quinta-feira, 1 de novembro de 2012

COLOMBIA – ACORDO COM AS FARC É ARAPUCA



ACORDO COM AS FARC É ARAPUCA PARA, APÓS O ACORDO E TODOS SE MOSTRAREM, AÍ SIM A ELINAÇÃO FÍSICA DE UM A UM, ISTO PORQUE SÃO OS JUDEUS SIONISTAS É QUE COMANDAM A COLOMBIA, JUDEUS SIONISTAS NUNCA CUMPRIRAM ACORDOS, ESTE ACORDO É SÓ “PRA INGLES VER”, VÃO CONCORDAR COM TUDO, E DEPOIS NÃO VÃO CUMPRIR NADA, A EXEMPLO DO QUE FIZERAM COM ARAFAT, ATÉ ASSASSINA-LO NA FRANÇA

01-09-2012
Documento assinado entre o governo e as FARC como
Acordo Geral para acabar com o conflito e construir uma paz estável e duradoura

Stolpkin.net


Os delegados do Governo da República da Colômbia, o governo nacional e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia - Exército do Povo (FARC-EP):
Como resultado da reunião exploratória, realizada em Havana, Cuba, entre 23 de Fevereiro de 2012 e Agosto de 2012, e contou com a participação do Governo da República de Cuba e do Governo da Noruega como fiadores, e apoiado Governo da República Bolivariana da Venezuela para facilitar a logística e de passageiros.
Com a decisão mútua de acabar com o conflito como uma condição essencial para a construção de uma paz estável e duradoura, seguindo o apelo à paz e reconhecendo que:
Construir a paz é uma questão da sociedade como um todo, que exige a participação de todos, sem distinção, que o respeito pelos direitos humanos em todos os cantos do país é um Estado, a fim de ser promovido; desenvolvimento econômico com justiça social e harmonia com o meio ambiente é uma garantia de paz e progresso.
Desenvolvimento social eqüitativo e bem-estar, incluindo a grande maioria, para crescer como um país, uma Colômbia pacífica irá desempenhar um papel ativo na paz e do desenvolvimento soberano e regional e global. É importante estender a democracia como condição para alcançar uma base sólida de paz, com o layout geral do governo nacional e as FARC-EP a chegar a um acordo e um convite a toda a sociedade colombiana, bem como organizações de integração regional e da comunidade internacional para apoiar este processo;
Nós concordamos:

Eu
Ininterruptas conversações diretas sobre temas da agenda aqui estabelecidos, a fim de chegar a um acordo final até o fim do conflito que contribui para a construção de uma paz estável e duradoura.
II
Definir um conversas de mesa publicamente instalados, um mês após o anúncio público, em Oslo, Noruega, e sua sede será em Havana, Cuba. O conselho poderá realizar reuniões em outros países.
III
Para garantir a eficácia do processo e concluir os trabalhos sobre os temas da agenda rápida e no menor tempo possível, para atender às expectativas da sociedade sobre o acordo cedo. Em qualquer caso, o prazo estará sujeito a avaliações periódicas dos progressos.
IV
Desenvolver palestras apoiados pelos governos de Cuba e Noruega como fiadores e os governos da Venezuela e Chile como companheiros. De acordo com as necessidades do processo, de acordo convidará outros.
V
A seguinte agenda:
1 -. Política de desenvolvimento agrícola global.
O desenvolvimento agrícola global é fundamental para promover a integração das regiões e do país social, econômica e equitativo.

O acesso e uso da terra

a -. terra improdutiva. Formalização da propriedade. Fronteira agrícola. Proteção de áreas de reserva.

b -. desenvolvimento do Programa, com uma abordagem territorial.
c -. Infra-estrutura e Terra
d - desenvolvimento social:. saúde, educação, erradicação da pobreza.
f -. incentivar a produção agrícola ea economia de solidariedade e cooperação. Suporte. Subvenções. Créditos. Geração de renda. Marketing. Formalização do trabalho.
g -. sistema de segurança alimentar.

2 -. Participação Política.
a -. Direitos e garantias para o exercício da oposição política em geral e em particular para os novos movimentos que, após a assinatura do acordo final. Acesso à mídia.
b -. mecanismos democráticos de participação dos cidadãos, incluindo o envolvimento direto em diferentes níveis e assuntos diferentes.
c -. medidas eficazes para promover uma maior participação na política nacional, regional e local, em todos os sectores, incluindo as garantias de segurança mais vulneráveis, e igual.

3 -. Fim do conflito
Processo abrangente e simultânea envolvendo:
a -. Cessar fogo e as hostilidades, bilaterais e definitiva.
b -. CODA. Reintegração das FARC-EP a civis vida econômica, social e política, de acordo com os seus interesses.
c -. Nacional O Governo irá coordenar a revisão da situação das pessoas privadas, acusada ou condenada por pertencer ou colaborar com as FARC-EP
d -. Ao mesmo tempo, o governo vai intensificar a luta para acabar com as organizações criminosas e suas redes de apoio, incluindo a luta contra a corrupção e impunidade, principalmente contra qualquer organização responsável por assassinatos e massacres ou violar defensores dos direitos humanos , os movimentos sociais ou movimentos políticos.
f -. O governo nacional irá analisar e reforma e ajustes institucionais para lidar com os desafios da construção da paz.
g -. garantir a segurança.
h. De acordo com as disposições do ponto cinco (vítimas) deste acordo, serão esclarecidas, entre outros, o fenômeno paramilitar.
A assinatura do acordo final começa este processo, que deve ser desenvolvida em um tempo razoável acordado entre as partes.

4 -. Solução para o problema de drogas ilícitas.
a - Programa de substituição de culturas.. Planos abrangentes de participação da comunidade na concepção, implementação e avaliação de programas de substituição e recuperação de áreas afetadas por cultivos ilícitos.
b -. usar programas de prevenção e saúde pública.
c -. Resolver a questão da produção de consumidores e da saúde pública.

5. Vítimas.
Compensar as vítimas está no centro do Governo concordar-FARC-EP. Nesse sentido serão discutidos:
a -. HR de vitimas.
b. Verdade.
  
6 -. Verificação, implementação e endosso.
A assinatura do acordo final começa a implementação de todos os pontos acordados.
a -. implementação e mecanismos de verificação.
- Implementação do sistema. Dar atenção especial às regiões.
- Comissão de Acompanhamento e Verificação
- Mecanismos de resolução de litígios. Esses mecanismos têm a capacidade eo poder de execução e será confirmada por representantes dos partidos e da sociedade civil, conforme o caso.
b -. acompanhamento internacional.
c -. Timeline.
d. Orçamento.
e. Divulgação e ferramenta de comunicação.
f. Mecanismos referenda dos acordos.
  
As seguintes regras de funcionamento
1 -. Nas reuniões do conselho participar até 10 pessoas por delegação, dos quais até 5 plenipotenciários, que será o porta-voz, respectivamente. Cada delegação será composta por 30 representantes.
2 -. Contribuir para o processo, pode consultar com especialistas sobre os temas da agenda, uma vez abastecido o procedimento correspondente.
3 -. Para garantir a transparência do processo, o conselho vai informar regularmente.
4 -. Um mecanismo para divulgar o progresso ao longo da mesa. As mesas não foram divulgados.
5 -. Será implementado estratégia de divulgação eficaz.
6 -. Para garantir a mais ampla participação possível, um mecanismo será estabelecido para a recepção de propostas sobre os temas da agenda dos cidadãos e das organizações por meio físico ou eletrônico. De acordo e em um determinado momento, o conselho poderá fazer perguntas diretas e receber propostas diretas sobre esses pontos ou delegar a um terceiro espaços de participação da organização.
7 -. O Governo Nacional garantir os recursos necessários para executar a tabela a ser geridos de forma eficaz e transparente.
8 -. A diretoria terá a tecnologia para avançar.
9 -. As negociações começam com a Política de Desenvolvimento ponto agrária integral e continuar com a ordem de que a tabela acordada.
10 - As conversações. Vai no princípio de que nada está acordado até que tudo esteja acordado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário