domingo, 28 de dezembro de 2014

"BRICS" - Brasil, Rússia, Índia, China e África do sul E EM BREVE O 6o. MEMBRO - A ARGENTINA



14 Maio, 17:48

"BRICS" - Brasil, Rússia, Índia, China e África do sul - O caminho da expansão rumo à Argentina

BRICS a caminho da expansão

A Argentina pode se tornar o sexto membro dos BRICS. Enquanto os participantes deste bloco crescente de países estão analisando os prós e contras da expansão, especialistas preveem um futuro bastante otimista para o grupo.

O conceito de bloco de países em desenvolvimento foi formulado no início da década de 2000. A cooperação prática entre Brasil, Rússia, Índia e China começou em setembro de 2006, quando por iniciativa do presidente Vladimir Putin “à margem” da sessão da Assembleia Geral da ONU foi realizada a primeira reunião de ministros do Exterior neste formato. Em 2010, ao grupo se juntou a África do Sul.
Há dias soube-se de uma possível expansão dos BRICS. Ao grupo pode se juntar a Argentina. A Índia, o Brasil e a República da Áfrca do Sul se pronunciaram “a favor”. A China tomou uma posição cautelosa. Segundo Pequim, antes de expandir o bloco essa questão deveria ser discutida entre os participantes dos BRICS. No entanto, independentemente da decisão ser positiva ou negativa, a China apoiou o fortalecimento do diálogo e da cooperação do grupo com países em desenvolvimento.
A Rússia tem uma opinião semelhante. “Nós praticamos uma abordagem construtiva para com quaisquer propostas a esse respeito, independentemente de sua origem”, disse à agência russa RIA Novosti o vice-chanceler russo Serguei Ryabkov. Ele notou que o próprio formato dos BRICS está em fase de formação. “Por isso, quaisquer questões sobre a futura expansão dos BRICS exigem uma consideração cuidadosa e minuciosa”, disse o diplomata.
Entretanto, especialistas concordam que, do ponto de vista político, o potencial já bastante significativo dos BRICS só irá crescer após a adesão da Argentina. Segundo o editor-chefe da revista Latinskaya America (América Latina) Vladimir Travkin, a expansão dos BRICS é um passo na direção certa:
“Se essa questão for discutida na reunião dos membros dos BRICS e os países votarem a favor, isso só beneficiará todos. A adesão da Argentina aos BRICS contribuirá para o fortalecimento das relações entre a Rússia e a Argentina, que é um dos países mais importantes da América Latina com um enorme potencial econômico. Além disso, ela tem um peso sério no cenário internacional.”
No entanto, surgem aqui muitos pequenos problemas, cujas soluções ainda estão por encontrar. Talvez seja justamente por isso que Pequim e Moscou estão demostrando contenção nesta matéria.
Trata-se, em particular, de que a eventual adesão da Argentina ao bloco exigirá um grande número de aprovações e acordos por parte dos membros da organização por causa do vasto território deste país, de sua economia e de sua grande população. Além disso, a Argentina tem uma dívida externa significativa, algo que os países que já aderiram aos BRICS não têm. Potenciais parceiros também podem querer reavaliar o tamanho da economia argentina, o volume de recursos naturais e de investimentos.
Entretanto, Buenos Aires, aparentemente, está procurando acelerar o processo. A adesão aos BRICS pode significar a obtenção de financiamento em condições mais favoráveis do que as oferecidas por outras organizações internacionais. Os líderes dos países do bloco aprovaram ainda no ano passado a decisão de estabelecer suas próprias instituições financeiras e um fundo de reserva no valor de 100 bilhões de dólares para seguro contra a volatilidade do mercado e para apoiar transações mútuas em moedas nacionais. E o Banco de Desenvolvimento dos BRICS que está sendo criado é projetado para investimentos industriais conjuntos. O volume de ativos desta instituição deverá ser de 50 bilhões de dólares.
As capacidades financeiras e, mais importante, políticas dos BRICS atraem não só a Argentina. Anteriormente, o Irã tinha expressado seu desejo de entrar no bloco, e muitos especialistas também estão discutindo a possível adesão à organização de Cazaquistão, Indonésia e México. Assim que o bloco tem muito boas perspectivas, acredita o representante do Instituto da América Latina Boris Martynov:
“Países que conduzem uma política externa verdadeiramente independente em condições de evidente deterioração da situação internacional, de declínio crônico da autoridade do direito internacional – ao que está aplicando esforços o bloco anglo-saxão – esses países devem se manter juntos. Isso é completamente natural.”
Vários especialistas ocidentais acreditam que a adesão da Argentina aos BRICS tem futuro do ponto de vista de construção de um mundo multipolar, mas a diferença de potencial em comparação com a Rússia e a China é demasiado grande para isso. Os especialistas geralmente chamam a atenção a que o bloco é constituído por países com diferentes velocidades estratégicas de desenvolvimento.
Por outro lado, um período de relações tensas entre a Rússia e o Ocidente poderia ter uma influência positiva sobre o desenvolvimento da cooperação no âmbito dos BRICS. Na verdade, muitos países em desenvolvimento estão agora, sem dúvida, pensando sobre o que está acontecendo, tirando suas próprias conclusões, tomando decisões estratégicas a fim de proteger seus ativos. E neste sentido, a crise atual pode acelerar a expansão dos BRICS e a criação de uma zona de livre comércio.
  • #Wilbner RezendeWilbner Rezende 14 Maio, 18:33
    Mau Negócio, muito mau negócio, Argentina esta cheia de dívidas, depois que ela entrar vai virar bagunça; vai ter Chile, Venezuela, Peru e outros, considero esses países estrategicamente fracos.
  • #sebastian_b_bsebastian_b_b 14 Maio, 20:21
    Argentina não, por favor nãooooo
  • #Brasil_NÃO_é_ocidental_Brasil_É_LatinoBrasil_NÃO_é_ocidental_Brasil_É_Latino 14 Maio, 20:51
    Péssima idéia! a partir daí vai começar a virar bagunça! por favor, rejeitem a adesão!
  • #Observador ObservateurObservador Observateur 14 Maio, 21:03
    Péssimo negócio agora. Primeiro deveriam exigir que a Argentina reduza em 95% sua dívida externa, 50% da interna e que demonstre crescimento social. O povo Argentino é guerreiro e merece mas não com uma corrupção enraizada em tudo que é setor como no Brasil. O país tem recursos para promover isso. E o Brasil tem expertise no assunto.
  • #Observador ObservateurObservador Observateur 14 Maio, 21:07
    O Brasil deve prestar atenção aos movimentos da Russia no que se refere a mudança de moeda para comércio de petróleo e gás. A Russia com certeza não vai correr tamanho risco de apoiar o dólar sabendo que a economia ocidental está podre. Tanto a Russia, China, e mesmo Brasil, Venezuela e Irã, teriam um excelente mercado competindo contra a carnificina comercial dos EUA e seus bonecos da UE. Para o Brasil seria até curioso ver o que esses políticos fariam com a CIA no cangote....Acho que ia arregar. São todos covardes mesmo.
  • #Brasileiro Brasileiro 14 Maio, 23:05
    Concordo plenamente com a sua visão, a Argentina não consegue nem pagar seus funcionários públicos vai poder almejar ser uma voz atuante no cenário internacional !!!
  • #Farias CArdosoFarias CArdoso 14 Maio, 23:33
    A matéria diz tudo: “A adesão aos BRICS pode significar a obtenção de financiamento em condições mais favoráveis do que as oferecidas por outras organizações internacionais.”. A Argentina não quer participar dos BRICS para somar, mas sim para se beneficiar. Alias a sua população não é tão grande quanto diz a matéria. É bem menor do que a o México que tem 120,8 milhões (2012) enquanto a Argentina tem 41,09 milhões (2012)
  • #Jose Ronaldo BorgesJose Ronaldo Borges 15 Maio, 00:25
    A Argentina é grande produtora de grãos e carnes. Pode ser interessante para a Russia e China.
  • #Lima de DeusLima de Deus 15 Maio, 00:30
    Cuidado para não incluirem os componentes do FORO DE SÃO PAULO e deixar de ser um bloco econômico para ser um ajuntamento da companheirada e avacalhar a coisa.
  • #Rivenzio Magno Carvalho de LimaRivenzio Magno Carvalho de Lima 15 Maio, 01:21
    Nós estamos muito OTIMISTAS COM A ENTRADA DA ARGENTINA, SERÁ UM IMENSO PRAZER, NÓS AMAMOS A ARGENTINA E OS ARGENTINOS.
  • #rgnascimentorgnascimento 15 Maio, 01:24
    É o início do isolamento americano no mundo?
  • #paulo freitaspaulo freitas 15 Maio, 01:27
    A ARGENTINA PODE ATÉ ADERIR AO BLOCO ECONOMICO.. MNO ENTANTO ESTE PAIS PRECISA SE COMPROMETER EM FAZER MUDANÇAS RADICAIS NA QUESTÃO DAS SUAS FINANÇAS.. ALIÁS A CHINA QUE É A LOCOMOTIVA DO BLOCO ELA TEM O DIREITO E CONDIÇÃO DE EXIGIR DOS MEMBROS DO GRUPO EM DIMINUIR A CORRUPÇÃO E A BUROCRACIA DOS DEMAIS .. ALIÁS TAMBÉM TEM O DIREITO DE TER O BANCO CENTRAL DOS BRICS EM SEU TERRITÓRIO E TAMBÉM DE EXIGIR QUE A SUA MOEDA OM YUAN SEJA A MOEDA DO BLOCO.. PORQUE A CHINA TEM LASTRO ENORME EM RESERVA DE OURO PRA CONTROLAR O VALOR DA MOEDA.. ASSIM PODE TER CERTEZA PODE SE DIZER ADIOS dolar E ADIOS euro...
  • #paulo freitaspaulo freitas 15 Maio, 01:30
    OBRIGADO USA e obrigado EUOPA vocês aceleraram a formação dos BRIcs e aliás conseguiram arrastar para o grupo o interesse do mexico.. argentina e indonésia kkkkkkk
  • #João PauloJoão Paulo 15 Maio, 04:07
    Eu acho que faz mais sentido o México aderir aos BRICS. O México é a grande economia hispânica das Américas, não a Argentina. Angola e Moçambique estão mas promissores como mercados emergentes do que a Argentina, parece inacreditável mas é verdade. Outros países que poderiam aderir aos BRICS são a Turquia e a Indonésia.
  • #Sandro Luiz BrasilSandro Luiz Brasil 15 Maio, 05:59
    Só porque o Papa é Argentino já quer o país se aproveitar da situação ao seu favor, mas é muito mau negócio, mais fácil aceitar o Irã e Paquistão
  • #Scherer AlexanderScherer Alexander 15 Maio, 07:51
    Argentina sim! Os russos e chineses não pregam pregos sem estopa! às vezes é melhor sustentar uma economia menor, porém há que manter espaço geopolítico, vejam o Reino Unido com as Malvinas; tanto a China como a Rússia irão marcar presença, não nas Faukland, mas em toda a Argentina, afora o imenso Brasil:GOL! SHOW DE BOLA!!! O México é sola de sapato dos EUA! Brasil e Argentina: 10 ! !
  • #Jacques ChabanJacques Chaban 15 Maio, 08:33
    Quem fala isso da Argentina não conhece o seu potencial, o potencial do seu povo, o nível médio de escolaridade. Falam da argentina virtual, divulgado noite e dia pela Globo. Modestamente eu sou um dos brasileiros que mais conhecem a Argentina, conheço com detalhe as 24 províncias. Amigos argentinos até dizem que eu conheço a Argentina mais do que a grande parte dos argentinos. Quando sair de férias dê uma passada pelas províncias de Missiones, Corrientes, Formosa, Chaco, Santiago Del Estero,Santa Fé, Entre Rios, Córdoba, Tucumán, La Pampa, Buenos Aires, Neuqén e Rio Negro. Vocês verão ver que as terras dessas províncias são semelhante ou até melhor do que as férteis terras da região sul do Brasil, só que representam mais de um milhão e meio de quilômetros quadrados. Sem contar, como já disse, o povo Argentino tem escolaridade muito superior a média do BRICS, ou seja, está pronto para atuarem em qualquer ramo de alta tecnologia.
  • #mario silveiramario silveira 15 Maio, 10:40
    O problem da transgênia e da vaca louca são de extrem gravidade a toda a humanidade, inclusive há rumores de saberem da presença da proteina modificada a muito na europa , e, só não divulgado por interesses financeiros de razões imperialistas, colonialistas, genocidas e de disfarçado futuro nos objetivos de exterminio em massa em cruzamentos degenerado de bos taurus com bos indicus ,o que em parte conseguiram com o gado holandês na India, implantando predisposições genética.
  • #Marcos Trindade de SouzaMarcos Trindade de Souza 15 Maio, 16:17
    Os BRICS querme criar o seu próprio banco, e irão escolher a Argentina como cobaia para isto. Fazendo empréstimo aos hermanos e alavancando a economia deste país provará a viabilidade do fundo, aí adeus FMI. Outra questão é que a argentina irá incomodar the UK devido à Falkland e isso tirará o foco da rainha para da Russia para a américa latina. Economicamente tb acredito na adesão da Indonésia agora México Calinte e Turquia não solas dos sapatos estadunidenses e mexer com eles será análogo a mexer na Ucrania, o tio San vai se mexer...
  • #Marcos Trindade de SouzaMarcos Trindade de Souza 15 Maio, 16:29
    Também penso que o nome BRISCS irá mudar para um nome que não seja o das iniciais dos países se não ficará BRICSA depois BRICSAM depois BRICSAMI no final BRICSAMIKFNGPSJFPIJF WJNVKSJNFJOJOGIJFOIJ...
  • #Adimilson NunesAdimilson Nunes 18 Maio, 02:28
    Vejo com bons olhos a Argentina. Apesar dos seus numerosos problemas. Teremos novidades a partir de 20 de maio agora. Putin irá a Beijing e se reunirá com dirigentes chineses e um mega-acordo no fornecimento de gás russo será assinado, provavelmente. E tudo isso em yuans/rublos. Por que eu refuto o México? Basta revivermos o dia 1º de janeiro de 1994, o levante do EZLN do subcomandante Marcos em Chiapas. E por que? A adesão do México ao Nafta. E quem canetou pelo México foi o criminoso Carlos Salinas. Hoje a situação mexicana é ruim. Várias indústrias de base quebraram. Os salários pagos são indignos. O México é o resultado do que foi e do que é esse Nafta. Prevejo que dentro de alguns anos, os BRICS poderão abrigar a Argentina, se não for eleita nesta vez e, Venezuela, Irã, Vietnã, Angola, Cazaquistão, Indonésia. Caso o Peru mantenha sua linha atual de gestão, poderá ser uma agradável surpresa além do Equador. Sugeriria a Tailândia desde que os militares não se intrometessem mais na vida política do país com seus golpes. O Chile, eu descarto, é uma sociedade profundamente dividida e o país é vendido como uma mentira para o exterior. A pobreza é crônica entre os chilenos. Fruto das aplicações econômicas dos alunos de Chicago - Chicago Boys. Quanto ao nome da plataforma BRICS, acharia sensato quando da adição de cada nação, que houvesse essa nomenclatura: BRICS+1, BRICS+2, BRICS+3 e assim por diante. Mencionei o Irã porque o governo local pretende comercializar com a Rússia e a China pagando nas moedas destes dois países. O rial persa é fraquíssimo e não tem paridade pra competir com qualquer moeda da plataforma BRICS então Teerã já assumiu o compromisso de pagar as transações em rublos e yuans. A derrocada do dólar está próxima e rogo a Deus, estar vivo para ver tudo isso.
  • #Paulo Emilio AstutoPaulo Emilio Astuto 20 Maio, 02:32
    Eu sinceramente não sei o porquê de Argentina. Pela ordem natural das coisas deveria ser o México, que atualmente é a 15ª maior economia do mundo. Entretanto sabemos que o México é um Estado fantoche dos Estados Unido. O mais indicado então seria a Indonésia, a 16ª maior economia do mundo e a maior nação muçulmana do planeta. Argentina é apenas a 29ª economia do mundo e vai muito mal das pernas, além de ser uma contumaz criadora de casos...
  • #Sandra SoaresSandra Soares 11 Junho, 14:16
    O Brasil nnão apóia a entrada da Argentina no BRICS, e não vai apoiar nunca. A Rússia apoiiaria a entrada do Casaquistão, país que está ems ua área de influência? A força do BRICS está em reunir países com um determinado peso territorial, estratégico ou geopólítico, que têm, cada um, uma área espécífica de influência no mundo. Na América do Sul, o único BRICS que existe é o Brasil, e não poderão haver dois.
    Leia mais: http://portuguese.ruvr.ru/2014_05_14/BRICS-a-caminho-de-expansao-5701/

Nenhum comentário:

Postar um comentário