quarta-feira, 11 de março de 2015

EXÉRCITO DE "STÉDILE" CAMPONESES CHEGAM 17 ESTADOS E O DISTRITO FEDERAL EM DEFESA DA DILMA


Camponeses chegam a 17 estados e ao Distrito Federal - Dilma não está sozinha

Manifestantes participam da Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Camponesas na Esplanada dos Ministérios (José Cruz/Agência Brasil)
Camponeses que participam da jornada de lutas fazem manifestação na Esplanada dos Ministérios - Dilma Não Está Sozinha  

Trabalhadores rurais organizaram hoje (10) manifestações em 17 estados e no Distrito Federal, em defesa das instituições e do estado de direito. -- Não aceitamos golpe, a oposição perdeu no voto e quer gnnhar no Grito. 
Os atos fazem parte da Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Camponesas, liderada por coordenações de oito movimentos ligados à agricultura familiar. De acordo com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), mais de 20 mil pessoas estão mobilizadas.
Em Brasília, as camponesas protestaram em frente aos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e o das Cidades e conseguiram uma reunião com o ministro da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas, que propôs a criação de um grupo de trabalho para manter o diálogo com as trabalhadoras rurais.

Segundo o MST, 2 mil trabalhadores rurais ocuparam agências bancárias em três municípios de Alagoas. Em Pernambuco, agências bancárias também foram ocupadas. Entre as reivindicações, os manifestantes pedem agilidade no Programa Nacional de Habitação Rural, que usa recursos da União para financiar a aquisição de material para construção de casas em áreas rurais.
A mobilização também visa pressionar o governo por mais atenção para a agricultura familiar e protestar contra o agronegócio e o uso de agrotóxicos nas plantações. “As mulheres camponesas querem produzir alimentos saudáveis e as políticas públicas devem ser também para a agricultura camponesa”, disse a representante da direção nacional do Movimento de Mulheres Camponesas, Noeli Taborda.

No Rio Grande do Sul, cerca de 800 mulheres protestaram na sede da multinacional Adama, que atua no ramo do agronegócio, informaram os organizadores da jornada. Ontem (9), outro grupo de mulheres esteve em uma unidade da multinacional Bünge, no município de Luizânia, em Goiás.
No Ceará, cerca de 500 pessoas ocuparam uma agência bancária. No Maranhão, 600 trabalhadores ocuparam a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), na capital, São Luís. Na Bahia, 6 mil trabalhadores seguem em marcha de Feira de Santana para Salvador.

A organização destacou ainda manifestações em mais 16 estados e no Distrito Federal: Paraná, São Paulo, Paraíba, Mato Grosso, Tocantins, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Piauí, Pará, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Paraíba, Alagoas, Sergipe, Pernambuco e Mato Grosso do Sul. Camponesas nos estados de Santa Catarina também devem articular ações. A Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Camponesas vai até o fim da semana.

Um comentário:

  1. Eu, Antonio Caleari, cidadão brasileiro, declaro, para todos os efeitos legais, que, caso seja aprovada uma lei que criminalize a “negação do Holocausto” no Brasil, virei a público, no primeiro dia de vigência desta norma infame, ilegítima e inconstitucional, para me autodenunciar diante das autoridades competentes, uma vez que, resoluta e deliberadamente, incorrerei neste delito de opinião.

    http://malleusholoficarum.com.br/pt_BR/index.php/autodenuncia-delito-de-opiniao/
    -----------------------
    Não eram árabes aqueles que assassinaram Jesus, Filho de Deus, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que promoveram e mais lucraram com a 1ªGM, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que saquearam e chacinaram o povo russo no golpe bolchevique, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que causaram a "Grande Depressão" de 1929, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que promoveram e mais lucraram com a 2ª GM, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que inventaram a bomba atômica, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que lançaram duas bombas atômicas sobre o Japão, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que assassinaram o presidente JFK, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que espionaram e traficaram a bomba atômia à URSS, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que traficaram a bomba atômica á China, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que atacaram o navio USS Liberty, eram judeus.
    Não eram árabes aqueles que praticaram o 9/11, eram judeus.

    Quer continuar? Ou quer contestar?

    http://www.germanvictims.com/2014/09/23/it-wasnt-arabs/

    ResponderExcluir