domingo, 5 de outubro de 2014

"AÉCIO E NESTLÉ" - MAIORES CRIMES CONTRA A HUMANIDADE - ARSÊNIO ENCONTRADO EM ALIMENTOS INFANTIS -É AJUDADA POR AÉCIO NEVES NA DESMINERALIZAÇÃO DAS "ÁGUAS DE SÃO LOURENÇO", ATO INCONSTITUCIONAL.


SÁBADO, 9 DE ABRIL DE 2011


Arsênio e metais tóxicos encontrados nos alimentos para bebês da "NESTLÉ"

Resultado de imagem para nestleOntem à noite houve apelos urgentes na Inglaterra para novas regras de segurança para controlar a presença dos venenos nos alimentos destinados a crianças pequenas.

 Os funcionários da Food Standards Agency e a Comissão Européia estão realizando uma revisão urgente para estabelecer novos limites para a exposição em longo prazo destes contaminantes em alimentos.

 Os produtos testados pelos pesquisadores são provenientes de grandes fabricantes de alimentos para bebês, incluindo a "Organix", "Hipp", "Nestlé" e "Holle" - alguns dos quais estão disponíveis nos supermercados britânicos.

Os investigadores encontraram na alimentação de lactentes com papas de arroz até cinqüenta vezes de arsênico quando comparado ao aleitamento materno sozinho. 

A exposição a outros metais tóxicos, como cádmio, que é conhecida por causar danos neurológicos e renais, aumentou até 150 vezes em alguns dos alimentos testados por cientistas suecos, enquanto chumbo aumentou em até oito vezes.

Embora nenhum dos níveis dos elementos tóxicos encontrados nos alimentos ultrapassou os limites de segurança oficial, os cientistas acreditam que ainda é motivo de preocupação alimentar as crianças muito jovens com estes níveis e têm demandado novas diretrizes para restringir a sua presença nos alimentos.Os lactentes jovens são tidos como especialmente vulneráveis ​​a essas substâncias, pois eles estão passando por um rápido desenvolvimento.

  Em artigo no jornal “Food Chemistry”, os cientistas do Karolinska Institutet, em Estocolmo, na Suécia, onde a pesquisa foi realizada, afirmaram: "É alarmante que estes alimentos complementares também podem introduzir grandes quantidades de elementos tóxicos, como arsênio, cádmio, chumbo e urânio, principalmente de suas matérias-primas.” “Estes elementos têm de ser mantidos em um mínimo absoluto em produtos alimentares destinados aoconsumo infantil”.

"Nos alimentos infantis, as altas concentrações de arsênico nos alimentos à base de arroz são uma preocupação especial."Os especialistas acreditam agora que não há limites seguros para o arsênio e os fabricantes devem fazer mais esforços para removê-lo da sua comida.Oprofessor Andrew Meharg, um biogeoquimista da Universidade de Aberdeen, que estudou a presença de arsênico no arroz, disse que as pesquisas mais recentes destacaram a necessidade urgente de novas restrições sobre o arsênio e outros elementos tóxicos em alimentos.

Ele disse: "Para um adulto com um consumo médio de arroz por dia, talvez faça pouca diferença, mas para os bebês jovens que são os receptores mais vulneráveis deveríamos estar fazendo tudo que podemos para reduzir esse risco de danificar o DNA durante o desenvolvimento infantil”

."Há formas de diminuir a carga tóxica na comida, utilizando produtos orgânicos, por exemplo,” Só muito recentemente é que começaram a usar o arroz em alimentos para bebês.

 Você pode reduzir o arsênio em alimentos infantis muito rapidamente com a terceirização do arroz de diferentes partes do mundo.

 Você pode reduzi-la em quatro ou cinco vezes por selecionar cuidadosamente o arroz certo. " Completou.
Fonte: http://www.telegraph.co.uk

NESTLÉ – MAIORES CRIMES CONTRA A HUMANIDADE

NESTLÉ – MAIORES CRIMES CONTRA A HUMANIDADE
GOVERNO DE AÉCIO NEVES(PSDB) É CONIVENTE COM A EMPRESA QUE BURLA A CONSTITUIÇÃO FEDERAL, E ESTE MESMO CRIME FOI COIBIDO PELO GOVERNO SUIÇO E EM TODA A EUROPA! 


As águas turvas da Nestlé 
Escrito por Carla Klein 
Qui, 09 de Agosto de 2012 


Há alguns anos, a Nestlé vem utilizando os poços de água mineral de São Lourenço para fabricar a água marca PureLife. Diversas organizações da cidade vêm combatendo a prática, por muitas razões. As águas minerais, de propriedades medicinais e baixo custo, eram um eficiente e barato tratamento médico para diversas doenças, que entrou em desuso, a partir dos anos 50, pela maciça campanha dos laboratórios farmacêuticos para vender suas fórmulas químicas através dos médicos. Mas o poder dessas águas permanece. Médicos da região, por exemplo, curam a anemia das crianças de baixa renda apenas com água ferruginosa.

Para fabricar a PureLife, a Nestlé, sem estudos sérios de riscos à saúde, desmineraliza a água e acrescenta sais minerais de sua patente. A desmineralização de água é proibida pela Constituição.

Cientistas europeus afirmam que nesse processo a Nestlé desestabiliza a água e acrescenta sais minerais para fechar a reação. Em outras palavras, a PureLife é uma água química. A Nestlé está faturando em cima de um bem comum, a água, além de o estar esgotando, por não obedecer às normas de restrição de impacto ambiental, expondo a saúde da população a riscos desconhecidos. O ritmo de bombeamento da Nestlé está acima do permitido.

Troca de dutos na presença de fiscais é rotina. O terreno do Parque das Águas de São Lourenço está afundando devido ao comprometimento dos lençóis subterrâneos. A extração em níveis além do aceito está comprometendo os poços minerais, cujas águas têm um lento processo de formação. Dois poços já secaram. Toda a região do sul de Minas está sendo afetada, inclusive estâncias minerais de outras localidades.

Durante anos a Nestlé vinha operando, sem licença estadual. E finalmente obteve essa licença no início de 2004.

Um dos brasileiros atuantes no movimento de defesa das águas de São Lourenço, Franklin Frederick, após anos de tentativas frustradas junto ao governo e à imprensa para combater o problema, conseguiu apoio, na Suíça, para interpelar a empresa criminosa. A Igreja Reformista, a Igreja Católica, Grupos Socialistas e a ONG verde ATTAC uniram esforços contra a Nestlé, que já havia tentado a mesma prática na Suíça.


Em janeiro deste ano, graças ao apoio desses grupos, Franklin conseguiu interpelar pessoalmente, e em público, o presidente mundial do Grupo Nestlé. Este, irritado, respondeu que mandaria fechar imediatamente a fábrica da Nestlé em São Lourenço. No dia seguinte, no entanto, o governo de Minas (PSDB) baixou portaria regulamentando a atividade da Nestlé. Ao invés de aplicar multas, deu-lhe uma autorização, mesmo ferindo a legislação federal. Sem aproveitar o apoio internacional para o caso, apoiou uma corporação privada de histórico duvidoso.

Se a grande imprensa brasileira, misteriosa e sistematicamente, vem ignorando o caso, o mesmo não ocorre na Europa, onde o assunto foi publicado em jornais de vários países, além de duas matérias de meia hora na televisão. Em uma dessas matérias, o vereador Cássio Mendes, do PT de São Lourenço, envolvido na batalha contra a criminosa Nestlé, reclama que sofreu pressões, para calar a boca. 

A empresa, como estratégia de marketing, incentiva os consumidores a comprar seus produtos, alegando que reverte lucros para os pobres. E qual é a real participação da Nestlé no programa? A contratação de agentes e, parece, também fornecendo o treinamento.

Sim, é a mesma famosa Nestlé, que tem sido há décadas alvo internacional de denúncias de propaganda mentirosa, enganando mães pobres e educadores, para substituir leite materno por produtos Nestlé, em um dos maiores crimes contra a humanidade.

A vendedora de leites e papinhas "substitutos" estaria envolvida com o treinamento dos agentes brasileiros do Fome Zero, recolhendo informações e gerando lucros e publicidade nas duas pontas do programa: compradores desejosos de colaborar e famintos carentes de comida e informação. Mais preocupante: o governo federal anuncia que irá alterar a legislação, permitindo a desmineralização "parcial" das águas. O que é isso? Como será regulamentado?

Se a Nestlé vinha bombeando água além do permitido e a fiscalização nada fez, como irão fiscalizar agora a tal desmineralização "parcial"? Além do que, "parcial" ou "integral", a desmineralização é combatida por cientistas e pesquisadores de todo o mundo. E por que alterar a legislação em um item que apenas interessa à Nestlé? O que nós, cidadãos, ganhamos com isso?

É simples. Sabemos que outras empresas, como a Coca-Cola, estão no mesmo caminho da Nestlé, adquirindo terrenos em importantes áreas de fontes de água. É para essas empresas que o governo governa? Uma vergonha!

Carla Klein.

Originalmente publicado em http://www.circuitodasaguas.org/ 

Última atualização em Qui, 09 de Agosto de 2012


PS

“AÉCIO NEVES, TRAIDOR PELO CRIME DE "LESA-PÁTRIA", À ÉPOCA GOVERNADOR DE MINAS, HOJE, ALÉM DE SENADOR É CANDIDATO À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, É TÃO CRIMINOSO QUANTO A NESTLÉ, ELE É QUE DEU O LICENCIAMENTO.” 


Nenhum comentário:

Postar um comentário