domingo, 30 de janeiro de 2011

INALIENABLE RIGHT

 
MOHAMAD ALI
 
Neither from the right, 
 neither from the left, I am in favor of what is correct.

Nor Tel Aviv, nor Washington, nor Rome, nor Moscow, nor New York, nor London, nor Paris, nor Amsterdam, nor Riad, I am from Brasília, Brazil – Latin America, the best land in the world.

Radically against death penalty, radically against terrorism, radically against dictatorships, radically against Zionism (that is the same as Nazism, but in evilness, is ahead of it, Nazism acted openly, while Zionism acts underground, controls 90% of the international media, companies and most of the banks), or organizations of the same gender.

I am “Lula” – Brazil, I am “Chavez” – Venezuela, I am “Morales” – Bolivia, I am “Correa” – Ecuador, I am “Cristina” – Argentina, I am “Mujica” – Uruguay, I am “Zelaya” – Honduras (taken out with Zionism sponsor), I am “Lugo” – Paraguay, I am “Fidel” – Cuba, I am “Michelle Bachelet” – Chile.

I have one and only enemy – the one who is against Brazil and Latin America

- Admirer of the ideas of Charles de Gaulle, François Miterrand and of Janio Quadros, nationalist of first order.
- Follower of Lula, the only after Getúlio Vargas, that gave attention and did something for the Brazilian people.
- Supporter of Hugo Chavez, high level patriot, that does anything for the Venezuelan people.
- Unconditional fan of the Jew Kanjuk, author of the phrase: “If this is Judaism, then I don’t want to be a Jew.” – Kanjuk, Jew writer.

I am not against the Jews, but against who manipulates and controls them (Zionism),
I am not against the Americans, but against who manipulates and controls them (Zionism),
I am not against the French, but against who manipulates and controls them (Zionism), I am not against the British, but against who manipulates and controls them (Zionism),
I am not against the Japanese, but against who manipulates and controls them (Zionism),
I am not against the German, but against who manipulates and controls them (Zionism), I am not against the media, but against who manipulates and controls it (Zionism).

I am not against religions, but against who take out their virtues, controls and uses them, many times, to have financial gain, transforming them into companies, depriving this religions of their true purpose and role for which they were created. By the way, the Muslim religion is the only that does not adopt the tenth, and, contrary of what it’s enemies say, the first free women in the world is the Muslim, she has the right to get divorced, despite her husband’s acceptance, since the year 632 A.D., in Brazil divorce was only adopted in 1977 (with strong Christian opposition, Nelson Carneiro can say, fought decades for it ). It happened 1345 years after Muslims.

The Zionist “Media Mob”, expression popularized by the imminent theologian “Leonardo Boff”, blains Muslims, incorrectly and unfairly, when it comes to stoning and polygamy. About the stoning – Adultery – The Holy Bible, the Mosaic law determined the stoning as the punishment for those who were caught practicing the adultery, what was adopted by the Jews, inclusively in the time of Jesus Christ (see Leviticus 20:10). Later it was also adopted by the Muslims. However, as the Law of Moses admitted masculine polygamy and divorce (Deuteronomy 24:1), the characterization of breaking the law was basically when a woman was caught having relations with a man that was not her husband. Therefore, the laws of polygamy and stoning are “jewish-christians “, Muslims adopted the almost 2000 years after they were created.

Brazil is a non religious State, as also Saddam Hussein’s Iraq was, today is no more (by the time Saddam Hussein was in control of Iraq, over 1,5 million Christian lived in there, after the invasion of Zionists and Americans, they are now reduced to a few more than 500 thousand).
Brazil is the best country in the world, the first world does not have public colleges, Brazil does, the first world does not have public health care, Brazil does, the first world does not take care of it’s poor population, Brazil does, the first world has death penalty, Brazil does not, the first world discriminates everyone else, Brazil does not discriminates anyone, the first world does not have “Lula”, Brazil does have, the first world does not have “Chavez”, Venezuela does.

And the best is that I dwell and live in Brazil – Latin-America.

sábado, 29 de janeiro de 2011

URUGUAY ACKNOWLEDGE PALESTINE

URUGUAY ACKNOWLEDGE PALESTINE, The URGUAI WAS THE first country to recognize Israel in 1948.

Uruguay recognize Palestine as a contribution to peace, says Foreign Minister
The Government of Uruguay will recognize Palestine as an independent state early next year as a form of "contribution to peace in the Middle East, said today the Foreign Minister of Uruguay, Luis Almagro." We hope this decision is a step in the search for peace in that region of the world, "the chancellor said at a news conference.

Referring to statements by Israeli diplomats, who criticized the decision, Almagro said: "It is not surprising, because Israel's position is known."

"Achieving peace depends on the willingness of both parties. For negotiations to succeed, must be equivalent to, and so far not happened," added the Uruguayan foreign minister.

Almagro said "not necessarily" the recognition of Palestine, Uruguay will be in line with those made by Argentina and Brazil, which earlier this month decided to recognize the Palestinian state along 1967 borders.

"We are studying the issue and its variants," said the Uruguayan Foreign Minister.

Argentina, Brazil, Paraguay and Uruguay are partners in Mercosur.

Bolivian President, Evo Morales, announced on December 17 that his government this week sent a letter to the Palestinian National Authority (PNA) "the recognition of Palestine as an independent and sovereign state."

The foreign policy chief of the ANP, Riyad al-Malki, a visit made last April to Uruguay, where he agreed to open representative offices in Montevideo and Ramallah.
Uruguay was the first country to recognize the State of Israel and housing Montevideo large and influential Jewish community, whose members include several positions, including three government ministers.

Egito: recolher obrigatório não trava protestos

Egito: recolher obrigatório não trava protestos

O recolher obrigatório não trava os protestos no Egito. Depois de uma sexta-feira negra para o presidente, Hosni Mubarak decretou a aplicação da medida nas cidades do Cairo, Alexandria e Suez, para depois a alargar a todas as cidades do país.

No mesmo decreto, o chefe de Estado egípcio pede ao Exército para apoiar a polícia e reforçar a segurança.

O recolher obrigatório começou às seis da tarde e dura até às sete da manhã. Ainda assim, ao início da noite continuaram a ouvir-se tiros na capital e de acordo com as últimas informações, dispersas e difíceis de confirmar, os manifestantes tentavam atacar o ministério dos Negócios Estrangeiros e a sede da televisão pública.

O recolher obrigatório é uma resposta à fúria dos manifestantes, que incendiaram a sede do partido no poder no Cairo e nas cidades de Ismaília e em Porto Said. Em Suez foram incendiados três edifícios públicos e em Alexandria foi incendiado um.

Copyright © 2011 euronews

Egito: Manifestantes não baixam braços

Egito: Manifestantes não baixam braços

Os manifestantes mantêm-se nas ruas das principais cidades egípcias, num sinal de protesto ao novo executivo apontado por Hosni Mubarak.

Num desrespeito ao sinal de recolher obrigatório, milhares de pessoas continuam concentradas nas principais artérias da capital do país.

Apesar de não haver registo de confrontos significativos, o descontentamento que exige a renúncia do chefe de Estado parece longe de abrandar.

Alvo principal da revolta popular, Hosni Mubarak nomeou um vice-presidente pela primeira vez desde que chegou ao poder, há quase 30 anos.

Trata-se de Omar Suleiman, o poderoso chefe dos serviços secretos e confidente de Mubarak, que alcança um cargo visto como a antecâmara para a cadeira do poder.

As agências de notícias internacionais consideram que a nomeação de um vice-presidente é “um passo claro” de Mubarak para encontrar um sucessor, face aos pedidos de demissão exigidos pelos egípcios.

As suspeitas ganham força numa altura em que o general Ahmed Chafik, ministro da Aviação, foi encarregado por Mubarak para formar um novo Governo.

Aguarda-se para ver até que ponto estas notícias vão condicionar o curso dos protestos. O certo é que desde o início dos protestos já morreram pelo menos cem pessoas nos confrontos no Cairo, Alexandria e Suez.

O número de feridos ronda já os dois mil. Números, dizem os manifestantes, que Mubarak poderá inverter se deixar o poder.

Copyright © 2011 euronews

URUGUAY RECONOCE PALESTINAأوروغواي تقر فلسطين

URUGUAY RECONOCE PALESTINAأوروغواي تقر فلسطين
أوروغواي تعترف فلسطين كمساهمة في السلام ، ويقول وزير الخارجية
وكالات / تمرد


حكومة أوروغواي تسلم في مطلع العام المقبل الى فلسطين كدولة مستقلة كشكل من أشكال "إسهاما في تحقيق السلام في الشرق الأوسط اليوم الخميس وزير خارجية أوروغواي ، لويس الماجرو. "نأمل أن القرار هو خطوة في السعي لتحقيق السلام في تلك المنطقة من العالم" ، وقال المستشار في مؤتمر صحفي.

في اشارة الى تصريحات الدبلوماسيين الاسرائيليين الذين انتقدوا القرار ، وقال الماجرو : "لم نفاجأ لأنه من المعروف موقف اسرائيل".

"تحقيق السلام يتوقف على مدى استعداد كل من الطرفين. أما بالنسبة للمفاوضات أن تنجح يجب أن يكون هناك تعادل ، وأنه حتى الآن لم يحدث "، واضاف وزير الخارجية في أوروغواي.

وقال الماجرو "ليس بالضرورة" الاعتراف أوروغواي فلسطين سوف تكون منسجمة مع تلك التي أدلى بها الأرجنتين والبرازيل ، والتي قررت في وقت سابق من هذا الشهر للاعتراف بدولة فلسطينية على طول حدود عام 1967.

"نحن ندرس هذه المسألة ومشتقاته" ، قال وزير الخارجية في أوروغواي.

الأرجنتين والبرازيل وباراغواي وأوروغواي شركاء في ميركوسور.

اعلن رئيس بوليفيا ايفو موراليس ، في 17 ديسمبر ان حكومته هذا الاسبوع بعث برسالة الى السلطة الوطنية الفلسطينية "إلى الاعتراف بفلسطين كدولة مستقلة ذات سيادة."

وأدلى رئيس السياسة الخارجية للحزب عوامي الوطني ، رياض المالكي ، نيسان / أبريل الماضي بزيارة إلى أوروغواي والذي وافقت على فتح مكاتب تمثيلية في مونتيفيديو ورام الله.

وكانت أوروغواي أول دولة تعترف بدولة إسرائيل والمجتمع في مونتيفيديو سكنية يهودية كبيرة ومؤثرة ، التي تضم أعضاء بتهم عدة بينها ثلاثة وزراء في الحكومة.
Postado por Voltaire às 02:02

O CORNO - O IMPERIALISTA - O DITADOR

REAÇÕES ENÉRGICAS E IMEDIATAS DO CORNO, DO IMPERIALISTA E DO DITADOR

1- EM BRASÍLIA, A EMPREGADA PEGA O FILHO DO PATRÃO CHIFRANDO O PRÓPRIO PAI, COM A NOVA ESPOSA, O PATRÃO INDIGNADO, ESPERNEIA E ESTREBUCHA, TOMA UMA MEDIDA ENÉRGICA, DEMITE A EMPREGADA IMEDIATAMENTE.(FATO VERÍDICO NARRADO PELO IRMÃO DO PATRÃO)
2- A DIPLOMACIA AMERICANA É PEGA COM A MÃO NA MASSA, TRAMANDO CONTRA OS PRÓPRIOS ALIADOS, E FAZENDO ARAPUCAS CONTRA OS INIMIGOS, O WIKILEAKS DENUNCIOU E DESNUDOU O MAQUIAVELISMO NA DIPLOMACIA E NAS VERDADEIRAS INTENÇÕES DELES, OBAMA TOMOU MEDIDAS ENÉRGICAS E SANEADORAS: MANDOU OS JUDEUS-SIONISTAS, QUE SÃO MESTRES NISSO, FAZER UMA ARAPUCA SEXUAL CONTRA  ASSANGE, DIRIGENTE E MENTOR DO WIKILEAKS, QUER VÊ-LO APODRECER NA CADEIA.(FATO VERÍDICO NARRADO PELOS JORNAIS DO MUNDO INTEIRO)
3- O DITADOR DO EGITO, CONHECIDO COMO OPRESSOR DO POVO ÁRABE DO EGITO, AO ENFRENTAR A REVOLTA CONTRA SÍ, POR 30 ANOS ROUBANDO O POVO, COLOCANDO O SEU GOVERNO SIONISTA E AUTOCRÁTICO QUE TOCA, A SERVIÇO DOS JUDEUS-SIONISTAS INTERNACIONAIS, CONTESTADO PELO POVO QUE OPRIME, ROUBA E TORTURA NESTES LONGOS 30 ANOS, REAGE COMETENDO ASSASSINATOS CONTRA OS REVOLTOSOS, USANDO A POLÍCIA REPRESSORA, COMANDADA E TREINADA PELOS, A EXEMPLO DA POLÍCIA DE LONDRES, QUE MATOU O BRASILEIRO Jean Charles de Menezes, NAQUELE MOMENTO, ESTAVA SENDO ASSESSORADA POR JUDEUS-SIONISTAS, SEGUNDO OS JORNAIS QUE PUBLICARAM DECLARAÇÕES DOS PRÓPRIOS JUDEUS-SIONISTAS.
A AL-JAZIRA ESTÁ REPORTANDO OS FATOS E DENUNCIANDO OS ASSASSINATOS DO DITADOR, ESTE TOMA MEDIDAS ENÉRGICAS CONTRA A AL-JAZIRA, CULPANDO-A PELOS DISTÚRBIOS QUE ESTÃO A OCORRER NO EGITO, HIPOCRISIA PURA (FATO VERÍDICO NOTICIADO NO MUNDO INTEIRO)

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

SIONISMO X ZELAYA

SIONISTAS É QUE DERRUBARAM ZELAYA,
TOMARA QUE VOLTE.

Hondurenhos marcham para exigir volta de Zelaya

Milhares de simpatizantes do ex-presidente hondurenho Manuel Zelaya marcharam nesta quinta-feira na capital para exigir o retorno ao país do ex-presidente, um ano após ser exilado na República Dominicana.

"Marchamos para exigir o regresso de Zelaya e pela convocação de uma constituinte", afirmou o vice-coordenador da Frente Nacional de Resistência Popular (FNRP), Juan Barahona.

Entre 4 e 5 mil simpatizantes de Zelaya caminharam por cerca de seis quilômetros pelas ruas de Tegucigalpa, desde a Universidade Pedagógiga até o edifício do Congresso.

Quando passaram em frente ao prédio da Suprema Corte de Justiça, os manifestantes gritaram "assassinos", "assassinos", em alusão aos juízes que ordenaram a captura de Zelaya, argumento que serviu para justificar sua queda em 2009.

"Somos os que não voltam atrás, caminhamos em direção à constituinte", dizia um dos cartazes carregados pelos manifestantes.

Zelaya, um liberal que se direcionou para a esquerda durante seu mandato, foi deposto em 28 de junho de 2009 e enviado por militares à Costa Rica. Voltou sorrateiramente três meses depois e se refugiou na embaixada do Brasil, de onde partiu para Santo Domingo no dia 27 de janeiro de 2010, o mesmo dia da posse do atual presidente Porfirio Lobo.

Zelaya foi deposto por promover um referendo nacional que conduzia a uma reforma constitucional. Seus adversários afirmam que pretendia aprovar a reeleição presidencial.

Lobo conseguiu neste mês que o Congresso reformasse a constituição para permitir c que possam eliminar os artigos "pétreos" (que não podem ser reformados), incluindo os que proibiam a reeleição presidencial.

BERLUSCONI PEDÓFILO PROFISSIONAL

BERLUSCONE SER GOVERNANTE É "BICO", NEGÓCIO PRINCIPAL É PEDOFILIA.

Novas revelações ampliam pressão sobre premiê da Itália
27 de janeiro de 2011 • 18h22 • atualizado às 19h45

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, enfrenta nesta quinta-feira mais pressões para que renuncie, depois da divulgação de novos detalhes das suas festas eróticas, algumas delas com menores de idade, e de presentes aos seus participantes.

A oposição de centro-esquerda disse que os novos documentos judiciais tornam "insustentável" a posição de Berlusconi, e que ele deveria renunciar por conta própria ou então ser afastado por seus aliados conservadores.

As 227 páginas de novos documentos foram enviadas por magistrados de Milão ao Parlamento, na noite de quarta-feira, e alguns trechos foram vazados para a imprensa, que publicou trechos nesta quinta-feira.

O escândalo envolvendo Berlusconi começou meses atrás, com revelações feitas por uma dançarina marroquina que teria estado em festas na mansão do premiê quando tinha 17 anos. Agora, os novos documentos mostram que uma segunda menor participou das festas.

Os magistrados já enviaram mais de 600 páginas de documentos ao Parlamento para justificar seu pedido por um mandado de busca e apreensão no escritório do contabilista do premiê, suspeito de entregar dinheiro e presentes às mulheres.

Uma comissão parlamentar recomendou nesta quinta-feira que o pedido de busca seja rejeitado, e que a investigação seja feita por um tribunal diferente do que é responsável por julgar a conduta de ministros. A decisão sobre o assunto será tomada pelo plenário da Câmara, onde Berlusconi tem uma ligeira maioria.

Apesar da pressão contra o governo, o chanceler Franco Frattini, um dos mais fiéis aliados do premiê, disse que o partido governista Povo da Liberdade (PDL) "não tem as mãos livres para trocar seu líder sem eleições."

"Seria absolutamente equivocado pensar em uma mudança de liderança", disse Frattini, acrescentando que Berlusconi foi escolhido diretamente pelo eleitorado em 2008.

Questionado sobre os vazamentos, Berlusconi disse na noite da última quarta-feira que a investigação era "escandalosa".

SIONISMO ESPERNEIA NA TUNÍSIA -2

SIONISMO ESPERNEIA NA TUNÍSIA
NÃO QUEREM LARGAR O OSSO.


Tunísia pede ao Canadá detenção de cunhado de Ben Ali (embaixada)
27 de janeiro de 2011 • 19h18


OTTAWA, 27 Jan 2011 (AFP) -A Tunísia pediu oficialmente ao Canadá a detenção de Belhassen Trabelsi, cunhado do presidente deposto Ben Ali, apresentado como um negociante corrupto do antigo regime, anunciou nesta quinta-feira o embaixador tunisiano em Ottawa, citado pela televisão pública Rádio Canadá.

SIONISMO ESPERNEIA NA TUNÍSIA -1

SIONISMO ESPERNEIA NA TUNÍSIA





Tunísia: central sindical diz que não integrará novo governo
27 de janeiro de 2011 • 16h33 • atualizado às 17h36



A central sindical tunisiana UGTT está "de acordo" que o primeiro-ministro Mohamed Ghannouchi, integrande do regime deposto de Ben Ali, siga em seu posto, mas rejeitou participar do novo governo, afirmaram seus líderes.

A poderosa União Geral de Trabalhadores Tunisianos também está de acordo com que outros dois ministros do governo de Ben Ali, de um total de sete, sigam em pastas técnicas, disse um de seus líderes, Abid Briki. "Estamos de acordo para que sejam mantidos três nomes: Ghannouchi, (Mohamed Nuri) Juini (ministro do Planejamento e Cooperação Regional) e (Mohammed Afif) Shelbi (ministro de Indústria e Tecnologia)", declarou após uma reunião do comitê executivo da UGTT.

Ao mesmo tempo, a UGTT decidiu nesta quinta-feira que não participará do novo governo de transição que deve ser anunciado nas próximas horas, disse à AFP um membro de seu comitê executivo, Mohamed Saad. A UGTT "não estará representada no governo", disse Saad ao término da longa reunião dos líderes da central sindical nos arredores da capital.

"Enquanto sindicato, pretendemos permanecer como um tipo de contrapoder, mas, é claro, daremos nossa opinião sobre a composição do governo", acrescentou.

A UGTT desempenhou um papel crucial durante a "Revolução do Jasmim", que derrubou o presidente Zine El Abidine Ben Ali no dia 14 de janeiro.

SIONISMO ESPERNEIA NA TUNÍSIA

SIONISMO ESPERNEIA NA TUNÍSIA

Mohamed Ghannouchi segue como primeiro-ministro na Tunísia
27 de janeiro de 2011 • 18h05 • atualizado às 18h46


17 de janeiro - O premiê Mohamed Ghannouchi anuncia novo governo de união nacional durante entrevista coletiva em Túnis. Foto: Reuters

O premiê Mohamed Ghannouchi, responsável pela transição, conitnuará no cargo

O primeiro-ministro da transição tunisiana, Mohamed Ghannouchi, foi designado nesta quinta-feira para seguir à frente do governo e anunciou na televisão estatal um novo gabinete, do qual foram afastados políticos ligados ao presidente deposto Ben Ali.

Em sua mensagem televisiva, Ghannouchi divulgou a lista do novo governo, na qual os ministérios de Interior, Defesa, Relações Exteriores e Finanças já não estão nas mãos dos representantes do regime deposto, que se encarregará de organizar eleições democráticas nos próximos meses.

Resta agora ver a reação dos milhares de manifestantes que, há dias, exigem a renúncia de todos os líderes do regime autoritário e corrupto do ex-presidente Ben Ali, incluindo Ghannouchi, que foi seu chefe de governo nos últimos 11 anos.

Sionismo esperneia no Egito

Sionismo esperneia no Egito, se a moda pega...
Veja reportagem abaixo:
"Eles não deixam ninguém caminhar nas ruas", diz egípcia
27 de janeiro de 2011 • 17h50
Policiais egípcios prendem Mohamed Abdul Quddus, relator da Comissão das Liberdades Cívicas e membro do conselho do Sindicato de Imprensa, do lado de fora do sindicato de jornalistas no centro do Cairo
Foto: AP
Tariq Saleh
Direto de Beirute, no Líbano
Desde que as manifestações exigindo a derrubada do governo do presidente egípcio Hosni Mubarak começaram, no dia 25 de janeiro, o governo do Egito usa seu aparato de segurança para reprimir os protestos. Por telefone via internet, testemunhas falaram ao Terra que serviços de inteligência e a polícia estão nas ruas da capital Cairo prendendo e intimidando pessoas.
"É uma loucura, eles (policiais) não deixam ninguém caminhar nas ruas sem destino", disse a egípcia Nedine M., que teve seu sobrenome omitido por razões de segurança.
Ela contou que passava por uma das ruas próximas à praça Tahrir, onde acontecem as maiores manifestações, quando policiais chegaram e começaram a mandar as pessoas embora. "Eles foram rápidos. Se a pessoa não está indo para um local que não seja os protestos, eles prendem ou mandam embora", completou ela.
A polícia entrou em choque com os manifestantes em duas grandes cidades do Egito na última quarta-feira. No centro do Cairo, as forças de segurança agrediram pessoas com bastões, enquanto a polícia entrava em confronto com manifestantes na cidade de Suez, no leste do país.
As autoridades disseram que ao menos 500 pessoas foram presas desde que o Ministério do Interior advertiu que aglomerações públicas não seriam mais toleradas e que processaria qualquer pessoa participando dos protestos.
"Quando vi as tropas da polícia de choque, eu saí correndo. Mas vi vários jovens enfrentando os policiais para chegarem no local dos protestos", falou Nedine.
Violência policial
Segundo Mohammed D., os policiais agem com brutalidade e reprimem até pessoas que não tinham nada a ver com as manifestações. "Eu vi quando dois policiais com bastões começaram agredir uma mulher que só tentava chegar a um local para ver o filho", disse.
"Ela não foi presa porque os policiais se deram conta de que ela não estava fazendo parte dos protestos", contou Mohammed, que participou das manifestações da última terça-feira.
O primeiro-ministro Ahmed Nazif defendeu as ações das forças policiais e disse que estava comprometido com "a liberdade de expressão por meios legítimos". "A polícia agiu de forma correta e moderação", disse ele em um comunicado às agências de notícias.
Relatos dão conta de que a polícia vem usando também gás lacromogênio para dispersar os protestos, mas que encontrou resistências de manifestantes, que atiraram pedras de prédios nas redondezas.
O levante no Egito foi inspirado nas manifestações de um mês na Tunísia, onde o presidente do país ocupava o poder há 23 anos e foi obrigado a renunciar após um mês de protestos populares.
Medo nas ruas
Mohammed também revelou que há um medo nas ruas de alguns bairros próximos ao centro da capital, onde carros tentam evitar a concentração de jovens. "Pessoas evitam os locais perto das manifestações para não serem pegas de surpresa".
Outra egípcia, Sula H., disse que o comércio funcionava normalmente e não havia sinais de racionamento. "Tudo funciona normal, mas há medo e receio nas ruas. A polícia seguidamente para pessoas e as questiona", falou ela, que também participou dos protestos. "São trinta anos vendo esse ditador no poder. Quero ver ele partir juntamente com sua turma".
O Egito está oficialmente em estado de emergência desde 1981 e protestos são considerados ilegais no país. O governo tolera pequenas dissidências, e manifestações da oposição são em geral banidas. Mubarak está no poder há 30 anos e especula-se que seu filho, Gamal, deverá ser indicado pelo partido governista para sua sucessão.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Al Jazeera lanza Spin-off Wikileaks

Al Jazeera lanza Spin-off Wikileaks: Los papeles de Palestina [Actualizado]
Publicado el 24 de enero 2011 por Ahmad Al-F Shagra

Actualización: La transparencia de Al Jazeera Dependencia ha sido bloqueado por el Grupo Palestino de telecomunicaciones, leer más aquí.

En una segunda parte de su iniciativa de tipo (después de que Wikileaks es) el líder mundial en árabe de noticias Al Jazeera ha puesto en marcha una plataforma denunciante Wikileaks-como para el mundo con un enfoque en el Oriente Medio.

La plataforma de marca "de Al Jazeera Unidad de Transparencia" proporciona una conexión segura (con encriptación de clave pública) sitio web para las personas interesadas a enviar los documentos digitales a "brillar la luz sobre el gobierno de notables y de interés periodístico y las actividades empresariales que de otra manera no se denuncian."

Lo que probablemente separa la plataforma de Al Jazeera de Wikileaks es un aspecto crucial, la verificación.

Los estados de la red en el sitio web que "Todo el contenido presentado se somete a una investigación de antecedentes riguroso proceso de autenticación que incluye el respeto a la intimidad personal, la contextualización y la adhesión fuerte a nuestro compromiso Tradecraft de" periodismo de profundidad. "

Lo que también significa riguroso filtrado de temas filtró desde que Al Jazeera se basa y en parte propiedad del gobierno de Qatar, que definitivamente tienen un impacto sobre la naturaleza de los contenidos previstos. Al menos en las cuestiones relacionadas con Qatar.

Sin embargo, esta iniciativa podría ser una toma de muchos árabes han sido tan desesperadamente necesitan, con la falta de legislaciones para proteger a los denunciantes en casi todos los países árabes, si no a la inversa.

Transparencia de Al Jazeera Unidad inició con 'Los papeles de Palestina, que es un repositorio de documentos que detallan algunos de los mecanismos internos de las negociaciones entre israelíes y palestinos que de inmediato desató las especulaciones duras sobre el papel y la eficacia de la Autoridad Palestina, tanto dentro como fuera de la territorios ocupados.

Algunos observadores han especulado con Hamas, una organización palestina militante islámico y los principales contendientes de la actual Autoridad Palestina para ser después de la fuga que expone lo que sucede a puertas cerradas entre palestinos e israelíes.

Tan interesante como los documentos filtrados Al Jazeera ha puesto de manifiesto, no creo que se trata de un shock para cualquiera que siga de cerca el conflicto. Lo que vamos a estar esperando, se filtró información acerca de los gobiernos y las empresas que realmente tienen algo que perder.
Ouvir
Ler foneticamente
Dicionário - Ver dicionário detalhado
Google Tradutor para:PesquisasVídeosE-mailTelefon

domingo, 16 de janeiro de 2011

TUNÍSIA-NOVO AFEGANISTÃO À VISTA

A TUNÍSIA PERTO DE SE TORNAR NUM NOVO AFEGANISTÃO, SIONISTAS JÁ A POSTOS PARA INICIAREM ATAQUES TERRORISTAS E A ACUSAÇÃO POR TAIS ATOS RECAIRÁ SOBRE UM E OUTRO LADO DOS CONTENDENTES. ESPERAR PRA VER.

REPORTAGEM EURONEWS:

A tensão volta às ruas da Tunísia. Homens leais ao presidente tunisino deposto entraram em confronto com as forças de segurança no palácio presidencial, ao início da noite, em Túnis.
É mais um dos tiroteios registados na capital da Tunísia. Uma outra troca de tiros deu-se entre desconhecidos em edifícios e as forças da ordem, não muito longe do ministério do Interior.
Os média locais dão conta que foram detidos vários estrangeiros na posse de armas, entre eles quatro alemães a bordo de táxis. Já antes tinha sido avançada a detenção de dois nacionais suecos.
Episódios a mancharem o ambiente de maior calma sentido por alguns residentes de manhã.

REPORTAGEM AL JAZZIRA:

Tunísia atingidos por saques

Bandas de saqueadores ir em fúria quando um incêndio em uma prisão, aparentemente ligada à violência mata 42 presos.


Alguns tunisianos têm levado a segurança local em suas próprias mãos após o fim do governo de Ben Ali [AFP]
Pilhagens, motins mortais e caos rua têm tragado Tunísia, após protestos forçaram o seu presidente há muito tempo, Zine El Abidine Ben Ali, a fugir.
No domingo, a agência de notícias France Presse informou que um membro da família do presidente tinha supostamente morreu de um ferimento por faca, dois dias antes.
Imed Trabelsi, um sobrinho da esposa de Ben Ali, morreu já estava sendo tratado em um hospital militar na capital, Tunes, um funcionário disse à AFP. Ele foi a primeira pessoa na família do presidente a morrer em conseqüência da revolta.
Trabelsi foi um influente empresário e se tornou mais conhecido depois que ele foi mencionado em um cabo diplomática dos EUA divulgado pela WikiLeaks que disse que foi relatado para ter roubado um iate pertencente ao presidente da poderosa empresa francesa financeira Lazard.
Um novo presidente interino, o presidente do Parlamento, foi empossado no sábado, e prometeu criar um governo de unidade que poderia incluir a oposição por muito tempo ignorada. Foi a segunda mudança de poder na nação norte-Africano em menos de 24 horas.
Em meio à instabilidade política, os saqueadores esvaziado lojas e incendiaram a principal estação ferroviária da capital, Tunis, e os soldados trocaram tiros com assaltantes em frente ao Ministério do Interior.


As tropas estavam patrulhando a capital no sábado e um estado de emergência em vigor depois de Ben Ali, presidente há mais de 23 anos, fugiu para a Arábia Saudita, na sequência dos protestos mortal.
A agência de notícias Reuters informou que esquadrões de homens à paisana estavam dirigindo através de Tunes em alta velocidade, atirando aleatoriamente em prédios e pessoas.
Soldados e pessoal de segurança à paisana arrastou dezenas de saqueadores suspeitos fora de seus carros com uma arma e levou-os em caminhões, de acordo com um relatório da agência de notícias AFP.
"O Exército está em todo lugar em Tunis, eles estão tentando verificar a carros e pessoas passando pelo controle", Youssef Gaigi, um blogueiro e ativista baseada na Tunísia, disse.
Fumaça preta subia mais um hipermercado em Ariana, ao norte da capital, já que foi incendiado e esvaziada.
Soldados dispararam tiros de advertência em vão para tentar parar os saqueadores, e lojas perto do bazar principal também foram atacados.
tumultos alvejado
Alguns manifestantes parecia ser destinadas às empresas de propriedade de membros da família de Ben Ali. Em Tunis, uma sucursal do banco Zeitouna fundada pelo filho de Ali Ben-de-lei foi incendiado, assim como os veículos fabricados pela Kia, Fiat e Porsche - montadoras distribuídos na Tunísia pelos membros da família governante.
A televisão pública estação de transmissão de telefone TV7 telefonemas de moradores na periferia da capital, descrevendo ataques por assaltantes armados de facas.
Em meio ao tumulto, tunisianos têm se organizado para proteger seus bairros, Amine Ghali, um defensor da democracia na Tunísia, disse à Al Jazeera.
"Há uma séria questão de segurança, mas as pessoas estão se organizando. Eles estão em pé na frente de seus bairros, formando comitês de bairro ... eles estão tentando ser o mais calmo possível e tentar ajudar os militares", disse ele.
Moradores de alguns bairros Tunis montou barricadas e organizou patrulhas durante a noite para dissuadir os manifestantes. No bairro El Menzah, dezenas de homens e rapazes armados com tacos de beisebol e os clubes foram se revezando na patrulha - assim como uma transmissão na televisão tunisina tinha exortou os cidadãos a fazer.
"Isso não é bom em tudo. Tenho muito medo para as crianças e eu", Lilia Ben Romdhan, mãe de três em Túnis exterior ", disse.
'Milícia' medos
Há temores de que parte da violência está sendo realizado por facções armadas aliadas Ben Ali, com a Reuters citando uma fonte não identificada militar, dizendo: "Segurança Ben Ali está por trás do que está acontecendo."
Gaigi, que fizeram parte dos protestos que derrubaram o Ben Ali, que indicou a presença do exército era necessária porque a polícia havia quebrado.
"Várias milícias, que são realmente fazer algumas das pilhagens fazem parte do ministério do interior, ou membros da polícia, e são coordenados por chefes de polícia e de inteligência no Tuisia", disse ele.
"Ouvimos o exército capturou algumas dessas pessoas, mas ainda há muito trabalho a ser feito."
Em um sinal de que a regra de Ben Ali, tinha o cargo, os trabalhadores estavam derrubando um retrato do ex-presidente fora da sede de seu partido RCD na Avenida Mohamed V, no centro de Tunis.
Enquanto isso, um incêndio no sábado em uma prisão na estância egípcia de Monastir matou 42 pessoas, legista disse Tarek Mghirbi A agência de notícias Associated Press.
Testemunhas disseram à Al Jazeera que os outros presos escaparam e relatórios, disse que alguns presos foram mortos como eles fizeram sua tentativa de evasão.
Em Mahdia, ainda mais para baixo da costa, os detentos atearam fogo em seus colchões, em protesto. Os soldados abriram fogo, matando cinco presos, disse um funcionário local.
Breakouts também foram relatadas em três outras prisões e um relatório da agência de notícias Associated Press disse que um funcionário em uma instalação de 1.000 presos havia deixado escapar protestos que se seguiram à prisão.
Milhares de turistas foram evacuados da nação mediterrânea na sequência dos incidentes.

TUNISIA- MERCENÁRIOS DE JUDEUS SIONISTAS PRESOS

A TUNÍSIA PRENDEU OCUPANTES DE VÁRIOS TAXIS, MERCENÁRIOS ARMADOS, A SERVIÇO DOS JUDEUS SIONISTAS, JÁ A POSTOS PARA INICIAREM ATAQUES TERRORISTAS E A ACUSAÇÃO POR TAIS ATOS RECAIRIA SOBRE UM E OUTRO LADO DOS CONTENDENTES. 4 DELES COM PASSAPORTES ALEMÃES E DOIS SUECOS.

REPORTAGEM EURONEWS:


A tensão volta às ruas da Tunísia. Homens leais ao presidente tunisino deposto entraram em confronto com as forças de segurança no palácio presidencial, ao início da noite, em Túnis.
É mais um dos tiroteios registados na capital da Tunísia. Uma outra troca de tiros deu-se entre desconhecidos em edifícios e as forças da ordem, não muito longe do ministério do Interior.
Os média locais dão conta que foram detidos vários estrangeiros na posse de armas, entre eles quatro alemães a bordo de táxis. Já antes tinha sido avançada a detenção de dois nacionais suecos.
Episódios a mancharem o ambiente de maior calma sentido por alguns residentes de manhã.

REPORTAGEM AL JAZZIRA:

Tunísia atingidos por saques

Bandas de saqueadores ir em fúria quando um incêndio em uma prisão, aparentemente ligada à violência mata 42 presos.


Alguns tunisianos têm levado a segurança local em suas próprias mãos após o fim do governo de Ben Ali [AFP]
Pilhagens, motins mortais e caos rua têm tragado Tunísia, após protestos forçaram o seu presidente há muito tempo, Zine El Abidine Ben Ali, a fugir.
No domingo, a agência de notícias France Presse informou que um membro da família do presidente tinha supostamente morreu de um ferimento por faca, dois dias antes.
Imed Trabelsi, um sobrinho da esposa de Ben Ali, morreu já estava sendo tratado em um hospital militar na capital, Tunes, um funcionário disse à AFP. Ele foi a primeira pessoa na família do presidente a morrer em conseqüência da revolta.
Trabelsi foi um influente empresário e se tornou mais conhecido depois que ele foi mencionado em um cabo diplomática dos EUA divulgado pela WikiLeaks que disse que foi relatado para ter roubado um iate pertencente ao presidente da poderosa empresa francesa financeira Lazard.
Um novo presidente interino, o presidente do Parlamento, foi empossado no sábado, e prometeu criar um governo de unidade que poderia incluir a oposição por muito tempo ignorada. Foi a segunda mudança de poder na nação norte-Africano em menos de 24 horas.
Em meio à instabilidade política, os saqueadores esvaziado lojas e incendiaram a principal estação ferroviária da capital, Tunis, e os soldados trocaram tiros com assaltantes em frente ao Ministério do Interior.


As tropas estavam patrulhando a capital no sábado e um estado de emergência em vigor depois de Ben Ali, presidente há mais de 23 anos, fugiu para a Arábia Saudita, na sequência dos protestos mortal.
A agência de notícias Reuters informou que esquadrões de homens à paisana estavam dirigindo através de Tunes em alta velocidade, atirando aleatoriamente em prédios e pessoas.
Soldados e pessoal de segurança à paisana arrastou dezenas de saqueadores suspeitos fora de seus carros com uma arma e levou-os em caminhões, de acordo com um relatório da agência de notícias AFP.
"O Exército está em todo lugar em Tunis, eles estão tentando verificar a carros e pessoas passando pelo controle", Youssef Gaigi, um blogueiro e ativista baseada na Tunísia, disse.
Fumaça preta subia mais um hipermercado em Ariana, ao norte da capital, já que foi incendiado e esvaziada.
Soldados dispararam tiros de advertência em vão para tentar parar os saqueadores, e lojas perto do bazar principal também foram atacados.
tumultos alvejado
Alguns manifestantes parecia ser destinadas às empresas de propriedade de membros da família de Ben Ali. Em Tunis, uma sucursal do banco Zeitouna fundada pelo filho de Ali Ben-de-lei foi incendiado, assim como os veículos fabricados pela Kia, Fiat e Porsche - montadoras distribuídos na Tunísia pelos membros da família governante.
A televisão pública estação de transmissão de telefone TV7 telefonemas de moradores na periferia da capital, descrevendo ataques por assaltantes armados de facas.
Em meio ao tumulto, tunisianos têm se organizado para proteger seus bairros, Amine Ghali, um defensor da democracia na Tunísia, disse à Al Jazeera.
"Há uma séria questão de segurança, mas as pessoas estão se organizando. Eles estão em pé na frente de seus bairros, formando comitês de bairro ... eles estão tentando ser o mais calmo possível e tentar ajudar os militares", disse ele.
Moradores de alguns bairros Tunis montou barricadas e organizou patrulhas durante a noite para dissuadir os manifestantes. No bairro El Menzah, dezenas de homens e rapazes armados com tacos de beisebol e os clubes foram se revezando na patrulha - assim como uma transmissão na televisão tunisina tinha exortou os cidadãos a fazer.
"Isso não é bom em tudo. Tenho muito medo para as crianças e eu", Lilia Ben Romdhan, mãe de três em Túnis exterior ", disse.
'Milícia' medos
Há temores de que parte da violência está sendo realizado por facções armadas aliadas Ben Ali, com a Reuters citando uma fonte não identificada militar, dizendo: "Segurança Ben Ali está por trás do que está acontecendo."
Gaigi, que fizeram parte dos protestos que derrubaram o Ben Ali, que indicou a presença do exército era necessária porque a polícia havia quebrado.
"Várias milícias, que são realmente fazer algumas das pilhagens fazem parte do ministério do interior, ou membros da polícia, e são coordenados por chefes de polícia e de inteligência no Tuisia", disse ele.
"Ouvimos o exército capturou algumas dessas pessoas, mas ainda há muito trabalho a ser feito."
Em um sinal de que a regra de Ben Ali, tinha o cargo, os trabalhadores estavam derrubando um retrato do ex-presidente fora da sede de seu partido RCD na Avenida Mohamed V, no centro de Tunis.
Enquanto isso, um incêndio no sábado em uma prisão na estância egípcia de Monastir matou 42 pessoas, legista disse Tarek Mghirbi A agência de notícias Associated Press.
Testemunhas disseram à Al Jazeera que os outros presos escaparam e relatórios, disse que alguns presos foram mortos como eles fizeram sua tentativa de evasão.
Em Mahdia, ainda mais para baixo da costa, os detentos atearam fogo em seus colchões, em protesto. Os soldados abriram fogo, matando cinco presos, disse um funcionário local.
Breakouts também foram relatadas em três outras prisões e um relatório da agência de notícias Associated Press disse que um funcionário em uma instalação de 1.000 presos havia deixado escapar protestos que se seguiram à prisão.
Milhares de turistas foram evacuados da nação mediterrânea na sequência dos incidentes.

TWITTER's VENCENDO CANHÕES


PARODIANDO GERALDO VANDRÉ. “FLORES VENCENDO CANHÕES”. PARA “TWITTER VENCENDO CANHÕES”.
UMA GOTA D’AGUA. QUE LEVOU À REVOLTA POPULAR. E PROVOCOU UM DESEJO ARDENTE PARA A LIBERDADE.
FOI O QUE ACONTECEU NA TUNÍSIA. NO DIA 17 DE DEZEMBRO DE 2010 DO SÉCULO XXI.
UM AMBULANTE IMPEDIDO DE TRABALHAR. ATEIA FOGO NO PRÓPRIO CORPO. VINDO A FALECER.
IMAGEM DO SUICÍDIO. CAI NAS REDES. SOCIAIS DA INTERNET. ESPECIALMENTE O TWITTER. PROVOCANDO UMA ESPETACULAR. REVOLTA POPULAR E CONSEQUENTE QUEDA. DO GOVERNO TÍTERE. QUE ERA SUSTENTADO. PELOS ESTADOS UNIDOS. FRANÇA, E O SIONISMO INTERNACIONAL.
PELA PRIMEIRA VEZ. EM UM PAÍS ÁRABE. O POVO DERRUBA O GOVERNANTE. QUE FOGE. COMO O SATANÁZ DE DEUS.

CONFIRA REORTAGEM. DA JORNALISTA INGLESA. UMA PÉROLA INDEPENDENTE. DA MÁFIA. DA MÍDIA INTERNACIONAL. E SIONISTA:


Um desejo ardente para a Liberdade
Tonight We Are All tunisianos
Por Ridley YVONNE
Os últimos dias, temos visto algumas das pessoas mais corajosas da Tunísia se revelando.
Armados com nada mais do que um coração revolucionário e esperanças de um futuro melhor, eles se reuniram e protestaram contra o governo que usou as forças armadas visando e disparando contra as multidões.
Mas a munição e as ameaças subjacentes à prisão e tortura significava absolutamente nada para as massas - porque simplesmente haviam perdido o medo.
Era a prova final para a brutalidade de um ditador que teve o apoio de líderes Sionistas europeus e vários presidentes dos Estados Unidos.
E que o Presidente da Tunísia Zine El-Abedine Ben Ali fugiu de seu país como um rato de um cano de esgoto, após 23 anos de brutal dominação, falou muito sobre o caráter do próprio homem.
Se ele tivesse um pingo de coragem o seu próprio povo exibido, ele também teria ficado, mas a maioria desses tiranos são covardes com a fibra moral de um besouro de esterco. A morte do vendedor veio quando a polícia impediu um licenciado desempregado de 26 anos de idade, com a venda de frutas sem uma licença. Mohammad Bouazizi entregou-se a uma tocha humana em 17 de dezembro e morreu das queimaduras terríveis em Sidi Bouzid, na Tunísia central.
Foi a gota d'água, num momento crucial, que inflamou comícios, passeatas e manifestações em toda a Tunísia.
E revelações de cabos Wikileaks expondo o estilo de vida corrupto e extravagante de Ben Ali e sua esposa segurando acendeu as chamas da ira desenfreada de um povo que também estavam nas garras da pobreza.
Eu sabia que estava por vir. Eu vi o ardente desejo de liberdade nos olhos do povo corajoso de Ghafsa Viva Palestina quando o comboio entrou no país em fevereiro de 2009 em seu caminho para Gaza.
Nosso comboio testemunhou a polícia secreta ameaçador intimidar a multidão para impedi-los de encontro para nos brindar.
Este vasto exército de espiões, bandidos e policiais ainda tentaram nos impedir de orar em uma mesquita local.
Que eles mantiveram firmes para nos brindar me levou a deixar o meu veículo e abraçar todas as mulheres que tinham despejado. Trocamos cartões e pequenos presentes e, em seguida, para meu horror, eu descobri que 24 horas depois que cada mulher que eu havia abraçado nas ruas de Gafsa foi tirado e interrogado.
Organizações de direitos humanos constantemente condemened e expostos a brutalidade do regime de Ali Ben, mas isso não parou a América e os líderes europeus, de intervir ou colocar pressão para parar a brutalidade.
Infelizmente, ele serve aos interesses ocidentais para ter um povo embrutecido e subjugados.
Agora, a Tunísia é um ditador, mas é menos ainda em um estado de emergência. Os próximos dias e semanas serão cruciais para o povo tunisino que merecem a liberdade. Meu Deus, eles pagaram por isso com seu próprio sangue e devemos sempre nos lembrar seus mártires.
Nenhum dos políticos, a polícia secreta do governo ou outras forças odiosas vai emergir deste período com alguma honra e muito poucos já estão agachados na sombra.
Mas talvez o maior show de covardia em todo esse episódio desculpa veio da Casa Branca.
Nem uma palavra de condenação, não uma palavra de crítica, nem uma palavra pedindo contenção veio Barak Obama ou Hillary Clinton como munição foi demitido em multidões de homens desarmados, mulheres e crianças nas últimas semanas.
E a notícia do regime corrupto e mafioso não teria vindo como uma surpresa para qualquer um deles. Sabemos disso graças aos cabos Wikileaks escrito pelo embaixador dos EUA Robert Godec que revelou em uma nota: "A corrupção no círculo interno está crescendo."
Mas, como as injustiças e atrocidades ali não era um grito da nação mais poderosa da Terra ... até amigo querido da América, Ben Ali tinha afundado do país.
A realidade é que a Administração dos EUA gosta de lidar com os tiranos e até incentiva o comportamento despótico. O Egito é um dos maiores testemunhos do presente com suas prisões cheio de líderes políticos da oposição. Hosni Mubarak é executor do Tio Sam e maior beneficiário da ajuda ao lado do Estado sionista.
tratamento do Paquistão de seu próprio povo é um pouco melhor. Lembra quando embaixador dos EUA em Islamabad, Anne Patterson escreveu em um único cabo Wikileak sobre os abusos dos direitos humanos levadas a cabo pelos militares do Paquistão? Patterson, em seguida, passou a assessorar Washington a fim de evitar comentários sobre estes incidentes.
Mas agora os EUA fez um comentário sobre a situação na Tunísia ... mas só quando Ben Ali foi de 30.000 pés no ar, fez voz da Casa Branca Mike Hammer questão uma declaração que dizia: "Nós condenamos a violência contra os civis na Tunísia, e apelo às autoridades tunisinas para cumprir os compromissos importantes ... incluindo o respeito básico direitos humanos e um processo de tão necessária reforma política. "
Inacreditável. Demasiado pouco, demasiado tarde, Senhor Presidente. Na verdade, essa afirmação poderia ter sido proferida qualquer momento durante a última presidência dos EUA desde Ronald Reagan.
Mas como eu digo, a América não tem moral para dar palpites sobre os direitos humanos do povo do Magrebe, Paquistão, Egito e Palestina, para citar apenas alguns.
Quando a condenação dos EUA finalmente veio, o tirano fugiu deixando para trás mais de 60 mártires civis e inúmeros feridos.
Amanhã irei para a Embaixada da Tunísia em Londres, como eu fiz anteriormente e estar ombro a ombro com os meus irmãos e irmãs da Tunísia e os seus apoiantes. Vamos lembrar os mortos, iremos prestar uma homenagem aos bravos e corajosos muitos que ainda estão no processo de apreensão para trás seu país e vamos rezar para que nenhum tirano vá dormir fácil na sua cama a partir deste momento.
Esta noite estamos todos tunisinos.
Yvonne Ridley é um jornalista britânica e também o patrona da ONG baseada em Londres Cageprisoners. Ela pode ser alcançado emyvonne@yvonneridley.org


CounterPunch Print Edition Exclusivo!

sábado, 15 de janeiro de 2011

TALIBANS TWITTER's DERRUBAM GOVERNO TUNISIANO

MERECIDA A DERRUBADA DO EX-LIDER SIONISTA TUNISIANO, COOPERAVA COM O SIONISMO INTERNACIONAL E TAMBÉM COM OS ESTADOS UNIDOS NA FARSA AO COMBATE DO TERRORISMO DA "AL QAEDA", ORGANIZAÇÃO TERRORISTA CRIADA POR HOLLYWOOD, PARA JUSTIFICAR, AÍ SIM, O VERDADEIRO TERRORISMO INTERNACIONAL CONTRA OS MUÇULMANOS.
EXEMPLO QUE DEVERIA SER SEGUIDO POR OUTROS POVOS, QUANDO CONSTATADA A COOPERAÇÃO AOS SIONISTAS.
OS SIONISTAS PROPAGAM A DOMINAÇÃO A TODOS OS POVOS LIVRES DO MUNDO, O PRIMEIRO PAÍS A SER DOMINADO FOI OS ESTADOS UNIDOS.
SARKOSÍ, O HITLER FRANCES, JÁ ESTÁ PREPARANDO A INTERVENÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DO FUJÃO, PARA COLOCAR OUTRO ALIADO DO SIONISMO INTERNACIONAL NO PODER, A EXEMPLO DO QUE FIZERAM EM HONDURAS.
TALIBANS TUNISIANOS, QUE, QUER DIZER ESTUDANTES TUNISIANOS, USANDO O TWITTER E SIMILARES, FORAM A MOLA MESTRA NA DERRUBADA DO TÍTERE SIONISTA.

REPORTAGEM E HISTÓRICO DA DERRUBADA ABAIXO:

Revolta popular derruba governo da Tunísia e presidente foge do país
Onda de protestos. Após um mês de violentas manifestações contra corrupção, desemprego e falta de liberdade política, ditador tunisiano, que estava no poder havia 23 anos, não resiste; é a primeira vez que manifestações destituem o líder de um país árabe
NYT, REUTERS, AP e AFP - O Estado de S.Paulo
Violentos protestos derrubaram ontem o presidente da Tunísia, Zine el-Abidine Ben Ali, que há 23 anos comandava um regime repressivo. É a primeira vez que um movimento popular destitui um líder árabe. Funcionários do governo e diplomatas franceses informaram que Ben Ali fugiu do país, mas seu paradeiro é desconhecido. O premiê Mohamed Ghannouchi fez discurso em cadeia nacional para dizer que assumiu interinamente o país.
Os protestos que derrubaram Ben Ali começaram no dia 17 de dezembro, quando Mohamed Bouazizi, um vendedor ambulante - com diploma universitário -, teve sua mercadoria apreendida pela polícia. Desesperado, ele ateou fogo ao corpo e morreu. Imediatamente, Bouazizi virou um símbolo para os tunisianos cansados da corrupção de funcionários públicos, da inflação galopante, do desemprego e da repressão do governo.
As marchas começaram na capital Túnis, mas rapidamente se espalharam para as principais cidades do país. Desde o início, a polícia respondeu com violência. De acordo com cifras oficiais, 23 pessoas morreram nas últimas quatro semanas, mas organizações de defesa dos direitos humanos dizem que o número de vítimas é pelo menos três vezes maior.
Na quinta-feira, a população enfurecida ocupou as ruas de Túnis, incendiando carros, agências bancárias, e expulsou a polícia do balneário de Hammamet, no Mediterrâneo, refúgio da elite local e um dos pontos mais procurados por turistas que visitam o país.
Ben Ali sentiu o golpe e tentou conter os protestos com medidas de urgência. Na noite de quinta-feira, ele decretou estado de emergência, com toque de recolher entre 6 horas e 18 horas, proibiu reuniões em vias públicas e autorizou a polícia a disparar contra qualquer "suspeito" que resistisse à prisão.
Ontem pela manhã, o presidente destituiu o gabinete, convocou novas eleições legislativas em seis meses e prometeu não se candidatar à reeleição em 2014. Em seguida, em claro sinal de desespero, prometeu que os preços do açúcar, do leite e do pão seriam reduzidos.
No poder desde 1987, Ben Ali estava no quinto mandato de cinco anos. Em 2009, ele venceu as eleições com cerca de 90% dos votos. No Ocidente, a Tunísia era considerada um dos países mais estáveis do Norte da África e uma importante aliada dos EUA na luta contra o terrorismo.
Moderação. O país tem um perfil diferente de outros vizinhos árabes. A Tunísia tem uma classe média bastante representativa. As tunisianas não são obrigadas a usar véus e possuem uma série de liberdades civis, incluindo acesso a métodos anticoncepcionais, divórcio e direito a voto.
Ao longo dos anos, o governo de Ben Ali investiu bastante em educação, defendeu intransigentemente o secularismo e manteve afastado o extremismo islâmico. A política educacional, contudo, acabou se voltando contra o presidente.
Jovens universitários se tornaram os protagonistas dos distúrbios, utilizando redes sociais, como Facebook e Twitter, para organizar os protestos e fazer circular vídeos dos confrontos com a polícia. Para inflamar a multidão, alguns manifestantes citaram telegramas secretos da Embaixada dos Estados Unidos em Túnis, vazados pelo site WikiLeaks, que citavam casos de corrupção no governo.
Para acalmar os ânimos, o primeiro-ministro da Tunísia, Mohamed Ghannouchi, fez ontem um pronunciamento em cadeia nacional para dizer que estava assumindo interinamente o governo.
"Peço aos filhos e filhas da Tunísia que demonstrem espírito de patriotismo e unidade para ajudar o país a superar esta fase difícil e restaurar sua estabilidade", disse.

TALIBANS (Estudantes) DA TUNÍSIA DERRUBAM GOVERNO TÍTERE.

MERECIDA A DERRUBADA DO EX-LIDER SIONISTA TUNISIANO, COOPERAVA COM O SIONISMO INTERNACIONAL E TAMBÉM COM OS ESTADOS UNIDOS NA FARSA AO COMBATE DO TERRORISMO DA "AL QAEDA", ORGANIZAÇÃO TERRORISTA CRIADA POR HOLLYWOOD, PARA JUSTIFICAR, AÍ SIM, O VERDADEIRO TERRORISMO INTERNACIONAL CONTRA OS MUÇULMANOS.
EXEMPLO QUE DEVERIA SER SEGUIDO POR OUTROS POVOS, QUANDO CONSTATADA A COOPERAÇÃO AOS SIONISTAS.
OS SIONISTAS PROPAGAM A DOMINAÇÃO A TODOS OS POVOS LIVRES DO MUNDO, O PRIMEIRO PAÍS A SER DOMINADO FOI OS ESTADOS UNIDOS.
SARKOSÍ, O HITLER FRANCES, JÁ ESTÁ PREPARANDO A INTERVENÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DO FUJÃO, PARA COLOCAR OUTRO ALIADO DO SIONISMO INTERNACIONAL NO PODER, A EXEMPLO DO QUE FIZERAM EM HONDURAS.
TALIBANS TUNISIANOS, QUE, QUER DIZER ESTUDANTES TUNISIANOS, USANDO O TWITTER E SIMILARES, FORAM A MOLA MESTRA NA DERRUBADA DO TÍTERE SIONISTA.

REPORTAGEM E HISTÓRICO DA DERRUBADA ABAIXO:

Revolta popular derruba governo da Tunísia e presidente foge do país
Onda de protestos. Após um mês de violentas manifestações contra corrupção, desemprego e falta de liberdade política, ditador tunisiano, que estava no poder havia 23 anos, não resiste; é a primeira vez que manifestações destituem o líder de um país árabe
NYT, REUTERS, AP e AFP - O Estado de S.Paulo
Violentos protestos derrubaram ontem o presidente da Tunísia, Zine el-Abidine Ben Ali, que há 23 anos comandava um regime repressivo. É a primeira vez que um movimento popular destitui um líder árabe. Funcionários do governo e diplomatas franceses informaram que Ben Ali fugiu do país, mas seu paradeiro é desconhecido. O premiê Mohamed Ghannouchi fez discurso em cadeia nacional para dizer que assumiu interinamente o país.
Os protestos que derrubaram Ben Ali começaram no dia 17 de dezembro, quando Mohamed Bouazizi, um vendedor ambulante - com diploma universitário -, teve sua mercadoria apreendida pela polícia. Desesperado, ele ateou fogo ao corpo e morreu. Imediatamente, Bouazizi virou um símbolo para os tunisianos cansados da corrupção de funcionários públicos, da inflação galopante, do desemprego e da repressão do governo.
As marchas começaram na capital Túnis, mas rapidamente se espalharam para as principais cidades do país. Desde o início, a polícia respondeu com violência. De acordo com cifras oficiais, 23 pessoas morreram nas últimas quatro semanas, mas organizações de defesa dos direitos humanos dizem que o número de vítimas é pelo menos três vezes maior.
Na quinta-feira, a população enfurecida ocupou as ruas de Túnis, incendiando carros, agências bancárias, e expulsou a polícia do balneário de Hammamet, no Mediterrâneo, refúgio da elite local e um dos pontos mais procurados por turistas que visitam o país.
Ben Ali sentiu o golpe e tentou conter os protestos com medidas de urgência. Na noite de quinta-feira, ele decretou estado de emergência, com toque de recolher entre 6 horas e 18 horas, proibiu reuniões em vias públicas e autorizou a polícia a disparar contra qualquer "suspeito" que resistisse à prisão.
Ontem pela manhã, o presidente destituiu o gabinete, convocou novas eleições legislativas em seis meses e prometeu não se candidatar à reeleição em 2014. Em seguida, em claro sinal de desespero, prometeu que os preços do açúcar, do leite e do pão seriam reduzidos.
No poder desde 1987, Ben Ali estava no quinto mandato de cinco anos. Em 2009, ele venceu as eleições com cerca de 90% dos votos. No Ocidente, a Tunísia era considerada um dos países mais estáveis do Norte da África e uma importante aliada dos EUA na luta contra o terrorismo.
Moderação. O país tem um perfil diferente de outros vizinhos árabes. A Tunísia tem uma classe média bastante representativa. As tunisianas não são obrigadas a usar véus e possuem uma série de liberdades civis, incluindo acesso a métodos anticoncepcionais, divórcio e direito a voto.
Ao longo dos anos, o governo de Ben Ali investiu bastante em educação, defendeu intransigentemente o secularismo e manteve afastado o extremismo islâmico. A política educacional, contudo, acabou se voltando contra o presidente.
Jovens universitários se tornaram os protagonistas dos distúrbios, utilizando redes sociais, como Facebook e Twitter, para organizar os protestos e fazer circular vídeos dos confrontos com a polícia. Para inflamar a multidão, alguns manifestantes citaram telegramas secretos da Embaixada dos Estados Unidos em Túnis, vazados pelo site WikiLeaks, que citavam casos de corrupção no governo.
Para acalmar os ânimos, o primeiro-ministro da Tunísia, Mohamed Ghannouchi, fez ontem um pronunciamento em cadeia nacional para dizer que estava assumindo interinamente o governo.
"Peço aos filhos e filhas da Tunísia que demonstrem espírito de patriotismo e unidade para ajudar o país a superar esta fase difícil e restaurar sua estabilidade", disse.
Protestos continuam na Tunísia após fuga do presidente Ben Ali
Depois de renunciar, o presidente foi recebido da Arábia Saudita; chefe do parlamento deverá assumir o cargo.

15 de janeiro de 2011 | 13h 09

Tanques e soldados guardam os prédios do governo em Túnis

A capital da Tunísia permanece sob tensão depois que o presidente Zine al-Abidine Ben Ali renunciou ao cargo e deixou o país. Tanques e soldados do exército mantém a guarda nos prédios do governo em meio às manifestações.

Na manhã deste sábado, a situação se agravou quando uma prisão na cidade de Monastir pegou fogo, matando mais de 40 pessoas, segundo testemunhas. Dezenas de prisioneiros escaparam.

Na última sexta-feira, o presidente Ben Ali renunciou após 23 anos no poder. Em comunicado, o primeiro-ministro Mohammed Ghannouchi disse que ele estava temporariamente incapaz de exercer o cargo.

A renúncia de Ben Ali, que foi o segundo presidente da Tunísia após a independência da França, ocorreu depois que o governo decretar estado de emergência e um toque de recolher enquanto milhares de manifestantes protestavam no centro da capital, Túnis.

Segundo correspondentes, soldados do exército estão patrulhando o centro da cidade, que foi fechado por causa do estado de emergência.

Confusão política

O primeiro-ministro Mohammed Ghannouchi, que assumiu a presidência interina na sexta-feira, disse que sua prioridade é restaurar a ordem no país, e pediu o apoio dos cidadãos.

Ghannouchi disse ainda que conversaria com os partidos de oposição para negociar a formação de um novo governo.

"Estamos a serviço do povo tunisiano. Nosso país não merece tudo o que está acontecendo. Precisamos recuperar a confiança no governo", disse o primeiro-ministro.

O correspondente da BBC em Túnis Wyre Davies diz que a população espera indicações de que a administração interina comandará mudanças políticas e econômicas.

No entanto o Conselho Constitucional declarou neste sábado que o chefe do parlamento Foued Mebazaa seria o novo presidente interino do país até as novas eleições, que devem acontecer em 60 dias.

Após o anúncio os protestos foram retomados nas ruas, com a destruição de lojas e supermercados. Segundo Davis, ainda não está claro quem está no comando do país.

O Aeroporto Internacional de Túnis, que foi fechado em meio às tensões na sexta-feira, reabriu neste sábado, liberando centenas de turistas e estrangeiros que estão deixando o país em voos especiais.

Fuga

Durante o último mês, a Tunísia foi tomada por protestos contra o desemprego, o aumento no preço dos alimentos e a corrupção. As forças de segurança, acionadas pelo presidente Ben Ali, abriram fogo contra os manifestantes.

Segundo organizações de direitos humanos, mais de 60 pessoas morreram nas últimas semanas, à medida que os enfrentamentos se tornavam mais violentos.

Ben Ali renunciou na sexta-feira após uma manifestação contra ele em Túnis e deixou o país com a família no mesmo dia.

O governo francês rejeitou o pedido para que o avião com do presidente pousasse na França. Ele reabasteceu em Sardenha, na Itália, e pousou em Jeddah, na Arábia Saudita.

Em comunicado oficial, o palácio saudita disse que "Preocupado com as circunstâncias excepcionais que enfrenta o povo-irmão da Tunísia e em apoio à segurança e estabilidade de seu país, o governo saudita recebeu o presidente Zine al-Abidine Ben Ali e sua família no reino."

Neste sábado, o ministro de Relações Exteriores do Egito disse que estava acompanhando de perto os eventos e que o Egito respeita as escolhas do povo da Tunísia.

A França pediu eleições livres no país assim que possível. Um comunicado do presidente Sarkozy pedia o fim dos protestos violentos.

A Grã-Bretanha, os Estados Unidos e a França pediram a seus cidadãos que não façam viagens ao país, a não ser em casos essenciais.

A onda de manifestações começou em dezembro quando um jovem ateou fogo a si mesmo após ter sido impedido pela polícia de vender vegetais por não ter uma licença. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.


domingo, 9 de janeiro de 2011

Rainha Elizabeth I, saqueia o Brasil

O hábito que ingleses e americanos de saquear nações é antigo, hoje       estão a saquear o Iraque, a Lybia e o Afeganistão, mas ontem e hoje eles saqueam também o Brasil.
...no século XVII A Inglaterra estava próspera naqueles tempos, pois tinham uma poderosa marinha militar e mercante que derrotara os espanhóis. Os piratas ingleses, apoiados pela rainha, saqueavam e navegavam pelo globo. Os Estados Unidos eram da Inglaterra.
Como não falar do lendário Thomas Cavendish, saqueador da Villa de São Vicente, que logo atacou o litoral sul e veio para uma pequena ilha no litoral norte chamada Ilhabela,onde ficou abrigado após saquear e atirar fogo no primeiro munícipio brasileiro. Após saquear São Vicente ele teria chegado a uma praia localizada na ilha cujo o nome ele batizou de Castelhanos. Logo em seguida mobilizou seus homens para esconder o grande tesouro furtado em São Vicente, após o que rumou mata a dentro e escondeu o tesouro numa praia da ilha que tem por nome de Saco do Sombrio. Logo após isto Thomas Cavendish voltou a Castelhanos.
Pelo simples fato de Thomas Cavendish ser um corsário, ou seja, recebia ordens da coroa, teria que retornar a Inglaterra para levar o tesouro a coroa. No entanto, Thomas Cavendish não queria retornar seus homens que logo fizeram um motim onde mataram Cavendish. =FONTE WIKIPÉDIA.=

DEPUTADO INGLÊS TRAFICANTE AMIGO DO PODER


DEPUTADO INGLÊS, AMIGO DA REALEZA TRAFICANTE, ENSINOU FILHO E NETO A TRAFICAR.
TONY BLAIR TEVE A QUEM PUXAR, OS INGLESES HOJE ASSALTAM NO AFEGANISTÃO, NO IRAQUE E NA LYBIA, ONTEM E HOJE ASSALTAM NO BRASIL.
O primeiro corsário a navegar em águas brasileiras foi William Hawkins, notório traficante de escravos, membro do Parlamento e amigo do rei Henrique VIII. Entre 1530 e 1532, ele fez três lucrativas viagens ao Brasil, levando numa delas, para Londres, um cacique - "um autêntico rei brasileiro" . Seu filho, John Hawkins, e seu neto, Richard, seguiram a tradição e também fizeram vantajosas incursões nos mercados negreiros da Guiné e do Brasil.
O primeiro ataque pirata ao litoral brasileiro foi comandado pelos filibusteiros Robert Withrington e Christopher Lister. Por seis semanas, de abril a junho de 1587 eles assolaram o Recôncavo Baiano. Só foram rechaçados porque o governador Cristóvão de Barros teve ajuda de "índios flecheiros". Em 29 de março de 1595 James Lancaster tomou o porto do Recife e lá permaneceu por 31 dias, carregando seus três navios e outros 12 que "alugou" de franceses e holandeses que ali encontrou com tudo o que pôde saquear. Foi a mais lucrativa das pilhagens ao Brasil, superando até o butim que o infame capitão Bartholomew Roberts colheu em 1711 do galeão português que zarpara da Bahia abarrotado de jóias ouro e açúcar.

sábado, 8 de janeiro de 2011

DIREITO INALIENÁVEL

 


MOHAMAD ALI
NEM DIREITA, NEM ESQUERDA, SOU DO DIREITO.

NEM TEL AVIV, NEM WASHINGTON, NEM ROMA, NEM MOSCOW, NEM NOVA IORQUE, NEM LONDRES, NEM PARIS, NEM AMSTERDAM, NEM RIAD, SOU DE BRASÍLIA-BRASIL – AMÉRICA LATINA, AMELHOR TERRA DO MUNDO.

RADICALMENTE CONTRA A PENA DE MORTE, RADICALMENTE CONTRA O TERRORISMO, RADICALMENTE CONTRA DITADURAS, RADICALMENTE CONTRA O SIONISMO (que é sinônimo de nazismo, mas em maquiavelismo, está a superá-lo, o nazismo agia às claras, o sionismo é subterrâneo, controla 90% da mídia internacional, empresas e a maioria dos bancos), OU ORGANIZAÇÕES DO GÊNERO.

SOU “LULA”-BRASIL, SOU “CHAVEZ”-VENEZUELA, SOU “MORALES”-BOLÍVIA, SOU “CORREA”-EQUADOR, SOU “CRISTINA”-ARGENTINA, SOU “MUJICA”-URUGUAI, SOU “ZELAYA”-HONDURAS(derrubado com patrocínio sionista), SOU “LUGO”-PARAGUAI, SOU “FIDEL”-CUBA.

SÓ TENHO UM INIMIGO – QUEM É CONTRA O BRASIL E A AMÉRICA LATINA.

--ADMIRADOR DAS IDÉIAS de CHARLES SE GAULE, FRANÇOIS MITERRAND e de JANIO QUADROS, QUE FOI NACIONALISTA DE PRIMEIRA ORDEM.
--SEGUIDOR DE “LULA”, O ÚNICO APÓS GETÚLIO VARGAS, QUE DEU ATENÇÃO E FEZ ALGUMA COISA PELOS BRASILEIROS.
--APOIADOR DE “HUGO CHAVES”, PATRIOTA DE ORDEM MÁXIMA, QUE FAZ TUDO PELOS VENEZUELANOS.
Fã incondicional do judeu Kaniuk, autor da célebre frase -- "Se isso é judaismo então não quero ser judeu", Kaniuk.Escritor judeu.
== "ESPANTADO" COM A CORAGEM DE "HELEN THOMAS" - PELA DECLARAÇÃO DENTRO DO NINHO SIONISTA - HELEN THOMAS – JORNALISTA “NUMBER ONE” DOS AMERICANOS A ÚNICA COM CADEIRA CATIVA, DESDE 1960, NA SALA DE IMPRENSA DA SEDE DO PODER DOS ESTADOS UNIDOS, ACOMPANHOU 10 PRESIDENTES AMERICANOS, DE KENNEDY A OBAMA, E TINHA LUGAR FIXO NA PRIMEIRA FILA ENTRE OS JORNALISTAS
Num inusitado desabafo em entrevista no fim de Maio\2010, Helen Thomas, disse que os israelitas deviam “sair da Palestina” e, nas suas palavras, voltar “para casa” para a Alemanha, a Polônia ou os Estados Unidos, corroborando tudo que disse o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejadm logo que tomou posse no inicio de seu Governo.

NÃO SOU CONTRA OS JUDEUS, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA OS AMERICANOS, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA OS FRANCESES, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA OS INGLESES, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA OS JAPONESES, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA OS ALEMÃES, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA A MÍDIA, E SIM CONTRA QUEM A DOMINA E CONTROLA(sionismo).

NÃO SOU CONTRA AS RELIGIÕES, E SIM CONTRA QUEM AS DESVIRTUA, CONTROLA E AS USA, MUITAS VEZES PARA SE LOCUPLETAR FINANCEIRAMENTE E TRANSFORMANDO-AS EM EMPRESAS, TIRANDO-LHES A OBJETIVIDADE E O PAPEL PARA O QUAL FORAM CRIADAS, A PROPÓSITO, A RELIGIÃO MUÇULMANA É A ÚNICA QUE NÃO ADOTA O DÍZIMO, E AO CONTRÁRIO DO QUE SEUS DETRATORES ESPALHAM, A PRIMEIRA MULHER LIVRE DO MUNDO É A MUÇULMANA, ELA TEM DIREITO AO DIVÓRCIO, INDEPENDENTEMENTE DO MARIDO ACEITAR OU NÃO, DESDE O ANO 632 D.C., NO BRASIL O DIVÓRCIO FOI ADOTADO EM 1977(com forte oposição dos cristãos, Nelson Carneiro que o diga, lutou décadas pelo divórcio), 1.345 ANOS DEPOIS.

A "MÁFIA DA MÍDIA" SIONISTA, EXPRESSÃO POPULARIZADA PELO IMINENTE TEÓLOGO, "LEONARDO BOFF", ACUSA AINDA OS MUÇULMANOS INDEVIDA E INJUSTAMENTE, QUANTO AO APEDREJAMENTO E A POLIGAMIA, QUANTO AO APEDREJAMENTO - Adultério -Bíblia, a lei mosaica determinava a pena de apedrejamento de quem fosse pego praticando o adultério, o que foi adotado pelos judeus, inclusive na época de Jesus Cristo (ver Levítico 20:10). E mais tarde também adotada pelos muçulmanos. Entretanto, como a lei de Moisés admitia a poligamia masculina e o divórcio (Deuteronômio 24:1), a configuração do delito era geralmente caracterizada quando uma mulher casada mantinha relações com um outro homem que não fosse o seu marido.
PORTANTO, AS LEIS DO APEDREJAMENTO E DA POLIGAMIA, SÃO "JUDAICO-CRISTÃS", OS MUÇULMANOS AS ADOTARAM QUASE 2000 ANOS APÓS O SEU ADVENTO.

O BRASIL É UM ESTADO LAICO, A EXEMPLO DO IRAQUE DE SADAM HUSSEIN, TAMBÉM ERA LAICO, HOJE NÃO É MAIS (na era SADAM HUSSEIN, viviam no Iraque 1,5 milhões de Cristãos, após a invasão perpetrada pelos Sionistas e Americanos, reduziram-se, a pouco mais de 500 mil).

O BRASIL É O MELHOR DO MUNDO, O PRIMEIRO MUNDO NÃO TEM ESCOLA PÚBLICA, O BRASIL TEM, O PRIMEIRO MUNDO NÃO TEM HOSPITAIS PÚBLICOS, O BRASIL TEM, O PRIMEIRO MUNDO NÃO CUIDA DE SEUS POBRES, O BRASIL CUIDA, O PRIMEIRO MUNDO TEM PENA DE MORTE, O BRASIL NÃO TEM, O PRIMEIRO MUNDO DISCRIMINA TODO MUNDO, O BRASIL NÃO DISCRIMINA NINGUÉM, O PRIMEIRO MUNDO NÃO TEM “LULA”, O BRASIL TEM, O PRIMEIRO MUNDO NÃO TEM “CHAVEZ”, A VENEZUELA TEM.

E O MELHOR, VIVO E MORO NO BRASIL-AMÉRICA LATINA.

NEM DIREITA, NEM ESQUERDA, SOU DO DIREITO

MOHAMAD ALI

NEM DIREITA, NEM ESQUERDA, SOU DO DIREITO.

NEM TEL AVIV, NEM WASHINGTON, NEM ROMA, NEM MOSCOW, NEM NOVA IORQUE, NEM LONDRES, NEM PARIS, NEM AMSTERDAM, NEM RIAD, SOU DE BRASÍLIA-BRASIL – AMÉRICA LATINA, AMELHOR TERRA DO MUNDO.

RADICALMENTE CONTRA A PENA DE MORTE, RADICALMENTE CONTRA O TERRORISMO, RADICALMENTE CONTRA DITADURAS, RADICALMENTE CONTRA O SIONISMO (que é sinônimo de nazismo, mas em maquiavelismo, está a superá-lo, o nazismo agia às claras, o sionismo é subterrâneo), OU ORGANIZAÇÕES DO GÊNERO.

SOU “LULA”-BRASIL, SOU “CHAVEZ”-VENEZUELA, SOU “MORALES”-BOLÍVIA, SOU “CORREA”-ECUADOR, SOU “CRISTINA”-ARGENTINA, SOU “MUJICA”-URUGUAI, SOU “ZELAYA”-HONDURAS, SOU “LUGO”-PARAGUAI, SOU “FIDEL”-CUBA, SOU “Michelle Bachelet”-CHILE.

SÓ TENHO UM INIMIGO – QUEM É CONTRA O BRASIL E A AMÉRICA LATINA.

ADMIRADOR DAS IDÉIAS DE JANIO QUADROS-FOI NACIONALISTA DE PRIMEIRA ORDEM.
SEGUIDOR DE “LULA”, O ÚNICO APÓS GETÚLIO VARGAS, QUE DEU ATENÇÃO E FEZ ALGUMA COISA PELOS BRASILEIROS, A EXEMPLO DE “HUGO CHAVES”, PATRIOTA DE ORDEM MÁXIMA, QUE FAZ TUDO PELOS VENEZUELANOS.

NÃO SOU CONTRA OS JUDEUS, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA OS AMERICANOS, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA OS FRANCESES, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA OS INGLESES, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA OS JAPONESES, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA OS ALEMÃES, E SIM CONTRA QUEM OS DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA A MÍDIA, E SIM CONTRA QUEM A DOMINA E CONTROLA(sionismo), NÃO SOU CONTRA AS RELIGIÕES, E SIM CONTRA QUEM AS DESVIRTUA, CONTROLA E AS USA, MUITAS VEZES PARA SE LOCUPLETAR FINANCEIRAMENTE E TRANSFORMANDO-AS EM EMPRESAS, TIRANDO-LHES A OBJETIVIDADE E O PAPEL PARA O QUAL FORAM CRIADAS, A PROPÓSITO, A RELIGIÃO MUÇULMANA É A ÚNICA QUE NÃO ADOTA O DÍZIMO, E AO CONTRÁRIO DO QUE SEUS DETRATORES ESPALHAM, A PRIMEIRA MULHER LIVRE DO MUNDO É A MUÇULMANA, ELA TEM DIREITO AO DIVÓRCIO, INDEPENDENTEMENTE DO MARIDO ACEITAR OU NÃO, DESDE O ANO 632 D.C., NO BRASIL O DIVÓRCIO FOI ADOTADO EM 1977(com forte oposição dos cristãos,Nelson Carneriro que o diga), 1.345 ANOS DEPOIS.

O BRASIL É UM ESTADO LAICO, A EXEMPLO DO IRAQUE DE SADAM HUSSEIN, TAMBÉM ERA LAICO, HOJE NÃO É MAIS (na era SADAM HUSSEIN, viviam no Iraque 1,5 milhões de Cristãos, após a invasão perpetrada pelos Sionistas e Americanos, reduziram-se, a pouco mais de 500 mil).

O BRASIL É O MELHOR DO MUNDO, O PRIMEIRO MUNDO NÃO TEM ESCOLA PÚBLICA, O BRASIL TEM, O PRIMEIRO MUNDO NÃO TEM HOSPITAIS PÚBLICOS, O BRASIL TEM, O PRIMEIRO MUNDO NÃO CUIDA DE SEUS POBRES, O BRASIL CUIDA, O PRIMEIRO MUNDO TEM PENA DE MORTE, O BRASIL NÃO TEM, O PRIMEIRO MUNDO DISCRIMINA TODO MUNDO, O BRASIL NÃO DISCRIMINA NINGUÉM, O PRIMEIRO MUNDO NÃO TEM “LULA”, O BRASIL TEM, O PRIMEIRO MUNDO NÃO TEM “CHAVEZ”, A VENEZUELA TEM.

E O MELHOR, VIVO E MORO NO BRASIL-AMÉRICA LATINA.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

ISRAEL PRATICA ATROCIDADES CONTRA PALESTINOS-"Gulf News"


BY: ABDUL HAMID AHMAD - EDITOR CHEFE DA GULF NEWS

Gulf News © denucia atrocidades camufladas pela mídia ocidental e árabe

difusão ocidental e jornalismo impresso tem sido subvertida por extremistas de direita, interessados na fabricação de uma boa imagem para Israel, enquanto a demonizar o povo palestino

Por Bouthaina Shaaban, políticos e mediáticos assessor do Presidente da Síria
• Publicado em: 00:00 04 de janeiro de 2011
• Crédito da imagem: Ilustração: José Heredia Nino / Gulf News ©

No passado foram usadas imagens dos países conforme o que as pessoas nesses países produziram em termos de desenvolvimento, inovação, ciência e arte.Essa imagem foi uma decorrência natural das conquistas e do trabalho feito nesses países para o benefício de seu povo e outros povos também.
Mas desde que as forças, conhecidas por sua extrema-direita, assumiram o controle da transmissão no mundo, da mídia impressa e eletrônica, o que passou a ser um fator importante na formação de uma imagem positiva ou negativa dos países de acordo com seus interesses, e desta maneira, as políticas e ideologias extremistas começaram a formar a imagem de muitos países.

Esse problema foi exacerbado pela revolução da mídia na medida em que se tornou difícil, em muitos casos, para chegar à verdade ou a discernir a realidade e distingui-la da imagem que é deliberadamente fabricada, às vezes, em desacordo, ou em acentuado contraste, com a realidade.
Forças de direita no Ocidente,que perceberam o papel da mídia, tem exercido um monopólio sobre os meios de comunicação (60 por cento dos meios de comunicação britânicos, por exemplo, é propriedade de uma pessoa). É por isso que a mídia se transformou, nos últimos anos, em uma ferramenta de guerra, agressão, tortura, falsificação e para justificar os crimes dos tiranos.

E é por isso que, em relação aos árabes "sua imagem está sendo fabricado por seus inimigos, enquanto a imagem de Israel manteve-se de« um oásis de democracia ", embora lança guerras e genocídios e práticas de limpeza étnica contra o povo palestino.
O mundo árabe é uma vítima do modelo da era da tecnologia da informação, apesar do fato de que possui o maior número de estações de televisão por satélite no mundo, em proporção à sua população, mas o número de estações de satélite não significa a existência de uma estratégia ou que estas estações refletem as causas desses países ou apresentam essas causas a nível local e global, de forma adequada e útil.
O problema atingiu um nível em que se tornou difícil para os observadores que estão de fora da mídia árabe uma avaliação real da causa árabe e seu papel esperado de apoio a estas causas.
Por exemplo, esses dias será o segundo aniversário da brutal agressão israelense na Faixa de Gaza, enquanto as vítimas dessa agressão ainda estão desabrigadas em consequência do contínuo e criminoso bloqueio israelense.
No entanto, pontos de mídia árabes não têm nem se preocupado com o aniversário ou exposto a continuação dos crimes israelenses contra o povo palestino na Faixa de Gaza, Hebron, Negev, Lod e Nablus, apesar do apoio crescente de pessoas com a consciência livre na Turquia, Europa, Ásia e América do Sul que tentam quebrar este bloqueio racista.
Neste quadro, a chegada do navio no porto Mavi Marmara Istanbul constituiu-se um excelente evento palestino. O povo de Istambul correu para o navio que tinha levado os mártires da liberdade, enquanto agitavam bandeiras palestinas por toda parte.
O arcebispo exilado da Jerusalém ocupada, Hilarion Capucchi, fez um discurso comovente, especialmente quando afirmou a sua determinação para ver Jerusalém desocupada em sua vida, e quando as pessoas repetiam “Allahu Akbar”(DEUS É GRANDE) depois dele, em uma cena na qual todas as diferenças religiosas desapareceram pela causa de ganhar a liberdade e dignidade para o povo palestino.
Sem cobertura
Este episódio não foi transmitido em uma única estação de satélite árabe, apesar do fato de que representa a fraternidade histórica entre cristãos e muçulmanos e que constitui um modelo para ação conjunta entre as religiões contra a ocupação e a injustiça. Isto coincidiu com um número crescente de países na América do Sul reconhecendo o Estado da Palestina.
Também coincidiu com o anúncio do lançamento da 2 ª Flotilha em 31 de maio, o primeiro aniversário do massacre perpetrado pelo grupo de Lieberman-Barak-Netanyahu contra os civis desarmados na flotilha levando alimentos, remédios e cadeiras de rodas para Gaza no ano passado.
Os ativistas espanhóis construíram um monumento memorial em Mavi Marmara, em comemoração aos nove mártires da flotilha, mortos a sangue frio, por soldados israelenses em águas internacionais. Os ativistas espanhóis também estão planejando enviar dois navios de ajuda para romper o bloqueio de Gaza nesta primavera.
Também coincidiu com o lançamento do comboio de ajuda da Ásia, uma campanha organizada pela Ásia para quebrar o bloqueio de Gaza. Inclui 120 ativistas de 15 países asiáticos e começou a partir do porto Lattakia na Síria, no sábado.
Todas essas ações, que mostram o crescente apoio dos povos livres do mundo para o direito do povo palestino de alcançar a salvação da opressão de Israel, não conseguiu o espaço que merece na mídia internacional, o que é compreensível à luz do monopólio do dinheiro de Israel sobre meios de comunicação ocidentais, nem, infelizmente, na mídia árabe.
Em vez disso, veicularam recentemente na TV programas voltados para o crescimento da população na Palestina, que é o cenário de horror sionista utilizados pelos líderes israelenses para encorajar os judeus em todo o mundo a imigrar para Israel e tornarem-se colonos criminosos que matam e expulsam os palestinos nativos.
Esta imagem reflete a doutrina racista sionista, que priva os palestinos de seu direito natural de viver em sua terra e têm a sua própria cultura, costumes e aspirações. Se tais crimes não são mostrados na mídia árabe para se tornar parte da consciência de todas as gerações árabes, como podemos esperar que o mundo saiba sobre os crimes da ocupação israelense? Se o mundo está ciente desses crimes, veremos que a maioria das pessoas não aceita uma casa destruída, uma família deslocada, uma oliveira desenraizada, ou uma criança ou mulher presa.
Os palestinos têm mostrado firmeza lendária por mais de 63 anos na cara do poder mais brutal e agressivo na história da humanidade. Eles sacrificam a sua vida e o futuro de seu país. Não merecem de todos nós que contemos a verdadeira história de sua luta por liberdade e justiça para todos os povos livres do mundo?