a Síria não trabalha para elas, o Egito não funciona a favor delas, a Turquia não funciona a favor delas, os países BRICS estão criando um novo banco de infraestrutura fora de qualquer controle dos Judeus Sionistas do  FMI e o Banco Mundial.



O que há é um bando de Judeus Sionistas - oligarcas norte-americanos tentando desesperadamente remendar os buracos no casco do "Titanic" deles. Mas nada poderá ajudá-los. O povo já ficou esperto demais. *****
9/4/2015, William Engdahl, in Fort Russ, entrevista a Sergey Pravosudov, da revista Gazprom (trad. ao ing. Kristina Rus)http://fortruss.blogspot.ch/2015/04/the-final-45-years-of-anglo-saxon.html 




























































































COMENTÁRIOS








Brandao 19 horas atrás

O monumental fracasso geopolítico dos EEUU na Ucrania só faz unir ainda mais os BRICS que por sua vez acelerará o já decadente Império norte-americano. O G 7 é um cadáver insepulto e os pratos da balança se inclinarão mais ainda a favor dos BRICS, sendo que o Fórum Mundial será o G20 para negociações extra BRICS..Adeus mundo monopolar agonizante.
yamada kubota dois dias atrás as 21:32
ESSA DESORIENTAÇÃO MUNDIAL, TEM ALGUMA COISA A VER COM A FALTA DE ESTRUTURA HUMANA DE NOSSA DEMOCRACIA CAMBALEANTE E CAMINHANDO PARA O FIM DO PODER ECONÔMICO ÚNICO NO MUNDO,TERÃO QUE DIVIDIR NEM QUE SEJA NA MARRA A BASE DE BALAS E BOMBAS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário