terça-feira, 28 de janeiro de 2014

MENSALÃO - Lewandowski: É A MAIOR FARSA DA HISTÓRIA JOAQUIM BARBOSA É TRUTEIRO


Publicado em 24/01/2014

INQUÉRITO 2474: 

LEWANDOWSKI DESNUDA BARBOSA


Decisão de Lewandowski 
expõe o Golpe do Mensalão
 do PT: MPF + 
Ministro relator (JB).

A pedido do réu Henrique Pizzolatto e com base na Súmula Vinculante #14 -
que dá aos acusados acesso aos autos, para que se defendam – o Ministro
Ricardo Lewandowski, no exercício da Presidência do Supremo, manteve
 nesta quinta-feira 23 o caráter de “segredo de Justiça”, mas deu acesso
a oito réus ao Inquérito 2474, desdobramento do Inquérito 2245,
que se tornou a Ação 470, o mensalão (o do PT).

Os réus beneficiados são:

- Pizzolato

- Daniel Dantas (herói também de “Operação Banqueiro”, que entrou com um
 agravo no processo para transferir a ação bermudianamente para o Rio de Janeiro)

- Marcio Alaor

- Bruno de Mianda Ribeiro

- Luiz Carlos Garcia

- Daniel Bonifácio

- Romero Niquini

- e José do Carmo Porto Fernandes
Essa decisão de Lewandowski é histórica.


Ele vai desmontar a tese central do mensalão (o do PT).

Tudo começou lá em Minas Gerais, onde agia o Marcos Valeriodantas:fala, Valério, fala !

Aí, os Procuradores Antonio Fernandes (que depois se tornou advogado de Dantas),

e o relator Joaquim Barbosa realizaram uma proeza.

Para ferrar o PT e suas lideranças.

Meteram o facão no 2245, criaram o 2247 e daí nasceu a AP-470, a que ferrou o Dirceu, o Genoino e o Delúbio.
Para que ?

Para engavetar o original e criar uma nova ação, a 470.Para que ?

Para dissimular o fato de o dinheiro que pagou as dívidas de campanha do PT não foi da Visanet.
Mas, de Daniel Dantas.

E por que essa pirueta ?

Porque um relatório da Polícia – que vazou para o Cafezinho – desmonstra de forma cabal que o dinheiro da Visanet foi usado, também, para pagar despesas com a empresa TomBrasil, onde trabalhava um filho de Joaquim Barbosa.

Talvez por isso, desde 2009 – 2009 ! -, Barbosa não dava aos réus acesso aos autos !!!

A decisão de Lewandowski vai transformar “o maior julgamento da História” na “maior Farsa da História !”

Já era tempo !

Por falar em farsa: acompanhe aqui, passo a passo o que o Ministro Fux vai fazer com a legitimação da Satiagraha.
esculhambação começa a esvaziar-se.

Bendita viagem a Paris …
Paulo Henrique Amorim

domingo, 26 de janeiro de 2014

RÚSSIA - ARMA QUE ATINGE ALVOS NO ESPAÇO E NA TERRA - CORRIDA SEM FIM


1 Dezembro 2013, 19:13

Futura arma da Rússia poderá atingir alvos na Terra e no espaço

Futura arma da Rússia poderá atingir alvos na Terra e no espaço
Foto: RIA Novosti

As tentativas de alterar o equilíbrio estratégico mundial não têm fim, declarou o presidente da Federação Russa Vladimir Putin. As principais potências investem somas importantes no desenvolvimento de armas do futuro, e por isso o programa russo de defesa tem em consideração todos os potenciais desafios e ameaças à segurança do país.

Antes, ao apresentar os resultados de uma reunião de três dias dedicada às encomendas estatais de defesa, o chefe de Estado dedicou alguma atenção à situação na área do desenvolvimento de armas russas de alta precisão. Esse tipo de arma, sublinhou Putin, integra meios de reconhecimento, controle, transporte e ataque, o que o torna altamente eficaz. A elevada precisão e potência dessa arma será essencialmente uma alternativa às armas nucleares, referiu o presidente russo. No total, o volume de fabrico de modelos russos de armas de alta precisão irá aumentar 3,5 vezes no próximo ano.
A categoria das armas modernas de alta precisão inclui uma gama bastante variada de armamentos de diversos tipos e utilizações. Elas incluem munições de artilharia, bombas, mísseis, mísseis de cruzeiro e drones capazes de destruir pequenos alvos e objetivos de grandes dimensões que se encontrem a uma grande distância. Neste momento, uma série de programas na área das armas de elevada precisão estão a ser desenvolvidos pelas principais holdings e consórcios russos da indústria de defesa, explica o editor principal da revista Natsionalnaya Oborona (Defesa Nacional) Igor Korotchenko.
“Em primeiro lugar eu destacaria o consórcio Almaz-Antei, o qual está desenvolvendo o novo sistema de mísseis antiaéreos de quinta geração S-500 capaz de atingir alvos não só no ar, mas também no espaço exterior mais próximo. Outra área de trabalho é a criação de complexos de mísseis de alta precisão da classe Club para submarinos e navios de superfície. Na área das armas aeronáuticas de alta precisão o desenvolvedor mais importante é a corporação Takticheskoe Raketnoe Vooruzhenie (Mísseis Táticos). Elas incluem os mísseis de cruzeiro de grande alcance portadores de ogivas nucleares para a aviação estratégica, os aviões Tu-95 MS e Tu-160. A corporação Takticheskoe Raketnoe Vooruzhenie também está desenvolvendo novos mísseis para o caça russo de quinta geração T-50,”
As novidades referidas são apenas alguns dos projetos da indústria russa de armamento. Mas mesmo os programas divulgados, segundo Korotchenko, representam um exemplo visível do potencial tecnológico e dos êxitos da Federação Russa na área da criação de sistemas de armas de alta precisão.
A Rússia já possui exemplares de armas de elevada precisão e tecnologias para a sua produção, mas a sua quantidade atribuída às forças armadas ainda é insuficiente quando comparada com os outros exércitos mais desenvolvidos, constata o perito militar do Centro de Estudos Políticos da Rússia Vadim Kozyulin. Um problema sério neste caso é o fato de nos últimos 20 anos a base russa de componentes para o fabrico de armas de alta tecnologia sofreu uma redução. Em algumas áreas da indústria de defesa as empresas russas foram obrigadas a usar componentes importados. Contudo, para resolver esse problema, e outros problemas associados, foram agora atribuídos recursos sem precedentes, sublinhou o perito.
“Mas hoje existem várias corporações públicas cuja esfera de atividade inclui esse problema que é a criação de uma base de componentes na Rússia. Incluindo, por exemplo, a eletrônica russa. Esse problema também está a ser resolvido. Existem programas concretos para a sua resolução, e se espera que, com o financiamento que está previsto para resolver esse problema, ele será resolvido.”
Entretanto, não há muito tempo, a Rússia começou a desenvolver novos projetos militares em conjunto com parceiros estrangeiros inclusive com, por exemplo, gabinetes de projeto franceses. Porque sistemas cada vez mais avançados de defesa antiaérea exigem a criação de novos meios para os ultrapassar.
O principal é que a Rússia possui o potencial e as capacidades necessárias para a criação de mísseis de nova geração.
Entretanto se deve ter em conta que falamos de um programa a longo prazo e que esses mísseis não entrarão ao serviço antes dos anos 30, considera Philippe Migaut. Quanto às perspectivas a curto prazo, a Rússia irá continuar a sua estratégia de contenção nuclear. Por isso no próximo ano as suas tropas de mísseis irão receber mais de quarenta novos mísseis balísticos intercontinentais, enquanto os oceanos passarão a ser patrulhados por dois novos submarinos nucleares porta-mísseis.

CHINA - PRIMEIRAS IMAGENS DA OCUPAÇÃO DA LUA


16 Dezembro 2013, 10:19

Rover lunar chinês transmite primeiras imagens (vídeo)

China, rover lunar, Yutu, Coelho de Jade
Screenshot: YouTube

"Coelho de Jade", o primeiro rover nos últimos 37 anos a ter atingido a superfície do satélite natural da Terra, começou a transmitir imagens da superfície selênica.

O rover lunar chinês percorreu alguns metros e retratou o aterrissador, o qual, por sua vez, fotografou o "Coelho de Jade" (nome oficial do rover chinês).
Em imagens tiradas pelo rover se vê claramente uma bandeira chinesa. As autoridades de Pequim têm se  apressado em declarar que a missão lunar é um sucesso completo.

SYRIA - PUTIN RECEBE APOIO DA ÁUSTRIA RUMO À PAZ


Ontem, 15:44

Presidente federal da Áustria sobre política, energia e esporte

Áustria, Rússia, Heinz Fischer, entrevista, Voz da Rússia, olimpíada de Sochi

Foto: EPA

Numa entrevista exclusiva à Voz da Rússia, Heinz Fischer, presidente federal da Áustria, debruçou-se sobre o papel da Rússia na regularização da crise síria, sobre questões da interação da Rússia e UE e sobre projetos energéticos.

O presidente da Áustria sublinhou também que ele e o seu país saúdam as Olimpíadas em Sochi e consideram que elas terão êxito.
Voz da Rússia: Na opinião do Sr. presidente, qual o papel da Rússia na regularização do problema sírio?
Heinz Fischer: Penso que a ideia fundamental da Rússia consistia em que era necessário pôr fim à guerra não através de uma intervenção militar externa, mas através de conversações. É uma ideia certa e, hoje, todas as forças no Conselho de Segurança, todos os Estados membros do Conselho de Segurança apoiam essa ideia. Não vou julgar se as possibilidades de êxito são grandes ou não. Não ouso fazer prognósticos, mas a via das conversações é o caminho certo. A via de novos armamentos e novas intervenções é falsa.
Voz da Rússia: Como avalia a situação na Ucrânia?
Heinz Fischer: Em Kiev, capital da Ucrânia, as pessoas protestam contra o presidente Yanukovich e defendem a posterior cooperação e a assinatura do Acordo de Associação com a UE. Eu visitei várias vezes a Ucrânia e tento compreender a situação da Ucrânia o melhor possível. Há algumas semanas atrás, antes da Conferência em Vilnius, o presidente Yanukovich visitou Viena. Conversamos durante muitas horas porque, precisamente então, o governo ucraniano decidiu assinar o acordo de associação, sobre o qual tinha concordado há um ano e meio antes. Penso que, no fundo, a maioria da população da Ucrânia está interessada nos laços estreitos com a Europa. Ele está muito interessada no acordo com a UE e o presidente Yanukovich disse-me, pessoalmente e nas conferências de imprensa, que a perspectiva europeia continua aberta. Mas, simultaneamente, na Ucrânia existem enormes problemas econômicos e sociais, cuja solução não pode ser adiada para um perspectiva longínqua, eles exigem medidas urgentes, créditos e recursos energéticos.
Parece que o presidente Putin propôs ao seu homólogo Yanukovich uma grande ajuda imediata e ele decidiu aceitá-la. Amplas camadas da população da Ucrânia veem nisso uma viragem da Europa para a Rússia. Daí o atual confronto duro e contradições que acabam em incidentes sangrentos nas ruas. Posso apenas afirmar uma vez mais que se trata de problemas verdadeiramente complexos, mas só podem ser resolvidos através de conversações. Juntarem-se e discutirem o que se pode fazer num futuro próximo e o que se deve fazer num futuro mais distante. A situação da Ucrânia é tal que não deve ser vista como o "pomo da discórdia". Quem conseguirá puxar a Ucrânia para o seu lado: a Europa ou a Rússia? A Ucrânia não deve ser o "pomo da discórdia" entre a Europa e a Rússia, mas uma ponte entre elas. A Ucrânia deve manter muito boas relações com a Rússia, bem como com a Europa, ela deve estar aberta a ambas as partes e considero que isto é o que de melhor se pode desejar à Ucrânia.
Voz da Rússia: Esses acontecimentos poderão refletir-se nas relações da Ucrânia com a UE ou da Rússia com a UE e a Áustria?
Heinz Fischer: Penso que isso não se refletirá de forma negativa nas relações entre a Rússia e a Áustria, mas também não se refletirá de forma positiva. Talvez existam alguns preconceitos emocionais, o sentimento de que a Ucrânia estava pronta a assinar um acordo sensato de associação com a Europa, mas, no último momento, a Rússia, ou o presidente da Rússia, roubaram, se assim se pode dizer, a Ucrânia à Europa. Como quando um jovem rouba a noiva a outro.
Mas eu não olho para isso assim, compreendendo que a Ucrânia se viu numa situação difícil, em que foi obrigada a procurar ajuda externa onde pôde. Estou firmemente convencido de que, a longo prazo, a cooperação estreita entre a entre a Ucrânia e a Europa dará, de uma forma ou de outra, muitos impulsos valiosos ao desenvolvimento da Ucrânia. Quando se olha para a Polónia, vê-se que, depois da sua adesão à UE, recebeu fortes impulsos para o crescimento e soube realizar medidas de modernização. Penso que isso também é possível no caso da Ucrânia. Porém, a atual direção ucraniana avalia a ação positiva da cooperação com a Europa como um programa a médio prazo, ou seja, "passarão três ou quatro anos até que isso se reflita no crescimento da economia, no aumento das exportações, mas nós não podemos esperar tanto, precisamos de salvar a situação agora".
Voz da Rússia: E que pode dizer sobre os projetos energéticos da Rússia e da UE?
Heinz Fischer: Durante muito tempo, a Áustria considerou o Nabucco um projeto ótimo, mas a Rússia pensou doutra maneira. Nós estávamos interessados na realização do projeto Nabucco, mas ele falhou e, então, foi tomada uma decisão a favor da South Stream. Não ficámos contentes, mas os nossos peritos em energia provaram que que essa questão era vitalmente importante para nós, que, desse modo, poderemos satisfazer as nossas necessidades em energia. Gostaria de assinalar que a nossa cooperação no campo da energia com a Rússia e, antes, com a União Soviética, foi, durante muitas décadas, transparente e mutuamente vantajosa. Nós, os austríacos, temos uma experiência positiva nele. Pelo nosso lado, fomos um parceiro seguro e sério no cumprimento de contratos. Por isso, iremos acompanhar com calma os acontecimentos em torno da South Stream e analisá-los.
Voz da Rússia: Que representantes da Áustria veremos nas Olimpíadas de Sochi?
Heinz Fischer: Essa questão irá ainda ser analisada nos dias que restam até Sochi. Posso dizer que a Áustria estará representada em Sochi por uma grande equipe esportiva. Esperamos conquistar um bom número de medalhas. O interesse para com estas Olimpíadas será muito grande na Áustria. Ela irá estar representada ao mais alto nível: pelo chefe do governo e chanceler federal Faymann, pelo ministro da Defesa e do Desporto e penso que também pelo vice-presidente do Parlamento. Será uma delegação altamente representativa que mostra que não boicotamos um acontecimento como os Jogos Olímpicos. Desejamos à Rússia um Jogos seguros e um grande êxito nas Olimpíadas.
A Áustria é um país com uma posição clara sobre os direitos humanos, vamos defendê-la, porém, se surgem divergências neste campo, isso não é motivo nem para a Áustria, nem para outros Estados boicotarem os Jogos Olímpicos. Nós não boicotamos Jogos nem na China, nem nos EUA. Consideramos que o esporte é capaz de aproximar os povos, por isso não se deve torpedar os jogos com ações que os afastem. Esta é a minha posição. Eu cheguei a acordo com o chanceler federal de que um de nós iria a Sochi. Isso foi no verão, quando no meu gráfico de trabalho estava prevista uma visita à Tailândia, por isso decidimos que o chanceler irá a Sochi. Há quatro ou cinco dias atrás, a minha visita à Tailândia foi adiada devido aos acontecimentos nesse país. Mas nada iremos mudar na constituição da delegação: o chanceler federal, o ministro da Defesa e o vice-presidente do Parlamento estarão certamente a assistir à cerimônia de abertura.

TERROR JUDAICO SIONISTA NO PAQUISTÃO - 6 VÍTIMAS


TERRORISTAS MERCENÁRIOS A SERVIÇO DOS JUDEUS SIONISTAS, DECEPCIONADOS COM O FRACASSO NA SÍRIA, TENTAM AGORA MANTER A DESESTABILIZAÇÃO NO PAQUISTÃO, ATACAM OS VÁRIOS COMPONENTES DA POLÍTICA LOCAL, JOGANDO A CULPA, ORA DE UM LADO, ORA DO OUTRO, COM UM ÚNICO OBJETIVO – MANTER A GUERRA SECTÁRIA, O QUE NÃO PASSA DE UMA GUERRA CIVIL,  ENFRAQUECER OS CONTENDENTES E MANTER A OCUPAÇÃO DO PAÍS, ATRAVÉS DO EXÉRCITO, QUE POR SUA VEZ É DIRIGIDO POR AGENTES DO MOSSAD ISRAELENSE, E É CLARO, CONTINUAR A ROUBAR O PETRÓLEO DOS IRAQUIANOS, O MESMO SISTEMA ESTÁ SENDO APLICADO NA LYBIA, EGITO, SUDÃO DO SUL, GABÃO E REPÚBLICA CENTRO AFRICANA, NESTES DOIS ÚLTIMOS PAÍSES, ESTÃO SE APROPRIANDO DAS MINAS DE DIAMANTES, QUE SÃO A MAIOR RESERVA MUNDIAL DESTE VALIOSO MINÉRIO.

HÁ AINDA O AFEGANISTÃO E A COLÔMBIA, DO PRIMEIRO OS JUDEUS SIONISTAS DOMINAM A EXCLUSIVIDADE DO NARCOTRÁFICO DA HEROÍNA E DO SEGUNDO A EXCLUSIVIDADE DO NARCOTRÁFICO DA COCAÍNA. 

Seis polícias mortos em ataques junto à residência de político no Paquistão

paquistão, explosão, carachi, polícia, vítimas, mortes
Foto: EPA

Seis polícias morreram em dois ataques consecutivos ocorridos esta noite contra veículos policiais junto à residência de um político na cidade de Carachi, no sul do Paquistão, informou a imprensa local.

Os ataques tiveram lugar no bairro de Landhi, nas imediações da residência do presidente do Movimento Muhajir Qaumi, Afaq Ahmed, que não estava em casa.
No primeiro ataque, desconhecidos lançaram uma granada contra o veículo que vigiava a casa de Ahmed e morreram três agentes, segundo o canal local Geo.

TERROR JUDAICO SIONISTA NO AFEGANISTÃO - 25 VÍTIMAS


É MENTIRA QUE HOUVE UM HOMEM BOMBA, É ILÓGICO ATACAREM SEU PRÓPRIO POVO, E PRINCIPALMENTE SEM OBJETIVOS MILITARES.

NA VERDADE O ATENTADO FOI PERPETRADO POR TERRORISTAS MERCENÁRIOS A SERVIÇO DOS JUDEUS SIONISTAS, DECEPCIONADOS COM O FRACASSO NA SÍRIA, TENTAM AGORA MANTER A DESESTABILIZAÇÃO NO AFEGANISTÃO, ATACAM OS VÁRIOS COMPONENTES DA POLÍTICA LOCAL, JOGANDO A CULPA, ORA DE UM LADO, ORA DO OUTRO, COM UM ÚNICO OBJETIVO – MANTER A GUERRA SECTÁRIA, O QUE NÃO PASSA DE UMA GUERRA CIVIL FABRICADA,  ENFRAQUECER OS CONTENDENTES E MANTER A OCUPAÇÃO DO PAÍS, ATRAVÉS DO EXÉRCITO, QUE POR SUA VEZ É DIRIGIDO POR AGENTES DO MOSSAD ISRAELENSE, E É CLARO,  OS JUDEUS SIONISTAS QUEREM MANTER A EXCLUSIVIDADE DO NARCOTRÁFICO DA HEROÍNA, IGUALMENTE FAZEM O MESMO NO IRAQUE, ONDE ROUBAM O PETRÓLEO DOS IRAQUIANOS, O MESMO SISTEMA ESTÁ SENDO APLICADO NA LYBIA, EGITO, SUDÃO DO SUL, GABÃO E REPÚBLICA CENTRO AFRICANA, NESTES DOIS ÚLTIMOS PAÍSES, ESTÃO SE APROPRIANDO DAS MINAS DE DIAMANTES, QUE SÃO A MAIOR RESERVA MUNDIAL DESTE VALIOSO MINÉRIO.

HÁ AINDA A COLÔMBIA, ONDE OS JUDEUS SIONISTAS DOMINAM A EXCLUSIVIDADE DO NARCOTRÁFICO  DA COCAÍNA. 

Atentado suicida no Afeganistão deixa cinco mortos

afeganistão, explosão, morte, suicida, cabul, taliban
Foto: EPA

Um homem-bomba explodiu junto a um ponto de ônibus, onde se encontrava um grupo de militares afegãos, deixando quatro mortos e mais de 20 feridos.

No incidente, ocorrido a sudeste de Cabul, capital do país, morreram dois militares e dois civis que encontravam-se perto do ônibus, comunicou um porta-voz do Ministério afegão da Defesa.
A autoria do atentado foi reivindicada pela organização Taliban. - MENTIRA DESCARADA, O TALIBAN NÃO ATACARIA SEU PRÓPRIO POVO

ÁRTICO - RÚSSIA CHEGA E OCUPA SEU ESPAÇO COM BASE NAVAL


24 Janeiro, 13:33

Plano de Putin sobre o Ártico provoca histeria no Ocidente

Rússia, Ártico russo, Ocidente, militarização do Ártico
Foto: RIA Novosti

O presidente Putin ordenou ao Ministério da Defesa da Rússia que termine a constituição de unidades militares e a instalação da infraestrutura no Ártico ainda em 2014, decisão que provocou uma reação nervosa do Ocidente.

Nos órgãos de informação de uma série de países nórdicos da Europa, observa-se uma verdadeira histeria. Eles acusam a Federação da Rússia de militarização da região, os russos estarão, alegadamente, aumentando aí o seu potencial militar.
O que está realmente por detrás dos planos de regresso da presença militar russa ao Ártico? A esse tema foi dedicada uma conferência de imprensa em Moscou, que reuniu conhecidos especialistas militares. Ela foi aberta por Nikolai Fedoryak, vice-presidente do Comitê para a Defesa e a Segurança do Conselho da Federação:
"Se hoje não defendermos os nossos interesses no Ártico, iremos atrasar-nos. Na era da URSS, aí estava estacionado um sério contingente de defesa anti-aérea. Hoje, nós apenas regressamos. Porque todas as rotas dos bombardeiros estratégicos dos EUA passam pelo Pólo Norte. E fazemos bem em concentrar a atenção na criação de bases aéreas e de redes de radares. Acusam-nos de militarização? Mas quem é que, nos últimos três anos, realiza manobras e patrulhamento no Ártico e no Norte? A Noruega, os EUA, o Canadá, a Dinamarca, a Finlândia e a Suécia! E, nas últimas manobras de 2013, os EUA e a NATO utilizaram mesmo aeródromos construídos no Báltico na época da URSS. Eles reconstroem aeródromos militares, portos marítimos, mas acusam-nos de aumentar a força militar. Se nós não temos um só navio de guerra que possa navegar no gelo, o Canadá tem, a Dinamarca já prepara o segundo navio dessa categoria."
Porque é que a Rússia se preocupa precisamente agora com o reforço da sua infraestrutura militar no Ártico? Alexei Fenenko, especialista em estudo das regiões, declara:
"Em 2014, a Rússia deve entregar na ONU o documento final sobre questões da plataforma continental. No fundo, pretendemos a todo o antigo setor ártico soviético. Os EUA e o Canadá estão prontos. O que fazer em caso de recusa? Uma das possibilidades é a Rússia declarar unilateralmente a soberania sobre esse território.
Sim, no fim de contas, podem surgir fricções com os Estados do Ártico, que, não podemos esquecer, são membros da NATO. Há outros momentos litigiosos na região: a plataforma continental do Mar de Bering, o estatuto da Via Marítima do Norte, o Mar da Sibéria Oriental, o problema histórico em torno do arquipélago Delong. Claro que tudo isso não é motivo para um conflito em grande escala, mas, em todo o caso, é preciso ter meios para demonstrar força. Tanto mais que já existe o projeto de criação de forças escandinavas conjuntas de reação rápida. E ele já está sendo realizado."
De que contingente militar necessita a Rússia no Ártico? Alexander Sharavin, diretor do Instituto de Análise Política e Militar, considera:
"Claro que não é preciso um grande contingente. As tarefas apontadas serão realizadas pela aviação, marinha de guerra, divisões especiais, embora espere que não se chegue a isso. É por essa razão que estamos criando a infraestrutura militar, para que ninguém tenha a vontade de pressionar a Rússia através de meios militares."

GUANTANAMO - CIA ABRIU FILIAL NA POLÔNIA E PAGOU 15 MILHÕES U$D


CIA aluga prisão polonesa por $ 15 milhões

EUA, Polônia, bandeira

Colagem: Voz da Rússia

As autoridades dos Estados Unidos pagaram $ 15 milhões à Polônia pelo estabelecimento no seu território de uma prisão secreta da CIA, relata a mídia norte-americana, citando um ex-agente da inteligência que se recusou a revelar seu nome. O dinheiro foi entregue em dinheiro vivo ao lado polonês.

De acordo com os jornalistas, os Estados Unidos e a Polônia assinaram um acordo, segundo o qual os norte-americanos poderiam criar na aldeia de Stare Kiejkuty uma prisão secreta para suspeitos de terrorismo.
Após a Polônia, tais instalações foram criadas na Romênia e Lituânia, mas existiram apenas 1,5 anos e foram fechadas em 2009.