segunda-feira, 22 de outubro de 2012

LIBANO – JUDEUS FAZEM ATENTADO PARA ACUSAR A SÍRIA



LIBANO – JUDEUS FAZEM ATENTADO PARA ACUSAR A SÍRIA

O atentado praticado pelos JUDEUS, que matou Hariri, o qual acusou-se os sírios, uma mentira deslavada,  teve um objetivo – expulsar a Siria do Líbano, no que lograram êxito, a Síria pressionada, saiu de cena, deixando o caminho livre para a invasão por Israel.

Israel invadiu o Líbano em 2006, Olmert não contava sofrer uma derrota acachapante, para cada militante do Hezbolá morto, morreram dez do exército israelense, e para encobrir a derrota, os israelenses passaram a atacar civis indefesos, velhos mulheres e crianças, num total de 1503 assassinatos, e de carona bombardear a infra estrutura do país, dificultando assim a sua reconstrução. Essa derrota ocasionou a queda de Olmert e mudança no governo de Israel, foi quando Netanyahu assumiu.

Esse novo atentado praticado pelos JUDEUS novamente. O objetivo é o mesmo, acusar os sírios novamente e tentar vingar a derrota humilhante de 2006!

A análise que a imprensa sionista imprime, é de uma mentira sem tamanho. -- Porque os sírios abririam uma nova frente de luta, se estão atolados até o pescoço dentro de seu próprio território?


Postado em  19/10/2012 - 12:17

Atentados no Líbano matam oito pessoas e deixam ao menos 78 feridos
BEIRUTE - Ao menos oito pessoas morreram e 78 ficaram feridas em uma explosão de bomba no centro de Beirute nesta sexta-feira, 19, segundo testemunhas e autoridades.
Ainda não ficou claro se a explosão mirava alguma figura política específica da dividida comunidade do Líbano, mas ocorreu em um período de elevadas tensões entre facções libanesas, que estão em lados opostos no conflito sírio.

A bomba explodiu no bairro Al Ashrafiya, de maioria cristã - e na rua onde fica localizado o escritório do partido Falange Cristã, que é anti-Assad.

Diversos carros ficaram destruídos e a frente de um prédio de vários andares foi destruída. Moradores correram em pânico procurando por parentes, enquanto outros ajudavam a carregar os feridos para as ambulâncias.

Socorro

Ambulâncias foram enviadas às pressas ao local, enquanto a fumaça podia ser vista subindo da região. A explosão ocorreu durante o horário de pico, quando muitos pais estão buscando seus filhos na escola.

As equipes da Defesa Civil e de Cruz Vermelha também levaram as vítimas aos hospitais da região.

O ministro do Interior, Marwan Sharbal, visitou o local do atentado e ordenou às forças de segurança que acelerem as investigações para esclarecer as causas da explosão.

Conflito

A guerra na vizinha Síria, que já matou mais de 30 mil pessoas, colocou a maioria de insurgentes sunitas contra o presidente Bashar al-Assad, que é da seita alauíta, ligada ao islamismo xiita.

Com agências de notícias

Oposição do Líbano convoca série de protestos 'anti-Síria'

Manifestações estão marcadas para este domingo e vão coincidir com o enterro do general morto no atentado com carro-bomba em Beirute; ataque é atribuído ao país vizinho

BBC |
O principal grupo de oposição do Líbano convocou uma série de protestos para este domingo no país, após o atentado com carro-bomba que provocou a morte do diretor da agência nacional de inteligência na última sexta-feira na capital Beirute. As manifestações, organizadas pelo grupo de oposição Março 14, vão coincidir com o enterro do general sunita Wissan al-Hassan, considerado um aliado dos partidos opositores e um desafeto do regime sírio, a quem é atribuído o ataque.
O ataque: Explosão deixa ao menos oito mortos e dezenas de feridos em Beirute
Hassan também era visto como um célebre defensor das causas dos rebeldes do país vizinho, que lutam pela deposição do presidente da Síria, Bashar al-Assad. O chamado aos protestos ganhou o apoio do ex-primeiro-ministro do país Saad al-Hariri, que pediu a todos os cidadãos libaneses que participassem da cerimônia, que será realizada em um cemitério no centro de Beirute, no que muitos analistas já vêem como um ato político em potencial.
Além disso, Hariri pediu que Hassan fosse enterrado ao lado do túmulo de seu pai, o ex-primeiro-ministro Rafik Hariri, outro inimigo de Assad que foi assassinado em 2005 em uma atentado também atribuído à Síria. "Cada um de vocês está pessoalmente convidado amanhã a se juntar a nós na Praça dos Mártires para as orações por Wissan al-Hassan", disse Hariri em pronunciamento à rede de televisão Future Television.
Contexto: Revolta na Síria provoca confrontos sectários no Líbano
Forças de segurança inspecionam estragos provocados por atentado em Beirute. Foto: AFP
1/10
"Todos os libaneses foram protegidos por al-Hassan das tentativas de assassinato de Bashar al-Assad e Ali Mamlouk (general sírio indiciado em agosto deste ano por um atentado a bomba no Líbano), expondo a si mesmo para que você não fosse vítima de uma explosão", acrescentou o ex-primeiro-ministro do país.
Neste sábado, em meio ao luto pela morte do general, protestos liderados pelos partidos da oposição tomaram as principais cidades do Líbano. Manifestantes montaram barricadas em ruas e queimaram pneus.
Diante da escalada das manifestações, o premiê do Líbano, Najib Mikati, colocou seu cargo à disposição neste sábado em uma reunião de emergência sobre o atentado que matou Hassan . No entanto, o presidente Michel Suleiman não aceitou a renúncia, e pediu que Mikati continue no cargo. O premiê disse que aceitou o pedido do presidente, e que o país precisa agora permanecer "unido, forte e com segurança". Além de Hassan, o atentado da última sexta-feira matou oito pessoas e feriu outras 12.
Síria
Neste sábado, políticos libaneses anti-Síria acusaram o governo de Damasco de estar por trás do ataque. Os líderes da oposição, Saad Hariri, e dos drusos, Walid Jumblatt, disseram que o governo do presidente sírio Bashar al-Assad foi responsável pelo ataque. A coalizão de partidos liderada por Hariri pediu que o governo libanês renuncie.
O ataque ocorreu no distrito de Ashrafiya, de maioria cristã, em uma rua movimentada próximo à sede da coalizão 14 de Março, liderada por Saad Hariri. Este foi o pior atentado na capital libanesa em quatro anos, e destruiu a fachada de diversos prédios. Hassan era próximo a Hariri, um dos principais críticos do regime sírio. Foi Hassan quem liderou a investigação que concluiu que o governo sírio participou do atentado de 2005 que matou o ex-premiê Rafik Hariri, pai de Saad. O trabalho de Hassan também levou à prisão recente de um ex-ministro acusado de planejar um atentado no Líbano sob ordens do regime sírio.
Divisão
As comunidades religiosas no Líbano estão divididas entre apoiadores e críticos do presidente sírio, Bashar al-Assad. A tensão tem crescido com o conflito no país vizinho. "Nós acusamos Bashar al-Assad de assassinar Wissam al-Hassam, o fiador da segurança dos libaneses", disse Saad Hariri, em discurso na televisão libanesa. Já Jumblatt disse à televisão Al-Arabiya: "[Al-Assad] está nos dizendo que mesmo que ele tenha levado a Síria à ruína, 'eu estou pronto para matar em qualquer lugar'".
O parlamentar Nadim Gemayel, do movimento de direita Partido da Falange Cristã, também acusou Síria e Assad. "Este regime, que está desmoronando, está tentando exportar seu conflito para o Líbano", afirmou.
O movimento 14 de Março divulgou uma nota na qual acusa o governo local de proteger "criminosos", e exigindo a renúncia dos principais líderes libaneses. O movimento Hezbollah, que é aliado do regime sírio, condenou a violência. O ministro sírio da informação, Omran al-Zoubi, disse que se tratou de um ato "covarde e terrorista", e que estes incidentes são "injustificáveis, seja onde for".
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, pediu que todos os partidos libaneses "não sejam provocados por atos terroristas hediondos". A secretária americana de Estado, Hillary Clinton, afirmou que o ataque à bomba é "um sinal perigoso de que existe gente que continua tentando afetar a estabilidade do Líbano".

Nenhum comentário:

Postar um comentário