quarta-feira, 13 de agosto de 2014

COREIA DO NORTE PRODUZ NOVO MÍSSIL ANTI NAVIO DE ÚLTIMA GERAÇÃO SEMELHANTE AO RUSSO


19 Junho, 14:30

Coreia do Norte passa a produzir um míssil antinavio de última geração, semelhante ao russo

Coreia do Norte, Rússia, míssil, defesa

O aparecimento nas telas da televisão da Coreia do Norte de um novo míssil antinavio, que externamente faz muito lembrar o míssil russo 3M24 Uran (Kh-35), teve grande ressonância entre os especialistas de assuntos militares asiáticos.

É sabido que o Kh-35 é um míssil de cruzeiro eficaz e de alta precisão, capaz de superar o sistema de defesa antiaérea de navios de guerra modernos. Porém, o aparecimento desta arma na Coreia do Norte está envolto em numerosos mistérios.

Esse míssil pode permitir a Pyongyang ter um meio eficaz de atingir navios a longa distância da costa. Algumas modificações desses mísseis têm um raio de ação de 260 km. Até agora, os norte-coreanos tinham apenas diferentes modificações dos velhos mísseis soviéticos P-15.
Em princípio, o Kh-35 pode servir de ponto de partida também para a fabricação de mísseis de cruzeiro de longo alcance. Semelhantes mísseis podem também ser utilizados para atingir alvos terrestres, e isso será uma notícia desagradável para a Coreia do Sul. Projetos de fabricação de mísseis de cruzeiro de médio alcance na base de mísseis antibarco são há muito realizados com êxito, por exemplo, pelo Taiwan.

Fulcral é a questão da fonte de tecnologias do míssil norte-coreano. O míssil russo Kh-35 nunca foi fornecido à Coreia do Norte. A sua produção em série começou em meados dos 1990. A Índia era o principal comprador desse míssil, depois a ela juntou-se uma série de outros países, antes de tudo o Vietnã e a Argélia. Os fornecimentos deste míssil à Coreia do Norte não seriam uma violação do regime de controlo das tecnologias de mísseis, mas iriam contra as sanções da ONU em relação a Pyongyang. E mesmo que as sanções não fossem levadas à prática, é duvidoso que a Coreia do Norte tivesse recursos financeiros necessários para adquirir semelhantes sistemas de armas.

Rigorosamente falando, nada sabemos sobre as possibilidades reais do míssil norte-coreano. Porém, se se trata de um análogo do Kh-35, ele pode estar equipado com uma ogiva auto-orientada por rádio, que tem grande defesa contra as interferências e uma capacidade de atingir alvos a 20 km. Sistemas fulcrais do Kh-35 são também o eficaz motor a jato, o altímetro preciso que permite ao míssil voar a alturas de 10-15 metros sobre o mar e uma série de outros sistemas. São impossíveis de reproduzir sem acesso a uma base eletrônica de elementos, sem materiais e peças sobresselentes. É duvidosa possibilidade de reproduzir todos esses componentes sem ajuda alheia na indústria norte-coreana.

Dados sobre a construção e o voo do míssil Kh-35 podiam ser perfeitamente conseguidos num dos países em desenvolvimento que compraram o míssil. A Coreia do Norte tem longas ligações com alguns deles. Pode-se pressupor que o míssil norte-coreano foi produzido com base em informações sobre o Kh-35 e as tecnologias de origem chinesa, obtidas, por exemplo, através do Irã. Presentemente, o Irã tem produção licenciada de quatro tipos de mísseis chineses antibarco, incluindo o conhecido YJ-82, que é da mesma classe do Kh-35.

A Coreia do Norte, que se encontra num rígido isolamento devido a sanções internacionais, tem de por vias indiretas, nem sempre legais, obter tecnologias para a modernização das suas forças armadas. Por outro lado, é sabido que alguns dos projetos técnicos norte-coreanos de maior êxito e ambiciosos das últimas décadas foram realizados em estreita cooperação com parceiros estrangeiros. Normalmente, os parceiros foram o Irã e o Paquistão, países com programas ambiciosos de armamento, que se encontram em relativo isolamento técnico-militar.
Entre semelhantes programas conjuntos pode estar o novo complexo de mísseis norte-coreano KN-06, bem como alguns tipos dos mísseis balísticos, nomeadamente o Musudan. Há algum tempo atrás, os norte-coreanos começaram a produção de peças automáticas de artilharia marítima de 76-mm, que são uma cópia de peças da companhia italiana OTO Melara. Pensa-se que a documentação deles foi obtida do Irã, que utiliza sistemas semelhantes há mais de uma década.

  • # antonio everardoantonio everardo 20 Junho, 01:44
    Pois é, Vassili Kashin, depois da estória do "mundo globalizado", todo o mundo está ligado. Por outro lado, é bem melhor que os EUA fiquem bem longe da Correia do Norte. AE
  • # litlebitlitlebit 20 Junho, 02:31
    Para a complexidade geo-estratégica actual e considerando o facto da Coreia do Norte possuir armamento nuclear este assunto assume dimensão de alguma relevância para a Rússia em particular.
  • # Wiliam Mello da SilvaWiliam Mello da Silva 20 Junho, 03:55
    bom pra Coreia do norte quem vendeu não importa!!! quem arma a coeria do sul isso ninguém fala !!!
  • # Gleydson Martins RodriguesGleydson Martins Rodrigues 21 Junho, 05:29
    Coreia do norte merece ser esmagada assim como "hiroshima" foi... Comunistas nao merecem respeito, já que os mesmo mal respeitam os diretos básicos de seu povo. Pior ainda sãos os alienados Anti-Eua, usando seus PCs/Apple/Macs e internet inventados por eles. Ridículo, óleo de peroba já para passar na cara deses pró-comunistas acéfalos.
  • # spacibospacibo 24 Junho, 22:34
    Eu queria saber de voce o que faz os estados unidos serem um país democratico se la ja existem leis que pernitem te levar preso sem um julgamento portempo indeterminado apenas por suspeitarem de voce e o pior, se for executado nesse processo os agentes de execução não serão responsabilizados por isso.
  • # spacibospacibo 24 Junho, 22:37
    E o japão era tão imperialista como os EUA são. eu gostaria muito que voce que deseja a morte de milhares de "comunistas" também seja esmagado com seu facismo odiento.
  • # luisluis 3 Julho, 19:10
    Ninguém merece,vender míssil a um desiquelibrado como Pyongyang. Um ditador assassino que massacra o povo,já deveria ter sido morto.Esse cabelo de porco espinho,e ainda ficam falando bem desta praga...os EUA têm que invadir logo a Coréia do Norte e livrar o povo deste câncer...é um absurdo tudo isso...maldito comunista
  • # GeorgeGeorge 18 Julho, 22:12
    Eu acho que foi o Haiti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário