segunda-feira, 31 de março de 2014

UCRÂNIA - MANIFESTANTES EXPULSAM EXÉRCITO GOLPISTA DE DONETSK E LUGANSK



Regiões leste e sul da Ucrânia mantêm sublevação contra o regime fascista dos JUDEUS SIONISTAS instalado em Kiev
20.03.2014
Regiões leste e sul da Ucrânia mantêm sublevação contra o regime dos fascistas. 20015.jpeg

















Enquanto a Crimeia definiu sua vontade através do referendo de domingo, as regiões leste e sul da Ucrânia se mantêm sublevadas contra o regime fascista dos JUDEUS SIONISTAS instalado em Kiev. 

Em Kharkov, segunda maior cidade, no domingo (16) milhares de manifestantes exigiram um referendo sobre a federalização do país e marcharam até o consulado da Rússia para pedir apoio para aprovar a questão na ONU.

Os manifestantes levavam uma bandeira gigante russa, com 100 metros de comprimento. "Nossa cidade sempre foi russa e assim permanecerá mesmo dentro da Ucrânia. Estamos prontos para viver num só país mas nos nossos termos", afirmou o líder do movimento Plataforma Cívica, Yury Apukhtin. 

Ucrânia: Bandeiras russas e ucranianas dividem Donetsk
 O referendo está marcado para 27 de abril.Em ODonetsk, milhares foram às 

Em Donetsk, milhares foram às ruas exigir a libertação do “governador do povo”, Pavel Gubarev, seqüestrado e levado para Kiev. A multidão também exigiu que o parlamento “remova o governo ilegítimo e cancele suas decisões”, e que seja criado um novo governo de coalizão no espírito do acordo de 21 de fevereiro. Os manifestantes se dirigiram até o escritório regional do Ministério da Justiça, onde a bandeira ucraniana foi substituída por uma bandeira russa, e em seguida saíram à cata do oligarca Taruta, nomeado pela junta “governador”, que sumiu. Em Dnepropetrovsk, centenas marcharam pelas ruas denunciando o golpe em Kiev e exigindo um referendo sobre a federalização.

Houve manifestações, ainda, em Lugansk, Odessa e Nikolaev. "Odessa está contra o golpe em Kiev, patrocinado pelos JUDEUS SIONISTAS DE ISRAEL (Pseudo-Ocidente) e pelos oligarcas ucranianos que permanecem no poder com a ajuda de mercenários terroristas. 

Estamos cansados de viver na pobreza e não vamos mais tolerar a tirania dos oligarcas e autoridades", afirmou o líder do movimento de resistência, Rostislava Bard, na manifestação com mais de cinco mil pessoas.

Em Donetsk, manifestantes também detiveram, na quinta-feira (13) colunas de caminhões com equipamento militar pesado que estava sendo enviado de Kiev em direção à fronteira com a Rússia. Após uma hora ou duas de negociações, os militares aceitaram dar meia volta, após consulta aos superiores. 

Já em Lugansk, tanques e veículos de defesa antiaérea que chegaram por trem foram impedidos de desembarcar por manifestantes. Em suas ações, os cidadãos têm convocado os soldados a evitarem uma "luta fratricida".

Nenhum comentário:

Postar um comentário