domingo, 28 de dezembro de 2014

PUTIN REINA ABSOLUTO - O IMPÉRIO JUDAICO SIONISTA ESPERNEIA E A RÚSSIA AVANÇA CADA VEZ MAIS FORTE


Putin reina, ao lado da Síria, Vietnã, Irã, Brasil, Índia, China, Mongólia, Armênia, Hungria, Islândia, Belarus, Cazaquistão, Moldávia, Tajiquistão, Quirguistão, Turquia, Azerbaijão, Argentina, Venezuela, Equador, Indonésia e África do Sul - - "UNIÃO EURASIANA" - "BRICS",

28.12.2014
Putin reina. 21336.jpeg




















O Império judaico sionista esperneia, e a Rússia avança, cada vez mais forte. A virada na política para Cuba também tem a ver com o declínio do Império judaico sionista. 
Obama(CAPACHO MÓR DO "JUDAICO SIONISMO DE ISRAEL") está dando um tapa na agenda, porque sabe que terá problemas com o próximo Congresso. 
19/12/2014, 16h09, "MK Ngoyo said..." (comentário, em postado do Saker)

Caro Saker,

"Homem de pouca fé, por que duvidaste? [Mateus 14:31] Já não te mostrei maravilhas? Nem assim crês?" [Putin bate a cabeça na parede]
O Império esperneia, e a Rússia avança, cada vez mais forte. A virada na política para Cuba também tem a ver com o declínio do Império. Obama está dando um tapa na agenda, porque sabe que terá problemas com o próximo Congresso. 

Tudo isso confirma que a política de Putin nesse confronto não está, simplesmente, 'certa'.  Putin é Gênio Grão-Mestre do Xadrez, PGGMX [marca registrada].

A política de Putin é esperar os ataques, sem comprometer poder de fogo significativo seja no ataque ou na defesa, antes de que a situação possa ser analisada com clareza. Brilhante. E por várias razões:

1. O próprio telhado do império está em chamas, e o ataque pode nem dar em nada, por causa do fogo 'doméstico'.

- Em janeiro, haverá novo Congresso. É altamente provável que Obama seja forçado a dar sossego ao planeta, para atender só emergências domésticas (até o impeachment, estará em pauta). Terá então chegado a hora de a Rússia mover-se. Devagar. Bem devagar.Softly!

- Há luta titânica entre realistas e neoconservadores dentro do governo. De tal ordem que custou a cabeça de Hagel. Pode haver mais cabeças coroadas em vias de rolarem; por que mostrar nossa estratégia, quando Obama vive um momento para respirar. Esperemos até que ele esteja sem ar,  em plena batalha doméstica.

- Em breve começará a campanha presidencial nos EUA. É evento que absorverá muita energia do império. Demos tempo a eles para que se amarrem, pés e mãos, eles mesmos.

2. A política do Império para Síria/Oriente Médio está em ruínas (não se sabe nem se eles são contra ou se são aliados do Estado Islâmico!) 

Esses erros também ajudarão a minar qualquer ataque contra a Rússia. Por que não esperar que as coisas piorem ainda mais, antes de deixar o inimigo ver para onde estamos andando?

3. Assad está vencendo a guerra. A Turquia está em revolta. São problemas que também podem madurar um pouco mais.

4. Em março, chegará a hora de renovar as sanções da União Europeia. Por que atacá-los antes disso? É possível que, em março, o sul da Europa já esteja em franca rebelião ou sob repressão brutal. 

5. O inverno ainda não apertou. Mas apertará, até março. Por que não deixar a guerra dosUkies no gancho, até lá. Podem até morrer de frio.

6. Petróleo a preços baixos está ferindo o ocidente também. Indústrias na Grã-Bretanha e grandes petroleiras ocidentais (Exxon?) já não querem nem ouvir falar das tais sanções. São forças poderosas e cuidarão de minar, por dentro, o ataque do império. Demos tempo a elas.

7. Finalmente, essa batalha apenas começou. O Império está declinante, mas é, por hora, ainda, muito mais poderoso, em termos econômicos e geopolíticos, que a Rússia. E a Rússia está ganhando força. Por que responder o ataque frontal, deles, com defesa 'frontal'? Melhor evitar combate direto e esperar que eles declinem mais e mais, enquanto nos vamos fortalecendo.

Por todas essas razões, para a Rússia, agora, o melhor a fazer é esperar. Resposta de força da Rússia, agora, só fará unir o império em torno do imperador e imobilizar as forças que, dentro do império, opõem-se ou desmobilizam o ataque contra a Rússia.

Simultaneamente, se Putin puser-se a atacar a 5ª coluna, só conseguirá dividir o país, ao mesmo tempo em que mobilizará o império, que terá de dar proteção aos seus agentes. O efeito será zero, no sentido de acrescentar qualquer melhora na atual situação. Nem Glaziev, se estivesse no Banco Central Russo, teria conseguido deter o ataque dessa semana contra o rublo!

Quantos, inclusive nosso Saker, insistiam em que a Rússia invadir a Ucrânia seria resposta apropriada à derrubada de Yanukovych? Putin decidiu que não. E sempre esteve certo, também nisso, não? Putin já está provando que acertou também na ideia de uma Ucrânia federada. A cada dia que passa, a ideia ganha mais aceitação no Donbass.

Putin reina absoluto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário