sexta-feira, 27 de julho de 2012

ELEIÇÕES "E U A" - OBAMA CONCORREU COM UM IMBECIL

Após gafes, jornal britânico chamou Romney de "imbecil" 27 de julho de 2012 14h22 atualizado às 14h51


O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Mitt Romney, é reconhecido por pedestre no centro de Londres . Foto: Reuters
O então candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Mitt Romney, foi reconhecido por pedestre no centro de Londres
Foto: Reuters


"Homem de lugar nenhum" ou "imbecil" foram alguns dos adjetivos utilizados pela imprensa nesta sexta-feira direcionados ao então candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Mitt Romney, após as suas gafes diplomáticas que protagonizou no primeiro dia de sua visita a Londres.
"Mitt the twit" (Mitt o imbecil) foi a manchete do jornal sensacionalista >The Sun ao se referir às críticas que fez à organização dos Jogos Olímpicos, enquanto o The Independent destacou o "desastre Romney". "Mitt Romney ofereceu a Barack Obama um presente que não tem preço para a campanha das eleições presidenciais", considerou o The Guardian.
O republicano feriu o orgulho de seus anfitriões ao iniciar na quinta-feira sua visita a Londres com declarações à televisão sobre a falta de preparo dos britânicos para os Jogos. E depois ainda tentou consertar seu erro elogiando "os grandes progressos" na organização após uma reunião com o primeiro-ministro David Cameron.
Mas os comentários não foram muito apreciados em Downing Street e Cameron respondeu com ironia às críticas do americano, que teve um papel importante na organização dos Jogos Olímpicos de inverno de Salt Lake City, em 2002.
"Organizamos os Jogos Olímpicos em uma das cidades mais concorridas, ativas e animadas do mundo. É claro que é mais fácil organizar Jogos no meio de lugar nenhum", disse Cameron, o que valeu a ele depois um convite público do prefeito da capital do estado de Utah.
O candidato também foi motivo de piada entre as 60 mil pessoas reunidas na noite de quinta-feira para um show no Hyde Park, quando o extravagante prefeito de Londres, Boris Johnson, afirmou no palco: "Há uma pessoa que se chama Mitt Romney que quer saber se estamos prontos. Estamos prontos?". E após os gritos dos presentes acrescentou: "Sim, estamos!".
Retomando a expressão de Cameron, o Times considerou que "Romney, o homem de lugar nenhum, se perde com gafes sobre os Jogos". O jornal citou fontes diplomáticas anônimas que consideravam o então candidato republicano "pior do que (a ex-candidata ultraconservadora à vice-presidência) Sarah Palin na diplomacia elementar".
O ex-empresário também foi criticado por parecer ter esquecido o nome do chefe da oposição trabalhista Ed Miliband, a quem chamou diante da empresa de "Mr. Leader" antes de uma entrevista. Romney assistirá durante a noite à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, onde a delegação americana será liderada pela primeira-dama Michelle Obama.

AIDS - MULHERES INFECTADAS SÃO O DOBRO DOS HOMENS

"Em 2011, os jovens de entre 15 e 24 anos representavam 40% das novas infecções pelo HIV em adultos e os casos em "mulheres dessa idade são o dobro dos registrados entre os homens", de acordo com a agência das Nações Unidas contra a Aids (Unaids)."

 

Conferência sobre aids termina com mensagem de que fim de epidemia é possível

27 de julho de 2012 20h47

A 19ª Conferência Internacional sobre a Aids terminou nesta sexta-feira em Washington com a mensagem que o fim da epidemia é possível com compromisso político, financeiro e científico, além de com um renovado otimismo sobre o desenvolvimento de uma cura para a doença.
O médico ugandense Elly Katabira, presidente da conferência e da Sociedade Internacional da Aids (IAS, na sigla em inglês), pediu para se manter o "esforço" na luta contra a doença, para a qual ainda não há uma vacina ou uma cura, mas sim ferramentas e recursos "com o potencial de salvar milhões de vidas".
A conferência reuniu durante seis dias na capital americana, que tem uma taxa de infectados com o HIV superior à de países africanos como Gana e Libéria, cerca de 24 mil pessoas de 183 nações.
No ato de encerramento, o ex-presidente americano Bill Clinton disse que é possível, embora não seja fácil, conseguir o acesso universal ao tratamento contra o HIV e eliminar a transmissão do vírus de mãe para filho até 2015.
Clinton destacou que atualmente se beneficiam do tratamento contra o HIV cerca de 8 milhões de pessoas no mundo todo e que na África, onde esteve recentemente, viu "um progresso incrível" e sobretudo "vontade" para eliminar a transmissão do vírus de mãe para filho.
Além disso, o ex-presidente (1993-2001) elogiou o fato de que agora os países mais afetados pela aids forneçam mais da metade do financiamento para lutar contra a doença e enfatizou que, inclusive nestes "tempos difíceis", é fundamental que tanto os Governos como os doadores particulares continuam investindo.
Em 2011 havia 34,2 milhões de pessoas que viviam com o HIV no mundo, o número mais alto registrado até o momento devido ao prolongamento da média de vida conseguida graças aos tratamentos antirretrovirais, segundo a agência das Nações Unidas contra a Aids (Unaids).
Para os especialistas que participaram da conferência a descoberta de uma cura para a aids é um desafio possível, mas ainda distante, após anos de grandes lucros.
A pesquisa enfrenta agora dois grandes desafios: a vacina preventiva e novas estratégias para curar a infecção para que os tratamentos com antirretrovirais sejam limitados e possam ser retirados sem que o vírus volte a se manifestar.
Segundo explicou á Efe o médico e professor da Universidade da Califórnia em San Francisco Steven Deeks, o problema é que o vírus está escondido nas células infectadas e os remédios atuais não podem atacá-lo, portanto é preciso "identificar fármacos que obriguem o vírus a sair de sua letargia para poder aniquilá-lo".
Quanto à esperada vacina, após 20 anos de tentativas fracassadas, foram feitos "avanços reais" nos últimos dois anos e "não há dúvida que estamos nos aproximando, embora não tenho certeza do quão longe estamos de consegui-la", assegurou Deeks.
Por enquanto há um único caso no mundo de cura, o do americano Timothy Ray Brown, que se submeteu a um complicado tratamento que incluiu um transplante de medula para tratar uma leucemia mieloide aguda que sofria com células selecionadas.
Entre os grupos mais atingidos pela doença estão os hispânicos nos EUA, com altas taxas de infecção e vítimas do estigma social que lhes impede de buscar cuidado médico e participar de estudos clínicos.
Esse mesmo estigma persegue as mulheres portadoras do HIV, o que diminui suas possibilidades de trabalho, estudo e tratamentos, segundo afirmaram várias especialistas na conferência.
Em geral as mulheres, e em particular as de minorias nos EUA e as que vivem em países de baixa renda e poucos meios, registraram altas taxas de infecção com o HIV em anos recentes, contagiadas por casais que abusam delas, usam drogas ou mantêm relações homossexuais.
Em 2011, os jovens de entre 15 e 24 anos representavam 40% das novas infecções pelo HIV em adultos e os casos em mulheres dessa idade são o dobro dos registrados entre os homens, de acordo com a agência das Nações Unidas contra a Aids (Unaids).
Pela conferência passaram estrelas como o cantor e compositor britânico Elton John, que em um discurso muito aplaudido pediu para substituir o "estigma" e a "vergonha" pela "compaixão" no combate à doença. EFE
mb/ma

AIDS - DROGAS E HOMOSSEXUAIS SÃO FORTES TRANSMISSORES

"Em geral as mulheres, e em particular as de minorias nos EUA e as que vivem em países de baixa renda e poucos meios, registraram altas taxas de infecção com o HIV em anos recentes, contagiadas por casais que abusam delas, usam drogas ou mantêm relações homossexuais"


Conferência sobre aids termina com mensagem de que fim de epidemia é possível
27 de julho de 2012 20h47

A 19ª Conferência Internacional sobre a Aids terminou nesta sexta-feira em Washington com a mensagem que o fim da epidemia é possível com compromisso político, financeiro e científico, além de com um renovado otimismo sobre o desenvolvimento de uma cura para a doença.
O médico ugandense Elly Katabira, presidente da conferência e da Sociedade Internacional da Aids (IAS, na sigla em inglês), pediu para se manter o "esforço" na luta contra a doença, para a qual ainda não há uma vacina ou uma cura, mas sim ferramentas e recursos "com o potencial de salvar milhões de vidas".
A conferência reuniu durante seis dias na capital americana, que tem uma taxa de infectados com o HIV superior à de países africanos como Gana e Libéria, cerca de 24 mil pessoas de 183 nações.
No ato de encerramento, o ex-presidente americano Bill Clinton disse que é possível, embora não seja fácil, conseguir o acesso universal ao tratamento contra o HIV e eliminar a transmissão do vírus de mãe para filho até 2015.
Clinton destacou que atualmente se beneficiam do tratamento contra o HIV cerca de 8 milhões de pessoas no mundo todo e que na África, onde esteve recentemente, viu "um progresso incrível" e sobretudo "vontade" para eliminar a transmissão do vírus de mãe para filho.
Além disso, o ex-presidente (1993-2001) elogiou o fato de que agora os países mais afetados pela aids forneçam mais da metade do financiamento para lutar contra a doença e enfatizou que, inclusive nestes "tempos difíceis", é fundamental que tanto os Governos como os doadores particulares continuam investindo.
Em 2011 havia 34,2 milhões de pessoas que viviam com o HIV no mundo, o número mais alto registrado até o momento devido ao prolongamento da média de vida conseguida graças aos tratamentos antirretrovirais, segundo a agência das Nações Unidas contra a Aids (Unaids).
Para os especialistas que participaram da conferência a descoberta de uma cura para a aids é um desafio possível, mas ainda distante, após anos de grandes lucros.
A pesquisa enfrenta agora dois grandes desafios: a vacina preventiva e novas estratégias para curar a infecção para que os tratamentos com antirretrovirais sejam limitados e possam ser retirados sem que o vírus volte a se manifestar.
Segundo explicou á Efe o médico e professor da Universidade da Califórnia em San Francisco Steven Deeks, o problema é que o vírus está escondido nas células infectadas e os remédios atuais não podem atacá-lo, portanto é preciso "identificar fármacos que obriguem o vírus a sair de sua letargia para poder aniquilá-lo".
Quanto à esperada vacina, após 20 anos de tentativas fracassadas, foram feitos "avanços reais" nos últimos dois anos e "não há dúvida que estamos nos aproximando, embora não tenho certeza do quão longe estamos de consegui-la", assegurou Deeks.
Por enquanto há um único caso no mundo de cura, o do americano Timothy Ray Brown, que se submeteu a um complicado tratamento que incluiu um transplante de medula para tratar uma leucemia mieloide aguda que sofria com células selecionadas.
Entre os grupos mais atingidos pela doença estão os hispânicos nos EUA, com altas taxas de infecção e vítimas do estigma social que lhes impede de buscar cuidado médico e participar de estudos clínicos.
Esse mesmo estigma persegue as mulheres portadoras do HIV, o que diminui suas possibilidades de trabalho, estudo e tratamentos, segundo afirmaram várias especialistas na conferência.
Em geral as mulheres, e em particular as de minorias nos EUA e as que vivem em países de baixa renda e poucos meios, registraram altas taxas de infecção com o HIV em anos recentes, contagiadas por casais que abusam delas, usam drogas ou mantêm relações homossexuais.
Em 2011, os jovens de entre 15 e 24 anos representavam 40% das novas infecções pelo HIV em adultos e os casos em mulheres dessa idade são o dobro dos registrados entre os homens, de acordo com a agência das Nações Unidas contra a Aids (Unaids).
Pela conferência passaram estrelas como o cantor e compositor britânico Elton John, que em um discurso muito aplaudido pediu para substituir o "estigma" e a "vergonha" pela "compaixão" no combate à doença. EFE
mb/ma

domingo, 22 de julho de 2012

MONUMENTO DO HOLOCAUSTO AFRICANO DA ESCRAVIDÃO SERVE A TURISTAS

África: Embarcadouros de escravos PDF Imprimir E-Mail
Havana (Prensa Latina) Gorée é na atualidade um lugar tranquilo onde o visitante pode ver hotéis espaçosos para turistas, rodeados de jardins verdes com palmeiras típicas africanas e jovens, nativos ou estrangeiros, tomados pela mão passeando despreocupados pelas proximidades do mar.

  Também pode ver numerosas pessoas que ganham a vida vendendo artigos de seu rico artesanato ou oferecendo produtos agrícolas, enquanto não longe da costa os pescadores lançam redes numa pesca que poderia representar o sustento do dia para a família ou a solução a outras necessidades.

Numerosas embarcações ligam a ilha com a terra firme do Senegal em um intenso trânsito que dura até a queda da tarde em que diminuem as andanças do dia. Isso é, em geral, o que o visitante percebe na ilha de Gorée.

Ficam na memória os sujos barracões onde os escravos eram amontoados e presos às paredes, e que depois de uma longa espera e no meio de horríveis sofrimentos eram subidos aos navios negreiros que os levariam ao que por cruel ironia se denominava Novo Mundo.

Nesse mundo novo americano ou caribenho, tinham que realizar trabalho escravo para enriquecer aos proprietários das plantações agrícolas. Os traficantes, portugueses, ingleses ou franceses; holandeses ou espanhóis, encheriam também suas carteiras com o infame negócio. A demanda de força de trabalho cresceria com a implantação de novos fazendeiros.

Da Mosto

Em 1445 o navegante português Ga Da Mosto descobriu a península de Cabo Verde no extremo mais ocidental do Senegal e decidiu estabelecer-se na ilha Gorée. A partir dessa decisão ficou selado o futuro imediato da ilha, pois os portugueses foram os primeiros a praticarem o tráfico, e o lugar foi o primeiro cais.

Gorée não foi o único lugar do continente por onde se embarcaram escravos, mas o mais notável, por isso ficou na história como um dos símbolos do que significou a

escravidão para a África, e os gritos de dor ainda podem ser escutados se se presta atenção porque flutuam no ar mexidos pelo vento num interminável vaivém.

Pelas masmorras desse grande armazém passaram milhares de homens e mulheres caçados nas zonas ocidentais, onde a tortura e o chicote estalavam nas costas dos africanos. Nunca se saberá com exatidão os filhos do continente levados à ilha entre os séculos XV e XVIII.

Outros embarcadouros

Em 1446 o navegante português Nuno Tristão chegou a Guiné Bissau. À sua chegada, o território estava ocupado por mandingas e fulas, entre outros grupos étnicos. Nesse mesmo século XV criou-se a Companhia Portuguesa de Guiné que tinha como fim controlar as atividades do país europeu na nova colônia.

A entidade foi autorizada pela Igreja para introduzir escravos na América, uma medida que provocou a rejeição da população autóctone cuja resistência foi vencida pelas armas dos estrangeiros.

As autoridades lusas criaram em Guiné Bissau um novo embarcadouro de escravos, locais e de zonas próximas, ainda que não tenha atingido as dimensões e a notoriedade de Gorée, apesar das tentativas de reproduzir as condições da ilha.

Portugal exerceu o monopólio do comércio humano em Guiné Bissau até o primeiro terço do século XVI em que apareceram outros competidores europeus. Em todo esse tempo teve que enfrentar a hostilidade dos nativos.

São Tomé e Príncipe

Em 1471 apareceram os portugueses neste pequeno arquipélago situado no extremo ocidental do Golfo de Guiné. Os lusos utilizaram as ilhas como depósito de escravos e ponto de partida para o embarque por parte dos denominados mercadores da tarde.

Esses traficantes transportavam da costa de Angola, Congo e Guiné milhares de seres humanos para São Tomé e Príncipe. Esse comércio motivou atos de heroísmo dos habitantes que se traduziram nas rebeliões encabeçadas por Joan Gato em 1530 e a de Amador Vieira, anos mais tarde.

Vieira foi proclamado rei pela maioria dos grupos que sofriam a escravidão portuguesa. Chegou a mobilizar cerca de cinco mil escravos que os portugueses concentraram no lugar e começou a libertar a maiorias do território nacional. Trazido e feito prisioneiro, foi assassinado a 4 de janeiro de 1596 depois de padecer grandes sofrimentos pelas torturas a que foi submetido.

Serra Leoa

O português Pedro de Cintra chegou à costa de Serra Leoa em 1460 e chamou-a assim pelas formas geográficas de suas elevações vistas do litoral. Aqui se criou uma fábrica e naves onde se amontoavam os escravos caçados em diferentes regiões até que chegavam os barcos.

Na grande baía de Freetown, uma das maiores do continente, aglomeravam-se os barcos que depois partiam carregados de escravos para América e Caribe.

Em 1834 a Coroa britânica aboliu o comércio de escravos nas colônias. O país que tinha participado desde o século XVI no tráfico, no XVIII não era de seu interesse por estar em curso a Revolução Industrial. A norma da Coroa foi recusada por fazendeiros e traficantes.

Na baía de Freetown que serviu de importante cais, Londres criou uma base naval para perseguir aos que violassem a disposição da rainha.

Mas o passar do tempo não fez esquecer os horrores do tráfico e os horrendos cais de escravos. Um passado doloroso e triste.

*Colaborador da Prensa Latina

sexta-feira, 20 de julho de 2012

ROMBO-CMPI DO CACHOEIRA, SERRA, PSDB-SP 1 BILHÃO R$


Tucano José Serra é o mais novo alvo da CPMI do Cachoeira


O candidato pelo PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, é o mais novo alvo das investigações da CPMI do Cachoeira. Candidato à Presidência da República em 2010, ele recebeu uma doação milionária de Ana Maria Baeta Valadares Gontijo, esposa de José Celso Gontijo, acusado de participar do esquema criminoso do contraventor.


Gontijo é aquele empreiteiro flagrado em vídeo, em 2009, pagando propina para o chamado “mensalão do DEM”, durante o governo do também tucano José Arruda no Distrito Federal. E, nas conversas interceptadas pela Polícia Federal entre membros da quadrilha de Cachoeira, é apontado como o responsável pela entrada da Construtora Delta no Distrito Federal.

A doação de Ana Maria chamou a atenção da Receita Federal pelo valor recorde: R$ 8,2 milhões. Como a legislação eleitoral só permite que uma pessoa física doe 10% dos seus rendimentos anuais, ela precisaria ter recebido R$ 7 milhões por mês durante 2009. Algo, no mínimo, incomum. Na semana passada, os membros da CPMI já aprovaram a convocação de Gontijo e a do ex-presidente da Delta, Fernando Cavendish. E também a de Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, ex-captador de recursos da campanha de José Serra.

O deputado Dr. Rosinha (PT-PR), membro da CPMI, acha provável que as investigações sobre o esquema de Cachoeira cheguem ao PSDB nacional. E, segundo ele, nem por mera vontade ou mesmo mérito da CPMI. “Agora surgiu esta possível conexão com o Paulo Preto. E os documentos apareceram sem que nós os tivéssemos buscado”, afirma, se referindo à doação que surpreendeu a Receita.

Foi Paulo Preto quem assinou a maior parte dos contratos do governo de São Paulo com a Delta, durante as gestões de Geraldo Alkmin e Serra, que totalizam quase R$ 1 bilhão.

Tucanos na berlinda

José Serra não é o único tucano na berlinda. Situação ainda mais incômoda é a do governador de Goiás, Marconi Perillo. Ele não conseguir explicar à CPMI porque Cachoeira foi preso na mansão que vendera poucos meses antes e não convenceu os parlamentares de que sua campanha não foi financiada com o caixa 2 de empresas ligadas à quadrilha.

Agora, para agravar a situação, é acusado de receber propina para liberar pagamentos devidos pelo governo à Delta, construtora ligada à organização criminosa. Conforme as denúncias, o dinheiro teria sido liberado via a venda da sua casa à Cachoeira. “A situação do Perillo está realmente complicada”, avalia Rosinha.

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) já pediu a reconvocação do governador para depor. No requerimento, ele alega que a venda da casa teria sido feita com sobrepreço de R$ 500 mil, em troca do pagamento de uma dívida de R$ 8,5 milhões do governo com a empreiteira. Em coletiva, na tarde desta quarta (18), o presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), disse que o assunto só será definido em meados de agosto, após o recesso parlamentar. E rebateu as críticas do PSDB de que a convocação atendia a interesses eleitoreiros.

Outro tucano sob a mira da CPMI é o deputado Carlos Leréia (GO), flagrado em ligações comprometedoras com a quadrilha. A corregedoria já recomendou a abertura de processo contra ele por quebra de decoro parlamentar. Segundo o relator da representação, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), há indícios de uma relação muito próxima entre Leréia e Cachoeira, que estava tentando exercer influência no governo de Goiás por meio do deputado.
 

CUBA DE FIDEL - EXPECTATIVA DE VIDA - 78 ANOS

Un cubano sueña a los 110 años


  
Por Adalys Pilar Mireles

Un cubano sueña a los 110 añosPinar del Río, Cuba, 20 jul (PL) Considerado uno de los hombres más longevos de Cuba, Gregorio Echevarría tiene 110 años, más de 50 descendientes, jovialidad intacta y una memoria que muchos envidiarían.

  Cuentero por naturaleza, vive rodeado de su abundante familia, entre la que menciona con orgullo a su hermano Ricardo, de 101 años, mientras que los demás rebasaron también las nueve décadas.

El campesino, nacido el 12 de marzo de 1902, afirma que no perdió las esperanzas de encontrar una buena mujer que lo acompañe, no soñamos lo mismo a los 24 que a los 50, pero todavía podemos soñar algo, confesó en declaraciones a la prensa.

Dedicado en el pasado a la siembra de arroz, Gregorio vive en la localidad de Las Ovas, cercana a esta ciudad, junto a su hijo Graciliano (75 años) y a su nuera Berta Lina (74), a la que ama -dijo- como a una hija "añadida". Transcurrido algún tiempo, aún evoca sus andadas por el campo, arreando bueyes y plantando posturas entre los arrozales.

Una existencia sana, alejada de los vicios y con mucho trabajo físico, son sus amuletos y consejos para alcanzar la juventud prolongada.

Gregorio, o el niño, como ahora le llaman en casa, es uno de los 80 centenarios de esta provincia, la más occidental del país, aseguraron expertos.

En Cuba la expectativa de vida ronda los 78 años como promedio.

RÚSSIA - MANTERÁ EXÉRCITO FORTE E INDEPENDENTE

Putin: "A Rússia não se deixará tratar a partir de uma posição de força”

 
28.06.2012, 14:19
Imprimir enviar por E-mail Postar em blog
Foto: RIA Novosti
Foto: RIA Novosti

Ao intervir durante uma receção solene dada no Kremlin em honra dos diplomados pelas academias e faculdades militares, Vladimir Putin definiu como objetivos das forças armadas a réplica oportuna a todo o tipo de ameaças e a defesa da paz e dos interesses da Rússia.
Segundo o Presidente russo, “a criação de um exército moderno e o reforço da segurança nacional constituem prioridades absolutas”.
“Será pelas tendências mais avançadas de organização militar que nos guiaremos na definição de nossa política de defesa e na continuação da modernização de nossas forças armadas”, - destacou o chefe de Estado russo.

SÍRIA - AMERICANOS TENTARAM SUBORNAR OS RUSSOS

Propostas generosas dos EUA não conseguiram subornar a Rússia

 
20.07.2012, 14:56
Imprimir enviar por E-mail Postar em blog
Митт Ромни
Foto: EPA
Фото: EPA

O bloqueio da resolução do Ocidente sobre a Síria da parte da Rússia indica o fracasso da política de “reiniciamento”, disse o candidato presidencial do Partido Republicano, Mitt Romney.

“O veto da Rússia mostra mais uma vez o vazio da política fracassada de “reiniciamento” das relações com a Rússia adotada por Barack Obama. Ele ofereceu concessões generosas à Rússia nas questões de defesa antimísseis e armas nucleares, mas em retorno recebeu apenas obstrução e agressão,” disse Romney em um comunicado.
Na véspera, a Rússia e a China bloquearam no Conselho de Segurança da ONU uma resolução estrita sobre a Síria, que abria a possibilidade de uma interferência estrangeira nos assuntos sírios

IRÃ - produz mísseis anti-tanque Dehlaviyeh

Irã conseguiu produzir mísseis semelhantes aos russos

 
10.07.2012, 19:28
Imprimir enviar por E-mail Postar em blog
Foto: EPA
Foto: EPA

O Irã dominou a produção de mísseis anti-tanque Dehlaviyeh, que são uma cópia dos mísseis anti-tanque russos Kornet-E.

Igor Korotchenko, diretor do Centro de Análise do Tráfico Mundial de Armas, declarou que o Irã não dispõe de licença de produção dos Kornet. Há, porém, dados de que este míssil teria ido parar a Teerã via Síria, com a mediação do grupo terrorista libanês Hezbollah.
Os mísseis anti-tanque Kornet se destinam a alvejar material blindado dotado de defesa dinâmica, assim como fortificações, pessoal inimigo e alvos aéreos e navais de baixa velocidade, a qualquer hora, em difíceis condições meteorológicas e não obstante a existência de interferências óticas, tanto passivas como ativas.

SÍRIA, CHINA, RÚSSIA E IRÃ - exercícios militares no Oriente Médio

Rússia, China, Irã e Síria realizarão os maiores exercícios militares no Oriente Médio

19.06.2012, 14:03
Imprimir enviar por E-mail Postar em blog
Foto: RIA Novosti
Foto: RIA Novosti

A agência noticiosa iraniana Fars, citando as fontes não identificadas, informou que as tropas russas, chinesas, sírias e iranianas nas próximas semanas irão realizar grandes exercícios militares conjuntos no território da Síria.

Segundo o relatório, estes exercícios serão os maiores no Oriente Médio, contando com a participação de cerca de 90 mil militares terrestres, marítimas e das forças aéreas. Os exercícios envolverão cerca de 400 aviões e um mil tanques.
O relatório afirma que o Egito deu a permissão para passar pelo Canal de Suez para os 12 navios da Marinha chinesa, que durante duas semanas chegarão às costas da Síria. Os submarinos nucleares russos, destroyeres e porta-aviões, bem como navios de guerra iranianos chegarão quase ao mesmo tempo.
Durante os exercícios, a Síria pretende testar mísseis terra-água e sistemas de defesa aérea, informa a agência.

SÍRIA - Rússia reforçará presença militar

Rússia reforçará presença militar na Síria

 
19.07.2012, 19:34
Imprimir enviar por E-mail Postar em blog
сирия танк сирия военная техника военные
Foto: EPA
Фото: EPA

A Rússia está disposta a enviar 30 militares russos, como oficiais de comunicações, observadores e oficiais de estados-maiores, para a Missão de Observação do cessar-fogo na Síria, diz-se na disposição do presidente da Rússia, publicada no site oficial de informação jurídica.

O presidente da Rússia incumbiu o MRE da Rúsa de notificar a Secretaria da ONU sobre a mesma.
O pagamento das despesas de envio de militares russos a integrarem Missão da ONU e da sua manutenção será efetuado pela ONU.

RÚSSIA, 1° lugar nas exportações mundiais - CAÇA SUKHOI

Caças russos estão no 1° lugar nas exportações mundiais

9.07.2012, 19:35
Imprimir enviar por E-mail Postar em blog
Foto: RIA Novosti
Foto: RIA Novosti

Os caças de fabrico russo de marca Su (Sukhoi) ocupam o primeiro lugar nas exportações mundiais de caças de nova geração desde 2008 até agora, – declarou o diretor do Centro de Análise do Comércio de Armamento, Igor Korotchenko.

O Centro apresentou o relatório das exportações de caças novos na véspera de abertura do Farnborough-2012 International Airshow, e os caças de marca Su lideram em termos de quantidade. Foram exportados 280 aviões, no valor total de 12,73 bilhões de dólares. A compania americana Lockheed Martin ocupa a segunda posição, com 204 máquinas no valor total de $ 15,15 bilhões. O terceiro lugar é ocupado pela compania chinesa Chengdu, com 170 bordos, avaliados em $ 3,37 bilhões.
Veja as fotos dos no

quinta-feira, 19 de julho de 2012

EUA SIONISTA - 11 Milhões DE pobres sem atendimento na saúde

Milhões de estadunidenses pobres ficarão sem atendimento na saúde

04.07.2012
Milhões de estadunidenses pobres ficarão sem atendimento na saúde. 16823.jpeg
Milhões de estadunidenses pobres ficarão sem os benefícios da reforma de saúde depois dos estados republicanos aplicarem um parágrafo da sentença da Corte Suprema para fugirem de responsabilidades administrativas. Cerca de 16 estados governados por republicanos ameaçaram não implementar a chamada cláusula da expansão nos seguros, proposta de lei chancelada pelo presidente Barack Obama há dois anos.

Outros sete estados criticaram o programa da Casa Branca e indicaram que também não apoiam os estatutos do novo sistema sanitário. Caso de concretize o boicote, cerca de 11 milhões de cidadãos ficarão fora dos auxílios federais.

A Suprema Corte de Justiça ratificou na semana passada grande parte da regulamentação da reforma de Obama, mas esclareceu que o Gabinete Oval não pode obrigar ou multar os governos no caso da cláusula da expansão.

Este mandado, praticamente suspendido pela suprema corte, exigia dos estados incluir no plano de ajuda aqueles cidadãos adultos com renda menor que 133% do nível federal de pobreza, atualmente em US$ 14,4 mil anuais.

Flórida, Ohio, Pensilvânia, Colorado, Missouri, Mississípi, Nebrasca, e Indiana são alguns dos estados que anunciaram sua rejeição à expansão.

Também o Texas, onde a lei beneficiaria dois milhões de pessoas, disse não ao programa com alegando que seu custo chegaria a US$ 27 bilhões em dois anos.

Aprovado em 2010 sob o nome de Affordable Care Act, a reforma nacional de saúde é apresentada pelo Partido Democrata como o maior sucesso político do chefe de Estado depois que administrações federais desde Harry S. Truman tinham fracassado ao tentar implementá-la.

A nova regulamentação, que não entrará em vigor até 2014, obriga milhões de norte-americanos a adquirir um seguro combinado entre privado e o governamental Medicaid sob pena de terem que pagar uma multa ao estado.

Este polêmico parágrafo, junto aos US$ 1,7 trilhões que serão pagos pelo erário, provocou numerosas críticas e protestos principalmente das filas republicanas até que o descontentamento se traduziu em uma disputa no tribunal.

O custo dos seguros médicos para muitos estadunidenses subiu em 2011 de maneira mais aguda que nos anos anteriores, afetando ao mesmo tempo um eventual aumento nos salários.

Um estudo do grupo não governamental Kaiser Family Foundation revelou que a média anual de despesas dos empregadores para a cobertura familiar atingiu a cifra de US$ 15.073, número que representou um aumentou de 9% com relação a 2010.

Fonte: Prensa Latina

SÍRIA - Rússia posiciona navios de guerra

Rússia posiciona navios de guerra na Síria

A Rússia está posicionando navios de guerra em sua base na Síria [1]. O grupo de combate inclui o porta-aviões lança-mísseis "Almirante Kuznetsov". O deslocamento está sendo apresentado como movimento pré-planejado, sem qualquer relação com a montante tensão na Síria, mas acontece depois de os EUA terem despachado para a Síria o Grupo de Naves de Ataque "George H.W. Bush".
Por M.K. Bhadrakumar, no Indian Punchline

Crescem as especulações de que estaria em preparação uma "intervenção humanitária" do ocidente contra a Síria.

EUA e Turquia alertaram seus cidadãos para que deixem o território sírio. A Liga Árabe está-se unindo à União Europeia na questão síria. Mais uma vez, a França aparece à frente. Interessante: a Turquia foi convidada a participar da reunião de ministros de Relações Exteriores da União Europeia em Bruxelas [2]. Todos esses passos são rigorosamente idênticos ao que se viu pouco antes da "intervenção humanitária" do ocidente contra a Líbia.

Porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Rússia disse, na sexta-feira, que: "a situação dos direitos humanos num ou noutro país pode ser, evidentemente, objeto de preocupação internacional, mas em nenhum caso se pode admitir que questões de direitos humanos sejam usadas como pretexto para qualquer tipo de intervenção nos assuntos internos de estados soberanos, como se vê acontecendo hoje, no caso da Síria. Cabe aos sírios decidir sobre o próprio destino, sem qualquer tipo de 'empurrão' vindo do exterior. A Rússia de modo algum aceita qualquer tipo de cenário que inclua intervenção militar na Síria".

Há notícias ainda não confirmadas de que haveria assessores russos já trabalhando com os sírios para a instalação de um avançado sistema de mísseis S-300 - que tornará extremamente arriscada, para o ocidente, qualquer tentativa de implantar na Síria alguma "zona aérea de exclusão", como fez na Líbia.

A grande pergunta é se haverá ou não disputa aberta entre EUA e Rússia, pela Síria. Para os EUA, uma mudança de regime na Síria abre caminho para, na sequência, atacarem o Hamás e o Hezbollah, o que isolaria o Irã. As apostas são altíssimas. Para a Rússia, perder a base naval de Tartus seria golpe grave, que reduziria muito a capacidade de operação dos russos no Mediterrâneo; além, claro, de perderem a Síria, seu antigo aliado. Do ponto de vista dos EUA, uma disputa aberta entre EUA e Rússia teria implicações em várias questões importantes - a finalização da guerra do Afeganistão, o problema nuclear iraniano, as tensões EUA-Paquistão, etc.

Significativamente, o Kremlin já mandou a Pequim e Teerã o embaixador russo na Otan, Dmitry Rogozin [3], para consultas sobre o sistema de mísseis de defesa de EUA/Otan. Até agora, os russos vinham discutindo o sistema de mísseis antibalísticos (ABM) como problema bilateral entre russos e norte-americanos. Nesse momento, os russos investem mais em interesses comuns que os aproximem de China e Irã. Essa mudança tem implicações profundas para a segurança regional na Ásia Central e Sul da Ásia e para o Oriente Médio. (...)

SIRIA - JUDEUS SIONISTAS QUEREM REPETIR LÍBIA

QUEREM REPETIR A LÍBIA ONDE, ALÉM DE ASSASSINAR KADHAFI, ELIMINARAM NUM MASSACRE GENOCIDA 100.000 CIVÍS LÍBIOS, E AS RESERVAS LÍBIAS DESAPARECERAM NAS MÃOS DOS BANCOS JUDEUS SIONISTAS!

10.07.2012
Qatar paga dinheiro à mídia russa para desacreditar Asad. 16885.jpeg
Por que a Rússia não usou o veto sobre a Líbia? Para onde foi o dinheiro emprestado a Sarkozy por Kaddafi? Quais são as chances de repetir o "cenário da Líbia" na Síria? Quem "contratou" o Ocidente para matar Muammar Kaddafi e Bashar al-Assad? Estas são as perguntas às quais ao "Pravda.Ru" respondeu Said Gafurov, economista, o diretor e responsável científico do Instituto de Estudos do Oriente Médio e África.
— Como é essa história com o dinheiro que Kaddafi teria emprestado a Sarkozy?
  •  

— Eu não acho que o judeu sionista Sarkozy tenha depositado o dinheiro emprestado pela Líbia num banco central francês … Algum fundo no líbano, que teria sido registrado na Europa, provavelmente, em violação da lei eleitoral da França, transferiu o dinheiro para um fundo que realizava a campanha eleitoral do judeu sionista Sarkozy. O Ministério Público francês tem certos documentos sobre o caso, e logo, acho, veremos o resultado deste processo criminal. Acho que os xeques do Golfo Pérsico prometeram comprar os títulos do governo francês para cobrir os buracos no orçamento da França, pois, a guerra é um negócio caro. E embora ela tenha trazido grandes lucros para as empresas francesas, não é o fato de que foram suficientes para tapar os buracos no orçamento. Agora o Ocidente em muitos aspectos não quer a repetição do cenário líbio na Síria porque os gastos bélicos estão além dos seus posses.

LÍBIA - RÚSSIA FOI ENGANADA PELOS JUDEUS SIONISTAS

Sionismo judeu, aliado ao Qatar paga dinheiro à mídia russa para desacreditar Assad a exemplo do que fizeram na Líbia

10.07.2012
Qatar paga dinheiro à mídia russa para desacreditar Asad. 16885.jpeg
Por que a Rússia não usou o veto sobre a Líbia? Para onde foi o dinheiro emprestado ao judeu sionista Sarkozy por Kaddafi? Quais são as chances de repetir o "cenário da Líbia" na Síria? Quem "contratou" o Ocidente para matar Muammar Kaddafi e Bashar al-Assad? Estas são as perguntas às quais ao "Pravda.Ru" respondeu Said Gafurov, economista, o diretor e responsável científico do Instituto de Estudos do Oriente Médio e África.
— Acredita-se que a Rússia em relação à Líbia, como dizem, "lavou as mãos".
— A Rússia, como é conhecido, se absteve na ONU de aprovar a resolução 1973. O então presidente Medvedev disse mais tarde em uma entrevista ao Financial Times: "A Rússia cometeu um erro trágico. Se tivéssemos sabido que a "resolução 1973" seria tratada deste jeito, teríamos dado as instruções a votar contra". De fato, Medvedev declarou publicamente que o Ocidente simplesmente havia enganado a Rússia.
E estou repetindo, o que está acontecendo na Líbia, não tem nada a ver com democracia. Tudo isso só pode ser chamado de um golpe militar e a intervenção posterior. Eu não tenho outras palavras.