sexta-feira, 26 de setembro de 2014

TERROR JUDAICO SIONISTA NA SÉRVIA - JUDEUS PROVOCAM, ALÉM DA CATÁSTROFE HUMANITÁRIA O "GENOCÍDIO CULTURAL"


4 Junho, 15:45

*Judeus Sionistas através da *OTAN (NATO) JUDAICO SIONISTA, deixaram na Sérvia um cemitério de monumentos históricos, num ato que pode ser denominado de - GENOCÍDIO CULTURAL, pois o objetivo foi o de apagar a memória e a história do país, através da destruição de seus monumentos.

ATAQUES MASSIVOS E INDISCRIMINADOS CONTRA A POPULAÇÃO CIVIL
Iugoslávia, OTAN, monumentos históricos, cultura, bombardeio, Sérvia, história, cultura

No ano do 15º aniversário do bombardeio da Iugoslávia pela OTAN (NATO) JUDAICO SIONISTA, a lista de monumentos históricos, culturais e religiosos sérvios destruídos ainda tem mais de 100 páginas. A sua destruição foi causada não só por ataques aéreos diretos, mas também pela posterior conivência criminosa da Força do Kosovo (KFOR) – a força internacional da *OTAN(NATO) JUDAICO SIONISTA, responsável por garantir a estabilidade no Kosovo. 

A analista política Elena Ponomareva chama de “crime contra toda a humanidade que quer se considerar civilizada e moralmente orientada” e catástrofe humanitária, e também cultural, na Sérvia:

“Bombardeios da Segunda Guerra Mundial, por incrível que pareça, não trouxeram destruição e danos tão colossais como a agressão em 1999. O resultado de muitos dias de bombardeio aéreo da República Federal da Iugoslávia pela aviação da OTAN (NATO) JUDAICO SIONISTA foi uma destruição maciça, deliberada de todos os monumentos culturais que o povo sérvio deixou em territórios controlados pelos ocupantes e seus cúmplices. Os monumentos culturais sobreviveram intactos o jugo turco, a invasão fascista, o período ateísta do socialismo. Mas no início do século XXI de repente temos um deserto queimado nos Bálcãs. É a Idade da Pedra!”

A lista de perdas culturais abrange uma enorme camada histórica: desde edifícios construídos no século X até ao início do século XX, erigidos, inclusive, por arquitetores russos. Ela inclui também o muito importante para sérvios monumento da Torre das Caveiras. Ela era a memória de uma luta de rebeldes sérvios contra as forças do Império Otomano e foi construída pelos turcos com crânios de sérvios mortos. Estão também na lista dezenas de igrejas sérvias que foram destruídas diretamente na presença da missão da *ONU JUDAICO SIONISTA e da KFOR como, por exemplo, igrejas nas cidades de Dakovica, Brnjaca, Podujevo, Belo Polje e muitas outras.

O que não foi destruído por completo, se tornou presa fácil para saqueadores: no Kosovo, casos de roubo e exportação de ícones e utensílios de igrejas aconteciam por toda parte. O comportamento das “forças de paz” na região dos Balcãs foi uma flagrante contradição à sua missão, diz o diretor do Centro para o estudo da crise dos Balcás do Instituto de estudos eslavos Elena Guskova:

“Eu sei que as forças de paz se envolviam em revenda de roupa e gasolina. Por exemplo, para o lado muçulmano ou croata. Também vendiam aos sérvios, e escoltavam pessoas por dinheiro para fora de cidades sitiadas, por exemplo, de Sarajevo. E em 2004, as forças de paz – batalhões alemães, franceses, norte-americanos – abriam caminho para albaneses do Kosovo que atacavam igrejas e mosteiros sérvios, destruíam-nos na presença de multidões! E a enorme multidão assistia gritando...”

Segundo Elena Guskova, não foi por acaso que os primeiros a sofrer danos foram monumentos religiosos e culturais no Kosovo e Metohija:

“Os albaneses se propuseram o objetivo de criar territórios etnicamente puros, sem sérvios, montenegrinos. Eles precisavam provar que aquele território era albanês nativo. A prova disso é a ausência de monumentos culturais de outros povos. Assim, quando não houver mais monumentos sérvios, e no Kosovo e Metohija existem mais de dois mil, então sera fácil dizer que nenhum outro povo tem direito a esses território. Embora entendamos perfeitamente que foi aqui que nasceu o Estado sérvio medieval, que foi aqui que começou a Sérvia.”

Ao contrário de guerras dos tempos do Império Romano ou da Idade Média, os conflitos militares modernos não são apenas confrontos de grupos armados. Como observou Elena Guskova, desde a década de 1990, esses processos são controlados pelo "JUDAICO  SIONISMO DE ISRAEL":

“O fator JUDEU SIONISTA coloca forças segundo seus próprios interesses. O controle da crise permite controlar também os métodos de guerra, inclusive contra monumentos culturais.”

RASMUSSEN - JUDEU SIONISTA E CRIMINOSO DE GUERRA NO COMANDO DA "OTAN JUDAICO SIONISTA"
*PORQUE O ROUBO E A DESTRUIÇÃO? 
"H G WELLS", o maior escritor e "HISTORIADOR" científico inglês, sobre HISTÓRIAS DA HUMANIDADE E DOS POVOS ANTIGOS, responde:

-- ...especificamente sobre os Judeus na antiguidade e sobre o seu maior feito, não eram um pais ou um Estado constituído...  -- "ERAM UMA HORDA DE VAGABUNDOS, QUE VAGAVAM PELO DESERTO ASSALTANDO AS CARAVANAS" --
 E hoje além de assaltar e roubar nações inteiras, as destroem, pois não querem testemunhas de seus atuais atos - CRIMINOSOS E GENOCIDAS, praticados na - LÍBIA, EGITO, IRAQUE, AFEGANISTÃO, PARAGUAI, UCRÂNIA, REPÚBLICA CENTRO AFRICANA E SÉRVIA.


  • # mario silveiramario silveira 4 Junho, 17:54
    Hoje temos a exata dimensão da perseguição ao Cristianismo na continuidade da Otan ,antes disfarçada na incivilidade das doutrinas conspirando contra a coisa revelada em disfarces de pretendido dominipo das riquezas mundiais .Hoje na continuidade do terrorismo da Otan fazendo valer contabilidade satanica em disfarce de dominio de riquezas mundiais , o que nunca , jamais seráo coroados de exito a Otan, mas com certeza a desintegração genocida dos mesmos se fará contra si mesmos na continuidade da brutal conspiração a nossa Era .

Nenhum comentário:

Postar um comentário