domingo, 7 de dezembro de 2014

EUA JUDAICO SIONISTA - QUEREM QUEBRAR OS EUROPEUS, DIZEM PARA NÃO COMPRAR GÁS RUSSO E SIM O AMERICANO 30% MAIS CARO, DITO EM RESPOSTA A PUTIN


Ontem, 09:52

EUA respondem à Mensagem de Putin com resolução antirrussa

EUA, resolução, mensagem de Putin, Guerra Fria

Na quinta-feira passada, o Congresso dos EUA aprovou por maioria a resolução 758, de "forte condenação das ações da Federação da Rússia do presidente Vladimir Putin, que implementou uma política de agressão contra países vizinhos a fim de alcançar dominação política e econômica".

MAS A REALIDADE É OUTRA:
Quem está invadindo e querendo dominar são os EUA JUDAICO SIONISTAS, após promover um golpe de estado e derrubar o presidente eleito plo povo ucraniano, 
O presidente deposto da Ucrânia, Viktor Yanukovich, durante entrevista nesta sexta-feira (28) em Rostov (Foto: Pavel Golovkin/AP)
Viktor Yanukovich, impuseram um governo TÍTERE, com o objetivo de cercar a Rússia e impedir a auto independência de 
Lugansk e 
Donetsk que fizeram um referendo aprovado por 94% da população local, de conformidade dos parâmetros legais ditados pela "ONU".
E no resto da Ucrânia impuseram um regime de terror usando 
mercenários terroristas a mando dos Judeus Sionistas, a exemplo do que fazem na 
Síria, no 
Iraque, na 
Líbia, na 
RCA e no 
Afeganistão, impondo a fome e trazendo a miséria aos ucranianos 


O projeto da resolução foi proposto por
Adam Kinzinger, representante do estado norte-americano de Illinois, em 18 de novembro. Mas foi aprovado somente no final da primeira semana de dezembro, logo depois da
 Mensagem de Vladimir Putin 
à Assembleia Federal da Federação da Rússia. Por isso, a resolução 758 bem pode ser considerada como uma resposta ao discurso anual do presidente russo. Já o chefe do Comitê da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo) para a Política Internacional,
 Alexei Pushkov, chamou que o documento, encaminhado para a assinatura de Barack Obama, é sinal da "formalização oficial de uma nova Guerra Fria".

Ucrânia, item principal
O documento, divulgado pelo site do Congresso norte-americano, apresenta um texto com certa falta de lógica. As acusações começam com o tratado START, de redução de armamentos estratégicos, ao que "a Federação da Rússia respondeu (...) com uma retórica e ações abertamente anti-americanas e com agressão armada contra os países aliados e parceiros dos Estados Unidos, inclusive a Ucrânia e a Geórgia". Antes disso, o autor (ou os autores) fala sobre o "reinício" (reset) das relações russo-estadunidenses, anunciado em 2009, alegando que o tal "reinício" foi uma iniciativa pura e somente norte-americana. A participação russa não é mencionada, e no entanto, o reset foi conjunto.
Outra coisa, o que tem o START (descumprido primeiramente pelos próprios EUA, fato conhecido) a ver com a Ucrânia?
Ao que tudo indica, no contexto e no estilo deste documento, significa somente a passagem do começo à parte principal do texto. A Ucrânia é esta parte principal, que ocupa quase todo o resto do documento.
Segundo a resolução, a Rússia "submeteu a Ucrânia a uma campanha de agressão política, econômica e militar a fim de estabelecer a sua dominação no país e suprindo progressivamente a sua independência". A tradução conserva o estilo e dá noção da gramática original. Mas deixemos a gramática e voltemos ao sentido do texto. O que aconteceu na Ucrânia foi, primeiro, um golpe de Estado, sem participação russa nenhuma. No que toca à situação mais recente, as chamadas Repúblicas Populares de Donetsk e de Lugansk não foram reconhecidas oficialmente pela Rússia, que está a favor da conservação das fronteiras atuais da Ucrânia.
Isto, sim, sem a Crimeia, que é russa oficialmente, segundo o desejo da sua população. E legalmente, segundo assegurou na quinta-feira Vladimir Putin no seu discurso.
O documento insiste reiteradamente também em que as forças russas, apoiando os "separatistas" do Leste ucraniano, foram culpadas das violações das tréguas e das mortes no conflito. Porém, não fala em violações do lado ucraniano e da participação do conflito, da parte das forças ucranianas, de militares profissionais estrangeiros, inclusive estadunidenses.
O Boeing malaio, voo MH17, não podia ser omitido e está presente na resolução também. O ataque ao avião civil, em julho de 2014, é atribuída pelo autor do documento a um "míssil de fabrico russo, fornecido pela Federação da Rússia às forças separatistas". Porém, a versão do míssil russo já foi descartada pelos peritos internacionais, e os familiares das vítimas já estão acionando o governo ucraniano, tendo como base a perícia realizada e comprovada de que o avião foi abatido pelos ucranianos.
Liberdade da mídia... estadunidense, ou seja, Judaico Sionistas 
No fim da lista das razões da resolução está algo interessante. O foco começa a ir de agressões físicas para as virtuais, centrando-se, quase no final da lista e no meio do documento inteiro, na "propaganda agressiva" russa na Ucrânia, "informação falsa" que tem por objetivo "subverter a autoridade do governo nacional legítimo, minar a estabilidade, promover divergência étnica e incitar à violência".
Já um dos meios desta "propaganda agressiva" russa é a expansão da presença dos meios de informação e comunicação russos em línguas nacionais na Europa central e ocidental "para ocultar a influência política e econômica russa na Europa". E os EUA devem expandir a sua rede midiática em russo e ucraniano para contrabalançar a influência da mídia russa na região.
Aqui há uma coincidência interessante, uma sinonímia. Expansão russa é má, insiste o documento, e expansão estadunidense é boa. Assim mesmo, sem explicações. Para que explicar? Barack Obama já falou em "exclusividade" da nação estadunidense, isso deve explicar tudo. Porém, não explica.
Se, como o documento quer, a Voz da América e a Rádio Europa Livre (Radio Free Europe, RFE) devem transmitir no regime 24/7, porque não podem fazer o mesmo os meios de comunicação russos? A concorrência é tão dura?
Apoio à Ucrânia contra Rússia
Para reduzir a influência regional do "regime autoritário" de Putin, a resolução propõe apoiar os "esforços do presidente Poroshenko e do povo ucraniano de estabelecer uma paz duradoura". A paz significa, segundo o documento, a retirada das forças russas, cuja presença no território do país nunca foi confirmada.
Este apelo é seguido por uma série de afirmações de que a Rússia realiza ações agressivas contra a Ucrânia, a Geórgia e a Moldávia. Depois, são listados uns apelos à Rússia para que ele "recue em sua anexação ilegal da península da Crimeia" e um apelo ao presidente norte-americano para globalizar a recusa ao reconhecimento da Crimeia russa.
Finalmente, cláusula 9 da segunda parte do documento prega novas sanções contra a Rússia, inclusive "proibições na emissão de vistos, congelamento de ativos endereçados, sanções setoriais e outras medidas".
A cláusula 10, já explicitamente: "apela ao presidente que providencie ao governo da Ucrânia artigos, serviços e treinamentos de defesa necessários para uma defesa eficaz do seu território e soberania". Esta é seguida pela cláusula 11, que quer fornecer à Ucrânia serviços de inteligência. Há outras mais desta índole. A 17 é dirigida à Ucrânia, União Europeia e outros parceiros para que eles busquem outras fontes de energia do que o gás russo, por exemplo, o gás liquefeito norte-americano(30% MAIS CARO QUE O RUSSO), para reduzir o poder econômico da Rússia.
Termino já. Cláusula 22: "apela ao restabelecimento de um relacionamento estreito e cooperante entre o povo dos Estados Unidos e o povo russo com base numa procura partilhada de democracia, direitos humanos e paz entre todas as nações". Isto é, procura.
Resta-me, depois de ler tudo isso, uma pergunta. Alguém consultou o povo (ucraniano, russo, estadunidense)?
***
Eu sinceramente acho que não vale a pena retrucar acusações, falar mal de quem falou mal de nós. Há uma frase boa, do jeitinho brasileiro, "gentileza gera gentileza", lembram? Tentei fazer um comentário de um texto de importância global, baseando-me sobre o que eu sei ou pretendo saber e as informações que recebo.
  • #superultrasuperultra Ontem, 15:03
    gentileza gera gentileza, mas os EUA SO SABEM SANCIONAR! E QUANDO FAZEM ALGUMA GENTILEZA, É PENSANDO EM APAZIGUAR PARA DEPOIS ENFIAR UMA ESPADA PELAS COSTA!!! ACORDEM PATRIOTAS RUSSOS, RUSSOS VERDADEIROS E HORA DE RETALIAR
  • #antonio everardoantonio everardo Ontem, 15:40
    O vandalismo político sempre praticado nos EUA. Mas a Russia precisa compreender que os EUA são doentes não tratáveis. Eles são do tipo "especial", que poderiam viver melhor nos tempos da pedra lascada. AE
  • #Gomes FerreiraGomes Ferreira Ontem, 17:37
    Os "Governos" Russo e Americanos, estão parecendo meninos brigando por um picolé de "Limão"... Sejam mais homens, sejam ajuizados, vocês estão representando milhões de seres humanos, já perguntaram pelo menos 30% de cada nação se aceitam a forma como o pais esta sendo dirigido? Se realmente são o que parecem ser por que não param com essa conversa fiada que mais parece briga de "Mulher" em cabaré brigando por homens, e decidam na "Diplomacia" ou vão à luta e sejam verdadeiros Signatários, responsáveis. São homens mesmo? Então por por que não param com esta acusação pois nos deixam sem saber quem esta falando a VERDADE. E Mentir e muito feio ainda que seja "POLÍTICOS"
  • #Rafael SilvaRafael Silva Ontem, 18:29
    Ta na hora da Guerra, E acredito que nao tem mais como empurra tanto com a Barriga, e eu to do lado Russo, sou Brasileiro mais to com a russia ate o fi
    Leia mais: http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_12_06/Com-resolu-o-antirrussa-EUA-respondem-Mensagem-de-Putin-8583/

Nenhum comentário:

Postar um comentário