“Agora eu não vejo qual o papel que a OTAN pode desempenhar nisso... Não existe uma solução militar para o conflito na Síria”, disse Rasmussen.
Ainda em meados de setembro o chefe da aliança dizia que a questão de uso da força contra Damasco não pode ser retirada da agenda para ajudar os diplomatas a resolverem o conflito.