quarta-feira, 13 de novembro de 2013

PALESTINA – ULTIMATO DE ABBAS OBRIGA ISRAEL A PARAR ASSENTAMENTOS

Israel é forçado a cancelar seu novo
plano de assentamento em terras roubadas
aos palestinos


Sob pressão da comunidade 
internacional, o 
governo do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu,
foi forçado a 
cancelar o plano para a construção de milhares
de novas casas para colonos ilegais nos territórios palestinos. 

O governo do regime israelense tomou a decisão na terça-feira, horas depois 
de o Presidente do Estado da Palestina, Mahmoud Abbas ameaçar
acabar com as negociações de paz em andamento, se o regime 
israelense continuar com seus novos planos para a expansão 
dos assentamentos. 

Caso Israel não retire sua última decisão de construir assentamentos, 
Abbas vai declarar oficialmente o fim do processo de paz e disse
 no mesmo dia, o negociador palestino Saeb Erekat. 

ULTIMATO

Erekat disse que Abbas anunciou seu ultimato também à Liga Árabe (AL) 
do Oriente Médio, e ao Quarteto (Estados Unidos, Nações Unidas, 
União Europeia e Rússia).

 No começo do dia, o grupo de oposição à construção de assentamentos,
revelou que o ministério da habitação do regime de Tel Aviv, buscava e
planejava 20.000 novas casas na Cisjordânia ocupada. Netanyhau 
disse que ordenou ao ministro da Habitação israelense, Uri Ariel, 
"reconsiderar todas as medidas relacionadas com o planejamento 
dessas casas para os colonos], tomadas sem coordenação prévia, 
disse um comunicado do gabinete de Netanyahu. Segundo o comunicado,
 o primeiro-ministro israelense Ariel disse que os planos 
"foram um gesto fútil - ilegal e desnecessário - é uma ação que
provoca um confronto desnecessário com a comunidade internacional
 no momento em que tentamos convencer os membros da comunidade
 para chegar a um melhor acordo com o Irã, 
sobre seu programa de energia nuclear.
Ariel aceitou o pedido do primeiro-ministro, acrescentou o comunicado.

Enquanto isso, os Estados Unidos expressaram profunda preocupação
com o recente anúncio do regime israelense em relação a 
construção de novos assentamentos. "Estamos muito preocupados (...), 
fomos surpreendidos por este anúncio e, atualmente, buscam explicações
de Israel", disse Jennifer Psaki, porta-voz do Departamento de Estado,
e, em seguida, acrescentou: "nós não aceitamos a legitimidade
da atividade de assentamento continuado." As negociações entre
regime israelense eo Estado da Palestina foram congelados em 
setembro de 2010, após a primeira rejeitar uma moratória sobre
a construção destes assentamentos na Cisjordânia ocupada
 e Al-Quds (Jerusalém).

Atualmente, ambos os lados estão EMPENHADOS em um novo processo
de paz, que foi revivido em julho passado e foi firmemente rejeitada
por grupos palestinos, incluindo o Movimento de Resistência Islâmica
Palestina (Hamas) e o Movimento Jihad Islâmica Palestina. sg / rh / hnb

FONTE : HISPANTV 


Nenhum comentário:

Postar um comentário