segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

TERROR JUDAICO SIONISTA - MATA CRIANÇA NO AFEGANISTÃO

JUDAICO SIONISMO PATROCINA ASSASSINATOS EM TODO MUNDO
Ataque de drone mata criança

02.12.2013
Ataque de drone mata crianç. 19316.jpeg
Presidente Hamid Karzai ameaça não assinar pacto de segurança com EUA após novo incidente violento contra civis
O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, subiu o tom com os EUA nesta sexta-feira (29/11) após novo ataque de um drone norte-americano no país. Uma criança de dois anos morreu e outros civis ficaram feridos. O que causou mais indignação, no entanto, é que as vítimas estavam em casa - na região meridional do país - no momento dos disparos.
"Esse ataque mostra como as Forças Armadas dos EUA não estão respeitando a vida e a segurança dos afegãos em suas próprias casas. Por vários anos, pessoas inocentes se tornaram vítimas da guerra em nome do terrorismo e, agora, além disso não têm segurança em sua própria casa", criticou o presidente.
Hamid Karzai afirmou também que o acordo militar com os Estados Unidos não será assinado se a "crueldade" contra os afegãos continuar. "Não vamos assinar se continuar se essas operações arbitrárias das forças estrangeiras contra nosso povo", disse Karzai em comunicado oficial.
Segundo informações da Agência Efe, a Isaf (Forças da Otan no Afeganistão) confirmaram em comunicado que de fato aconteceu um ataque aéreo contra um suspeito em Helmand, enaltecendo que a Aliança Atlântica mostrou seu "arrependimento" pela morte de vítimas civis.
O bombardeio com drones aconteceu pouco dias depois que a Loya Jirga aprovou um pacto militar com os EUA para depois de 2014, quando a Isaf for totalmente retirada do país. O projeto do acordo prevê a presença no país de entre 10 mil e 15 mil soldados americanos de 2015 até 2024.
 
As autoridades afegãs manifestaram em várias ocasiões ser "inaceitável" as vítimas civis em bombardeios das forças da Isaf no país.
Opera Mundi
http://www.iranews.com.br/noticia/11250/ataque-de-drone-mata-crianca-em-sua-propria-casa-e-causa-indignacao-no-afeganistao

Nenhum comentário:

Postar um comentário