segunda-feira, 18 de junho de 2012

GREECE – A UM PASSO DE SE TORNAR POSSESSÃO ISRAELENSE


A única saída para a Grécia é um governo forte e nacionalista, que deve retomar todas as estatais, hoje nas mãos dos Judeus Sionistas, e após uma auditoria séria, se descobrirá a verdadeira causa da quebra deste país, inevitavelmente se constatará a sonegação criminosa de impostos, a exemplo do que se descobriu recentemente no PERÚ, onde uma única empresa PRIVATIZADA e nas mãos dos JUDEUS SIONISTAS, sonegou nada menos que UM BILHÃO DE EUROS, da maneira mais simples possível, na contabilidade da empresa, jogavam a distribuição de dividendos aos acionistas, como se fossem “DESPESAS”, quando todos sabem que dividendos são retirados dos lucros, assim fácil, após a distribuição destes dividendos, quase sempre em sua totalidade, não se pagava um único tostão ao erário, ora, se uma única empresa em um país pequeno como o PERÚ, fez um prejuízo desta monta, na Grécia são centenas as ESTATAIS CRIMINOSAMENTE PRIVATIZADAS, ver-se-á que uma conta básica de 2+2, e a Grécia não deve a ninguém um único vintém, pelo contrário, a Grécia é credora.
Se não entrar um governo forte e patrioticamente determinado, colocar na cadeia os políticos criminosos e traidores, verdadeiros vendilhões da pátria, retomar todas as estatais, não haverá salvação a este país, será a primeira de uma série de nações europeias, a se tornarem uma “GAZA” nas mãos dos ABUTRES SIONISTAS A SERVIÇO DOS JUDEUS, os gregos serão definitivamente escravos de Israel, que é a pátria do Sionismo.

confira reportagem abaixo:

Partidos a favor do euro negociam coalizão para governar a Grécia

Resultado das eleições mostra vitória apertada dos conservadores do Nova Democracia sobre os radicais de esquerda do Syriza. Gregos afastam risco de o país deixar a zona do euro.
Os dois maiores partidos gregos a favor do ajuda financeira internacional ao país já começam a desenhar uma coalizão para governar a Grécia após os resultados das eleições deste domingo (17/06) apontarem uma estreita vitória dos conservadores do partido Nova Democracia sobre os radicais de esquerda do Syriza.

De acordo com o regimento grego, o partido vencedor das eleições ganha como bônus 50 cadeiras a mais no Parlamento, que conta com 300 representantes. Sendo assim, o Nova Democracia e o socialista Pasok conseguem alcançar a maioria, com cerca de 160 assentos.
Resultados parciais oficiais mostram que o Nova Democracia teria obtido entre 28,6% e 30% dos votos, com a Coalizão de Esquerda Radical Syriza logo atrás, somando algo entre 27,5% e 28,4% do eleitorado. Em terceiro lugar está o Pasok, entre 11% e 12,4%. Como já se previa uma disputa acirrada, estava claro que o vencedor do pleito precisaria negociar para garantir a governabilidade.

A segunda eleição na Grécia em apenas seis semanas foi acompanhada com atenção por chefes de governo e especialistas em todo o mundo, pois eles apostavam que o resultado seria decisivo para a permanência do país na zona do euro.

O resultado apertado mostra também a grande polarização da população grega com relação ao cumprimento das medidas de austeridade demandadas pelos credores internacionais e à permanência do país na zona do euro.

Dois caminhos
Os dois partidos na disputa mantiveram pontos de vista bem distintos com relação aos pacotes de resgate que a Grécia vem recebendo de credores internacionais – o último chegou a 240 bilhões de euros. O líder do Nova Demoracia, Antonis Samaras, garantiu que sua prioridade seria manter a Grécia na zona do euro. Mas ele prometeu renegociar algumas condições impostas para a liberação do empréstimo e que resultaram em duras medidas de austeridade impostas à população grega.

Já o líder do Syriza, Alexis Tsipras, foi contundente ao defender o cancelamento dos termos impostos aos gregos pelos credores internacionais e repudiou veementemente as medidas de austeridade. No mercado internacional, tal posicionamento era visto como um passaporte para que a Grécia deixasse a zona do euro, embora Tsipras tivesse prometido lutar para que isso não acontecesse – pesquisas mostraram que 80% dos gregos queriam continuar com o euro. O cumprimento das medidas de austeridade, porém, são pré-requisito para que a 

Grécia continue no bloco.
Sem poder tomar empréstimos no mercado internacional por causa dos juros nas altura, desde maio de 2010 a Grécia vem recebendo ajudas financeiras dos países vizinhos. Os cortes realizados em contrapartida têm levado o país ao quinto ano seguido de recessão, com desemprego em torno dos 22% e milhares de empresas fechando as portas.
Além das enormes dificuldades internas, uma eventual saída da Grécia da zona do euro espalharia o pânico no bloco, com a desconfiança de que outros Estados-membros – como Portugal, Irlanda, Espanha ou mesmo a Itália – também poderiam deixar o bloco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário