segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

EXECUTADO BRASILEIRO POR TRÁFICO DE DROGAS - JUDEUS PATROCINAM DROGAS NO MUNDO INTEIRO - ESTÃO NA COLÔMBIA E AFEGANISTÃO, MAIORES PRODUTORES DE COCAÍNA E HEROÍNA DO MUNDO


17 Janeiro, 18:06

Indonésia executou judeu-brasileiro(MULA) e mais cinco por tráfico de drogas. 

OS JUDEUS PATROCINAM DROGAS NO MUNDO INTEIRO - ESTÃO NA COLÔMBIA E AFEGANISTÃO, MAIORES PRODUTORES DE COCAÍNA E HEROÍNA DO MUNDO, e o exército americano é quem transporta e dá proteção aos traficantes, só que na Indonésia os militares não tem liberdade de transito, e o jeito é correr o risco com civis, que geralmente são presos e executados.

Estados Unidos

Em Pittsburgh, funcionária do McDonald’s traficava heroína junto com lanche

Happy Meal, no Brasil chamado de McLanche Feliz, é alvo de controvérsia na cidade de São Francisco, Califórnia (Estados Unidos)
Happy Meal, no Brasil chamado de McLanche Feliz, era usado para vender heroína (Karen Bleier/AFP/AFP)
Uma funcionária de uma franquia do McDonald’s foi presa por vender heroína dentro das caixas do produto McLanche Feliz, informa a rede CNN nesta quinta-feira. Shantia Dennis, de 26 anos, trabalhava em uma loja da lanchonete na cidade de Pittsburgh, no oeste dos Estados Unidos. Para os clientes que queriam comprar a droga, bastava passar no ‘drive-tru’ do McDonald’s e falar a ‘senha’: “eu gostaria de um brinquedo”.

O McLanche Feliz é um produto voltado ao público infantil e sempre vem com um pequeno brinquedo junto com o lanche. Nos EUA, o produto custa 2,99 dólares. Porém, com a heroína ‘de brinde’, o McLanche Feliz saia por 82 dólares. A traficante foi presa em uma operação com policiais à paisana fingindo serem consumidores – eles pediram um McLanche Feliz usando a ‘senha’ e  encontram dez pacotinhos de heroína dentro da caixa colorida. A funcionária foi presa em flagrante e, durante a busca, os policiais ainda encontraram outros 50 saquinhos de heroína. Procurado pela CNN, o McDonald’s recusou-se a comentar o caso.

O Mac Donalds é ponto de distribuição de DROGAS nos EUA e Europa

Fã que ganhou concurso da série ‘Breaking

 Bad’ é preso por vender drogas


Ryan Lee Carroll assistiu ao último episódio da série junto com

 o elenco. Ele é acusado de participar de uma milionária rede

 de distribuição de drogas

Walter White (Bryan Cranston) na quinta temporada de 'Breaking Bad'
Walter White (Bryan Cranston) na quinta temporada de 'Breaking Bad' (Divulgação/VEJA)
O vencedor de um concurso organizado por Aaron Paul, uma das estrelas da série Breaking Bad, foi preso sob a suspeita de participar de um esquema de distribuição de drogas. Ryan Lee Carroll, proveniente da Flórida, foi acusado de vender maconha sintética e enviar a droga pelo correio. Segundo o jornal The Guardian, Carroll, de 28 anos, ganhou como prêmio o direito de assistir ao último episódio da aclamada série junto com o elenco. A trama de Breaking Bad gira em torno de Walter White, um professor de química que passa a vender metanfetamina depois de ser diagnosticado com um câncer terminal.

Indonesia, Brasil, drogas, pena capital, justiça
Foto de arquivo. Cocaína

As autoridades indonésias estão terminando os preparativos para a execução de seis condenados à morte por tráfico de drogas. Entre eles está o brasileiro Marco Archer(JUDEU), de 53 anos, que em 2003 foi pego tentando entrar no aeroporto de Jacarta com 13,4 quilos de cocaína.

Seis pelotões de fuzilamento estão preparados para a execução. O governo indonésio também preparou atenção religiosa, de acordo com a crença de cada preso. Os outros condenados são um holandês, dois nigerianos, um vietnamita e um indonésio. No dia 30 de dezembro foram rejeitados os pedidos de clemência para os seis condenados.
Praseyto, procurador-geral indonésio, disse que cinco dos presos foram transferidos para a penitenciária de Nusakambangan e um sexto para a prisão de Boyolali, ambas na Ilha de Java, onde as sentenças deverão ser executadas à 0h de domingo (15h de hoje em Brasília). “Isso vai enviar uma mensagem aos membros dos cartéis de droga. Não há clemência para os traficantes”, acrescentou.
Estas são as primeiras de 20 execuções que as autoridades indonésias vão fazer este ano, depois de, em 2014, não terem executado nenhum condenado.
A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, telefonou nessa sexta-feira (16) ao presidente indonésio, Joko Widodo, para pedir pela vida de Marco Archer Cardoso Moreira.
Widodo, que insistiu que não perdoaria as condenações à morte por delitos relacionados com o tráfico de drogas, respondeu que “não poderia comutar a sentença” uma vez que tinham sido cumpridos todos os trâmites legais.

A Anistia Internacional (AI) pediu uma moratória da pena de morte a Widodo, que tomou posse em outubro e tem sido considerado por muitos ativistas como uma esperança de mudança no país.
“O novo governo da Indonésia começou com a promessa de melhorar o respeito aos direitos humanos, mas proceder a essas execuções seria um movimento regressivo”, disse o diretor da Anistia Internacional na Ásia, Rupert Abbott.
Uma dezena de organizações locais enviou carta ao presidente indonésio pedindo o adiamento das execuções.
Um dos signatários, o fundador da organização Fortalecimento e Ação para a Justiça, Rudhy Wedhasmara, disse que a solução para o tráfico de drogas não é a pena de morte, cujas vítimas, segundo ele, são as pessoas em uma posição fraca e vulnerável, e não os chefes de redes de tráfico.
"O Estado não deve colocar o fardo de seu fracasso na luta contra as drogas na pena de morte", disse Wedhasmara, segundo o jornal Kompas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário