domingo, 19 de abril de 2015

IMPEACHMENT DE DILMA - CRISTINA - MADURO - ALLENDE - ZELAYA - LUGO - MORSI - KADHAFI - ASSAD - EVO MORALES - RAFAEL CORREA - PUTIN - YANUKOVICH - MUBARAC - BEN ALI - OMAR TORRIJOS - JOHN KENNEDY - NASSER - JANGO - EDUARDO CAMPOS - CHAVEZ - MITTERRAND - CASTELO BRANCO - COSTA E SILVA - TANCREDO NEVES - GETÚLIO VARGAS - SADAM HUSSEIN - ANUAR SADAT - JOHN KENNEDY JUNIOR -

"Impeachment", "Golpe de Estado" e "Ditadura de 'Mercado', ou seja, "Judeus Sionistas"

Os paladinos da educação defendem a educação primária geral, a atenção especial à primeira infância, a inclusão de todas as crianças e jovens (e os adultos?) no sistema. Não se fala muito na preparação de professores nem no horário integral nem nos efeitos, negativos e desestruradores, da televisão e da internet que os Judeus Sionistas disponibilisam ao sistema de ensino em seu cerne, que é o tempo dedicado aos estudos pelos jovens. Pode-se perguntar quando estes brasileiros, hoje infantes e jovens, entrariam no mercado de trabalho para tornar a mão de obra mais produtiva e o Brasil mais competitivo: daqui a 10 anos? Daqui a 15? E até lá?"




Judeus querem o impeachment da Dilma! Mas o quê é impeachment para os Judeus Sionistas?

O impeachment é a tentativa de anular, por via legislativa, pelo voto de 513 deputados e 81 senadores, os resultados das eleições de novembro de 2014 que refletiram a vontade da maioria do povo brasileiro ao reeleger a Presidenta Dilma Rousseff, por 53 milhões de votos.

"IMPEACHMENT" PELAS ALTAS CORTES COMPRADAS 
LUGO DO PARAGUAI FOI DEPOSTO NUM JULGAMENTO DE APENAS 24 Hs - PELO "STF" DOMINADO PELOS JUDEUS
ZELAYA DE HONDURAS FOI DEPOSTO PELO "STF" DOMINADO PELOS JUDEUS
MOHAMAD MORSI - O ÚNICO PRESIDENTE ELEITO DO EGITO EM 7 000 ANOS DE CIVILIZAÇÃO - FOI DEPOSTO PELO "STF" DOMINADO PELOS JUDEUS 

Os Judeus Sionistas fizeram algo semelhante ao impeachment no PARAGUAI, HONDURAS, e EGITO,  subornaram as Supremas Cortes desses países e derrubaram seus respectivos presidentes LUGO - ZELAYA E MORSI, todos legítimamente eleitos pelo voto popular, e nomearam fantoches em seu lugar, verdadeiros cúmplices, obedientes e cordatos para servi-los e ajuda-los a roubar as riquezas destes países.
"IMPEACHMENT" POR ASSASSINATOS

SALVADOR ALLENDE DO CHILE - FOI ASSASSINADO POR PINOCHET, LACAIO DOS JUDEUS, DENTRO DO PALÁCIO DE GOVERNO
Os mesmos Judeus Sionistas derrubaram com GOLPE DE ESTADO Salvador Allende e o assassinaram, havia sido eleito com o voto popular, implantando no CHILE a mais sangrenta DITADURA  da América Latina com o sanguinário PINOCHET. 
JOHN KENNEDY DOS ESTADOS UNIDOS - FOI ASSASSINADO PORQUE QUERIA ACABAR COM A GUERRA DO VIETNÂ - QUE ERA A MAIOR FONTE DE RENDA DOS JUDEUS SIONISTAS FORNECEDORES DE ARMAS AO GOVERNO
Assassinato de John Fitzgerald Kennedy
NASSER DO EGITO - DISCORDAVA DA POLÍTICA COLONIALISTA DOS JUDEUS - FOI ASSASSINADO A EXEMPLO DE TANCREDO, COSTA E SILVA E JANGO COM A PISTOLA DE DARDOS DOS JUDEUS QUE SIMULA ATAQUE CARDIÍACO

JANGO DO BRASIL - QUERIA FAZER A REFORMA AGRÁRIA E NÃO ERA PRIVATISTA - POR ISSO FOI DERRUBADO PELOS JUDEUS QUE PATROCINARAM O GOLPE DE 1964 E POSTERIORMENTE ASSASSINADO COM A PISTOLA DE DARDOS DOS JUDEUS QUE SIMULA ATAQUE CARDÍACO 
HUGO CHAVEZ DA VENEZUELA - EXPULSOU OS JUDEUS DA ECONOMIA E ESTATIZOU O PETRÓLEO, MINERAÇÕES DE OURO E UNIVERSIDADES - DECLAROU SEU PAÍS DE "TERRA E HOMENS LIVRES" - FOI ASSASSINADO COM CÂNCER INDUZIDO, SEGUNDO SUAS PRÓPRIAS PALAVRAS, A EXEMPLO DE MITTERRAND DA FRANÇA - A PROPÓSITO, O CÂNCER INDUZIDO ACOMETEU TODOS OS LÍDERES ESQUERDISTAS DO CONTINENTE - LULA - DILMA - CRISTINA - FIDEL CASTRO, E TODOS AO MESMO TEMPO 
MITTERRAND DA FRANÇA O PRIMEIRO E ÚNICO SOCIALISTA NO GOVERNO FRANCES(Hollande é um falso socialista) - A EXEMPLO DE "DE GAULLE", sempre impediram que a inglaterra entrasse na "UE", porque com ela viriam os Judeus Sionistas e quebrariam a Europa e após sua morte foi o que aconteceu - A Europa Ocidental está quebrada. Foi assassinado com câncer induzido e por fim uma injeção letal ministrada por médicos judeus- "El ex presidente francés François Mitterrand, afectado por un cáncer durante más de 14 años, vio su "calvario aliviado" en enero de 1996 por una "inyección" por "vía intravenosa", afirman dos periodistas franceses en un libro publicado este martes.
ANUAR SADAT DO EGITO - DERROTOU ISRAEL EM 1973 - DESTRUIU A FORÇA AÉREA ISRAELENSE COM OS MÍSSEIS "SAM 6" E "SAM 7" RUSSOS E RETOMOU O CANAL DE SUEZ E A PENÍNSULA DO SINAI, VINGANDO ASSIM A DERROTA SOFRIDA EM 1966 - Foi assassinado em plena tribuna de honra, num atentado prepaparado pelos judeus.
GETULIO VARGAS DO BRASIL - OS JUDEUS QUERIAM PRIVATIZAÇÕES E GETÚLIO NÃO ADMITIA VENDER NENHUMA ESTATAL E PRINCIPALMENTE A PETROBRAS CRIADA POR ELE - FOI ASSASSINADO NUM SIMULACRO DE SUICÍDIO, APÓS FORTE CAMPANHA MIDIÁTICA JUDAICO SIONISTA - DA MESMA FORMA QUE HOJE, OS JUDEUS FAZEM COM A DILMA, E O MOTIVO É O MESMO - QUEREM ROUBAR A PETROBRAS
TANCREDO NEVES DO BRASIL - FOI ASSASSINADO ANTES DE TOMAR POSSE - OS JUDEUS JÁ SABIAM DE SUAS TENDENCIAS POLÍTICAS E QUE JAMAIS ABRIRIA O PAIS PARA PRIVATIZAÇÕES COMO AS QUE COLLOR E FHC PROMOVERAM - OS JUDEUS USARAM A PISTOLA DE DARDOS DE GELO ENVENENADO DA "CIA", QUE NÃO DEIXA VESTÍGIOS

MARECHAL COSTA E SILVA DO BRASIL - EDITOR DO "AI-5" - OS JUDEUS SE SENTIAM TRAÍDOS PELOS MILITARES, QUE APESAR TEREM TRAMADO O GOLPE DE 1964, OS MILITARES NÃO ACEITARAM QUE SE FIZESSEM PRIVATIZAÇÕES, OBJETIVO DOS JUDEUS,  QUE JAMAIS ABRIRIAM O PAIS PARA PRIVATIZAÇÕES COMO AS QUE COLLOR E FHC PROMOVERAM - OS JUDEUS O ASSASSINARAM COM A PISTOLA DE DARDOS DE GELO ENVENENADO DA "CIA", QUE NÃO DEIXA VESTÍGIOS


"IMPEACHMENT" POR "ACIDENTES AÉREOS"

OMAR TORRIJOS DO PANAMÁ - OS JUDEUS COLOCARAM UMA BOMBA EM SEU AVIÃO - NÃO QUERIAM ENTREGAR O CANAL DO PANAMÁ

EDUARDO CAMPOS DO BRASIL - "CIA" E "MOSSAD" DERRUBARAM SEU AVIÃO PARA BENEFICIAR "MARINA SILVA" QUE É "Cavalo de Troia Sionista", ela e seu partido são financiados pela Judia Sionista "NECA" dona do Banco ITAÚ.
Segundo o jornalista investigativo norte-americano Wayne Madsen publicou um texto em sua coluna no site da Fundação da Cultura Estratégica — afirmando que a CIA, serviço de inteligência e espionagem do governo dos EUA, seria responsável pela morte do candidato à Presidência da República Eduardo Campos. Segundo o autor, o “assassinato” teve motivações políticas. 
JOHN KENNEDY JUNIOR DOS ESTADOS UNIDOS - SERIA UM CANDIDATO IMBATÍVEL À PRESIDÊNCIA, E O LOOBY DOS JUDEUS SIONISTAS NÃO QUERIAM OUTRO KENNEDY NA CASA BRANCA -  FOI ASSASSINADO POR SABOTAGEM EM SEU AVIÃO - OS AVIÕES FABRICADOS PELOS JUDEUS SIONISTAS AMERICANOS JÁ SAEM DE FÁBRICA COM SISTEMA DE PANE INSTALADO


MARECHAL CASTELO BRANCO DO BRASIL - FOI O PRIMEIRO MILITAR A PRESIDIR O BRASIL PÓS 64 - OS JUDEUS SE SENTIAM TRAÍDOS PELOS MILITARES, QUE APESAR TEREM TRAMADO O GOLPE DE 1964, OS MILITARES NÃO ACEITARAM QUE SE FIZESSEM PRIVATIZAÇÕES, OBJETIVO DOS JUDEUS,  QUE JAMAIS ABRIRIAM O PAIS PARA PRIVATIZAÇÕES COMO AS QUE COLLOR E FHC PROMOVERAM - OS JUDEUS O ASSASSINARAM DERRUBANDO SEU AVIÃO COM UM MÍSSIL DE UM AVIÃO DA FAB, E DEPOIS ALEGARAM QUE FOI UMA TROMBADA AÉREA, ONDE SÓ UM AVIÃO CAIU, JUSTAMENTE O DE CASTELO 

"IMPEACHMENT" PELA "MÍDIA JUDAICO SIONISTA" COM FALSAS DENÚNCIAS


CRISTINA KIRCHNER DA ARGENTINA  - ELEITA POR VOTO POPULAR E SOFRE OPOSIÇÃO CERRADA PELA MÍDIA JUDAICO SIONISTA COM FALSAS DENÚNCIAS 
NICOLAS MADURO DA VENEZUELA - OPOSIÇÃO CERRADA PELA MÍDIA JUDAICO SIONISTA COM FALSAS DENÚNCIAS E ATENTADOS COM MERCENÁRIOS TERRORISTAS SIONISTAS CONTRA INSTALAÇÕES GOVERNAMENTAIS E TENTATIVAS DE ASSASSINATO 
DILMA ROUSSEF DO BRASIL - Desde 2003, as televisões, em especial a TV Globo; os maiores jornais, como oEstado de S.Paulo, a Folha de S.Paulo e O Globo; e as principais revistas, quais sejam a VejaIsto É e Época, se empenham em uma campanha sistemática para desmoralizar o Partido dos Trabalhadores e os partidos progressistas e para tentar "provar" a ineficiência, o descalabro e a corrupção dos governos do PT, inclusive de seus programas sociais - que retiraram da miséria e da pobreza 40 milhões de brasileiros.
Agora, com a ajuda de membros do Poder Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal, os meios de comunicação, tendo seu candidato perdido as eleições, tentam criar um clima político e de opinião que venha a derrubar ou imobilizar a Presidenta e, assim, anular a vontade da maioria do povo brasileiro.
Fazem isto divulgando dia a dia as declarações de delatores, criminosos confessos, e de procuradores, policiais e juízes que as "vazam", seletivamente, para os meios de comunicação, cometendo notória ilegalidade, e publicando notícias sobre o extraordinário descalabro e corrupção em que viveria o país.
EVO MORALES DA BOLÍVIA  - ELEITO POR VOTO POPULAR E SOFRE OPOSIÇÃO CERRADA PELA MÍDIA JUDAICO SIONISTA COM FALSAS DENÚNCIAS 
VLADIMIR PUTIN DA RÚSSIA - ELEITO POR VOTO POPULAR E SOFRE OPOSIÇÃO CERRADA PELA MÍDIA JUDAICO SIONISTA COM FALSAS DENÚNCIAS DE INVASÃO DA UCRÂNIA, SENDO QUE OS JUDEUS SIONISTAS É QUE INVADIRAM E DERRUBARA O GOVERNANTE ELEITO DEMOCRÁTICAMENTE, IMPLANTANDO UM ESTADO POLICIAL E CORRUPTO E JÁ ASSASSINARAM MAIS DE 10 000 UCRANIANOS - OS JUDEUS PROMOVEM TAMBÉM SANÇÕES ECONOMICAS DESCABIDAS - COM INTUITO DE DESMORALISAREM SEU GOVERNO E TEVE O EFEITO CONTRÁRIO - A POPULARIDADE DE PUTIN NA RÚSSIA SUBIU DE 62% PARA 82% - E TEM AINDA A APROVAÇÃO DE 78% DOS AMERICANOS
ASSAD DA SÍRIA  - ELEITO POR VOTO POPULAR E SOFRE OPOSIÇÃO CERRADA PELA MÍDIA JUDAICO SIONISTA COM FALSAS DENÚNCIAS DE USAR ARMAS QUÍMICAS CONTRA A FALSA OPOSIÇÃO, SENDO QUE FORAM OS PRÓPRIOS ACUSADORES QUE USARAM ESTAS ARMAS, FATO COMPROVADO PELA ONU - A REALIDADE É QUE OS JUDEUS INVADIRAM A SÍRIA COM MERCENÁRIOS TERRORISTAS ALICIADOS NOS ESTADOS UNIDOS E EUROPA, MAS ESTÃO SENDO DERROTADOS E EXPULSOS COM A AJUDA DO HEZBOLA - CHINA - RÚSSIA E IRÃ
RAFAEL CORREA DO EQUADOR  - ELEITO POR VOTO POPULAR E SOFRE OPOSIÇÃO CERRADA PELA MÍDIA JUDAICO SIONISTA COM FALSAS DENÚNCIAS 

"IMPEACHMENT" POR "GOLPE DE ESTADO"


VICKTOR IANUKOVICH DA UCRÂNIA  - ELEITO POR VOTO POPULAR E SOFREU GOLPE DE ESTADO CAPITANEADO PELA MÍDIA JUDAICO SIONISTA APOIADA POR 5 000 MERCENÁRIOS TERRORISTAS DO JUDAICO SIONISMO DE ISRAEL - SEU MAIOR CRIME FOI O DE NÃO SE ASSOCIAR À "UE", POIS A CONDIÇÃO PRIMEIRA ERA APROVAR O CASAMENTO DE VEADOS E DEPOIS PRIVATIZAR AS ESTATAIS 


"IMPEACHMENT" POR "INVASÃO MILITAR"


KADHAFI TEVE O PAIS INVADIDO, FOI ASSASSINADO COM SUA FAMÍLIA - PUTIN AFIRMA QUE ESTADOS UNIDOS TIVERAM PARTICIPAÇÃO NO ASSASSINATO 
SADAM HUSSEIN DO IRAQUE - OS JUDEUS SIONISTAS DOS ESTADOS UNIDOS INVADIRAM SEU PAÍS O DEPUSERAM E ENFORCARAM, SIMPLESMENTE PARA ROUBAR O PETRÓLEO IRAQUIANO QUE É UMA DAS MAIORES RESERVAS DO MUNDO
Desde 2003, as televisões, em especial a TV Globo; os maiores jornais, como oEstado de S.Paulo, a Folha de S.Paulo e O Globo; e as principais revistas, quais sejam a VejaIsto É e Época, se empenham em uma campanha sistemática para desmoralizar o Partido dos Trabalhadores e os partidos progressistas e para tentar "provar" a ineficiência, o descalabro e a corrupção dos governos do PT, inclusive de seus programas sociais - que retiraram da miséria e da pobreza 40 milhões de brasileiros.

Agora, com a ajuda de membros do Poder Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal, os meios de comunicação, tendo seu candidato perdido as eleições, tentam criar um clima político e de opinião que venha a derrubar ou imobilizar a Presidenta e, assim, anular a vontade da maioria do povo brasileiro.

Fazem isto divulgando dia a dia as declarações de delatores, criminosos confessos, e de procuradores, policiais e juízes que as "vazam", seletivamente, para os meios de comunicação, cometendo notória ilegalidade, e publicando notícias sobre o extraordinário descalabro e corrupção em que viveria o país.

Instabilidade política

Diante da instabilidade política gerada por esta campanha, a Presidenta Dilma, com o objetivo de conter as manobras golpistas (recontagem de votos, acusações de fraude, ameaças diversas, etc.) e de apaziguar o "mercado", anunciou um programa de austeridade, de equilíbrio orçamentário, de contração de gastos do Estado, de redução de investimentos, na esperança de conquistar a "confiança dos investidores", seu principal objetivo, e de "acalmar" seus opositores políticos.

É preciso notar que o "mercado" não é uma entidade da sociedade civil, mas sim, na realidade, um ínfimo grupo de multimilionários, investidores, especuladores e rentistas, e seus "funcionários", quais sejam os chamados economistas-chefe de bancos e fundos, os jornalistas e articulistas de economia, e seus associados no exterior.

Há economistas e jornalistas que são notável exceção a esta afirmação, mas são eles pequena minoria.

Quando foi apresentado o programa de ajuste, declarou-se, com ênfase, que ele não iria afetar as conquistas dos trabalhadores (a legislação sobre horário de trabalho, férias, aposentadoria, seguro desemprego etc.), nem os programas sociais, mas que iria ele equilibrar o orçamento através do contingenciamento, da contenção de despesas e do aumento de impostos, com o objetivo de fazer um superávit primário que permitisse pagar os juros da dívida pública e conquistar a "confiança do mercado, a confiança dos investidores".

Conquistar a "confiança dos investidores" significa fazer com que tomem a decisão de realizar investimentos (para obter lucros) e assim ampliar a capacidade instalada, gerar empregos, condição para a retomada do desenvolvimento.

A "confiança dos investidores", todavia, tem a ver com a expansão da demanda, pois só com essa expansão (sustentada) podem surgir oportunidades de investimentos lucrativos.

A construção de "confiança" e a realização de investimentos são improváveis em uma conjuntura em que se elevam os juros dos títulos públicos e das aplicações financeiras para torná-los os mais altos do mundo, o que atrai os capitais para o setor financeiro, especulativo ou rentista, e os afasta do setor produtivo e, portanto, dos investimentos.

Outros fatores que afetam negativamente a "confiança" dos investidores são a competição predatória e destrutiva das importações; taxas cambiais inadequadas; a redução dos investimentos públicos em infraestrutura; o aumento das taxas de juros dos financiamentos de longo prazo do BNDES; a redução da demanda e o aumento do desemprego (que alguns esperam poderia criar as condições políticas para um clima favorável ao impeachment) devido à redução da atividade econômica.

Há um mantra, repetido sem cessar, sobre competitividade e produtividade, entoado por muitas autoridades públicas, acadêmicos, jornalistas "especializados", economistas-chefe de consultoras, de empresas, de bancos, que são, na realidade, empregados do "mercado".

Segundo esses "especialistas", a solução dos problemas internos, isto é a retomada do crescimento, e o afastamento para longe da crise externa latente e cada vez mais ameaçadora, dependeriam não somente da "confiança dos investidores" nas também do aumento da produtividade (isto é, da produção por trabalhador) e do aumento da competitividade das empresas brasileiras diante das chinesas, americanas e europeias, e da redução do "Custo Brasil".

No caso da produtividade, alguns afirmam que seu aumento resultaria de um grande investimento sustentado em educação, como teriam, segundo argumentam, feito os países desenvolvidos, tais como os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a Coréia e que teria sido, segundo eles, uma razão importante, e talvez a principal, para explicar o seu desenvolvimento.

Educação primária geral

Os paladinos da educação defendem a educação primária geral, a atenção especial à primeira infância, a inclusão de todas as crianças e jovens (e os adultos?) no sistema. Não se fala muito na preparação de professores nem no horário integral nem nos efeitos, negativos, da televisão e da internet sobre o sistema de ensino em seu cerne, que é o tempo dedicado aos estudos pelos jovens. Pode-se perguntar quando estes brasileiros, hoje infantes e jovens, entrariam no mercado de trabalho para tornar a mão de obra mais produtiva e o Brasil mais competitivo: daqui a 10 anos? Daqui a 15? E até lá?

Outros argumentam que os "custos do trabalho" (parte do "Custo Brasil") seriam muito elevados (em comparação com os "custos" em que países? Na China? Nos Estados Unidos? Na Alemanha?) e que, portanto, seria necessário reduzir esses "custos", impedindo aumentos "artificiais" do salário mínimo (já que não haveria escassez de mão de obra), reduzindo os benefícios da legislação trabalhista, estimulando a rotatividade da mão de obra, etc.

Quanto ao "Custo Brasil", argumentam com os altos custos de transporte e de energia, com a carga tributária elevada, com a multiplicidade de impostos, com a burocracia "infernal".

Reclamam, também, da intervenção "excessiva" do Estado (empresas estatais e regulamentação) e pedem, ainda que até agora apenas insinuem, a privatização dessas empresas e a "desburocratização", isto é, menos lei e mais liberdade para o capital.


Segundo os defensores do programa de austeridade, em decorrência do aumento da produtividade interna, a competitividade internacional seria alcançada, com todas as suas vantagens, tais como um superávit comercial estável, a diversificação dos mercados e o aumento das exportações de manufaturados.

Assim, a crise atual seria superada. Todavia, a verdade é outra.

Crise atual em parte verdadeira...

A crise atual, em parte verdadeira e em parte fabricada, decorre da revolta conservadora devido ao fato de a Presidenta Dilma ter cometido dois "pecados mortais" à luz dos interesses do "mercado", isto é, daqueles indivíduos beneficiários da concentração de riqueza, de renda e de poder político no Brasil, que são os grandes multimilionários, os latifundiários rurais e urbanos, os rentistas, os banqueiros, e seus representantes na mídia, no Congresso, no Judiciário.

O primeiro "pecado" foi a política de redução, ainda que temporária, das taxas de juros; o segundo "pecado" foi o apoio, ainda que tímido, à democratização dos meios de comunicação.

O sistema financeiro e bancário é o principal instrumento de concentração de riqueza no Brasil. Ao reduzir as taxas de juros dos bancos públicos e ao forçar a redução dos juros dos bancos privados (que foi logo compensada pelo aumento das "taxas" de administração) a Presidenta diminuiu a transferência de riqueza da sociedade e do Estado para os bancos privados, seus acionistas e os detentores de títulos públicos. A Presidenta atingiu o cerne do mecanismo de concentração do sistema econômico e provocou a ira dos setores conservadores que hoje pedem a privatização dos bancos públicos.

O sistema de comunicações no Brasil é o instrumento das classes dominantes para construir o imaginário do povo, para manipular as informações e para justificar o sistema econômico e social vigente e desmoralizar aqueles que lutam por mais igualdade, mais liberdade, mais fraternidade e pelos direitos das minorias, em um contexto de desenvolvimento.

A concentração do poder midiático "condena" os que ele acusa ao difundir e repetir incansavelmente "informações" antes de julgamentos e transformou o mensalão em julgamento prévio contra o qual não soube resistir o STF ao aceitar a conduta imprópria de seu Presidente da época e a campanha de imprensa.

O mesmo ocorre com a operação Lava Jato. Não há nenhuma iniciativa do Poder Judiciário para impedir a formação de uma opinião pública contra os acusados, gerada pelas denúncias, sem provas, feitas por criminosos confessos que denunciam a torto e a direito quando, no caso dos procedimentos de delação premiada, as investigações deveriam ser feitas sob o maior sigilo, já que se trata de denúncias feitas por criminosos em busca de vantagens pessoais. A mídia transformou o pedido da Procuradoria Geral da República de investigar determinados indivíduos em prova de sua culpa. Aqueles indivíduos, políticos ou não, que vierem a ser investigados e julgados culpados devem ser punidos com rigor, mas a imprensa não pode substituir o Poder Judiciário nem constrânge-lo, por motivos puramente políticos.

Ao ameaçar aqueles dois fundamentos da ordem conservadora, o sistema financeiro e a mídia, a Presidenta Dilma se tornou "culpada" e a oposição insiste, ainda veladamente, em que deve ser punida pela destituição do cargo por um processo de impeachment.

Seria importante que o Governo compreendesse que o que está de fato ocorrendo é uma manobra política cujos objetivos são pela ordem:
- fazer o Governo adotar o programa econômico e social do "mercado", isto é, da minoria multimilionária e de seus "associados" externos;
- ocupar os cargos da administração pública (Ministérios, Secretarias executivas, agências reguladoras) com representantes do "mercado";
- enfraquecer política e economicamente o Governo;
- enfraquecer o PT e os partidos progressistas com vistas a 2018;
- aprovar leis de interesse do "mercado";
- e, se nada disso ocorrer, fazer o Governo "sangrar" e aí, então, se necessário e possível, exigir o impeachment da Presidenta.

Contra esta enorme e múltipla ofensiva econômica, midiática e política do "mercado", de seus "funcionários" e representantes somente há uma estratégia possível: a ação política intensa junto aos movimentos populares, junto às organizações da sociedade civil, junto ao Congresso, junto à Administração Pública e aos Governadores, enfim, a mobilização da sociedade pelo seu esclarecimento para a defesa da democracia em toda sua integridade.

É indispensável que, na distribuição de suas verbas de publicidade, o Governo leve em consideração a existência de televisões comunitárias, universitárias, educativas, de rádios comunitárias, de blogs e sites, e dos pequenos e médios jornais e emissoras regionais e deixe de concentrar a distribuição de verbas e anúncios apenas na grande mídia, o que fortalece os oligolipólios que atuam de forma ostensivamente partidária e contra a maioria do povo, estimulando antagonismos violentos e radicalizando a sociedade.

As manifestações populares contra o Governo e contra a Presidenta Dilma têm reunido cidadãos que, em sua maioria, votaram contra a reeleição da Presidenta em 2014.

Hoje, insuflados pela mídia e por organizações de identificação e origem nebulosa, através das redes sociais, inconformados com a derrota e a pretexto da denúncia de corrupção, iniciam o processo político de "Fora Dilma", que é, de fato, uma campanha pró-impeachment. 


O impeachment é o golpe de Estado do "mercado". Aqueles que defendem hoje o impeachment e criam o clima de instabilidade e de radicalização são os mesmos golpistas históricos de 1954 e de 1964: as classes privilegiadas que temem o progresso e os resultados da democracia e não os aceitam, apesar de ter o Brasil uma concentração de renda que se encontra entre as dez piores do mundo, enquanto seu PIB é um dos dez maiores do mundo, e de ser urgente deter o processo de concentração de renda (que a crise acentua) para que seja possível construir uma sociedade mais justa, mais democrática, mais próspera, mais estável.

Para que este objetivo possa ser alcançado, é preciso que a sociedade brasileira não se submeta à ditadura do "mercado", cujos integrantes têm sido os grandes beneficiários da crise, que se iniciou em 2008 e não apresenta sinais sólidos de fim. 

7/4/2015, Samuel Pinheiro Guimarães, Carta Maiorhttp://cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Impeachment-golpe-de-Estado-e-ditadura-de-u21Cmercado-u21D%0a/4/33218





Um comentário:

  1. Falta culhões para colocar Hitler aí! Quem combateu mais que ele o judaísmo internacional?

    ResponderExcluir