Os funcionários da missão da ONU confirmaram com documentos 135 casos de estupro, assim como assassinatos e roubos nos arredores de Minova (província de Kivu Meridional). A missão da ONU acusa efetivos do exército congolês desses crimes. 
As autoridades da RD do Congo informaram sobre 12 oficiais afastados do serviço militar na sequência dessas acusações mas, segundo a missão da ONU, nenhum desses oficiais foi chamado à responsabilidade.
Leia mais: http://portuguese.ruvr.ru/news/2013_10_20/onu-critica-congo-pela-impunidade-dos-estupradores-2016/