sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

OTAN SIONISTA e seus TERRORISTAS, ESTUPRADORES, TORTURADORES E ASSASSINOS REVELADOS

       O ano que foi 2013, Tempestades monstruosas, OTAN colocado em cheque, os terroristas, estupradores, torturadores e assassinos que a OTAN dirigida pelo JUDEUS SIONISTAS DE ISRAEL apoia revelados como são para todos verem.


WLADIMIR PUTIN da Rússia, levantando-se e batendo um punho de ferro sobre a mesa.

 

O céu noturno ganhando duas estrelas iluminadas por Hugo Chávez e Nelson Mandela, dois faróis de liberdade da opressão.

Todos estes eventos ganharam destaque no ano de 2013.   

 A Primavera árabe naufragou, virou um SETEMBRO NEGRO

A tão apregoada "Primavera Árabe" naufragou em Janeiro, no seu segundo aniversário; o povo do Egito, insuflado por ISRAEL, virou contra Mohammed Morsi e sua Irmandade Islâmica, a Líbia caiu no caos absoluto, e tornou-se óbvio o que são os monstros(JUDEUS SIONISTAS) por trás da "Revolução" síria. Morsi durou até ao primeiro aniversário da sua inauguração, em 30 de junho, quando um milhão de egípcios tomaram as ruas, e em 1 de julho, ele foi deposto pelos militares. Enquanto era óbvio que os protestos locais sobre o preço do pão e a corrupção seriam seqüestrados por elementos mais demoníacos financiados por países estrangeiros(ISRAEL), as consequências desta interferência talvez não foram previstas pelo Eixo FUKUS (França -UK- US, ou França, Reino Unido e EUA, a cabeça da cobra que é a OTAN), agindo por trás da cenas ... ou foram?


Síria

A moeda levou muito tempo a cair. Anúncios pela oposição síria (agora vemos facções desta utilizando cabeças humanas como bolas de futebol) sobre uma posição de abertura a negociações de paz, mas sem a participação do Presidente Assad (embora ele é apoiado pela maioria da população) foram acompanhados por um cenário de arrogância nos meios de comunicação dos países do Eixo FUKUS + ISRAEL, afirmando que "Assad tinha que ir", enquanto os elementos terroristas mais demoníacos foram financiados e equipados pelo próprio Eixo FUKUS ou pelos seus asseclas no Golfo. O resultado foi abusos dos direitos humanos mais terríveis que revelam a natureza dos responsáveis​​ e na maioria dos casos, não foram perpetrados pelas forças governamentais.

Do ocidente, apenas palavras de encorajamento. Em meados de Abril, o Reino Unido e a França já estavam reclamando que o governo sírio estava usando armas químicas, sem um pingo de provas, uma reivindicação apoiada por Israel, que realizou dois ataques terroristas na Síria em 2 e 5 de maio em Damasco. A afirmação foi repetida no início de Junho por "organizações" de "Direitos Humanos" que operam dentro da Síria, mais uma vez acompanhada por uma falta de evidências implicando o governo e, em desespero, vieram os ataques com armas químicas em 21 de agosto nos subúrbios de Damasco de Ghuta Oriental, Zamalka, Ain Terma, Hammuriyah, Saqba, Kafr Batna, Harasta, Mudamiyah, Jobar e Irbin - áreas onde o governo sírio tinha forças destacadas, na véspera da visita dos inspetores de armas da ONU.

Enquanto o ocidente chegou imediatamente a conclusões fazendo afirmações absurdas culpando o governo sírio, (e qual é o governo que bombardeia suas próprias tropas, ainda por cima nas vésperas de uma inspecção?) quando afinal era óbvio que foi a oposição terrorista síria que levou a cabo os ataques, e mais tarde, viriam indicações de que a inteligência ocidental pareceu não só saber que os terroristas tinham armas químicas, mas sabia que eles iriam usá-los e alguns setores consideraram que tal uso seria "aceitável" se provocasse uma invasão.

O Momento que mudou o mundo
Não vamos iludir-nos: o Eixo FUKUS tinha decidido intervir na Síria. A linguagem política tinha começado, Obama pediu às suas forças militares para elaborarem planos de ataque e Cameron já falara sobre fazer a escolha certa, intervir ou não. Porque a Rússia e a China disseram nos bastidores que não iriam desta vez apoiar qualquer resolução apresentada pelo Ocidente que pudesse de qualquer forma sancionar qualquer interferência nos assuntos internos da Síria (sem dúvida baseado no caso da Líbia) e porque David Cameron lembrou que peritos em crimes de guerra estão a trabalhar horas extras para conseguir colocar Blair, Bush, Cheney e companhia num tribunal no futuro próximo, o parlamento britânico deu ao Obama uma carta de saída. Foi um momento que mudou o mundo.

O lado feio do fundamentalismo islâmico
Como se alguém precisasse de quaisquer lembretes, o lado feio do fundamentalismo islâmico elevou sua cabeça em Londres, onde em 22 de maio Lee Rigby, um soldado de 25 anos, marido e pai de um menino, foi cortado aos pedaços na rua por dois lunáticos armados de machados, um mês depois dos irmãos (chechenos) Tsarnaev justificarem seu ato covarde de carnificina na Maratona de Boston com argumentos fundamentalistas islâmicos. Ironicamente, a prisão de Nazih Adbul-Hamed al-Ruqai, da al-Qaeda, capturado em Trípoli, providenciou uma admissão pelo Eixo FUKUS que tinha errado totalmente  na sua política na Líbia, mas era tarde demais - o país está em caos, um Estado falhado, depois de Gaddafi tornar o país mais pobre do mundo no país com o maior Índice de Desenvolvimento Humano em África, depois de Gaddafi ser o primeiro líder mundial a emitir mandados de captura contra al-Qaeda. Ele foi o primeiro a ver a escrita na parede e ele sabia quem e o quê estava puxando as cordas da Al-Qaeda.

O lado feio do intervencionismo ocidental
Na equação que constitui a realpolitik ocidental no início do terceiro milênio, intrusão, insolência e intervencionismo são fatores constantes, infelizmente, como vimos no início de Dezembro, na Ucrânia. Mais uma vez vimos os meios de comunicação corporativos apresentando histórias absurdas sobre centenas de milhares de manifestantes na praça principal de Kiev, Maidan Nezalezhnosti, num momento em que, após a agitação inicial, as câmeras mostraram algumas dezenas de pessoas, muitos das quais carregadas de compras do Ano Novo.

A questão de fundo é que, em se aliar com a Rússia, Viktor Yanukovich salvou a economia da Ucrânia, salvou empregos da Ucrânia, salvou a indústria da Ucrânia, a agricultura, as pescas, salvo a juventude da Ucrânia. Se ele tivesse ficou do lado da União Europeia/FMI, em seguida, Ucrânia e seu futuro seria hoje regiamente comprometido.

Tufão Haiyan, uma experiência de humildade
No início de Novembro, o povo filipino manteve-se firme, com dignidade, enquanto os elementos desencadearam talvez a pior tempestade a ter atingido a terra que o mundo já conheceu na história registada. Ventos de 315 kmh destruíram aldeias inteiras e causaram entre 6 a 8 mil mortes. A ajuda internacional levou uma semana a aparecer, mas quando apareceu, fez uma enorme diferença e forneceu uma lição sobre o que a humanidade pode fazer quando nos reunimos em vez de gastarmos 2 triliões de dólares por ano desenvolvendo armas para matar uns aos outros.

De Bento para Francisco, de simplicitas, probitas, dignitas à Solidariedade
Uma outra lição de humildade foi fornecida pela renúncia do Papa Bento XVI, ciente do fato de que um Papa, hoje, deve ter a resistência física para realizar um semi-permanente exercício de relações públicas como Chefe de Estado, bem como Chefe da Igreja Católica Romana e o resultado do conclave foi a nomeação de Jorge Mario Bergoglio como Papa Francisco, cuja mensagem é solidariedade para aliviar o sofrimento da pobreza e dificuldades criadas pelas políticas neo-conservadores, políticas contrárias ao desenvolvimento que por sua vez seguiam as exigências dos lobbies elitistas corporativos que controlam a economia mundial nos dias de hoje e que por sua vez levaram a uma profunda crise econômica e financeira.

Dois ícones, duas estrelas
A passagem de Hugo Chávez no início do ano, em 5 de Março e de Nelson Mandela, no final do ano, em 5 de Dezembro, foram lembretes de quanto o empenho pessoal pode conseguir, quanta diferença pode ser feita através de políticas e abordagens que se baseiam em inclusão, educação, desenvolvimento, prestação de serviços públicos e a criação de oportunidade, na substituição das oligarquias fascistas e tirania racista, outrora apoiados por financiadores ocidentais.

A Terra perdeu dois ícones, o céu noturno ganhou duas estrelas, guiando-nos por um caminho de boas recordações para que não possamos esquecer a sua mensagem, mostrando uma luz sobre o sucesso de uma abordagem social da gestão de crises, em vez de opressão.

A lição de 2013
Se analisarmos cada ano e tentamos encontrar a lição para nos ensinar algo sobre o próximo, a conclusão a partir de 2013 é que a comunidade internacional está cansada do envio de tropas, a guerra e a intolerância, seja esta religiosa, racial ou de gênero. Isto coloca NATO em um lugar péssimo, uma vez que agora terá que justificar cada iniciativa enquanto constantemente reinventa causas para perpetuar sua existência, quando todo mundo sabe que é a ala militar dos lobbies de energia, armas e os bancários.

2013, no entanto, ensina-nos que, em vez de perpetuar a animosidade, amargura e hostilidade, se aproveitarmos as oportunidades para provocar uma mudança duradoura para melhor, perdoando aqueles que lutam contra os nossos ideais, esforçando-nos para criar redes humanas e criar sinergias com as ferramentas extremamente importantes à nossa disposição, então cada homem, mulher e criança que está digitalmente incluído pode fazer a diferença.

Vamos, portanto, fazer da inclusão digital um cavalo-de-batalha das nossas lutas em 2014, pois com certeza, é altura para que cada criança que nasce neste mundo possa gozar de igualdade de oportunidades como um direito de nascença. Chegou a altura em que os direitos não deveriam ser baseados na loteria de nascer num lado ou outro de uma linha divisória, arbitrária e invisível, rotulado de fronteira nacional.

As palavras-chave de 2013 para 2014 são desenvolvimento, solidariedade, inclusão, tolerância e a coragem das nossas convicções, enquanto seguem uma abordagem de humildade sobre a arrogância.

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru
SIONISTA

Um comentário:

  1. Acho q vc confundiu os "sionistas" com os muculmanos!!!!! Quem faz massacre, estupra, decapita, etc sao seus amigos do estado islamico, sao os terroristas do hamas, do hizbollah, do fattah, do jihad islamico. Acho q vc se confundiu!
    Em Israel eh democracia. Eh onde pessoas de varias religioes, cores e orientacoes sexuais podem viver livres e sob as mesmas leis e direitos. Acho q vc se confundiu...

    ResponderExcluir