domingo, 19 de outubro de 2014

PROTÓGENES QUEIROZ - AFIRMA TER PROVAS DO ASSASSINATO DE "CAMPOS" - TURMA DA MARINA E AÉCIO SÃO SUSPEITOS POTENCIAIS




 EDUARDO CAMPOS - PROVAS DO ASSASSINATO - by PROTÓGENES QUEIROZ




TURMA DA MARINA E AÉCIO SÃO SUSPEITOS POTENCIAIS  

ROLLEMBERG FINANCIADO POR GEORGE SOROS, QUE FINANCIOU MARINA E FINANCIA O "PSB" , QUE ELIMINOU EDUARDO CAMPOS...


ROLLEMBERG É JUDEU, FINANCIADO POR OUTRO JUDEU GEORGE SOROS, QUE FINANCIOU MARINA SILVA E FINANCIA O "PSB" , QUE ELIMINOU EDUARDO CAMPOS...


O BRASIL PRECISA 

CONHECER GEORGE 

SOROS, 

O FINANCIADOR

DE CAMPANHAS 

ELEITORAIS

Publicado: agosto 29, 2014 em ColonialismoEconomia
Política
Tags:

,
,
0
soros13















George Soros foi denunciado como um dos mentores da teoria da conspiração para matar Eduardo Campos, e desestabilizar o governo e a reeleição de Dilma Rousseff.
Esta suspeita jamais foi noticiada pelos barões da mídia no Brasil, e não se sabe se faz parte das investigações sobre o avião fantasma da campanha de Eduardo Campos e Marina Silva, que caiu em Santos no azarado e fatídico dia 13 de agosto.
Para a maioria dos eleitores de Marina, a crença de que Eduardo Campos foi assassinado, e ninguém do PSB e partidos aliados, principalmente o clandestino partido Rede, neca de admitir uma morte acidental.
In Wikipédia: George Soros (Budapeste, 12 de Agosto de 1930) é um empresário e homem de negócios húngaro-americano. Ficou famoso pelas suas atividades enquanto especulador, nomeadamente em matéria de taxas de câmbio, chegando a ganhar 1 bilhão de dólares em um único dia apostando contra o banco da Inglaterra, bem como pela sua atividade filantrópica, que apoiou entre outros, a Universidade Central Europeia.
Nascido na Hungria com o nome de Schwartz György, tornado-se Soros György, filho de Tivadar Soros, famoso esperantista húngaro, escritor e ex-soldado, e de Erzebet Czacs, ambos de família judia, George Soros teve uma infância relativamente boa, tendo passado parte da adolescência fugindo de perseguições, na Hungria, pelo fato de ser judeu.
Depois, migrou aos dezessete anos para Londres, onde começou a enriquecer com a administração de empresas.
Actualmente é o Presidente da Soros Fund Management, curador da International Crisis Group, e presidente da Open Society Institute, tendo pertencido à Administração do Council on Foreign Relations. Perdeu um processo judicial na França e no Tribunal Europeu de Direitos Humanos por Insider Trading.
Nos Estados Unidos é conhecido por ter doado montantes exorbitantes para eleger o presidente Barack Obama.
No mesmo mês, em 2010, o investidor multimilionário doou US$ 1 milhão para a campanha de um referendo que visa legalizar a maconha na Califórnia. Ele patrocina o International Crisis Group e a Revenue Watch, que financiam campanhas eleitorais em vários países do mundo [Inclusive no Brasil, e mantém a sustentabilidade de várias ONGs na Amazônia].

Deputado brasileiro,

Protógenes Queiroz afirma ter provas de que Eduardo Campos sofreu atentado

Deputado brasileiro afirma ter provas de que Eduardo Campos sofreu atentado

Em entrevista ao portal de notícias Terra, o deputado federal Protógenes Queiroz, candidato à reeleição pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB), afirmou ter provas de que a queda do avião que matou o candidato à presidência Eduardo Campos, do Partido Socialista Brasileiro (PSB), “não foi um acidente normal”, mas sim um atentado.

Além disso, ele também anunciou que está conduzindo uma investigação paralela à das autoridades oficiais e disse que faltam “explicações para as lacunas de dados” que está coletando a fim de “formatar uma convicção e apontar até uma direção dos possíveis responsáveis”.
Várias questões foram levantadas pelo deputado Queiroz

Protógenes quer provar que morte de Campos não foi acidente

Deputado federal pelo PC doB e candidato à reeleição foi ao local da queda do avião no dia do acidente e começou a reunir provas do que ele diz ser um atentado

 

O deputado federal e candidato à reeleição Protógenes Queiroz (PC do B) tem repetido que a queda do avião em Santos (SP) que matou o candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB) e mais seis pessoas “não foi um acidente normal”, mas sim um atentado. Em entrevista ao Terra, Protógenes, que é delegado licenciado da Polícia Federal (PF), disse: “questão do acidente ser normal, na minha convicção, está afastado isso”. Ele afirma ter provas de sua versão dos fatos, relata estar conduzindo uma investigação paralela e que irá entregar os dados coletados à Procuradoria Geral da República (PGR) após as eleições. “Eu quero saber as explicações para as lacunas de dados que eu estou coletando, pra formatar uma convicção e apontar até uma direção dos possíveis responsáveis”, afirmou.

O irmão de Eduardo Campos, o advogado Antônio Campos, afirmou, por meio de nota na última segunda-feira que juntou "tal nota (sobre a versão do deputado) perante o Ministério Público de Santos e a 5ª Vara Federal de Santos, na tarde de hoje, requerendo que se intime o Delegado Federal e Deputado Federal Protógenes Queiroz para que perante o MPF e a Justiça Federal faça o seu esclarecimento e traga aos autos os citados indícios e depoimentos que alega ter de que o acidente com Eduardo Campos teria sido atentado”.

No dia da queda da aeronave, Protógenes relata que estava na baixada santista, onde iria se encontrar com o candidato à Presidência, “apesar de não pertencer ao mesmo campo político, mas por questão de respeito, por amizade que eu tinha com o Eduardo Campos”. Ao ficar sabendo do ocorrido, o delegado licenciado diz ter se dirigido ao local da tragédia “para coletar informações”.

O primeiro fato estranho, de acordo com Protógenes, é que “a equipe da PF que ficou designada pra poder acompanhar nas buscas, coletar alguns dados, só chegou na madrugada do dia seguinte”. Ele afirma que a área não foi isolada corretamente para a coleta e análise de evidências.

Na região da queda do avião ele diz ainda ter encontrado “contradições”. Relata ter localizado um fichário de anotações do piloto, mas apenas a capa, sem as folhas, que encontrou em outro local após buscar por conta própria. “Por que foram retiradas essas folhas? Por que eu encontrei em outro local? Eu fotografei as folhas e pedi pra perícia recolher”.

Ele conta ainda ter tirado fotos de pedaços da fuselagem do avião e que teve acesso às imagens dos destroços coletados e armazenados na base da Força Aérea no Guarujá. Segundo ele, várias peças não constam nas fotos na base aérea: “eu vou lá (na base aérea) pra confrontar o que eles retiraram do local, referente à aeronave, e (ver) se não constam algumas peças que eu encontrei no local”.

O deputado disse que as imagens captadas por câmeras de prédios no entorno levam a crer que o piloto estava sem o controle da aeronave no momento em que caiu. “Todo o sistema de aviônica, eletrônico, digital da aeronave foi paralisado”. 

Outra questão seria quem autorizou o plano de voo em condições meteorológicas desfavoráveis: "aquela pista (no Guarujá, para onde o jato seguia) precisaria ter boas condições de visibilidade para se poder aterrissar".Por fim, o delegado afirma que alguns técnicos da PF que estão trabalhando no caso estariam receosos com a possibilidade de um atentado. 

“Os técnicos estão um pouco amedrontados com a situação, amedrontados porque converge com uma situação de um atentado (...) e eles têm medo de algum tipo de retaliação”.

Protógenes QueirozJornal Terra e o Estado de São Paulo:  Estado de S. Paulo

avião de Campos foi financiado por seis empresas e com endereços fantasmas e sem lastro financeiro

O jatinho que transportava o então candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB) no dia de sua morte foi financiado por empresas com endereços fantasmas e sem lastro financeiro, segundo publicou o jornal O Estado de S. Paulo nesta quarta-feira. De acordo com a publicação, as empresas custearam o pagamento de uma dívida de R$ 1,7 milhão para a compra do Cessna Citation.

 As seis fontes pagadoras que fizeram transferência bancária para a A.F. Andrade, dona da aeronave nos registros da Agência Nacional de Aviação Civil. Segundo o Estadão, elas teriam assinado contrato de empréstimo para o empresário João Carlos Lyra Pessoa de Mello, que afirmou ser o comprador do jato. 

Outra empresa que aparece como financiadora é a Ele Leite Negócios Imobiliários Ltda, que declarou ter emprestado R$ 727,7 mil a João Carlos. Dinheiro que foi transferido no dia 15 de maio para a A.F. Andrade.

Contrato de jato usado por Eduardo Campos comprador é fantasma


Documento tem apenas uma assinatura ao lado do local e data da compra

 

EDUARDO CAMPOS "ASSASSINADO" -  - QUEM ARRUMOU O AVIÃO FAZ PARTE DO COMPLÔ


É CLARO E EVIDENTE QUE QUEM ARRUMOU O AVIÃO ARAPUCADO, TEM MUITO A VER COM O ASSASSINATO DE EDUARDO CAMPOS.
MARINA SILVA TEM LIGAÇÕES PERIGOSAS E SUSPEITAS, O SEU VICE NA ELEIÇÃO PASSADA É "JUDEU SIONISTA" E O SEU PADRINHO, QUE FORAM VISTOS ALMOÇANDO JUNTOS, NADA MAIS É DO QUE O CHEFE DA MÁFIA DO JUDAICO SIONISMO DE ISRAEL NA EUROPA - TONY BLAIR.
SE O DITADO POPULAR "DIZ-ME COM QUEM ANDAS E DIR-TE-EI QUEM ÉS" É FATO, ENTÃO A MARINA SILVA TEM CULPA NO CARTÓRIO, ALÉM DO QUE, É A  BENEFICIADA DIRETA E OS "JUDEUS SIONISTAS" SERÃO BENEFICIADOS INDIRETAMENTE, TERÃO A PRESIDÊNCIA DO BRASIL NAS MÃOS!

Sobre suspeitas 

 em uso de avião

Campanha teria que comprovar doação de avião e será obrigada a fazer prestação de contas por seu uso

Depois de se deparar com uma empresa de fachada e empresários sem condições econômicas para comprar um avião de R$ 18,5 milhões, a Polícia Federal vai apurar se a aeronave que caiu com o candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB) foi comprada com dinheiro de caixa dois de companhias ou do próprio partido.

O avião pertence ao grupo A. F. Andrade, dono de usinas de açúcar que está em recuperação judicial, com dívidas de R$ 341 milhões.

No dia 15 de maio deste ano, um empresário de Pernambuco e amigo de Campos, João Carlos Lyra de Melo Filho, assinou um compromisso de compra da aeronave e posteriormente indicou as empresas BR Par e a Bandeirantes Pneus para a assumir dívidas de US$ 7 milhões (R$ 16 milhões) junto à Cesnna.

A BR Par não existe no endereço que aparece no seu registro na Junta Comercial, na avenida Brig. Faria Lima, em São Paulo. A Bandeirantes foi recusada pela Cessna por falta de capacidade econômica.

Mais suspeitas

Além do limbo jurídico sobre quem é o dono do avião, há também suspeitas de crime eleitoral. Para justificar o uso do jatinho perante o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a campanha do PSB precisaria apresentar em sua prestação de contas documentos que não existem.

Para poder transportar o candidato até que a documentação fosse transferida para aliados de Campos, o avião precisaria ter sido doado para a campanha do PSB.

A lei eleitoral permite a doação dos chamados bens permanentes --avião ou carro. "Mas a doação precisa constar de um contrato, com a emissão de recibo eleitoral pela campanha", diz Katia Kufa, presidente do Instituto Paulista de Direito Eleitoral. "Esse contrato precisa ser feito antes da doação."

Segundo Ricardo Tepedino, advogado do grupo A. F. Andrade, não houve doação.

Pela lei, a campanha precisará explicar como bancou todas as despesas com voos, estimadas em R$ 1,2 milhão.

Na primeira parcial de prestação de contas, não há nenhuma despesa relacionada ao avião. A campanha, porém, poderá prestar contas até 25 de novembro, se houver segundo turno.

O custo da operação do jato foi calculado pela reportagem com base em uma análise dos planos de voo, aos quais a Folha teve acesso.

Ao longo de quase três meses, o Citation pousou em 34 aeroportos, contabilizando 118 horas de voo.

Foram analisados os voos realizados do dia 15 de maio, quando o avião passou a ser usado exclusivamente pela campanha, até 13 de agosto, dia do acidente.

Se tivesse contratado empresa de táxi aéreo, a campanha teria gasto R$ 1,7 milhão. O custo é maior por incluir a margem de lucro.

A hora de voo do Citation XL custa em média R$ 14,5 mil. Para um operador privado, o custo operacional é de cerca de R$ 10 mil.

Para não configurar crime eleitoral, todas as despesas de combustível, salário de piloto e manutenção precisam ser pagas com notas emitidas em nome da campanha.

Reportagem do jornal "O Globo" revelou que no aeroporto Santos Dumont as despesas de apoio em solo foram pagas pela Lopes e Galvão, empresa com sede em uma escola infantil de Campinas.

"Se os gastos com o avião não forem declarados, isso pode configurar omissão de despesas e o candidato pode responder a uma ação por abuso de poder econômico", diz Kufa. Para ela, Marina pode ter a candidatura cassada e se tornar inelegível se as contas forem rejeitadas.

O Globo

EDUARDO CAMPOS - TERROR JUDAICO SIONISTA NO BRASIL - ELE E SEU STAF "ASSASSINADOS" EM SÃO PAULO


Da mesma forma que derrubaram dois aviões malaios, os helicópteros do comandante Rolim e de Ulisses Guimarães, os aviões dos Mamonas Assassinas e do filho de Kennedy, os aviões fabricados pelos JUDEUS SIONISTAS, como é o caso do avião de Eduardo Campos, JÁ SAEM DE FÁBRICA COM DISPOSITIVO DE PANE POR CONTROLE REMOTO, os "acidentes" são provocados onde é conveniente!...
Hoje, 20:09

Avião com candidato à presidência no Brasil é acidentado criminosamente em São Paulo, para abrir a vaga a Marina Silva(CAVALO DE TROIA SIONISTA), que é a preferida de "TONY BLAIR", que por sua vez é um dos chefes da MÁFIA DOS JUDEUS SIONISTAS NA EUROPA, são os mesmos que fizeram a arapuca e o assassinato de Kadhafi da Líbia.

Avião com candidato à presidência no Brasil cai em São Paulo

No estado brasileiro de São Paulo, caiu um avião privado a bordo do qual seguia o candidato à presidência no país Eduardo Campos, informou a agência noticiosa Reuters, citando uma fonte próxima do candidato.

O avião Cessna 560XL, que decolou de Rio de Janeiro, caiu sobre os prédios residenciais, enquanto pousava no aeroporto de Guarulhos. 

Por enquanto, não há informações precisas sobre o número de mortos e feridos na sequência do acidente.

Eduardo Campos, ex-chefe do estado nordestino de Pernambuco, ia apresentar sua candidatura do Partido Socialista brasileiro nas eleições presidenciais, que serão realizadas em outubro deste ano.

A candidata MARINA SILVA é financiada pelo JUDAICO SIONISMO DE ISRAEL, e agora será cabeça de chapa na corrida presidencial.
 
O candidato assassinado era neto do saudoso MIGUEL ARRAES, e já se sabia que Eduardo era PATRIOTA e não continuaria com o roubo denominado de privatizações contra o povo brasileiro, tinha que ser eliminado, e o foi, a exemplo do que fizeram com ALLENDE no Chile, OMAR TORRIJOS do Panamá e CASTELO BRANCO - COSTA E SILVA - GETULIO VARGAS - JOÃO GOULART do Brasil, KENNEDY dos Estados Unidos, KADHAFI da Líbia, SADAM HUSSEIN do Iraque. E na fila de eliminação estão MADURO da Venezuela e ASSAD da síria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário