sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

"ESTADO ISLÂMICO" - A GRANDE FARSA IMPOSTA AO MUNDO ATRAVÉS DA MÍDIA JUDAICO SIONISTA


O falso "Estado islâmico", é na realidade um "Estado Sionista Terrorista": A mão de ISRAEL por trás do terror

07.01.2015 | Fonte de informações:

Pravda.ru

Damasco, (Prensa Latina) O "JUDAICO SIONISMO DE ISRAEL" Depois do terror desencadeado na Síria e Iraque pelo falso Estado Islâmico (EI-MERCENÁRIOS TERRORISTAS DO JUDAICO SIONISMO) esconde-se uma maquinaria estruturada judaico sionista com um objetivo: ocupar o Oriente Médio a ferro e fogo, usando o Islã, para confundir a opinião pública mundial e os neófitos. 

Roberto Castellanos Fernandez
HISTÓRIA PRA BOI DORMIR
Depois da fulgurante ofensiva da organização terrorista em amplas zonas de ambos países, numerosos meios de imprensa e serviços de espionagem de todo mundo tentaram revelar as engrenagens do EI.
No entanto, a impossibilidade de entrar nas áreas que controla e seu secretismo provocaram todo tipo de hipótese sobre o tema, muitas vezes discordantes entre si.
O anúncio no ano passado sobre as supostas feridas do autoproclamado califa Abu Bakr al Bagdadi em um bombardeio no Iraque, disparou as teses sobre sua sucessão.
O Daesh (iniciais desse agrupamento em árabe) aprendeu com os erros de outras formações jihadistas, em especial da Al Qaeda, e criou um governo nas sombras que inclui numerosos departamentos ou ministérios e dezenas de executivos provinciais para administrar as áreas sob seu controle.
Uma vez conquistado um território, o EI cria as estruturas que em nada diferem de governos ocidentais, se identificamos sua visão radical e seus crimes, destaca uma investigação do Consórcio de Busca e Análise do Terrorismo.
O resultado é um aparelho militar estruturado para impulsionar seu particular jihad (guerra santa) e um sistema de administração descentralizado mediante o qual tenta oferecer os serviços básicos à população.
Para financiar sua política, o EI utiliza numerosos meios, desde a venda de petróleo ou cobrança de resgates e impostos até doações do exterior e venda de órgãos, como denunciou recentemente um diário iraquiano.
No topo da pirâmide está o autoproclamado califa e Comendador dos Crentes, Abu Bakr al Bagdadi.
Nascido na cidade iraquiana de Samarra, Ibrahim Awwad Ibrahim al Badri, seu verdadeiro nome, se graduou em estudos islâmicos na Universidade de Bagdá e esteve preso em Camp Bucca, um cárcere estadunidense aberto depois da invasão ao Iraque em 2003.
Ali conheceu numerosos detentos que na atualidade são seus principais colaboradores, muitos deles militares e funcionários do derrocado presidente Saddan Hussein.
Segundo o Grupo Soufan, uma empresa especializada em informação de inteligência, sob o comando direto da Al Bagdadi estão Abu Muslim al Afari al Turkmani e Abu Ali al Anbari, que lideram as operações no Iraque e na Síria, respectivamente.
Este triunvirato é o encarregado de dirigir o Daesh, e do qual depende os demais da organização, entre elas o Conselho da Shura, uma espécie de gabinete com a missão de assessorar em temas políticos o Bagdadi e de transmitir suas ordens.
Outro elemento chave é o chamado Conselho da Sharia, cujo objetivo é garantir que as leis e o acionar dos membros do EI sejam conforme sua visão particular e radical do Islã.
Esse setor outorga a justificativa legal e religiosa ao Estado Islâmico para assassinar, saquear ou escravizar a quem se oponha, em especial as minorias.
Mais abaixo estão os governadores de dezenas de wilayas (províncias), repartidas entre ambos países.
Al Baghdadi é o pastor, e seus adjuntos são os cães que pastoreiam as ovelhas do EI, comentou Hisham al Hashimi, um analista de segurança que teve acesso a documentos dessa organização apreendidos pelo exército iraquiano.
Al Anbari e al Turkmani são os pilares da fortaleza de al Baghdadi. Eles são quem o mantêm no poder, estimou.
Como parte da estrutura, cada pessoa tem sua função específica, que vai desde o gerenciamento dos detentos e o transporte de terroristas suicidas até o cuidado das famílias dos mortos em batalha ou as operações com artefatos explosivos.
Também há departamentos de comunicação, fornecimentos de armas, de inteligência, entre outros muitos.
Segundo o diário britânico The Telegraph, a organização terrorista conta com cerca de mil comandantes de campo de nível médio e superior, todos com experiência militar ou em matéria de segurança.
Pelo exercício dos seus cargos, os salários oscilam entre 200 até 3 mil dólares mensais.
PUBLICA-SE A MENTIRA CONTINUADA E OUTRAS BABOSEIRAS ATRAVÉS DA MÍDIA JUDAICO SIONISTA, PARA CAMUFLAR UMA GUERRA NÃO DECLARADA CONTRA A SÍRIA E O IRAQUE.
O QUE EXISTE APENAS É - ISRAEL USA MERCENÁRIOS TERRORISTAS CAMUFLADOS DE REBELDES PARA IMPLANTAR O "TERROR" NOS PAÍSES QUE QUEREM DOMINAR, MAIS NADA.

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e&cod=14919

Nenhum comentário:

Postar um comentário